História Antes das minhas cartas (NAMJIN) - Capítulo 16


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga, V
Tags Namjin
Exibições 199
Palavras 2.474
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Escolar, Fluffy, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yaoi
Avisos: Bissexualidade, Homossexualidade
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Yo, cheguei com o bendito capítulo especial kkk confesso que deu um pouquinho de trabalho, mas acho que saiu bom.

*A imagem do capítulo parece ser bem fofa, mas vai ter uma parte da história que vai mudar sua visão dela. Bjss*

Capítulo 16 - Depois das suas cartas


Fanfic / Fanfiction Antes das minhas cartas (NAMJIN) - Capítulo 16 - Depois das suas cartas

                     Namjoon P.O.V

Estava no trabalho quando recebi a mensagem de Jin pedindo para quando voltasse para casa eu passasse no mercado para comprar alguns litros de vinho para hoje à noite. Já estava quase na hora de ir embora e resolvi passar na sala do meu sócio, o CEO da gravadora junto comigo.

-“Yoongi, você vai hoje à noite né?”- Ele revirou os olhos e eu já sabia qual seria a resposta. -“Se você não for mesmo não é pra mim que deve explicar e sim pro Jin… se é que você tem coragem.”- Sorri vitorioso quando vi a expressão de indignação no rosto dele.

Yoongi não iria conseguir negar um pedido de Jin para passar o natal com a gente. E mesmo se ele negasse, seria capaz de Jin ir até a casa dele e o arrastar pelo cabelo. Era engraçado como ele agia como mãe de todos e conseguia até mesmo fazer com que Yoongi o obedecesse.

                             °°°

Tocava uma música baixa e o cheiro bom de comida tomava conta da casa. Morávamos juntos a um ano e eu ainda não conseguia acreditar que finalmente eu estava vivendo com Jin, que enfim conseguimos ficar juntos.

Tirei o paletó e afrouxei a gravata. Tirei o sapato e coloquei no quarto. Estava cansado, mas precisava falar com o dono do meu sorriso. Caminhei até a cozinha e coloquei as garrafas de vinho em cima de mesa. Ele estava parado em frente à pia. Abracei-o por trás e inspirei fundo a aroma da pele dele. Jin era tão lindo que parecia um anjo.

-“Oi meu amor, como foi o trabalho? Yoongi vai vim né?”- Ele se virou de frente pra mim é selou nossos lábios.

-“Foi tudo normal. Sim, Yoongi vai vim.”- Sorri só em sentir o contato dos nossos lábios. Minha vida era perfeita.

-“Bota os vinhos na geladeira e vai tomar um banho. Daqui a pouco dá a hora e os meninos chegam.”- Selei novamente nossos lábios de forma mais demora, mas igualmente calma.

O que era para ser um simples selar se transformou em um beijo luxurioso. Nossas línguas se encontravam e eu sugava seu lábio inferior. Jin arfou baixo contra o beijo e eu rocei minha ereção na perna dele. Ele sorriu maliciosamente e massageou meu membro por cima da roupa. Peguei-o no colo e coloquei sentado em cima do espaço vazio que tinha na pia. Tomei seus lábios voluptuosamente, minhas mãos tateavam todo o corpo a minha frente e as dele se concentravam em massagear meu membro e puxar meu cabelo de forma fraca.

-“Jinnie.. que cheiro é esse?”- Minha voz ainda ofegante foi sussurrada no ouvido dele.

-“E-eu não sei.”- Jin gaguejava e falava de forma calma entregue ao prazer que estava sentindo. -“A COMIDA NAMJOON.”- Ele desceu da pia como um pulo e foi checar a comida.

Eu saí de lá e fui tomar meu banho. Os meninos iriam vir e algo me dizia que seria uma longa noite.

                         °°°

Já eram cerca de 22:30 e a casa não estava nem um pouco silenciosa. Jimin e Taehyung já estavam bêbados cantando alguma música no karaokê enquanto Jungkook tentava de alguma forma convencer os namorados que já estava mais do que na hora deles pararem de beber, claro que sem sucesso. Hoseok conversava alegremente com Jin sobre alguma coisa dos programas que só eles gostavam. Yoongi estava sentado na varanda olhando para o céu.

