História Mitw- Anjos e Demônios- O começo do caos - Capítulo 33


Escrita por: ~

Postado
Categorias Andrei Soares "Spok" Alves, Cauê "BaixaMemoria" Bueno, Felipe "Febatista" Batista, Felipe Z. "Felps", João Victor Negromonte Queiroz "Jvnq", Luiz Felipe (Luiz 1227), Malena "Malena0202" Nunes, Marco Tulio "AuthenticGames", Maria Luiza Ramos (MoonKase), Pedro Afonso "RezendeEvil" Posso, TazerCraft
Personagens Andrei Soares "Spok" Alves, Cauê Bueno, Felipe "Febatista" Batista, Felps, João Victor Negromonte Queiroz "Jvnq", Luiz Felipe "Luiz 1227", Malena0202, Marco Tulio "AuthenticGames", Mike, MoonKase, Pac, Pedro Afonso Rezende Posso
Tags Anjos, Arthulia, Arthur, Batista, Cellbit, Cellps, Céu, Felps, Inferno, Jvnq, Jvtista, Lemon, Luiz, Mike, Mitw, Pac, Potterchan, Seres Sobrenaturais, Tazercraft, Terra, Yaoi, Youtubers, Yuri
Visualizações 149
Palavras 918
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Festa, Ficção, Hentai, Lemon, Luta, Magia, Mistério, Misticismo, Poesias, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Survival, Suspense, Universo Alternativo, Violência, Yaoi, Yuri
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Potterchan, espero que goste desse capítulo. Espero que goste também de seu novo cunhado, o Pac. Amo vocês! 💟

Capítulo 33 - Só quero seus lábios


Fanfic / Fanfiction Mitw- Anjos e Demônios- O começo do caos - Capítulo 33 - Só quero seus lábios

Potterchan

—Irmãos? Como assim, irmãos? Da onde? Desde quando? Como?

Eu estava desesperada! Pac e Arthur, irmãos? Bem que a semelhança de personalidade, e um pouco na aparência... Mas eu nunca imaginei que eles poderiam ser irmãos! 

Afinal, Pac é um anjo e Arthur, um demônio. Era impossível!!!

—Bom gente, eu vou explicar tudo.

Disse Pac. Quando ele percebeu que conseguiu toda nossa atenção, prosseguiu:

—Arthur foi abandonado pelos pais quando era pequenos, e meus pais o adotaram. Eu já era nascido, e sempre fui o mais velho. Arthur e eu éramos de uma família de anjos, por isso, na escolas, os demônios zoavam dele. Falavam que ele era uma vergonha para todos. Até que... aconteceu...

—O que aconteceu?

Gritamos todos nós, em sintonia. Pac ficou calado, estava chorando. Arthur secou suas lágrimas. Pac não conseguia mais falar, então, Arthur continuou:

—Até o dia do acidente. O dia em que eu perdi minha visão. Os demônios me encorralaram num beco. Me bateram. Tarik sempre me protegeu, ele sempre foi o mais velho. Mas, naquele dia, ele não estava lá para me proteger. Eu corri e fui na direção de uma área de perigo por radiação. Eu tombei em um galão de etanol, que entrou em meus olhos. Naquele dia em diante, eu nunca mais encherguei.

Pac interrompeu a fala de Arthur e ele mesmo prosseguiu a história:

—Depois de um tempo, nossos pais morreram por outros demônios que acharam a atitude deles errada. Eu e Arthur fugimos, mas, em meio a fuga, nós perdemos. Eu fui adotado, então, pela família Lange, e então, eu passei a ser o irmão mais novo e Cellbit, o mais velho.

Arthur começou a falar de novo:

—Eu fui adotado por uma família de demônios que não podiam ter filhos por causa da idade. Depois da morte deles, eu vim para essa cidade ficar com meus amigos, Jvnq e Moonkase. Eles me abrigaram e, praticamente, somos uma família.

Depois da conversa sobre como eles eram irmão, lembrei que Mike ficou todo cheio de ciúmes. Fui zoar ele por causa disso e ele começou a correr atrás de mim. Ele gritava:

—EU VOU TE MATAR, POTTERCHAN!!!!

