História Answers (Sendo Reescrita) - Capítulo 10


Escrita por: ~

Postado
Categorias Aaron Carpenter, Cameron Dallas, Magcon, Nash Grier, Shawn Mendes
Personagens Cameron Dallas, Personagens Originais
Tags Answers, Cameron, Cameron Dallas, Dallas, Hellen Mendes, Nosocialife
Exibições 174
Palavras 2.829
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Comédia, Crossover, Ecchi, Escolar, Festa, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Slash, Suspense, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Desculpa DESCULPA!
É só isso que posso dizer agora. Sei que demorei MUITO pra atualizar Answers, e acreditem, isso também estava me matando por dentro. Ainda mais que eu não conseguia desenvolver mais nada pra a história. Mas essa maré de má sorte passou, chegamos ao décimo e levemente polêmico capitulo, e eu preciso dizer que a fanfic chegou em uma área bem Hardcore agora.
APROVEITEM A LEITURA, sinto muito por não ter respondido alguns comentários de capitulos passados. Saibam que estou bem grata SIM!
Vejo vocês nas notas finais!

Capítulo 10 - X - Three of Four


Fanfic / Fanfiction Answers (Sendo Reescrita) - Capítulo 10 - X - Three of Four

         LEIAM AS NOTAS FINAIS E INICIAIS,  IMPORTANTE! 

Cameron Dallas Point Of View

 

 Isso pode ser um sonho? Isso pode ser um sonho. Espero que seja um sonho.

 Mesmo sabendo que não é um sonho, ainda espero que seja um sonho.

 Hellen está aqui, cara! Ela tá VIVA.

 Mesmo tendo certeza disso - duas vezes já, - eu ainda não consigo acreditar. E a única pergunta que tenho é: como?

 Como essa mulher está aqui? Os Mendes viram o corpo dela, ela foi cremada! Não tem como ressucitar uma mulher cremada! Não tem nem como ressucitar! Eu acho. 

 Após o demônio/espírito/namorada morta viva rir da minha cara por um bom tempo, o que era levemente muito assustador, ela saiu por uma porta e não voltou mais.

Já gritei, já fiz muito escândalo - não me orgulho disso, mas estou sendo sequestrado! -  e nada aconteceu ainda.

 Mesmo sem ter ideia das horas, sinto que muito tempo se passou, pois nada aconteceu depois, e eu ainda estava com a maldita dor constante na cabeça - o pior que não era em um lado específico, era por toda a minha cabeça mesmo. Nunca vou entender o que houve com minhas pernas e mãos, desde quando acordei, mal consigo ficar em pé por mais de quinze segundos, sério, eu contei.

 Por falar em ficar em pé, tentei uma última vez, mas caí de cara, com o barulho do meu fracasso ecoando por aquela sala enorme e escura. Mas pareceu que dessa vez, tive um resultado diferente, por que ouvi outro barulho alto, dessa vez parecia vir do outro lado da porta.

 Bem, poderia ser nada, mas acho que todos os deuses para quem eu virei crente de última hora não iriam me deixar na mão, após eu ter implorado um milhão de vezes para cada um deles me tirassem desse caralho. Enquanto ainda estava no processo de tirar o meu rosto do chão, ainda ouvi alguns sons vindo da porta, depois tudo parou por um tempo. O que aconteceu depois foi a cena mais legal que já vi na vida:

 Pensem comigo: se você é um cara sequestrado por Hellen Mendes, seja lá o que ela for agora, completamente machucado e parcialmente imóvel, qualquer coisa que acontecer depois é lucro. Dessa vez, o lucro foi maior do que eu posso calcular, fico emocionado só da lembrança disso: a porta caindo com toda força e uma luz muito forte vindo de lá, quase pensei que era a morte, mas era o oposto disso. Senti que uma sombra se aproximou de mim com rapidez e me puxou pra cima. Qual é! Todo mundo vai me puxar pra todos os lados agora?!