Enchi dois copos de whisky com gelo e fui até onde ele estava. Me sentei na cadeira ao lado dele e só depois de um tempo seu olhar foi direcionado a mim.

-“Esse outro copo é pra mim?”- Falou apontando para um dos copos em minha mão.

-“Lógico que não! Esse é um novo jeito de tomar uma dose dupla.”- A ironia em minha voz era palpável. Estendi o copo pra ele que não pensou duas vezes para aceitar e beber tudo de uma vez.

O silêncio reinou durante no máximo dois minutos, até ele suspirar alto e prender minha atenção até ele.

-“Eu pedi ele em namoro e ele disse que precisava pensar.. A gente tem tanto tempo juntos que já poderíamos casar, mas ele ainda assim precisa pensar para aceitar a porra de um pedido de namoro.”- Yoongi parecia tão mal e eu não podia o culpar.

-“Vamos esquecer isso hoje.”- Peguei a garrafa de Whisky e enchi novamente nossos copos. -“Certo?”- Ele concordou e brindou nossos copos.

                        °°°

-“Obrigado hyungs e desculpem pelos dois novamente.”-

Já era a quarta vez que Jungkook se desculpava pelos namorados só naquele curto espaço de tempo em que ele despedia de nós. Aquilo estava se tornando entediante e não era só eu que achava, já que Taehyung murmurava o nome do namorado mais novo e implorava para que fossem logo para casa, já Jimin, que digasse de passagem me surpreendeu muito entrando em um relacionamento poliamor, abraçava o namorado mais novo que enquanto se desculpava fazia um cafuné no cabelo vermelho de Jimin.

Enfim estávamos sozinhos em casa e eu não via a hora de conseguir aproveitar o meu namorado. Me joguei no sofá e segui cada passo dele que se deitou em cima de mim. Jin recostou a cabeça em meu peito e eu comecei um cafuné nele. Meus batimentos eram calmos, como se eu pudesse morrer a qualquer momento e se eu morresse, morreria feliz.

-“Vamos abrir os presentes?”- A voz de Jin soou repentinamente quebrando o silêncio.

O engraçado é que ele perguntou, mas nem esperou a minha resposta para se levantar e pegar todos os presentes. Eu apenas ri soprado e fiquei-o observando.

-“Abri o do Yoongi primeiro, ele disse que é algo pra casa”- Jin se pôs a rasgar o papel de presente e encontrou um porta retrato com a foto de Yoongi já colocada.

Nossas risadas foram tão altas que era capaz de alguém vim reclamar por barulho excessivo. Depois de um tempo rindo tanto que até choramos, Jin colocou o porta retrato em um lugar da sala e disse que deixaria ali para espantar mosquitos.

-“Agora vou abrir o de Hoseok, ele me disse que era algo que iria me ajudar muito.”- E novamente ele rasgou o papel de presente e achou ali um conjunto de panelas que viviam anunciando na televisão, eles diziam ser indestrutíveis e eu logo entendi o porquê de Hoseok ter dado aquilo.

Jin riu e disse que seria de grande utilidade para casa, que finalmente deixaria eu ajudá-lo na cozinha. Eu apenas fingi estar ofendido para que ele me mimasse e foi isso que ele fez. Veio até a mim e me deu vários beijinhos até que eu finalmente colocasse um sorriso no rosto.

-“Vamos ao dos meninos, eles colocaram todos em uma caixa só.”- Jin pegou a maior caixa ali com um papel de presente de pimentinhas e eu já sabia que coisa normal não me esperava.

Depois de rasgar o papel encontramos uma espécie de cartão e logo percebemos que com certeza teria sido idéia de Jungkook escrevê-lo.

Hyungs, me desculpem. Esses presentes não foram idéia minha, vocês conhecem os meninos e sabem como eles são. Jiminnie quis dar algo diferente, Tae quis dar algo fofo e eu só queria dar algo normal. Desculpa hyungs.

