História Another - A história continua - Capítulo 17


Escrita por: ~

Postado
Categorias Another
Personagens Kouichi Sakakibara, Mei Misaki, Personagens Originais
Tags Another, Drama, Horror, Kouichi, Misaki, Misaxsakaki, Romance, Sakakibara, Suspense, Terror
Exibições 33
Palavras 1.957
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Drama (Tragédia), Escolar, Fantasia, Ficção, Mistério, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Insinuação de sexo, Mutilação, Nudez, Spoilers, Suicídio, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olha que milagre, que coisa mais rara hoje em dia, eu postando mais um capítulo com menos de dois meses de atraso.
Espero que gostem e só dou a vocês um conselho: Sugiro que preparem seus corações pelo que acontecerá nesse capítulo.

Capítulo 17 - À luz retornaremos


Fanfic / Fanfiction Another - A história continua - Capítulo 17 - À luz retornaremos

Sakakibara

As pontas de meus dedos já tocam no teto sobre minha cabeça. A água continua a subir incessantemente.

Com o balançar de minhas pernas, na tentativa de manter-me sobre a água, sinto uma pontada de dor, como se algo houvesse me cortado.

Ao olhar mais atentamente vejo a barra de aço que viera procurar, mas que havia me esquecido devido a tudo o que ocorrera.

Rapidamente pego a barra e passo por uma fresta que tinha nos escombros. Com a barra já prepara em meio aos blocos, uso-a como uma alavanca, colocando sobre ela toda a força que eu conseguia.

Mesmo com toda a força que eu tinha disponível não consegui fazer mexer nem mesmo um centímetro. Tento mais algumas vezes, mas a mesma coisa se repete.

Por fim, deixo a barra presa ao teto, pela fresta que tinha usado para tentar mover os blocos, e desisto mais uma vez de tentar sair dali.

Minhas escolhas já se haviam acabado há muito tempo, quando decidira descer neste buraco e retirar esta barra de seu local de descanso.

O que me resta agora é esperar, seja por um futuro incerto ou pela imensidão da vida após a morte, se é que isto existe.

A água continua a subir lentamente. Estou a cerca de vinte centímetros de encostar minha cabeça na pilha de escombros que bloqueiam meu caminho. Cerca de vinte centímetros até que não haja mais espaço para o ar e eu acabe me afogando.

E pensar que eu já passei por tanta coisa...

Sobrevivi a uma calamidade que assolava minha escola e que agora assola a cidade. Muitos de meus colegas, muitos de meus amigos morreram, mas eu sobrevivi.

Sobrevivi ao ataque do senhor Chibiki, que pensei estar do nosso lado, mas na verdade era o principal responsável por tudo isso. Um prédio inteiro foi reduzido ao pó, quebrei diversos ossos, rompi diversos órgãos, tive queimaduras e escoriações severas, mas eu sobrevivi.

Sobrevivi a um ataque de marginais. Mais uma vez precisei lutar contra pessoas pela minha vida, retirei a vida de seus corpos, coisa que eu nunca mais pensei que viria a fazer, mas eu fiz e sobrevivi.

Em todos estes casos eu precisei lutar contra algo ou alguém para que eu sobrevivesse ou salvasse alguém. É engraçado pensar que meu fim venha a chegar no exato momento em que eu não tenha como lutar.

Minha existência é tão desprezível para que o universo conspire contra mim? Eu faço um uso tão errôneo de minha vida para que queiram tomá-la de mim?

Eu não sei mais o que pensar. Talvez isto já devesse ter acontecido há muito tempo, mas eu é que fui teimoso de mais para aceitar, ao ponto de negligenciar tais fatos.

Creio que não me resta muito mais tempo. Eu queria pelo menos poder ter me despedido de todos. Lágrimas escorrem de meus olhos ao lembrar-me de tudo o que havia acontecido. É inevitável a angústia que se sente em seu leito de morte.

Naoya e Yuuya, bem como todo mundo, foi bom ter conhecido vocês. Vocês se provaram ser amigos melhores do que eu poderia querer ou esperar.

Pai... Desculpe-me por guardar tantos segredos de você. Desculpe-me por sempre te preocupar. Eu gostaria de poder ter passado mais tempo ao seu lado.

Misaki... Desculpe-me por sempre te preocupar comigo, mas eu não tenho culpa se este tipo de coisa me procura. Você é outra pessoa que eu gostaria de poder ter passado mais tempo junto. Meu único arrependimento é não ter falado o que eu sentia antes.

