História Anjos da Noite °Vkook° - Capítulo 39


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Anjos Da Noite, Bts, Jungkook, Taehyung, Vkook, Yaoi
Visualizações 168
Palavras 2.728
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Ficção, Lemon, Luta, Mistério, Romance e Novela, Violência, Yaoi
Avisos: Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Spoilers, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Ooi gente, faz um tempinho que não apareço rsrsrs.. digamos que não tenho andando muito bem, mas porém já passou.
A questão é o seguinte, eu não estou conseguindo muito tempo pra escrever, as coisas andam meio complicadas.
Só espero que não tenham desistido da fic.
Obrigada amores
Boa leitura ♥

Capítulo 39 - Capítulo 38


Jungkook

Estava tão feliz, Taehyung estava progredindo e muito, eu acompanhava tudo, não queria deixar ele sozinho, eu me recusava a sair de perto dele, não sou do tipo de pessoa possessiva, estou longe disso, eu acho, bom... eu sou um pouco ciumento sim, mas é bem pouco, tipo pouco mesmo... aish deixa isso pra lá.

Estamos pensando em voltar para a Coréia, não acho uma boa idéia continuarmos aqui, principalmente porque o pai de Taehyung está aqui em Tóquio também, vai que por acaso nós encontramos ele, eu espero que isso não aconteça tão cedo, mas isso pode acontecer a qualquer hora, e acho melhor evitarmos isso, não quero mais nenhuma morte, Taehyung já sofreu demais e se mais alguma coisa acontecer não sei se vai ser possível trazê-lo de volta mais uma vez, é uma coisa bastante complicada, não é mesmo? Só não quero que mais ninguém sofra, já perdemos pessoas suficientes por causa disso, quando o meu moreno voltar ao normal, não sei como vai reagir quando contarmos que ele matou várias pessoas.

Sei que vai ser difícil, mas independente de tudo eu estarei ao seu lado, nossos amigos também, não deixarei nada acontecer com ele, mas fora isso, estou com um mau pressentimento, como se algo fosse acontecer, mas não sei o que é.

 – Jungkook temos visitas. – Namjoon aparece de repente.

 – Quem é? – pergunto.

 – Venha logo, preciso que apenas venha. – ele fala e eu fico quieto, apenas sigo ele, onde tem um homem de cabelos laranjas e um porte físico ótimo.

 – Não estou entendendo nada.

 – Eu só vim para dar um recado, o senhor Kim Lee, não está nada contente de vocês terem pego o filho dele, então veio informar, por meio deste recado, que ou vocês devolvem Kim Taehyung ou estará declarado guerra. – ele fala por fim.

Eu olho para Namjoon com os olhos arregalados, não sabia que as coisas poderiam piorar, só sei que estamos ferrados, muito ferrados, o que farei? Olho para Namjoon e o mesmo tinha um semblante calmo, como alguém pode estar calmo num momento deste? Ele olha para mim e depois sua atenção volta ao homem à nossa frente.

 – Diga para o senhor Kim Lee, que não daremos Taehyung para ele, e se ele quiser guerra, é guerra que ele terá.

Eu não acredito no que Namjoon acabou de dizer... ele está perdendo o juízo por acaso?

 – Namjoon – o repreendo.

 – Que é Jeon? – ele fala irritado, meu Deus, ele me chamou de Jeon, pelo jeito a coisa está feia mesmo. – Você quer entregar Taehyung para aquele homem? Aquele que deixou Taehyung naquele estado? Anda Jeon me responda.

 – Mas é claro que não, eu não entregaria Taehyung nem que isso dependesse da minha vida, mas não acha que está sendo precipitado declarando guerra?

 – Mas é claro que não, eu farei de tudo para que Taehyung fique conosco, nem que pra isso, a guerra seja necessária – ele dá um suspiro. – E você, avise seu chefe, que se é guerra que ele quer, é guerra que ele terá, agora vaza daqui – completa e o homem de repente some, me deixando confuso, ele também era vampiro?

Mas isso não importa agora, eu estou preocupado com outra coisa.

 – O que faremos agora? – pergunto para Namjoon que até então estava pensativo.

 – Eu sinceramente, não sei, temos que achar aliados.

 – E onde conseguiremos isso?

 – Eu tenho contato com alguns vampiros anciões.

 – Não sabia disso.

 – Mas é claro que não, isso não é coisa que se fique comentando, imagine se alguém descobre, seria um problema grande.

 – Você tem razão.

 – Você sabe que nada será fácil a partir de agora não é mesmo? – Namjoon fala.

 – Como assim?