                            Feliz Natal :)

Quando Jin abriu a caixinha foram revelados três tipos de presentes diferentes. Um gel lubrificante com um desenho de um morango pegando fogo na frente, que deduzimos ser de Jungkook, já que era o mais normal dos presentes. Uma fantasia de gatinho, com gravatinha, tiara de orelhas e uma cauda fofinha, que estava óbvio que foi de Taehyung. Mas o último foi o que mais me impressionou, um kit com máscara para impossibilitar de enxergar, algemas e um chicote, com certeza eu lembraria de agradecer a Jimin depois.

-“Você sabe que desses presentes o único que eu vou usar é o de Jungkook não é?”- Olhei-o desacreditado e ele deixou que uma risada lhe escapasse. -“Você só pode estar brincando, não é Kim Namjoon?”- Engoli em seco e revirei os olhos.

-“Só põe uma vez, só pra gente ver como fica, aí depois você tira.”-  Fiz cara de menino mimado, mas nem isso conseguia convencer Jin.

-“Eu disse não Namjoon, eu não vou usar isso.”- Jin se virou e andou até a cozinha.

-“Ótimo, você sempre faz o que quer mesmo.”- Falei mais pra mim do que pra ele, mas infelizmente ele ouviu.

-“Isso Namjoon, eu sempre faço o que quero. Que nem ontem que eu fiz seu prato favorito, que a propósito eu odeio, mas foi só porque eu quis. Nada do que eu faço é pra você.”- Eu nada falei, apenas fui pro quarto e me joguei na cama.

Eu sabia que se dissesse mais alguma coisa poderia desencadear uma discussão sem motivo algum, apenas porque somos dois orgulhosos. Eu queria ir na sala e pedir desculpas a Jin, queria dizer que sou um babaca, mas não iria. Afinal, porque ele não poderia vestir uma fantasia? Porque não poderíamos apimentar um pouco nossa relação? O que tem de ruim nisso?

Já tinham se passado umas duas horas que eu estava naquele quarto e já estava começando a desistir do meu orgulho. Queria sair e abraçar Jin, dizer que eu nunca mais faria isso e que ele poderia vestir o que quisesse. Na hora em que ia me levantar Jin entrou completamente vestido com a fantasia, até com a cauda e eu nem quero saber como ele fez pra colocar ela lá.

-“Jinnie, o que é isso? Você não precisa meu amor, eu.. me desculpa.”- Abracei-o forte e inspirei o seu aroma. -“Eu fui meio idiota.”- Ouvi a risada dele soar baixa.

-“Daddy, cuida do seu baby boy.”- Jin sussurrou no meu ouvido fazendo uma onda de tesão percorrer todo meu corpo e se acumular na minha virilha.

-“E-eu não acredito que você me deixou duro só com a voz.”- Falei espantado e com a voz falha. Jin me empurrou pra cama e se posicionou em cima de mim.

-"Topo tudo, menos o chicote."- Eu Concordei com a cabeça e ele caminhou até um canto do quarto.

Eu não sei de onde ele tirou aquelas algemas, mas agora eu já estava algemado à cama. Jin rebolava em cima de meu membro me fazendo arfar. Eu já estava sem camisa, então ele bem lentamente tirou minha bermuda, me deixando apenas com uma box branca com um volume bastante visível. Ele mordeu os lábios e voltou a rebolar em cima de meu membro, ia pra frente e pra trás, me fazendo querer cravar minhas unhas naquela cintura, mas eu ainda estava algemado. Então ele parou e desceu lentamente uma trilha de beijos até meu baixo ventre. Minha cueca já estava molhada com o líquido lubrificante que meu membro expelia, então ele retirou minha cueca por inteiro, molhou a mão com o lubrificante ganhado recentemente e começou uma massagem deliciosamente lenta e torturante.

A cada segundo o lubrificante esquentava mais, me fazendo sentir um prazer sem igual. Então Jin lambeu a extensão do meu membro, me fazendo gemer um pouco mais alto e me contorcer de prazer, eu queria encostar minhas mãos nele, mas não dava.