Todos... Muito obrigado por sempre estarem ao meu lado. Se realmente existe outra vida após esta, então eu prometo que nunca vou esquecer vocês e tudo o que fizeram por mim. Realmente, eu só tenho a agradecer. Sim, eu prometo que jamais irei esquecê-los!

A água agora já havia chegado ao topo. Com meus últimos segundo, respiro o máximo de ar que tenho antes de ficar sem nenhum.

Agora não tem mais volta. Desta vez você realmente conseguiu me alcançar.

Afundo lentamente enquanto perco aos poucos o ar de meus pulmões. Minha consciência aos poucos vai se esvaindo junto com os mais leves resquícios de minha vida.

Tudo ficava mais escuro do que já estava naquele lugar. Tudo vai escurecendo até não sobrar mais um raio de luz se quer.

Em meio a tal imensa escuridão, vejo uma luz incrivelmente brilhante. Sinto meu corpo ascender rumo ao céu. Realmente não brincavam quando falavam sobre andar em direção à luz. Nunca acreditei realmente que pudesse haver outra vida além desta, mas isto prova que eu estava errado.

Fecho completamente meus olhos enquanto mantinha meus últimos pensamentos.

“Não se preocupem pessoal...! Eu cumprirei minha promessa...!”

Misaki

- Rápido! Não temos tempo a perder!

Corremos dentro do estacionamento procurando pelo Kouichi. Nós não sabemos o que aconteceu com ele desde aquela explosão. Tenho um mau pressentimento.

- Vamos! Por aqui! – Diz Mirume.

- Como você sabe?

- Veja ao seu redor. Não tem nada destruído por aqui, mas lá... Lá tem muitos escombros. Seu namorado só pode estar em um lugar destruído. Além do mais, lá é mais ou menos o lugar onde nós estávamos antes, mas, é claro, no subsolo.

Dada a informação de Mirume, vamos até onde ela havia indicado.

Existem muitos escombros por aqui. Muitos carros foram esmagados e destruídos.

Ao chegarmos à parte mais destruída conseguimos ver o buraco no qual Kouichi, provavelmente, caíra. Olhando para cima conseguimos ver a área de alimentação do shopping, então deve ser aqui mesmo.

Olhamos ao redor, mas apenas escombros e carros destruídos se encontravam ali.

- Droga! Achei que ele estaria logo um nível abaixo de nós. – Diz Arison.

- Acho que não. Este shopping tem um estacionamento de três níveis. Olhe só ali embaixo! Da pra ver que o buraco continua! – Comenta Yuuya.

- Por que uma cidade pequena como Yomiyama tem um shopping com um estacionamento tão grande?

- Por mais que aqui seja uma cidade com poucos habitantes, este é o único shopping da região, então pessoas de umas oito cidades dos arredores vêm pra cá. – Completa Mirume.

- Entendo... Mas olhem o tamanho deste buraco! Acham que depois daquela explosão e de uma queda destas alguém conseguiria sobrevi... – Arison é interrompido por Naoya com uma cotovelada. – Me desculpe.

- Eu tenho certeza de que ele está bem! – Começo a falar. – Nós só precisamos continuar procurando!

Por mais que minha voz soe confiante, por dentro eu temo pelo pior. Meu coração está repleto de incerteza e insegurança. E desde que entrei neste lugar sinto um grande peso em meu coração. Tenho um mau pressentimento sobre tudo isso.

Sem perder nosso foco descemos mais um andar do estacionamento.

- Aqui é a parte mais funda do buraco. Ele tem de estar aqui!

Então começamos a procurar por ele naquele lugar.

- Kouichi!

- Kouichi, consegue me ouvir!?

- Alguém!

- Pessoal! – Grita Samy.

- O que foi? Encontrou ele? – Pergunto indo em sua direção.

- Não! Mas olhe isso!

No meio dos escombros encontramos algumas pessoas caídas e ensangüentadas no chão. Todas elas estavam... Mortas.

Não pode ser! Por favor, que o Kouichi não esteja no meio deles!

Corro em direção àquelas pessoas querendo confirmar meus pensamentos. Era uma visão horrível e uma situação muito triste, mas fico feliz por saber que ele não fora uma das vítimas.

- Vejam aqui! – Grita Naoya. – Talvez isso possa ser dele.

- O que foi? – Pergunta Yuuya.

- Tem um rastro de sangue indo para aquela direção. Talvez ele tenha acordado e procurado por uma saída por ele mesmo.

Começamos a seguir o rastro de sangue formado por pequenas gotas caídas no chão. Minhas esperanças estavam maiores. Estava confiante de que ele realmente estaria no fim desta trilha.

