História Anjos e Demônios - Capítulo 26


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Anjos, Cellps, Malepok, Mitw
Visualizações 31
Palavras 831
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Drama (Tragédia), Escolar, Festa, Ficção, Lemon, Luta, Magia, Mistério, Misticismo, Romance e Novela, Suspense, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


Ainda hackeando a internet do vizinho, gente. Domingo, a minha internet volta. Eu espero. Amo vocês. 💖

Capítulo 26 - Olhos brancos


Fanfic / Fanfiction Anjos e Demônios - Capítulo 26 - Olhos brancos

"Eu estou morto?"

—POR FAVOR! ALGUEM ME AJUDE!!! EU FAÇO QUALQUER COISA! SÓ FAÇA ELE VOLTAR!!!

Herobrine não entendia. O que aconteça? Por que estava morto? Até que o silêncio voltou. Ouvia alguém correndo. Devia ser Lucas, fugindo. Mas fingindo de que?

—Por favor... me ajude... não você... não você...

Então, Herobrine ouve passos lentos. Alguém estava ali. Alguém que Lucas tinha medo. Alguém... que Herobrine não fazia ideia de quem seja. 

—Herobrine... me desculpa... eu... não consegui te salvar... e... não vou conseguir... me salvar... me... desculpa...

"NÃO LUCAS! SEJA FORTE! VOCÊ VAI SE SALVAR!"

Herobrine pensava em palavras, mas não conseguia dize-las. Não via nada. Não falava nada. Não podia se mover. Só escutar e pensar.

—Então você quer a salvação, rapaz?

Uma voz falou. Mas não era qualquer voz. Era uma voz grossa e que emitia medo. Era uma voz baixa, mas que ecoava como um trovão. Era uma voz... sobrenatural!

"Será que é dele que Lucas está fugindo? Do dono dessa voz amendrontadora?"

—Pode crer que sim, rapaz.

Herobrine se assustou. De repente, ele podia enchergar e se mover. O mundo ao seu redor era preto. Trevas total. Mas Herobrine conseguia ver muito bem. Que lugar era esse?

—O-ola? Tem a-alguém aí?

—Por que está com medo, rapaz?

A voz veio na direção oposta de Herobrine. Ele se virou instantâneamente, e o que ele viu... era diferente de tudo que já tinha visto.

—V-você?

—Ola Herobrine. A quanto tempo, não é?

Falava o ser, com um sorriso sarcástico no rosto.

—V-você... n-não pode ser! E-eu te matei!!!

—Não, rapazinho. Eu não morri.

Herobrine não se segurou de raiva. Pulou em cima do ser, que sumiu instantâneamente. Herobrine não entendia. Até que a voz surgiu atrás dele, de novo.

—Garoto, garoto... Nunca vai entender? Você não consegue me matar. Você é fraco!!!

—Você... O QUE VOCÊ QUER COMIGO?

Herobrine pulou de novo no ser, que sumiu de novo. Herobrine estava sendo muito impulsivo. Agindo sem pensar. E a voz agora surge perto da orelha de Herobrine e sussurra:

—Você não pode comigo. Ninguém pode.

O ser pegou o braço direito de Herobrine, o puxou e depois o soltou, fazendo Herobrine cair no chão.

—E respondendo sua pergunta, rapaz... Eu não quero nada de você. Eu quero dele.

Ele fala, apontando para a escuridão. Herobrine não entendia, até que viu... Seu irmão Lucas, preso na escuridão, sem saber onde ir.

—LUCAS!

Herobrine corre na direção de Lucas, que estava todo ensanguentado. Machucado. Quase sem vida. Quando Herobrine ia abraça-lo, ele passou reto, como se não pudesse tocar nele. Lágrimas começaram a cair no rosto de Herobrine.

—O-o que...

—Você ainda não entendeu? Você é mais idiota do que eu pensava! Você está morto. Está no pulgatório. Deus nem diabo estão prontos para te receber. Você está num muro, e não sabe pra que lado deve ir. Pro lado do bem, ou pro lado do mal. Você ainda tem uma história pra terminar. Por isso seu irmão veio a Terra. Ele sabia que, quando você morresse, não iria parar nem no céu nem no inferno. A missão dele era te fazer andar pelo caminho do bem. Para ir pro céu.

Herobrine chorava. Ele estava morto e o irmão se culpava. Herobrine não queria fazer o irmão sofrer. Nunca quis fazê-lo sofrer.

—P-por que está m-me dizendo isso?

—Lembra quando eu disse que queria algo dele, e não de você?

Herobrine mudou sua expressão de tristeza que agora era de raiva.

—O que você quer dizer com isso?

—Digamos que, as coisas complicaram. Sou forte, poderia viver décadas e mais décadas... Mas, minha idade me impede que isso aconteça. De acordo com o Juramento dos Olhos, eu devo ter um substituto. Alguém para ficar no meu lugar.

Herobrine estava curioso para ver onde aquilo iria dar. O ser continuou:

—Queria que ele fosse meu substituto, mas percebi que ele não tem força de vontade nem inspiração. Mas você, rapaz. Você tem mais que inspiração para substituir meu lugar no mundo.

Herobrine não entendia. Por que ele? O que ele tinha?

—E-eu? Eu não tenho inspiração nenhum para "substituir você". Nem mesmo eu quero fazer isso.

—Você não tem escolha, rapaz.

Diz o ser, dando uma parada e olhando para Herobrine com seus olhos e um sorriso no rosto.

Herobrine não conseguia se livrar daqueles olhos. Aqueles olhos... sem vida... sem alma... sem cor... aquele olhos brancos...

—Bom, digamos que você, tem uma inspiração para exercer sim meu cargo, e ela está bem ali.

Diz o ser, apontando para o anjo. Herobrine entendeu o que ele quis dizer, mas queria que não tivesse ouvido.

"Ele vai mesmo... matar o meu irmãozinho se eu não fazer oq eu ele quer?"

Não importava como, Herobrine iria salvar o irmão. Custe o que custasse. Então, ele vê o ser estendendo a mão e dizendo:

—Temos um pacto?

Herobrine olhou a mão estendida do ser de olhos brancos. Os mesmos olhos, do assassino de seus pais.

 


Notas Finais


#DomingoInternetVolta #EuEspero #VidaSemInternetNãoExiste
#Então, foi isso, ktchau!!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...