Eu não parava de rir é fugir do Mike. Ele estava mesmo estressado. Eita demônio raivoso.

Pac

Eu estava tão feliz. Meu irmãozinho! Que saudades! Achei que nunca mais iria ver ele. Então, eu falo:

—Então gente, acho que vou salvar a Potterchan do Mike antes que ela acabe no hospital. Liçencinha!

—Espera Tarik. Preciso falar com você. A sós.

Diz Arthur. O assunto deve ser sério. A voz dele estava seria.

—O-ok então.

Ele me leva até um canto isolado da festa. Ele começa a falar:

—Tarik, esse tal de Mike, você...

—Eu...

—Você gosta dele, né?

Me surpreendi com a pergunta. 

—C-como você sabe, Arthur?

Ele sorriu e me disse:

—Senti pelo jeito que você fala com ele.

—É mesmo, você sempre foi bom em dedução.

Arthur continua a falar:

—E ele parece gostar bastante de você também, Tarik.

—Deixa eu adivinhar, pelo jeito que ele fala comigo?

Eu olho para Arthur. E vejo um sorriso abrir em seus lábios.

—Também. Eu sei que ele gosta de você. Intuição.

Eu o olho e riu. Ele também ri. Estávamos nos dois rindo quando ele vem e me abraça.

—Eu te amo, Tarik.

—Por favor, me chame de Pac. Todos me chamam de Pac.

—Ok... Pac. Eu te amo.

—Tambem te amo, Arthur.

Mike

Quando eu estava quase alcançando a Potterchan, Felps me pega e Cellbit protege Potterchan. Felps e Cellbit estavam me olhando e vejo Potterchan fazendo caretas atrás de Cellbit.

Felps me acalmou e me levou pro quarto. Ele ficou um tempo lá, e ficamos por ali, jogando papo fora. Até que ele me fala:

—Bom Mike, eu vou indo. Quero aproveitar essa noite com o Cellbit. Se é que me entende.

Ele diz isso meu olhando com um sorriso malicioso. Eu riu e apenas falo:

—To sabendo, Felps. Tô sabendo...

—E você devia fazer o mesmo com o Pac.

Ele me diz e vai embora. Eu percebi que estava paralisado e que minhas bochechas estavam ardendo. Devia estar vermelho igual a um tomate. 

"Fazer o mesmo com o Pac"

Até que não era má ideia... Mas eu não queria obrigar o Pac a fazer nada. Por enquanto, somos apenas amigos. Apenas...

Arthur

Depois da conversa com Tarik, que agora era chamado de Pac, eu fui para o meu quarto e encontro Potterchan dormindo. Não preciso enchergar para não conseguir ouvir sua respiração. Definitivamente, estava dormindo. 

Fui me aproximando dela e sentia cada vez mais sua respiração. Até que eu ouso:

—Eu te amo, Arthur.

Ela estava acordada.

—Sua danada. Então, tá acordada, é?

—Sim. Ainda é cedo. Não podemos nos divertir?

Diz, e sinto ela se aproximar de mim. Nossos lábios se tocaram em um lindo e calmo beijo. Ficamos nos beijando. Eu segurava sua cintura e ela segurava meus ombros. Ela me empurrou para a parede e continuou a me beijar. 

Quando eu ia tirar a camiseta, ela apenas me falou:

—Eu só quero seus lábios essa noite, Arthur. Só seus lábios.

Eu compreendi e aceitei. Não era nessa noite que iriamos fazer, mas eu estava feliz por saber que Júlia estava ali comigo.

—Eu te amo, Ju.

—Tambem te amo, Arthur.

Quando anoiteceu, dormimos juntos deconchinha. Como eu amava essa garota! Eu a amava, mesmo não podendo enchergar-la. Eu faria de tudo, apenas para ver ela por um segundinho... Eu te amo, Ju.


Notas Finais


#Irmãos #Arthulia
Então, foi isso, ktchau!! ❤❤❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...