História Anonymous... (Imagine BTS - Taehyung) - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), Got7
Personagens BamBam, Jackson, JB, J-hope, Jimin, Jin, JR, Jungkook, Mark, Rap Monster, Suga, V, Youngjae, Yugyeom
Tags Anonimo, Bangtan Boys, Bts, Imagine, Kimtaehyung, Taehyung, Você
Exibições 84
Palavras 2.381
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Colegial, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Festa, Hentai, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


~ Broteii

(Perdão pela demora!)
Boa Leitura! ❤

~ Saii

Capítulo 4 - Invasion


Fanfic / Fanfiction Anonymous... (Imagine BTS - Taehyung) - Capítulo 4 - Invasion

Atrasada, era o que você estava neste momento. Se arrumou rapidamente e apenas pegou uma maçã e saiu as pressas de casa. Hoseok não fez a bondade de te acordar mais cedo, o que era horrível.

Faltando apenas 5 minutos pro portão fechar e você ficar do lado de fora, tu rapidamente conseguiu entrar. Respirou um pouco, se apoiando em seus joelhos. Olhou pra frente e viu o quanto que o corredor estava vazio. As vezes, saía um ou dois alunos das salas. 

Tu andou calmamente até a sua sala, não se importando caso perderia algo de muito interesse na sua vida. Bateu na porta e escutou um "Entre". E assim você fez.

— Atrasada, senhorita Jung... — O professor disse o óbvio e você o olhou incrédula com o que havia dito. — Mas irei deixar passar...

Tu sorriu falso e foi se sentar em seu lugar, que era atrás de Alana. A aula ocorreu com a mesma chatice de sempre, o que incomodava bastante e seu tédio apenas aumentava. Uma vontade enorme, era de pular daquele 2° andar, na intenção de fugir dalí e se divertir.

— ______, você vai lá pra casa nesse final de semana? — Alana lhe perguntou e você apenas confirmou com a cabeça. — Sinto muito em te dizer, mas o JB vai estar lá. Minha mãe contou pra ele, e o idiota fez questão de adiar todos os seus compromissos só pra te ver... — A ruiva disse, fazendo uma cara de nojo enquanto olhava pro nada.

— Eu pensei que JB iria estar ocupado com a faculdade. — Tu disse e a garota negou.

— JB está de férias ainda, o que significa...

— ...Que eu estou ferrada... — Você disse e suspirou. — A gente bem que podia se divertir a noite, né? Não quero ficar no mesmo teto que ele ao escurecer...

— Minha mãe me proibiu de sair de casa. — Ela disse, com o olhar tristonho. — Só porque na noite antepassada, eu não dormi na minha humilde residência. Mas _______, se você quiser deixar pro outro final de semana, tudo bem...

— Não Lana, que isso. Não vou adiar coisa nenhuma. Vou pra sua casa nesse mesmo e vamos tentar ao máximo não se afastar uma da outra. — Tu disse, tensa.

— Parece até que tem medo do JB. — Alana disse, sorrindo mínimo pra você. — JB pode ser o cara mais safado que você conhece e respeita, mas eu tenho certeza que ele não seria capaz de fazer nada forçado.

— Que? Eu não tenho medo dele! — Você disse, olhando de lado. — Só não quero que ele se aproxime de mim e venha com seus papos furados...

— As duas mocinhas aí, querem compartilhar a conversa? — Ao ouvirem a voz do professor, vocês duas rapidamente se calaram e voltaram a prestar atenção. — Sinceramente, já está insuportável agüentar as duas!

— E o que o senhor vai fazer? — Perguntou Alana, cruzando os braços e o olhando séria.

— Quero que as duas vão bater um papo com o diretor. Licença da sala, por favor... — Ele disse e vocês duas se levantaram ao mesmo tempo.

As duas saíram e em vez de ir pra diretoria, foram pra trás da escola. Lá, vocês encontraram os delinqüentes e olhe só...