 - Merda, acho que ela aplicou em alta dose. - alguém, provavelmente quem me puxou pra cima, já que apenas uma pessoa entrou, falou. Essa voz... - Vamos, Cameron! Olha pra mim! - senti leves tapas na minha bochecha e tentei focalizar na pessoa, que ainda estava apenas uma sombra, até eu começar a enxergar cabelos cacheados na minha cara. Apesar de apenas um dia perto daquela garota, era impossível não reconhecer Violet.

 - Viol... - tentei falar e ela jogou uma garrafa de água inteira na minha cara. - Argh! Obrigado pela recepção calorosa. - murmurei

 - Até quando você tá semi-morto você é sarcástico? Você é o demônio!

 - É a minha única defesa! E eu não me chamaria assim depois de conhecer a minha ex-namorada maravilhosa e receptiva. - falei enquanto ela tentava me levantar, e me levava-arrastava apoiado em seu ombro.

 - Vamos, antes que ela volte, não quero vê-la agora. - disse séria enquanto passava pela porta comigo ainda pendurado nela e apressava o passo.

 Antes que eu falasse o que estava em mente, tropeçamos em algo, ou melhor, alguém.

 - Gilinsky?!? - o cara mais aleatório que poderia aparecer agora estava desacordado no chão, com o rosto todo marcado, parecia ser por unhas. - Mas que...

 - Eu deveria ter empurrado ele pro lado mas pensei que ela não tinha exagerado na dose do paralizador. - a morena me interrompeu e continuou andando rápido. - Se você começar a sentir suas pernas é melhor que avise, pois se eu descobrir que está se aproveitando de mim eu mato você. - olhou pra mim ameaçadora, é, acho que é melhor acreditar no que ela diz.

 - Pode deixar, Violet.

 Andamos por um corretor mega extenso, até encontrarmos uma porta aberta, onde entramos e eu já estava começando a consegui r andar normalmente. A porta dava para outro corredor, dessa vez com várias portas em ambos os lados. Violet continuou seguindo reto, até chutar uma porta, dessa vez do lado esquerdo, e darem de frente para uma estrada vazia.

 - Onde é isso?

 - Estrada abandonada da East, você deveria saber, Hellen só andava por aqui quando fugia de casa. - a morena afirmou, me olhando acusadora, fiz uma careta pra ela.

 - Ok, você pode bancar a salvadora da pátria, aventureira e essas coisas aí, mas não me engana. Por que está se interessando por isso e sabe tanto sobre Hellen, eu, e todo mundo?

 - Acabei de salvar a sua pele, Dallas, não me encha o saco. - disse ainda andando rapidamente até um pouco longe, onde estava a van de Stella.

 - A Becky? Onde tá todo mundo? - falei já em frente ao veículo, enquanto Violet abria a porta do passageiro bruscamente e me colocava dentro do carro (confesso que estou adorando ser cuidado).

 - Estão naquele restaurante escroto ainda, peguei a van emprestado. - murmurou baixo e séria como sempre, dando partida.

 - Por quê eu tenho a leve impressão de que você não pediu emprestado a ela?

 - Mas que porra, Cameron! Você nunca para de fazer perguntas?!? - exclamou irritada batendo com toda força no volante. Sim, eu roubei a merda da Becky pra vir salvar o teu rabo, satisfeito?!? - me olhou com os olhos arregalados numa expressão de raiva.

 - Ok! Obrigado, eu acho. Ainda não entendi por que todo mundo não está aqui contigo, mas tudo bem. - respirei fundo e olhei a estrada passando por nós. - Ei, onde estamos indo? - franzi o cenho, vendo que já estávamos saindo da cidade. - Esse não é o caminho do Cindy's! VIOLET! - gritei e ela tomou um susto, vacilando as mãos no volante e quase fazendo a gente virar panqueca. 