Chegando ao final dela encontramos mais escombros. A trilha acabava em uma pedra no meio de um pequeno espaço aberto onde rios de água escorriam pelas paredes e caiam do teto..

- O que isto significa? – Pergunta Naoya. – Pessoas simplesmente não somem!

- Talvez alguém tenha caído aqui e caminhado até onde nós estávamos. – Diz Mirume.

- Vamos voltar! Não podemos ficar perdendo tempo! – Fala Arison.

Quando estávamos saindo do local acabo escutando o som de bolhas na água. Com aquilo, acabo parando imediatamente onde estava.

- Esperem!

- O que foi Misaki? – Pergunta Samy.

Volto até o buraco, onde escuto novamente o som de uma bolha de ar estourando.

- Tem alguém aqui dentro! Precisamos mover esta pedra!

- Como você tem certeza? – Pergunta Arison.

- Eu escutei uma bolha de ar vindo daqui.

- Você vai confiar um tempo precioso em uma bolha de ar?

- Você vai ficar retrucando ou me ajudar? – Respondo já perdendo minha paciência.

- Está bem...

Com a ajuda de todos, começamos a tentar remover aquela pedra, mas ela quase não se mexia.

Começo a ficar agitada até encontrar uma barra de ferro saindo de um buraco entre a pedra e o chão.

Ao removê-la percebo que ela está completamente molhada e com um pouco de sangue em sua extremidade.

- Arison, tente usar isto! – Falo jogando a barra para ele.

Ele a encaixa em um buraco, firma-a com outra pedra e com a ajuda de Naoya a usa com alavanca. Colocando todo o seu peso e força eles conseguem levantar a pedra o suficiente para que, com a força combinada dos demais, nós conseguíssemos tombar a pedra para o lado. Revelando um buraco cheio d’água.

- Vejam! Realmente tem alguém aqui. – Diz Samy.

- É ele! – Grito.

Por impulso me jogo na água. Vou até o fundo e o seguro com um dos braços enquanto que com o outro começo a nadar de volta à superfície.

Com a ajuda dos demais tiro-o da água. Ele estava desacordado. Não estava respirando.

O mais rápido que pude comecei a fazer a massagem cardíaca enquanto fazia respiração boca-a-boca.

- Vamos! Acorde! Não me deixe

Continuo incansavelmente alternando entre massagem cardíaca e respiração boca-a-boca.

- Não... Me deixe! – Lágrimas começavam a escorrer de meus olhos.

Meus movimentos começavam a ficar mais lentos.

- Pare...Não dá mais Misaki. – Fala Mirume.

- Não! Eu preciso salvá-lo!

- Você fez tudo o que podia. – Fala ela segurando meus ombros e me puxando para perto de si.

Mirume me puxa para perto e me abraça. Desabo em choro sobre seus ombros. Eu não sei mais o que fazer. Não pode acabar assim.

Não consigo ver nada devido a minhas lágrimas, mas pelo som que escuto percebo que todos estão chorando a minha volta.

Kouichi... Você me salvou tantas vezes...

Você me salvou de ser uma pessoa fria quando confiou em mim mesmo quando todos me ignoravam...

Você me salvou da morte quando todas as pessoas que eu achava serem meus amigos tentaram me matar...

Você me salvou quando a única pessoa que podia falar comigo na escola tentou me matar...

Você me salvou quando bandidos tentaram me estuprar e matar...

Você me amou...

Você fez tanto por mim, se arriscou tanto por mim e mesmo assim eu fui uma completa inútil na única vez que você precisou de da minha ajuda...

Eu sabia que me aproximar de você só acabaria te ferindo... E mesmo assim eu continuei...

[CAUGH]

Escuto um engasgo ao meu lado. Viro-me e vejo Kouichi vomitando  uma grande quantidade de água e voltando a respirar.

Ele vira-se instintivamente para o lado para não se engasgar novamente com a água e levanta seu torço se apoiando em um braço, ofegante, tentando respirar.

- Kouichi! – Grito abraçando-o com todas as minhas forças. – Eu estava com tanto medo. Pensei que você não fosse mais voltar.

- M-Mei... Eu j-já falei antes... É difícil... Respirar... Com você m-me apertando... Tanto...


Notas Finais


Ta ai... Como vocês acharam que ia ser ou acabar esse capítulo? Digam ai nos comentários, vocês não sabem como os comentários de vocês me dão ânimo pra continuar a escrever. Nos vemos no próximo capítulo. E até mais.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...