— Taehyung? — Alana perguntou e o garoto olhou para vocês duas. Deu seu sorriso quadrado de sempre e se aproximou. — O que está fazendo aqui?

— Procurando coragem pra pular o muro... — Ele disse calmo e logo lhe encarou. — E as duas?

— Fomos expulsas da sala por motivo de conversa. — Você disse, cruzando o braço. — Nem ferrando que eu iria ir pra diretoria...

— Gostei de você, tampinha... — O garoto disse, bagunçando seu cabelo e olhando pro muro. — A gente pula?

—  Vixi filho, agora! — Alana pulou o muro facilmente.

Você precisou da ajuda de Taehyung, que resmungou um pouco quando tu subiu em sua mão, para se agarrar na ponta da enorme parede.

— Que foi? — Tu perguntou, sentando em cima da parede.

— Você está com short em baixo... — Ele disse e tu corou bastante, logo pulando definitivamente.

Alana estava esperando vocês na esquina. Ao se aproximarem, Lana começou a andar pelas ruas, tu e Taehyung apenas a seguia. Vocês chegaram em algum tipo de lanchonete. Se sentaram em uma pequena mesa e colocaram os celulares em cima da mesa.

— As pessoas estão te olhando maravilhadas... — Alana disse e você olhou em volta, vendo um tanto de seres humanos olhando Taehyung com brilhos nos olhos. — Pensei que o prefeito não iria lhe mostrar pra mídia.

— Um dia eu fui para um jantar de negócios junto ao meu pai, então muita gente com a língua solta saíram espalhando que eu era o "Tal Filho Do Prefeito". — Ele disse, revirando os olhos. — Sinceramente, não é nada divertido. As vezes, você até tem mais coisas com o que se preocupar, em vez de ter uma vida normal...

— Olha, eu adoraria ter uma vida como você. Não pelo dinheiro, mas sim porque não precisaria ficar trabalhando pra sustentar a família. — Tu disse e bufou. — Mas estou satisfeita. Tenho o meu lar, meu irmão e minha mãe saudáveis e contas mínimas.

— Você passa necessidade? — Ele perguntou e você negou. — Ouvi boatos de que você estava no Havaí.

— E eu estava! — Tu disse e ele fez cara de confuso. — Olha, minha história é um pouco complicada, e eu não confio 100% em você...

— ________? — Ao você escutar seu nome vindo atrás de tu, olhou para trás, dando de cara com a gerente do local. — Era pra senhorita estar na escola!

— D-Desculpe Srta. Park... — Tu disse, se levantando e fazendo reverência. — Olha, não conte nada para a minha mãe...

— Fique tranqüila pequena, não irei dizer nada para ela. Mas não quero saber de ficar saindo da escola antes do horário! — Ela disse, sorrindo mínimo.

— Obrigada Srta. Park. — Tu agradeceu e ela saiu de sua frente. Você se sentou novamente e suspirou.

Você, Alana e Taehyung ficaram conversando sobre coisas banais. Descobriu que Taehyung era um completo de um rebelde, e que dificilmente, obedece alguma regra. Era um belo exemplo de bad boy.

Decidiram voltar novamente para o colégio, já que suas coisas ainda continuavam lá e que com certeza iriam sentir a falta de vocês três. Andaram calmamente e pularam o muro mais baixo da escola.

Os delinqüentes não estavam mais presentes alí, pois já era intervalo e com certeza, estavam espancando alguém no porão. Andaram pelo pátio e logo entraram dentro da sala de aula, onde só estava Jimin e Hoseok alí.

— ONDE VOCÊS ESTAVAM!? — Foi a primeira coisa que Hoseok gritou, vindo em sua direção.

— Hey mozão! — Alana o abordou. — A gente só deu uma fugidinha! 

— E nem pra avisar? — Hoseok perguntou e bateu a atenção até você. — E você, _________?

— O que tem eu? — Tu pergunta e ele suspira e aponta para atrás de você. Você olha e vê Taehyung sem entender nada. — Ah, ele? Nos acomopanhou.