 - CALA A BOCA! Eu sei o que eu estou fazendo! Olha aqui, você quer ajuda ou quer que Hellen mate você? - fiquei em silêncio, cruzando os braços. - Eu poderia ter deixado ela te torturar eternamente lá mas não o fiz! Agora você fica quieto e colabora, ou eu te coloco lá de volta. -  só me restou assentir e fechar os olhos tentando dormir. O dia foi, definitivamente pior que ontem, e eu estava morto de cansaço, mas simplesmente não conseguia dormir. 

 O último bilhete que recebi, Cora tentando me matar, Hellen viva, Hellen me sequestrando, Violet me resgatando e me arrastando pra outro lugar... Foi com esses pensamentos que eu adormeci e fui para o doce mundo dos sonhos.

 

-xxx-

 

  (...) - Hmm-m... Mais rápido! - a morena falava ofegante enquanto eu gemia rouco e investia mais forte e rápido dentro dela.

 - Oooh, babe, você é tão apertada... - beijei seus lábios na falha tentativa de abafar seus gemidos altos e ela arranhou minhas costas outra vez.

 Senti que ela estava chegando ao seu limite (eu não estava diferente), quando começou a empurrar os quadris embaixo de mim, e gemer ainda mais alto. Violet puxou os meus cabelos da nuca com força, e me apertou dentro de si, o que me fez soltar um urro de prazer, liberando meu orgasmo junto ao dela.

 Caí ao seu lado na cama, ambos ofegantes, e ela ela tinha parte do seu cabelo no rosto, me olhando com um sorriso sacana.

Violet se aproximou e me deu um beijo de tirar o fôlego, que eu respondi com muita avidez, apesar de estar muito cansado.

 - Isso foi bom. - sorri abobalhado, me sentindo um adolescente que acabou de transar pela primeira vez. O sorriso que a mulher tinha, foi substituido por uma caranca de raiva. A mulher logo de afastou e disse séria

 - Cameron.

 - O que foi? - perguntei confuso.

 - Cameron! - me deu um tapa forte no rosto. - Acorda!

- Acorda logo! Eu não vou te carregar! - Violet gritou, já fora da Becky, me encarando séria do lado que eu estava no carro. Senti um ardor no rosto e percebi que aquilo não tinha sido apenas parte do sonho, eu realmente recebi um tapa na cara pra acordar.

 - Você virou demente? - Violet perguntou estressada. - Anda logo, pelo horário o efeito da injeção já acabou completamente, você já pode se mover. - disse e virou as costas, comigo saindo do carro e fechando a porta, indo atrás dela.

Eu ainda estava suado, ofegando e excitado pelo sonho que tive. Falando nisso, que diabo de sonho foi esse? Muito obrigado, mente! As coisas já não estão muito fáceis no mundo real, agora até no mundo dos sonhos não posso ter um pouco de paz ou um dia tranquilo.

 Violet parece ter percebido o quanto eu estava inquieto, por que me olhou e arqueou a sombrancelha.

 - Você se contorceu mil vezes enquanto estava dormindo, sem falar que toda hora soltava um som estranho. - comentou, e eu olhei pra ela, engolindo a seco. - Pesadelo?

 - É, pode ser chamado assim também - falei meio aflito. Olhei para a calçada e só depois percebi que estávamos em uma espécie de praia. - Onde a gente tá indo? 

 - Pra minha casa. - falou simplesmente, franzi o cenho olhando ao redor.

 - Mas não tem nada aqui. 

 - Aquilo ali parece nada pra você? - falou e apontou pra um trailer, bem longe.

 - Ah. - murmurei baixo.

 Depois de mais muito tempo andando, chegamos em frente ao trailer. Violet puxou um molho de chaves e abriu a porta com a menor delas. Ela se virou pra mim com um sorriso irônico.

 - Pode entrar, madame.

 Entrei e dei uma olhada rápida ao redor, era cheio de cores e papeis, com um pequeno frigobar do lado de duas portas. Do meu lado tinha uma pequena pia e fogão.