 – Quando começarmos a procurar aliados, eles também começarão, e essa guerra irá causar muitas mortes, espero que esteja ciente disso.

 – Eu sei, nada será fácil à partir de agora.

 – Eu vou ver como o Taehyung está.

 – Tudo bem.

Ele me deixa só, estou inseguro, o que acontecerá a partir de agora? Só espero que nada aconteça a nenhum de nós, o que eu menos quero é alguém ferido, sei que vai ser difícil pois sempre alguém sai ferido de uma luta, mas só espero que não seja tão cedo assim.

Vou até meu quarto e pego um álbum que eu guardo há muito tempo, abro-o e vejo minhas fotos de quando eu ainda era humano, eu parecia ser feliz, pelo menos é o que aparenta nas fotos, depois que eu me tornei vampiro nunca mais fui atrás de minha família, motivo? Bom, a idéia de que eu podia machucá-los não me deixava vê-los, mas eu sempre os observava de longe, eu senti muita falta deles, mas tudo se supera com o tempo, pelo menos eu superei, não completamente, mas superei.

 – Bonitas fotos – eu me assusto de imediato e vejo quem a pessoa que está comigo.

 – T-Taehyung? O que está fazendo aqui?

 – Namjoon me tirou de lá, então eu estava andando pela casa e te vi aqui, então eu vim saber o que tanto olhava – ele fala dando de ombros.

 – Entendi.

 – É você quando mais novo? – ele pergunta.

 – Sim, sou eu quando ainda era humano.

 – Sua família? – fala mostrando uma foto que eu estava com meus pais e meu irmão mais velho.

 – É.

 – Sente falta deles?

 – A princípio eu sentia, mas agora não sinto mais – falo.

 – Entendo, eles pareciam ser boas pessoas.

 – E eram.

Ele ficou olhando para minhas fotos, via como seus olhos brilhavam e como um sorriso crescia em seus lábios, definitivamente ele estava melhor.

 […]

Kim Lee

 – Ele disse isso?

 – Sim chefe – meu subordinado fala.

 – Por favor saía – falo, ele se curva e depois sai, me deixando só.

Mas não acredito na ousadia desse tal Kim Namjoon, ele está achando que está se metendo com quem? Será que ele não preza pela vida dele? Ah, mas ele vai se arrepender, ah se vai, mas agora preciso encontrar aliados para se juntar à mim.

 – Pelo jeito as coisas vão ficar interessantes a partir de agora – falo comigo mesmo, abrindo um sorriso maléfico em meus lábios.

Mas quem eu convidarei para se aliar a mim? Hum.. Tenho que descobrir quem odeia aqueles dois, para que me ajude de uma vez por todas a acabar com eles, talvez não seja tão difícil achar inimigos deles, aqui em Tóquio soube que há vários vampiros antigos, quem sabe eles não me ajudam, preciso conversar com eles sobre este assunto.

 – G-Dragon – chamo meu subordinado.

 – Me chamou chefe? – ele pergunta adentrando a minha sala.

 – Pelo o que parece sim, eu lhe chamei, vamos temos que ir visitar umas pessoas.

 – E que pessoas seriam? – pergunta curioso.

 – Algumas que darão um fim de uma vez por todas naqueles dois que me desafiaram, ninguém que me desafia sai ileso – falo irritado, não gosto de ficar lembrando na ousadia daqueles dois.

 – Entendo – depois disso saímos de meu escritório.

Moro em uma ‘casa’ em Tóquio a mais ou menos 2 meses, estava tudo a mil maravilhas, Taehyung ter desligado à sua humanidade foi a melhor coisa que já me aconteceu, isso colaborou muito, vamos dizer que aproveitei este momento para que ele se livrasse de certo “encostos” pra mim e ele fazia com o maior prazer, mas tudo mudou por causa daqueles desgraçados que descobriram nossa localização e resolveram vir atrás de nós, eu tentei fazer com que eles não achassem meu filho, mas como o destino adora me atazanar, enfim eles o encontraram, mas por pouco tempo.

Paramos próximos ao carro, onde o motorista já nos esperava, entramos no mesmo e o motorista fez o mesmo.

 – Para onde senhor? – ele me pergunta.

 – Vamos para Kabukicho – falo e ele logo dá partida no carro.( Esse nome realmente existe, é conhecido como a maior área vermelha no Japão.)

Durante o percurso, ninguém ousou falar nada, também não havia necessidade para isso, fico vendo a cidade pelo vidro do carro, prédios grandes, parte luxuosa, enfim tudo de bom, mas logo a paisagem começa a mudar, favelas, boates, prostituição, um lugar realmente desagradável, mas era perfeito para encontrar pessoas do porte que estava precisando, logo o motorista parou o carro e ele encarou a casa a sua frente.

