História Anjos e Demônios - Capítulo 31


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Anjos, Cellps, Malepok, Mitw
Visualizações 28
Palavras 702
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Drama (Tragédia), Escolar, Festa, Ficção, Lemon, Luta, Magia, Mistério, Misticismo, Romance e Novela, Suspense, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


Gente, esse é apenas um extra que eu achei legal mostrar pra vocês. Espera de gostem. Fui comer churros!

Capítulo 31 - Uma carta de Herobrine


Fanfic / Fanfiction Anjos e Demônios - Capítulo 31 - Uma carta de Herobrine

"Foi a muitos anos... Um ano depois da morte de meu irmão. Estava eu e meus pais. Não tinha lembranças dele. Nome, aparência, personalidade... Nada! Só me lembro de poucas coisas. Me lembro que todos os dias, eu voltava para casa e via minha mãe fazendo o jantar enquanto meu pai trabalhava no campo. Éramos camponeses, uma família simples... comum... Não sei por que tinha que acontecer com minha família. Por que justo com a minha? Ela já tinha sofrido demais desde a morte de Lucas... Me desculpem, do jeito que eu falo pareço que eu queria que aconteçesse com outra família. Eu só... queria que não tivesse acontecido aquilo. Pelo menos, não na minha frente. Era uma noite fria de outono... Estava tudo do jeito que sempre era. Eu estava voltando pra casa, depois da escola. Então, eu senti um estranha sensação. Era como se alguém me seguisse. Mas eu ignorei. Continuei meu caminho. Quando cheguei em casa, tudo estava normal. Mamãe fazendo o jantar e meu pai ainda não tinha chegado. Depois que meu pai chegou, todos nós comemos. Até que eu ouso um barulho estranho no andar de cima. Eu fiquei com medo, e meu pai me disse pra eu não ficar com medo, pois ele estava ali. Eu sorri pra ele, então, ele se virou, pegou uma faca de açougueiro na cozinha e subiu. Eu e minha mãe e ficamos abraçados, então... eu ouso. Ouso os gritos de meu pai. Não consegui aguentar e fui correndo pra lá! Minha mãe tentou me segurar, mas eu era mais forte. Eu corri em direção as escadas e subi! E quando eu subi... eu vi... o corpo de meu pai... de meu amado pai... morto no chão. Eu corri na direção do corpo e o abraçei. Eu chorava e o abraçava. Ele não respirava! Quem tinha feito isso? Quem foi? Ouvi minha mãe gritar de susto atrás de mim. Ela viu eu abraçando o corpo motor de meu pai e ela começa a chorar junto. Ela ia correr eu minha direção, mas vejo apenas um a faca voar depois ar em alta velocidade e acertar o coração de minha mãe. Ela caiu no chão, chorando. Quem tinha arremessado essa faca? Eu olhei pra trás e vi um ser vindo em minha direção. Ele estava com uma faca na mão. Eu pensei rápido. Peguei a faca de açougueiro de meu pai que estava no chão perto do corpos e papai e pulei em cima do ser. Então, eu vi aqueles olhos. Olhos sem vida. Olhos sem alma. Olhos sem cor. Olhos... totalmente brancos.  Me distrai com aqueles olhos e fui acertado no ombro direito, que começou a sangrar. Eu fugi de raiva e pulei em cima do ser de olhos brancos, fazendo a faca em minha mão acertar seu coração. Vi ele morrer, bem devagar. Voltei pra casa, e fui correndo em direção a minha mãe. Ela ainda estava viva, mas morrendo devagar. Eu chorava e a abraçava. Ela não tinha forças para fazer o mesmo. Eu me lembrou quem antes de morrer, ela sorriu pra mim e me disse: eu te amo. Depois disso ela morreu. Peguei minhas coisas e fui embora. Fui pra casa de meu tio, meu único parente vivo. Depois de sua morte, reencontrei meu irmão, e aconteceu várias coisas desde que isso aconteçeu. Eu morri, fiz um pacto com o assassino de meus pais,    bebi o sangue de meu irmão, consegui os olhos brancos, voltei a vida, virei um Deus... E tudo isso, por causa do meu irmãozinho. Ele se sacrificou por mim. Ele se matou por mim. Uma vida pela outra. A dele pela minha. Nós ainda vamos se ver, irmão. Eu te prometo. Meu nome é Herobrine, e deixou essa carta para irmão 
Lucas. Tenho certeza que ele vai ver. Me casei com a mulher do meus sonhos. E, ela está grávida. Terei um filho. Lucas, você vai ser titio! E, o nome de seu sobrinho... É Lucas. Vou cuidar dele como cuidei de você. Vou abraça-lo como abraçava você. Vou ama-lo como eu amava você. Eu te amo, Lucas. E tambem te amo, filho. Meu nome é Herobrine, e eu farei meu filho feliz."


Notas Finais


Ohhhh! Que lindo! Lembrem que foi Herobrine que escreveu. Não eu, tá. Então, foi isso, ktchau!!! ❤❤❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...