 - Não é espaçoso e cheio de baboseira cara como você esta acostumado, mas acho que é melhor que um cativeiro né? 

 - Que isso, é... Aconchegante. - falei e dei um sorriso fraco.

 - Own, ele ta sendo amoroso, que fofinho. - zoou e me empurrou de leve com o ombro, o que me fez quase derrubar tudo, por causa do pequeno espaço do veículo. - Eita, desculpa. - riu fraco e começou a me empurrar pra frente: 

 - Vai, senta aí. - me empurrou em sua cama, eu me sentei meio desconfortável e ela chegou em minha frente com uma caixinha pequena. Tirando de lá um spray e algodão, abrindo a tampa e tacando o liquido sem dó na minha cabeça. Gemi alto de dor, e ela me encarou com uma careta.

 - Deixa de coisa! Nem arde. - passou o algodão.

- Eu só tomei um susto, não tava esperando. - me defendi.

 - Aham, Dallas, você não me engana. Mais dramático que o Nash. - falou, e me lembrou uma coisa:

 - Por que você não foi atrás deles e nem veio "me salvar" com eles? - perguntei baixo, e ela suspirou cansada.

 - Foi necessário, para a sua segurança e a deles, amanhã eu te explico, só não posso agora ok? - falou com um tom estranhamente carinhoso. Franzi o cenho.

 - Mas a Felicity, ela... - tentei explicar, mas fui interrompido.

 - Cameron, ela deve estar bem, com os outros. Aquele grito que todos ouvimos pode ser um mal entendido. Hellen não iria machucar ela assim tão na cara. - disse, me deixando desconfiado.

 - Você vai ter que explicar a sua relação com Hellen também... - ela parou de por o curativo e me olhou estranho. - Qual é né, você acha que eu acredito que você sabe tudo sobre ela só por causa de um baú e internet?

Ela suspirou mais uma vez: - okay. Eu falo. Mas você tem que entender ok? - me olhou fixamente nos olhos.

 - Agora você me deixou com medo... Mas ok, vou tentar.

 - Ótimo! O seu curativo já está pronto também. Se quiser tomar banho vai ter que ser na praia.

 - Tá bom. Ei, tem alguma coisa pra beber? A minha garganta está meio seca.

 - Olha, água aqui não tenho não. Só vodka e cerveja.

 - Não tem nada sem álcool?

 - Nada sem álcool.

 - Vodka. - falei e ela abriu o pequeno frigobar, tirando uma garrafa de vodka, abrindo e enchendo um copo branco, logo me entregando. Ela fez o mesmo pra ela, e logo estendeu o copo.

 - Um brinde a ficar  vivos! - brincou e eu encostei o meu copo no dela.

 - À ficar vivos.

 

                        Stella Lewis Point Of View

 

 - Ah, cara, eu te amo! - Nash gritou quando viu o irmãozinho dele chegando com um carro. - Muito obrigado, cara, fico te devendo essa.

 - Essa e mais outras mil, né? Mas tudo bem. - Hayes disse, saindo do carro. - Vocês podem usar, mas se tirar um mínimo arranhão vocês irão me pagar um carro novo!

 - Pode deixar, garoto, eu tomo cuidado com o carro das pessoas. Agora dá licença, Grier. - empurrei Nash para o lado e entrei no lado do motorista. É óbvio que eu não deixaria ninguém dirigir nada, ainda mais com a minha bebê aí fora em algum lugar.

 - Grossa. - ouvi o Grier babaca murmurar, mas decidi ignorar só dessa vez.

 - Você vai ficar aqui sozinho? - Shawn perguntou ao mais novo, que rapidamente negou.

 - Ash está vindo logo atrás, com o carro da mamãe.

 - Mamãe liberou o carro pra sua namorada? Cara, ela gostou mesmo da garota né? - Grier mais velho disse. 