Foi quando ele se levantou e voltou com a máscara, eu sabia o que ele estava prestes a fazer e sabia o quanto aquilo iria me torturar, mas não relutei nem um pouco. Agora com minha visão impossibilitada e minhas mãos presas, eu me sentia totalmente à mercê de Jin. O mesmo não tinha pena e lambia todo meu membro e estimulava meus testículos, mas nunca me engolia por inteiro. Aquele jogo já estava me deixando impaciente, então de repente ele me abocanhou por completo, me fazendo gritar de tanto prazer.

Assim como eu ele estava cansado de toda aquela brincadeira, então logo senti meu membro sendo engolido por sua entrada e aquilo sem dúvidas foi a pior tortura de todas. Ele sentava devagarzinho e começava a rebolar na mesma velocidade, senti seus braços envolverem meu pescoço e uma aflição horrível por não poder vê-lo, nem tocá-lo.

-“Oh daddy, tá gostando de foder seu baby boy?”- Ele gemia enquanto aumentava o ritmo do rebolado.

-“Tô baby, mas por favor, solta seu daddy pra ele poder fazer direito.”- Eu não precisei insistir muito e Jin já estava me soltando.

Já com os braços soltos eu retirei aquela bendita máscara e tive a melhor visão do mundo. Jin estava com orelhas de gatinho, uma gravatinha frouxa, o rosto vermelho, a respiração descompassada e os cabelos grudados na testa de suor. Ele era lindo demais, o ser mais lindo que eu já vi na minha vida.

Inverti as posições o deixando por baixo e logicamente eu por cima, passei um pouco mais daquele lubrificante e o penetrei com força. Jin gemia alto enquanto eu entrava e saía dele sem pudor algum. O coloquei de quatro e passei mais um pouco de lubrificante na mão, passei no membro dele, nos mamilos e na entrada, penetrei-o com tanta força que o corpo dele dava leve impulsos para frente. Eu estava sedento por ele, submerso em um êxtase tão grande, que eu jamais imaginaria que era possível perder a cabeça desse jeito.

-“I-isso é que-ente Nam”- Jin tentava falar entre gemidos.

Coloquei-o para ficar por cima e ele não cessou, começou a cavalgar em meu membro cada vez mais rápido, gemendo meu nome e baixarias que eu jamais imaginei que ele dissesse um dia. Passei a ajudá-lo flexionando o quadril pra cima e não demorou muito para que ele chegasse ao orgasmo sujando-me por completo e logo depois lambendo cada gota do próprio líquido e tomando minha boca para si, forçando-me a sentir seu sabor. Eu gostava daquele lado dele, aquele lado sem vergonha, que não tinha medo de ser ousado.

Joguei-o na cama e sai de dentro dele, meu membro estava da altura de seu rosto e ele sabia o que tinha que fazer. Enquanto eu me masturbava, Jin lambia, chupava e babava todo meu membro. Não demorou muito para eu chegar a meu ápice, fazendo com que ele engolisse meu líquido inteiro.

                      °°°

Depois de tomarmos um banho demorado, vestimos roupas confortáveis e nos deitamos. Jin estava repousando sobre meu peito e eu fazia cafuné em sua sua cabeça. Como eu tinha sorte em tê-lo comigo.

-“Jinnie, obrigado por não ter desistido de mim.”-  Minha voz soou baixa como um sussurro.

-“Eu não fiz nada, foi você que me disse uma vez que só daria certo com alguém se esse alguém fosse eu.”- Ele disse de forma calma e doce me fazendo sorrir. -“Namjoon, o que você escreveu na sua última carta resposta?”- Aquela pergunta me pegou de surpresa.

-“Em todas elas eu escrevi praticamente a mesma coisa.”- Falei após pensar um pouco.

-“E o que foi?”-

Ps: Foi, é e sempre será recíproco.


Notas Finais


Confesso que não sei quantas palavras deu, mas espero que vocês tenham gostado.

https://spiritfanfics.com/historia/close-6691816

👆👆 Link do Yoonseok dessa história, sim uma história interligada. Caso vocês queiram ler né :v

Me digam o que acharam e obrigada por lerem a fic até aqui, por ter favoritado e comentado ❤❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...