História Anjos e Demônios - Capítulo 57


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Chen, D.O, J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Kai, Kris Wu, Lay, Lu Han, Personagens Originais, Rap Monster, Sehun, Suga, Suho, Tao, V, Xiumin
Tags Anjos|demônios|amor|disputa
Visualizações 93
Palavras 1.671
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Crossover, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Hentai, Magia, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Violência
Avisos: Álcool, Estupro, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi amoras! Já viram as fotos que a BigHit vazou do comeback dos meninos? Eles vão sair metralhando, peguem seus coletes! BigHit só tá nos atiçando... mostram a foto mas não o vídeo! Depois eu morro e não sabem porquê! Vi uma foto que o Utt, vulgo, Jungkook tá em cadeira de rodas, fiquei tipo "pai amado" e o Bias, vulgo, Jin tava tão lindo... a boca dele estava mais rosada sabe, parecia até que tinha comido morango recentemente ou então passado batom kshfksks


Ps:Boa leitura amoras!

Capítulo 57 - Minha propriedade


Fanfic / Fanfiction Anjos e Demônios - Capítulo 57 - Minha propriedade

Kwan: Se voltar atrás, automaticamente, você e seu filho morrem.-- Estremeci.

--Eu não vou voltar atrás. Agora, por favor, saia da minha casa, eu preciso dormir, amanhã tem prova na escola.-- Disse séria. Ele sorriu.

Kwan: Durma bem e... sonhe com os "anjos"-- Ironizou e riu. Depois o quarto ficou em silêncio. Ele foi embora? Me deitei e respirei aliviada. Tentei pegar no sono, mas não estava conseguindo. No fim, passei a noite toda olhando para o teto pensando no acordo que fiz com o demonioso. Foi a coisa certa a se fazer. Eu não posso permitir que ele mate o meu filho sem ele ao menos ter nascido. O que me dói é... eu vou morrer daqui a nove meses, não vou ver a infância do meu filho, meu filho vai crescer sem pai e sem mãe, nunca vai saber que seu pai era um anjo, resumindo a porta toda...: A vida do meu filho vai ser muito triste. Também chorei bastante a noite.  Não por mim, por meu filho. Ele nem nasceu e já tem sua vida arruinada por um demônio chamado Kwan. Não é justo. Me assustei ao ouvir o despertador tocar. Já era de manhã? Me levantei, tomei meu banho, me vesti e fiz tudo o que sempre faço de manhã. 

{...}

Allyson e eu fomos conversando sobre o nome do meu filho, na verdade, ele estava conversando sozinho, eu só falava: "É..." ou "Sim, talvez..." ou então "É uma boa escolha, eu gosto." Mas na verdade, nem prestava atenção no assunto direito. Chegamos na escola e cada um foi pro seu lado mas antes pedi para ele ficar de bico calado e ele entendeu. 

Jih: Oi, S/n... precisamos falar com você.-- Me assustei ao ouvir a voz de Jiovanna. Me virei e a encarei. Ela não estaca sozinha. Eduardo, Sun, Peter, Yang Lee, e Yang mi estavam com ela.

--Sim?-- Perguntei tentando sorrir.

Sun: O que há com você? Esta estranha desde que eles foram...-- Ela olhou para Yang lee e parou de falar.

--Não, eu estou normal.-- Menti.

Yang mi: Não está.-- Disse firme.

Yang lee: Eu concordo, quer dizer, eu também estou estranha mas eu pelo menos me esforço para falar com os nossos amigos, mas você... ignora.-- Ela disse triste.

Dudu: Você não fala mais com a gente, quando falamos com você, ou você demora meia hora para responder ou nem responde!-- Disse me olhando triste.

--É que...-- Tentei dizer mas Peter interrompeu.

Peter: Não quer mais ser nossa amiga?-- Perguntou e eu arregalei os olhos.

--NÃO! Claro que não é isso, eu amo vocês, por favor não me abandonem! É que...-- Comecei a chorar.-- Vocês não entendem, eu... eu estou cheia de problemas, problemas terríveis, e não é drama! É muito difícil, e ainda estou tendo que passar por tudo sozinha e sofrer em silêncio.-- Disse cabisbaixa.-- Eu não queria ignora-los,  me desculpa... só não queria que ficassem preocupados comigo.-- Disse triste. Eles sorriram e me abraçaram. Retribui o Abraço na hora.