 - É, acho que sim - riu sem graça.- Eu ainda não entendi o que vocês estão fazendo, todo mundo junto perguntando coisa sobre a Hellen... E cadê o Cameron, Felicity e aquela garota esquisita?

 - Tchau Hayes - nós três falamos em conjunto, e os meninos entraram no carro rapidamente, e eu segui a estrada.

 - Onde nós vamos agora? - Perguntei passando por onde nós tinhamos ido antes.

 - Não sei, acho que devemos voltar pra a casa do Cameron. - Nash disse.

 - Gina e Sierra ficariam preocupadas com ele, melhor não. - Shawn disse.

 - Onde nós poderiamos ir?! Temos que achar eles, mas nem sei por onde começar! - falei exasperada, até que surgiu uma ideia.

 - Vamos na casa da Felicity! Ela já contou a gente que tem uma chave embaixo do vaso da porta, e ela também falou sobre o computador dela, que vive no programa aberto em gps do celular. Ela estava com o celular quando saiu, provavelmente a gente consegue achar ela, a ladra e o Cameron.

 - Ah, você é um gênio, Stella! - Shawn sorriu pra mim, do meu lado, e eu fiquei sem jeito. Nash revirou os olhos no fundo. A rua estava meio vazia, então chegamos rápido à casa de fim de mundo de Felicity. Por que eu costumo ficar olhando todos os caminhos pra decorar depois.

 Chegamos na frente daquele mundo de mato, e logo percebemos que algo estava estranho, principalmente por que a porta da casa da asiática estava aberta. Saímos do carro e eu tranquei tudo. Andando em direção a casa, com mais medo do que a primeira vez. Eu sei que posso não gostar desses dois seres, mas mesmo assim, dei as mãos à ambos, pois eu estava com muito medo.

 Entramos na cara e tudo parecia normal, tudo normal com a diferença de várias fitas de vídeo com datas diferentes, espalhados pela entrada. E só piorou quando Shawn ligou a luz da sala, e eu vi a cena mais traumatizante da minha vida.

 Não consigo me lembrar muito de como estava, mas o que consigo recordar eram os olhos vazios, muito sangue espalhado pelo corpo, chão e sofá, apenas uma corda a prendendo no teto pelo pescoço. Seu corpo todo coberto por cortes, e no rosto, um H.M, provavelmente marcado por uma faca, ou algo afiado. O nosso grito de horror foi a única coisa que conseguimos fazer, pois a garota que por anos sofreu na mão da Hellen, a garota que viveu uma paixão com Cameron, tinha acabado de ir embora, de forma cruel. Felicity Ohara estava morta, e nada, nem ninguém, pode alterar isso.


Notas Finais


AAAAAAAAAAAAAAAAH NÃO, FELICITY :'(
Eu até gostava dela, mas tenho que dizer que é um mal necessário.
Enfim, não vou deixar isso muito longo, sintam-se livres pra comentar o que acharam do capitulo, enredo, personagens, etc!
A fanfic não é movida a isso, mas é muito importante pra mim saber a opinião de vocês.
Falando em opinião, o que acharam dessa nova capa? Estou gostando de aprimorar meus péssimo dons pra capas de fanfic!
AH, ANTES QUE EU ME ESQUEÇA¹ : Sim, sei que no começo da fanfic eu falei que só seria POV do Cameron, mas ao longo da fanfic percebi que de outros personagens - como Stella. Também serão necessários em algumas horas!

AH, ANTES QUE EU ME ESQUEÇA²: ESTOU POSTANDO OUTRA FANFIC AQUI! Se chama The Alien, e o enredo é meio doido mas eu queria muito que vocês lessem:
https://spiritfanfics.com/historia/the-alien-5543094

E uma das minhas melhores amigas está fazendo uma fanfic muito boa com o Shawn, e eu queria que vocês lessem sim! Se chama Dear Best Friend
https://spiritfanfics.com/historia/dear-best-friend-6753282


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...