História Antes Da Fama -- Segunda Geração. - Capítulo 3


Escrita por: ~ e ~fernandalemos

Postado
Categorias Avril Lavigne
Personagens Avril Lavigne, Personagens Originais
Tags The Vamps
Exibições 13
Palavras 1.178
Terminada Não
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 3 - Que Irmão!


Fanfic / Fanfiction Antes Da Fama -- Segunda Geração. - Capítulo 3 - Que Irmão!

Até para ser flor têm que ter sorte!

P.O.V'S LARA LAVIGNE SIMPSON.

Eu ri com o susto e ele me olhou feio, mas depois só me puxou para um abraço, beijou minha testa e me abraçou mais forte ainda, em seguida apoiando o queijo em minha cabeça. Sim, Gustavo é cinco segundos mais velho que eu e mais alto! ah, Gustavinho é sempre tão carinhoso! Ficamos assim por mais um tempo enquanto ele conversava com aqueles garotos e, para o meu nojo e repulsa, algumas garotas. Sim, eu tenho ciúmes dele. Afinal, que mal tem isso? Ele é meu irmão. Mas é obvio que ele não sabe que eu tenho ciúmes dele, pois daí ele evitaria ficar perto de garotas e eu quero que ele seja feliz. Mas enfim, passado algum tempo assim, bateu o sinal, e eu e meus irmãos já sabíamos que aquele era o sinal para irmos para o quarto. Seguimos por um corredor até chegarmos ao corredor que era o dos dormitórios. ( Confuso, né? ). O caminho inteiro o Gus foi com a mão da minha cintura. assim que eu abri a porta do meu dormitório, ele foi abrir também, nos encaramos por um tempo tentando entender o que aquilo significava até que damos de ombros ao mesmo tempo. Sério, nós somos tipo, MUITO parecidos mesmo! Nós entramos de mãos dada no quarto e eu percebi que isto foi um erro. Todos já estavam no quarto e nos encaravam como se fossemos namorados, e eu percebi também que Gustavo ficou vermelho, pois pelo jeito ele era o único garoto do dormitório.

'' Oh Oh! Oh Oh! 

É tão lindo o jeito que você fica vermelho quando está envergonhado,

Não temas, meu pequenino,

Eu estou aqui, com você e por você!

Oh Oh! Oh Oh!

Não fique envergonhado

Meu querido!

Eu estou aqui com você por você!

E sempre vou estar!

A tata está aqui, não se preocupe!''

Eu dei de ombros novamente e me sentei  na minha cama, pegando o livro que antes de sair eu deixara lá e comecei a ler, porém antes de eu começar a fazer isso eu dei uma ultima olhada no meu irmão e vi que sua cama era tipo, muito próxima a minha.

__---***--__

acordei logo de manhã e olhei as horas. 04:27. Cedo demais. Mesmo assim me levantei e peguei uma roupa, fui até o banheiro que, a propósito estava vazio, e fiz minhas higienes matinais. Voltei para o quarto vestindo um shorts jeans escuro, um tênis da Nike preto e uma regatinha preta básica. Aproveitei para lavar o cabelo então o deixei solto e encaracolado nas pontas e uma tiara preta com uma florzinha branca. Coloquei um relógio no pulso e peguei também uns livros para mim ler enquanto o resto das pessoas desse lugar não acordam.

Desci as escadas devagar e calmamente e então fui para o ''jardim'', me sentei debaixo de uma arvore e comecei a ler o livro A Seleção. Era muito legal e eu já estava a ler pela quinta vez, mais ou menos, se não for mais.

Eu estava completamente distraída quando um garoto Alto, branco e moreno se sentou ao meu lado, assustando-me.

-ah, lhe assustei foi? Desculpe.  Você é Laura, filha da Avril Lavigne, né? E do Brad Simpson, também?-Ele perguntou, curioso,quando eu me recuperei do susto.

-Sim, e você é?-Eu perguntei, me mostrando na mesma curiosidade.

-Henrique. Sou filho do Michael, amigo da sua mãe.

-Ah sim. Mas sorte sua...-Eu comecei cautelosa, querendo afasta-lo de mim.

-Porque?-Ele se mostrou curioso, droga de curiosidade!

-Que meus irmãos não estão aqui. Eles são muito ciumentos!-eu exclamei e então foi eu falar neles que eles apareceram.

Hector me viu conversando com Henrique e fechou a cara. Gustavo também fechou a cara, mas me puxou pelos braços para os dele me abraçando forte, eu enterrei minha cabeça em seu peito e segurei as lágrimas. Digamos assim que o Gustavo me puxou com certa força e me machucou.

-Oh, que foi, maninha? Ele lhe machucou foi? Porque se foi pode falar que eu quebro com a cara dele.-Disse Gustavo e Hector acrescentou.

-Pode falar, Laurinha. Se foi eu ajudo a quebrar a cara dele. Esse moleque deve ser que nem o pai dele!-Ele disse com certo nojo na voz enquanto se referia ao Henrique.

-Não foi ele. Gur, você machucou o meu braço...-Eu falei, manhosa.

-Oh, desculpe, baixinha!-Ele falou e eu sorri, e ele caiu em gargalhada mas depois olhou feio para o Henrique.-e você, fique longe da minha irmã seu canalha!

Mais Perto (part. Halsey)

Ei, eu estava indo muito bem antes de te conhecer
Eu bebo muito e isso é um problema, mas eu estou bem
Ei, você diga aos seus amigos que era um prazer conhecê-los
Mas eu espero que eu nunca vê-los novamente

Eu sei que quebra o seu coração
Mudou-se para a cidade em um carro de baixo quebrou e
Quatro anos, nenhuma chamada
Agora você está olhando muito em um bar do hotel e
Eu não consigo parar
Não, eu não consigo parar

Então baby me puxar para perto no banco de trás do seu Rover
Que eu sei que você não pode pagar
Morda essa tatuagem em seu ombro
Retire as folhas de certas fora do canto
Do colchão que você roubou
A partir de seu companheiro de quarto de volta em Boulder
Não é sempre ficando mais velhos

Não é sempre ficando mais velhos
Não é sempre ficando mais velhos

Você, olhar tão bom como o dia em que te conheci
Eu esqueço porque eu deixei você, eu era louco
Espera, e tocar aquela música Blink-182
Que espancou até a morte, em Tucson, está bem

Eu sei que quebra o seu coração
Eu me mudei para a cidade em um carro de baixo quebrou e
Quatro anos, nenhuma chamada
Agora você está olhando muito em um bar do hotel e
Eu não consigo parar
Não, eu não consigo parar

Então baby me puxar para perto no banco de trás do seu Rover
Que eu sei que você não pode pagar
Morda essa tatuagem em seu ombro
Retire as folhas de certas fora do canto
Do colchão que você roubou
A partir de seu companheiro de quarto de volta em Boulder
Não é sempre ficando mais velhos

Não é sempre ficando mais velhos
Não é sempre ficando mais velhos

Então baby me puxar para perto no banco de trás do seu Rover
Que eu sei que você não pode pagar
Morda essa tatuagem em seu ombro
Retire as folhas de certas fora do canto
Do colchão que você roubou
A partir de seu companheiro de quarto de volta em Boulder
Não é sempre ficando mais velhos
Não é sempre ficando mais velhos (que não é sempre ficando mais velhos)
Não é sempre ficando mais velhos (que não é sempre ficando mais velhos)
Não é sempre ficando mais velhos (que não é sempre ficando mais velhos)
Não é sempre ficando mais velhos

Não é sempre ficando mais velhos
Não, não é sempre a envelhecer

Que irmão!



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...