{...}

Estávamos todos na entrada, conversando animadamente. Resolvi que de hoje em diante, iria prestar atenção e participar das conversas dos meus amigos. Não quero acabar excluída do grupo. Fazia uns trinta minutos que o sinal para ir embora tocou, Allyson já foi para casa sozinho mas e o pessoal resolvemos fazer alguma coisa pra descontrair, mas até agora estávamos parados na frente da escola discutindo sobre a melhor opção.

--Por que não vamos a uma sorveteira ou um parque de diversões?!-- Sugeri.

Yang mi/lee: Amei a idéia.

Peter/Dudu/Jih: Sorveteria.-- Disseram juntos.

Sun: Não, parque!!-- Ela retrucou. Antes que eles começarem uma discussão que levaria a terceira guerra mundial, eu interrompi.

--Ok, votação!-- Disse alto.-- Quem quer ir na Sorveteria?-- Perguntei os olhando. Peter, Dudu e Jih levantaram a mão.-- Parque de diversões?-- Perguntei erguendo a mão. Yang mi, Yang lee e óbvio, Sun hee levantaram a mão.-- A maioria vence!-- Joguei as mãos pro auto.

Dudu: Traíra! Sabe como eu gosto de lugar que tem sorvete!-- Me mostrou a língua.

--Você gosta de qualquer lugar que tenha algo comestível.-- O corrigi e todos riram.

Dudu: Chata.-- Disse emburrado.

--Chato.-- Lhe mostrei o dedo. Começamos a andar e um carro preto parou ao nosso lado na calçada. A porta do motorista se abriu e de lá saiu um demônio vestindo um terno preto, esse demônio também atende pelo nome de Kwan. 

Peter/Dudu: KWAN!!-- Disseram juntos felizes.

Sun: Olha só quem lembrou que tem amigos!--Disse rindo. Kwan riu também.

Jih: Cadê a vadia da Sook? Aquela traíra sumiu e nem deu notícias!-- Disse ela brincando.

Yang mi/lee: Ela esqueceu dazamiga foi?-- Disseram juntas. Ele parou de sorri.

Kwan: Sook... morreu.-- Todos que sorriam pararam de sorrir e não disseram nada.

Peter:.. Mas... Como?  Quando?-- Foi o primeiro a se pronunciar.

Kwan: Nós sumimos porque fomos visitar nossos avós e aconteceu que a gente brigou, ela saiu na rua a noite estressada e... foi atropelada por um caminhão.-- Ele disse triste. Se eu não soubesse o que realmente aconteceu, teria acreditado. Ele mente bem pra caralho.

Jih: Oh, eu sinto muito. A Sook era tão legal... Não merecia isso, coitada. Me sinto triste por não ter ido no enterro...-- Ela disse cabisbaixa. Ah, amiga, se você soubesse o que aquela vadia... perdão... o que aquela GAROTA é! 

Yang lee: Não sei se ficou sabendo, mas o Jungkook também...--Uma lágrima saiu de seus olhos. --...morreu. Duas pessoas tão jovens e boas morreram.-- Ela disse triste e enxugando as lágrimas. Amiga, essa... garota não é flor que se cheire.

Kwan: Eu sei, sinto muito. Ele não merecia esse fim.-- Senti que na pele que suas palavras eram falsas.

Dudu: Como você sabia?-- Perguntou direto. Aparentemente, ele não parecia muito afetado com o fato da morte da demônio. Pelo menos um que não é burro.

Kwan: A S/n.-- Todos me olharam.

Sun/Yang mi: O quem tem ela?-- Perguntaram confusas.

Kwan: Ela me contou. Eu tentei vir ao enterro, mas foi nesse dia que minha irmã e eu brigamos e ela saiu de casa... me senti tão culpado, tão triste, não consegui vir ao enterro e nem tive tempo para vir ver vocês.-- Ele disse triste. Dêem um Óscar para esse demônio, ele é um ator de primeira! Ele me olhou como se dissesse "Fala alguma coisa."

--É... eu andei conversando com ele pelo WhatsApp.-- Disse a primeira coisa que me venho pela cabeça.

Yang mi: E você sabia que a Sook estava morta e não nos contou?-- Perguntou visivelmente chateada.