 – Chegamos senhor – ele fala e depois sai do automóvel, abrindo à porta para mim.

 – Quero que me espere aqui – falo autoritário e o mesmo assente positivo.

 – O que estamos fazendo aqui? – G-Dragon pergunta com um semblante confuso.

 – O que mais seria? Viemos achar aliados, por isso estamos aqui, mas eu não lhe devo explicação nenhuma, então apenas faça o que eu mandar – falo curto e grosso.

 – Sim senhor, como quiser – é assim que eu gosto que não me critiquem e apenas façam, sem soltar um pio.

Entramos no estabelecimento, o cheiro de sangue impregnava minhas narinas e eu sabia que esse era o lugar perfeito para encontrar aliados, todos nos olhavam com uma cara nada boa, mas eu ao menos me importava.

 – O que você quer aqui? – um homem me pergunta de maneira ríspida.

 – Eu quero conversar com você em particular – falo e ele dá um sorriso debochado.

 – Lugares como esse não deviam ser frequentados por pessoas como você – então ele estava achando que eu sou humano? Coitado se ele soubesse que eu posso acabar com todos sem nenhum esforço, vampiros velhos podem até ser experientes, mas os recém-criados são mais fortes que qualquer um.

Cheguei perto de sua orelha e falei em um tom baixo e calmo.

 – Se está achando que eu sou um humano se enganou, sou um vampiro como vocês – quando olho para a face do homem, vejo que o mesmo estava com os olhos arregalados por conta do que eu disse, mas logo abriu um sorriso.

 – Venham comigo – o seguimos indo em direção a uma sala, onde estava reunido um grupo de pessoas, todos eram pálidos, com olhos negros, como se estivessem prontos pra atacar quem os ameaçasse.

 – Quem é esse? – um homem pergunta para o subordinado.

 – Esse senhor é um de nós – quando ele fala isso todos me olham com os olhos arregalados e com um semblante inexpressivo.

 – Ah é? Interessante, nunca soubemos que existia mais de nós por aí, isso é bem curioso – ele fala.

 – Meu nome é Kim Lee – falo e eles meneiam a cabeça.

 – Bom o que querem com a gente?

 – Quero que vocês se aliem à mim.

 – E porque faríamos isso?

 – Pela vida de vocês, porque caso contrário, eu mando matar todos vocês e nem pensem que podem me enfrentar, então qual é a escolha de vocês? – falo e eles estavam todos surpresos.

Eles discutiram sobre isso e ficaram pensando um tempo, até que eles se entreolharam e voltaram sua atenção para mim.

 – Tudo bem, nós aceitamos – falam e eu sorrio, não acredito que está dando certo, meu plano sairá perfeitamente.

 […]

Kim Namjoon 

Meus amigos estavam vindo para me ajudar, Taehyung estava voltando ao normal e Jungkook estava feliz, já eu estava aliviado, meu irmãozinho de consideração estava feliz, isso nenhum dinheiro compra, mas essa coisa de guerra estava me preocupando, não quero derramar sangue de pessoas, mas se for necessário para proteger quem eu amo, eu farei isso, mas somente se for necessário, eu sei que a esta hora, Kim Lee também deve estar procurando aliados e isso pode ser um problema, já que não sei a quem ele está se aliando.

 

  …

E o grande dia de nos enfrentarmos chegou, a casa está cheia de meus amigos e Jungkook, que parece nervoso, eu o entendo, não queria chegar onde chegamos, mas se é necessário não podemos fazer nada.

 – Pronto pra lutar – pergunto quando chego ao lado de Jungkook.

 – Estou… um pouco nervoso – ele fala.

 – Também estou, mas estamos fazendo o certo não é? Afinal depois disso podemos todos viver em paz – sua expressão se suavizou.

 – É, nisso você tem razão, quero viver em paz depois disso, não quero mais ver sangue se derramando.

 – Não acontecerá mais isso, mas antes precisamos vencer. – ele fica sério de repente.

 – E nós vamos ganhar, vamos lutar com todas as nossas forças. – fala determinado.

 – Esse é o espírito, agora vamos, chegou a hora.

Todos nós fomos para fora da casa, mas Jungkook para no caminho e olha para a janela, não estava entendendo nada até que olho na mesma direção que ele, era Taehyung que estava lá, fitava-nos saindo da casa.

 – Não se preocupe, ele vai ficar bem – coloco a mão por cima de seu ombro.

 – Espero que sim.

Fomos até nossos carros e saímos em direção ao lugar que combinamos.