— _________, venha aqui um pouquinho... — Hoseok lhe chamou pro canto da sala e você apenas o seguiu. — Esse garoto é uma má influência. Ele pode ser filho do prefeito que for, mas não se esqueça, ele é da família Kim.

— Você é muito idiota, sabia? — Tu disse e se afastou dele, voltando ao encontro do grupo de pessoas que estavam alí.

— Fica longe desse garoto! — Hoseok gritou do canto da sala e tu suspirou.

— Me desculpe pelo meu irmão, senhor Kim... — Você disse, fazendo reverência para ele. — Ele costuma ser muito imbecil.

O perfeito garoto apenas soltou o seu lindo sorriso quadrado, que por muitos alí, já era amado. O sinal indicando o final do recreio foi-se ouvido, e vocês voltaram para seus devidos lugares. A aula percorreu bem, e você já estava pronta para receber outro daqueles bilhetes estúpidos que alguém mais idiota ainda, colava em seu armário.

Ao final do dia, tu estava esperando Alana arrumar suas coisas, enquanto isso, você procurava sua chave de casa, que por algum motivo inexplicável, desapareceu.

— Você sabe o quanto eu estou ferrada? — Tu perguntou para Alana, pousando sua mão sobre a testa. A ruiva começou a gargalhar de seu desespero. — Não tem graça! A minha mãe vai me matar!

— Ei, fica tranquila! Ela não irá matar ninguém! — Alana disse, enquanto segurava a risada que ameaçava sair de sua boca. — Afinal, alguém deve ter a encontrado.

— Com certeza! Não acha que perguntaria quem é o dono? — Tu perguntou e ela deu de ombros.

— Nunca se sabe. — Ela disse e vocês duas saíram da sala. 

Antes, tu deu outra checada só para ver se não a encontrava de novo. Vocês duas foram para o armário de ambas e guardaram o resto dos materiais dentro da mochila.

Tu puxou o bilhete que estava colado alí e começou a ler ele.

" Seu sorriso é tão lindo. Seria mais lindo ainda se ele estivesse misturado com o meu. "

Outra de suas características estúpidas: Convencido.

Amassou e jogou no chão mesmo. Alana lhe dava uma bronca, pois parecia que você não fazia nenhum tipo de esforço pra descobrir o seu "Admirador Secreto", que foi como Lana decidiu o chamar.

Você ignorou aquela baboseira toda e seguiu caminhos diferentes de Lana. Ela foi para um lado e você para o outro. O dia escurecia e seu frio aumentava. Sentia aquela sensação de estar sendo perseguida por alguém, mas ao olhar pra trás, não encontrou uma alma viva.

Bateu na porta de casa e escutou a voz doce de sua mãe dizendo "Já vai". Ela abriu e logo cruzou os braços ao ver que era você.

— Não tem chave? — Ela perguntou, dando espaço para você passar. Assim que você entrou, ela fechou a porta e colocou a mesma música do dia passado.

— Agora não. — Tu disse, se jogando ao sofá. — Aish mãe! Chega dessa música!

— Hmmm esqueci de te avisar! — Ela se encostou na parte traseira do sofá. — Um amigo seu, super gatinho, veio aqui mais cedo. Ele disse que tinha acabado de voltar de viagem e disse que queria te ver pelo menos amanhã depois da escola.

— Que amigo, mãe? — Perguntou, a olhando de lado.

— Como é o nome da criança mesmo...? — Ela parecia que fazia esforço para se lembrar qual era o nome da pessoa que havia visitado sua casa, mas logo lhe olhou, com um semblante alegre. — Lembrei! Youngjae!


Kim Taehyung P.O.V


Eu sabia que o que havia feito foi errado, mas desde que botei os olhos naquela garota, me despertou uma curiosidade enorme em tudo dela. E uma lista de perguntas sempre me martelavam na cabeça, e me deixava com mais vontade de perguntá-la mais de sua vida.

Seu nome inteiro?

Cor favorita?