--Não, também não sabia ele não disso.-- Respondi depressa.

Peter: Bom, para tirarmos esse clima estranho... Kwan, porquê não vem conosco até o parque? Vamos das uma volta por lá!-- Disse forçando um sorriso. Pisquei assustada. Ele não pode ir com a gente. Ele sorriu. Merda.

Kwan: Claro, vou só estacionar meu carro no estacionamento da escola.-- Disse ele entrando no carro.

{...}

Estávamos decidindo em qual brinquedo ir primeiro. 

Kwan: Eu queria muito ir na roda gigante...-- Comentou sorrindo.

Jih: Também, vamos pessoal?-- Todos expressamos um "Sim" e rimos sei lá de que. Apesar de estar rindo, me sentia um tanto desconfortável com tudo isso. Sabe, essa situação estava sendo muito estranha pra mim.-- Ok, formaremos pares. Eu e Sun, Lee e Dudu, Mi e Peter e S/a junto com Kwan!-- Disse simplista. Estremeci. Não queria ir mas se falasse algo ela reclamaria e me mandaria tomar no cu então fiquei na minha. 

{...}

Adrentamos o brinquedo em silêncio e por mim ficaria assim até a tortura acabar. Mas o desgraçado falou quando a roda gigante estava no topo.

Kwan: Tudo bem, S/n? Como vai seu filho?-- Ele perguntou do nada divertido. O encarei sem entender.-- Ah, que isso... só queria ser amigável, da pra colaborar?-- Disse sorrindo mas com tom de voz firme.

--Difícil colaborar com o demônio que vai tirar minha vida daqui a nove meses e deixar meu filho órfão.-- Disse sarcástica.

Kwan: Amo suas ironias!-- Disse e apertou meu nariz.

--Não toque em mim, não pode fazer nada comigo ainda.-- Disse desconfortável.

Kwan: Pelo contrário. Lembra durante esses nove meses você é minha propriedade e eu faço o que bem entender. Esses nove meses só me impede de mata-la, não de fazer outras coisas.-- Sorriu malicioso. Socorro. Alguém me helpa. Estava soando frio. O que esse demônio quer Jimin(Au: De mim! Tenderam?)? 

--Chega, eu não aguento mais, Kwan! Fala logo, o que você quer? Isso tudo já está me enchendo o saco, é óbvio que você não está fazendo tudo isso só pela Sook! Fala logo o que você quer demônio!-- Ditei brava. Ele riu.

Kwan: Olha, até que você não é burra...-- Debochou.-- Estou fazendo isso por dois motivos, um deles é o que aqueles filhos da puta fizeram para minha irmã e...-- O interrompi.

--Não chama o meu namorado e os meus amigos de filho da puta, porque VOCÊ é filho da puta aqui!!-- Disse brava. Ele levou as mãos para o meu pescoço e começou a me estrangular. Tentei tira-las imediatamente, mas sem sucesso. 

Kwan: Olha o jeito que fala comigo, você é minha propriedade, eu sou seu dono e eu mando em você e estou mandando ficar calada e nunca mais me chamar de filho da puta ou te mato no mesmo instante.-- Disse tirando as mãos de meu pescoço. Busquei ar desesperada.

--Temos um acordo, você concordou que...-- Agora ele me interrompeu.

Kwan: Nosso acordo era que eu não lhe mataria; por acaso eu matei?-- Perguntou debochado. Como ele consegue? Uma hora está todo raivoso e agora está aí, rindo sarcasticamente como sempre.

--Não matou, mas tentou.-- Disse seria.

Kwan: Cala a boca.-- Ele disse e vi que o brinquedo se aproximava do chão.

--Mas você me deve des...-- Ele me interrompeu novamente.

Kwan: Eu mandei você calar a boca. Tá difícil de entender, porra?!-- Perguntou alterado. Neguei com a cabeça e não disse nada.-- Assim que eu gosto.-- O brinquedo parou e saímos dele para nos juntarmos aos "nossos(duvido que ele considere os meninos amigos deles, ele é sem coração, só tem olhos para a Sokk)" amigos.

{...}

Ficamos até a noite no parque. Foi uma sensação estranha ter ele por perto. A todo tempo me lembrava sobre o acordo e que eu era sua propriedade. Isso já estava me enchendo mas não disse nada e tentei me divertir com os meus amigos. 





Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...