 […]

Taehyung

Estar perto de Jungkook me faz sentir bem, é um sentimento que não consigo explicar, será que estou ficando louco? Acho que não, todos sentem isso como eu? Aish, são tantas dúvidas.

Mas quando eu o vi partindo, meu coração se apertou, minhas lágrimas caíram e quando ele olhou pra mim, pude ver em seus olhos, que estava mais triste que eu, mas depois quando ele entrou em seu carro e saiu, eu queria ter impedido, não quero ficar longe dele, mesmo não lembrando direito de como nos conhecemos.

Sinto minha cabeça latejar, sento em um sofá que tinha no quarto e de repente flashbacks começam a passar por minha mente.

Todos os nossos momentos juntos, desde aquela vez na faculdade que ele me perguntou se eu era gay, como posso ter esquecido tudo isso? Oh meu Deus, eu preciso ir atrás dele e tem que ser agora, antes que seja tarde.

 – Você não pode sair – uma voz atrás de mim fala e eu logo olho para a pessoa.

 – E quem você pensa que é para falar se eu posso ou não sair? – falo trincando os dentes, estava com pressa e esse energúmeno tá atrapalhando.

 – Meu nome é BamBam e é a mando de Jungkook que não posso lhe permitir sair.

 – Você sabe aonde ele foi? Por favor fala que sabe, eu preciso ajudá-lo – agarro os ombros do maior é o mesmo me encara confuso.

 – Jungkook me disse que você não se lembrava de muita coisa, que tinha desligado sua humanidade.

 – É verdade o que ele falou, mas eu acabei me lembrando, eu preciso ajudá-lo, por favor – eu estava desesperado.

 – Já que quer tanto ir, eu irei contigo, não posso te deixar sozinho, Jungkook e o Namjoon me matariam.

– Então vamos.– saímos em direção ao meu carro, porém Bambam não me deixou dirigir, ele dá partida no carro e arranca cantando pneus.

O percurso foi bem rápido, tenho certeza que receberei várias multas por violar vários sinais vermelhos, além de excesso de velocidade.

Chegamos numa floresta, tipo um bosque, um lugar perfeito pra matar alguém, adentramos o lugar, caminhamos à uma direção, eu não sabia aonde estávamos indo, eu estava apenas seguindo o Bambam, quando dei por mim, estávamos no local marcado pelos vampiros, o grupo de meu pai estava prontamente preparado pra atacar é o grupo de Jungkook estava se aproximando dos demais, eu não posso deixá-los cometer tal atrocidade, mas se for preciso lutarei ao lado de meu moreno.

– JUNGKOOK.– grito e ele olha na minha direção.

– O que está fazendo aqui Taehyung e você BamBam o que deu na sua cabeça para trazê-lo aqui?– ele fala irritado aparecendo ao meu lado.

– Desculpa Jungkook, foi Taehyung que me mandou trazê-lo aqui.– ele explica para o moreno que estava irritado.

– E por quê você está aqui Taehyung?– ele pergunta me olhando.

– Eu me lembrei de você, lembrei de tudo Kookie.– ele arregala os olhos. – Eu vim lutar ao seu lado, não deixarei fazer isto sozinho.– quando termino de falar ele beija meus lábios, num beijo de saudade, paixão, uma mistura de sentimentos.

– Então vamos.– pego sua mão e vou em direção do grupo, quando Namjoon me vê ele fica confuso.

– O que Taehyung está fazendo aqui?

– Ele veio lutar ao nosso lado Nam.– ele dá um sorriso. – Ele também se lembrou de tudo.

– Não acredito.– ele puxa para um abraço, no qual eu correspondo. – Bem vindo de volta TaeTae, quando estava pronto para agradecer, alguém nos interrompe.

– Dá pra contar esse papo furado e ir no que interessa.– Kim fala.

– Por quê está fazendo isso? Não pode simplesmente nos deixar em paz?

– Claro que posso, porém você terá que vir comigo.– ele fala.

– Isso não vai acontecer.– Jungkook se põe em minha frente.

– Então teremos que resolver isso de outro jeito.– ele dá um sorriso psicopata. – Espero que não sinta remorso quando eu arrancar a cabeça desse moleque atrevido Taehyung.– ele fala e no mesmo instante eles se põe para batalhar.

– Está comigo Tae?– Jungkook pergunta.

– Sempre estarei.– entrelaçamos nossas mãos e corremos em direção ao grupo que estava vindo.

É agora ou nunca.


Notas Finais


Entãoooo a batalha será no próximo capítulo 😊
Estou feliz que Taehyung tenha voltado à si.
Obrigada por lerem.. até a próxima
Bjsss amores 💕💕💕


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...