História Anonymous Boss - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, D.O, Kai, Kris Wu, Personagens Originais, Tao
Tags Chanbaek, Kaisoo, Taehyung, Taehyung Child, Taoris
Exibições 114
Palavras 943
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fluffy, Lemon, Mistério, Policial, Romance e Novela, Suspense, Violência, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Hello, eu estou com MC parado e him postar essa? Como assim?

Esse plot surgiu em uma conversa de nudes, o crush da minha amiga pediu, aí eu fui responder e meu corretor colocou “assassino”. O plot veio desse jeito, aí eu pensei já tudo na hora, encaixei todos os personagens e tudo, já construi uma parte do enredo. E foi tudo hoje, às 3 horas da tarde.

Eu precisava postar, tipo, sério. Precisava d+. Não terei dia para postar, provavelmente eu volte lá pelo dia 6 ou 7. Mas antes eu não volto, OK? Isso é só um prólogo, os capítulos serão bem maiores do que esse, boa leitura e espero que gostem.

(O que está em itálico é o Flashback do que o Bae fez, me perdoem caso tenha algum erro.)

Capítulo 1 - Prologue.


Fanfic / Fanfiction Anonymous Boss - Capítulo 1 - Prologue.

Limpei a faca que tinha em mãos e arranquei as luvas sujas pelo líquido vermelho.

“Você deu bastante trabalho, conseguiu me derrubar.”

Olhei para o corpo jogado no chão e totalmente sem vida. Era uma bela mulher, pena que se envolveu com o cara errado.

Segundo as informações que recebi, a mulher teve uma noite de prazer com Luan, e o mesmo se apaixonou por ela.

Tolo.

Se apaixonar por uma puta nunca estaria em meus planos, principalmente se apaixonar. A mulher roubou todo o seu dinheiro e algumas outras coisinhas, ele não gostou...Um idiota, óbvio.

A ordem que eu recebi era simples, seduzir a mulher e matá-la da forma mais lenta. E foi o que eu fiz.

Tomei o máximo de cuidado para não usar minhas mãos, eu usava uma luva para esquentar as mesmas, visto que hoje estava muito frio. Assim que chegamos em seu apartamento, nossas bocas se grudaram e porra! Ela beijava super bem. Cogitei a hipótese de que o cara não se apaixonou por ela, mas sim pelo beijo.



Você não vai ficar com roupa, né? Vai tirar toda essas peças, certo?”- Disse em tom provocador.

“Pode ir para o quarto...Daqui a pouco eu chego lá.”

A morena caminhou em passos lentos e sedutores em direção ao quarto, eu realmente acho que seria ótimo uma foda antes de tirar a vida dessa boneca.

Tirei a faca do bolso da calça jeans e coloquei dentro da manga do casaco grosso que eu usava, retirei as algemas do bolso interno do mesmo e fiquei girando-as em meu indicador direito.

Comecei a caminhar em passos lentos até a porta em que vi a mulher entrar e rapidamente entrei no cômodo quente. A mulher estava nua e totalmente exposta para mim, sorri com o seu atrevimento enquanto caminhava em direção à cama que a mesma estava deitada e fiquei entre suas pernas.

“Vejo que já está preparada”- Disse-lhe em tom baixo.

“Para você, tudo, meu querido.”

Mostrei a algema em meu dedo e ela sorriu provocativo, coloquei cada pulso em cada parte da algema e rodeei a corrente em meu pulso, tirei do bolso do casaco - tomando cuidado para a faca não cair - um pano grosso e o coloquei em toda sua boca.

Sentei sobre sua barriga, vendo-a soltar um gemido baixo de dor em relação ao peso que eu exercia sobre seu estômago. A mão que não estava ocupada - visto que o pulso da esquerda estava rodeado pela corrente enquanto eu segurava a mesma em minha mão - e coloquei o braço direito para baixo, o cabo da faca parou diretamente em minha mão, sorri divertido para ela vendo-a tentar se soltar de todos os jeitos.

Passei a ponta da faca sobre sua clavícula, aprofundando o toque enquanto via a mesma se contorcer pela dor dilacerante. Comecei a vasculhar cada cantinho seu, apenas com a pontinha do objeto afiado, visualizando o corpo esbelto se contorcer a cada filete de sangue que escorria do tronco até o colchão macio e um pouco sujo.

Antes de chegar em seu rosto, senti um aperto em meu pescoço me fazendo cair para trás, a corrente saiu do meu pulso, caí no chão enquanto via a mulher sair de cima da cama e tentar correr para a porta. Ela havia rodeado meu pescoço com suas pernas, ri em descrença enquanto meus sentidos voltavam.

Segurei em seu pé fazendo-a cair de cara com o chão, o pano ainda estava em sua boca e ela quase conseguiu tirar, subi sobre seu corpo mais uma vez e finquei a faca em seu seio direito, retirei a mesma de seu corpo sentindo-a tremer abaixo de mim.

As lágrimas grossas, que escorriam pelo seu belo rosto, deixavam marcas de tristeza na face bonita da morena, para acabar com o seu sofrimento finquei a lâmina em seu seio esquerdo. Rapidamente o corpo foi ficando cada vez mais mole e perdendo as forças.

Sai de cima da mulher e arranquei o pano de sua boca.



A faca, que eu havia acabado de limpar, foi jogada em algum lugar do quarto. Ajeitei minhas vestes enquanto jogava as luvas sobre o corpo belo e rapidamente fui até a cozinha e liguei as bocas do fogão em que só o gás saía.

Esperei uns minutinhos até ter certeza que a casa estava com o gás  em todos seus cômodos - que eram poucos, no máximo 3, cozinha, quarto e banheiro -.

Saí pela janela da cozinha e me afastei um pouco da casa, liguei o isqueiro e joguei o mesmo para a janela da casa, rapidamente me abaixei e na hora ouvi o barulho da explosão. Eu não gostava de chamar a atenção, mas aquela era um excessão.

Ajeitei minhas vestes e meu cabelo enquanto olhava a casa em chamas, soltei um risada fraca.

Comecei a andar calmamente enquanto sentia a brisa fria ir de encontro ao meu rosto, a área em que ela morava era calma e longe da cidade, não havia nenhuma câmera.

Apressei meus passos e comecei a andar em direção ao nada. Sinto meu celular vibrar no bolso da calça jeans e rapidamente o pego, era uma mensagem do querido Luan.

Luan- Já terminou?”

Soltei uma risada fraca enquanto revirava os olhos pelo desespero do CEO. Respondi com a maior preguiça do mundo.

“Sim, terminei. Quero o dinheiro na conta em menos de 2 horas.”

A resposta veio rápida e simples.

Luan- Já está nela, obrigado pelo serviço, BaekHyun.”

Guardei o celular de volta no bolso e coloquei minhas mãos dentro do casaco grosso que eu usava. Continuei com meus passos apressados conforme sentia meu estômago pedir por comida.



















Notas Finais


Primeiramente queria falar que não quero fazer nenhuma apologia à tortura ou ao crime, queria deixar claro isso. Em nenhum momento da fanfic quero incentivar tais atos. Pelo amor de Deus, isso é errado, mas eu queria fazer um BaekHyun diferente do que eu costumo ler e até do que eu escrevo (em Mon Cher).

Espero que tenham gostado e me falem vossas opiniões, se vale a pena ou a galinha toda esse plot.

Obrigado por lerem. Até logo.(*^_^*)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...