Comida favorita?

O que pretende fazer quando for mais velha?

Onde nasceu?

Data de aniversário?

Quantos namorados?

Idade?

Onde trabalha?

Eram perguntas de mais pra mim, e eu sei que ela não confiava 100% na minha pessoa. Afinal, mesmo que eu seja o filho do prefeito, do que adianta, não é mesmo?

Eu a seguia na escura rua onde ela morava, que provavelmente ficava tão longe da escola. Minhas pernas já estavam cansadas e eu parei pra descansar um pouco em um beco alí perto.

Quando a perdi de vista, saí correndo e fiquei olhando pras esquinas.

Te achei.

Ela adentrou a uma casa, que eu julgo ser a dela. Quando ela disse que não passava necessidade, estava certa. A casa não era muito grande, mas aparentava ser linda por dentro.

Fiquei sentado alí na esquina e peguei meu celular, na intenção de ver as horas.

18:49 PM.

Com toda a certeza, eu ficaria por muito tempo alí, esperando todos dormirem, para enfim, completar meu objetivo.

Ao ver um carro branco passando na rua, coloco meu capuz preto e abaixo a cabeça. Hoseok e alguns garotos estavam dentro daquele carro. Um amigo, que acabei fazendo quando cheguei, também estava lá. Seu nome é Jimin. Ele é super gente boa e parece ser alguém confiável.

Depois de horas e horas esperando as luzes daquela casa se apagarem, finalmente pude me aproximar mais e mais. Tirei a chave do meu bolso e abri a porta, e eu estava certo. Podia aparentar ser menor por fora, mas por dentro era espaçoso, aconchegante e bonito. Eu não conseguia enxergar nada, e para me certificar que não iria esbarrar em nada e acabar me entregando, usei a lanterna do celular para iluminar o caminho que eu passava.

Subi as escadas e vi aquele tumulto de portas de madeira escura. Agora eis a questão.

Qual é o quarto dela?

Andei mais um pouco e fui abrindo bem devagar cada porta. A primeira que abri, parecia ser um quarto de hóspedes, então apenas fechei-a, sem fazer nenhum barulho. A segunda que abri, era o banheiro. Banheiro para visita, talvez? E agora sim, o terceiro era o dela.

Desliguei a lanterna do celular, pois a iluminação da lua já clareiava seu quarto. A luz da lua batia em seu rosto, que estava tão angelical. Olho por todos os cantos, afim de decorar cada pedaço dalí. Olho para uma cadeira e vejo uma roupa, era uma regata branca, uma jaqueta de couro do lado dela e um short jeans. Um tênis estava na frente, e meu pensamento começou a fazer mil e uma teorias. 

Ela irá sair?

Saio de meu transe quando escuto o rugido de sua cama. Ela havia se remexido e virado seu corpo para lado. Ela abraçava o travesseiro e sussurrava umas coisas sem anexo.

Mais uma conclusão sua: Ela fala enquanto dorme.

Me aproximei de sua bancada e deixei um presentinho pra ela alí. Me aproximei de sua cama e acariciei seu rosto. Ela parecia se sentir confortável com o meu toque, e a fez sorrir mínimo.

Sua pele é tão delicada...

A diversão alí estava acabando. Escuto um barulho vindo do cômodo ao lado, então peguei a chave de meu bolso e pulei a janela. Se quase morri? Sim! Afinal, era muito alto da sua janela até o gramado.

Andei em direção até a entrada e tranquei a porta. Olhei no relógio de meu celular e bufei com o tanto que eu havia demorado nessa casa.

01:37 AM

Coloquei no meu bolso e saí andando pelas ruas, como se... Enfim, nada tivesse acontecido...



Notas Finais


Se o Taehyung é psicopata?
Talvez!
Se o Taehyung já ficou doente pela _______?
Talvez²!
Se ele deu uma de ARMY e ficou fazendo teorias?
Sim!

Hehe'
Espero que tenham gostado!
Beijocas~ ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...