História Antes do Amanhecer - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias Divergente
Personagens Andrew Prior, Beatrice "Tris" Prior, Caleb Prior, Christina, Eric, Ezekiel "Zeke" Pedrad, Natalie Prior, Tobias "Quatro" Eaton
Tags Divergente
Exibições 43
Palavras 1.742
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Aventura, Ficção, Luta, Romance e Novela, Violência
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Hey meu povo lindo
Tudo bom?

Obrigado pelos favoritos e comentários vocês são demais😍😍
Obrigado a quem leu nossos fantasminhas vocês também são importantes.
CONTÉM ALGUMAS PARTE DO LIVRO.
My lovely people deixo vocês com mais um capítulo.
Até lá em baixo.🤗🤗

Capítulo 6 - Chapitre cinq


Leia as notas iniciais

& Beatrice &

Saindo eu estava assustada tudo que temia aconteceu como assim eu sou Divergente isso fica na minha cabeça que quando eu chego ao estacionamento eu nem percebo meus pais do meu lado brigando comigo por eu ter saído de lá sozinha.

Eu estava com muita coisa na cabeça para prestar atenção no que diziam só prestei atenção quando cheguei em casa e lá tinha a pessoa menos provável que iria me ver Eric, meus pais saíram e Caleb tinha ido não sei aonde e me deixaram conversando com ele.  Fui quem começou a falar:

-O que você quer?

-Calma Beatrice só vim aqui ver se você está bem, porque fiquei sabendo que levou um tiro ou alguma coisa do tipo.

-Sim, eu estou bem foi só um susto já passou.

-Sabe eu acho que você não vai poder participar amanhã tá ferida.

Claro que ele tinha que tocar nisso.

-Eu vou participar sim, eu vou para a abnegação acredito eu e além do mais não tem nada dizendo que só porque eu fui ajudar alguém e acabei me ferindo que não possa participar.

-Sabe eu acho que você está muito confiante para alguém que chegou tão perturbada do teste de aptidão.

-Sabe isso não te interessa em nada, agora se foi só pra isso que veio pode ir embora.

-Nossa Beatrice que grosseria

-Primeiramente você vem até minha casa para insinuar coisas que não te interessa nem um pouco, tenta me humilhar ou você acha que essa sua cara de bom moço me engana se acha está muito enganado e segundo você já disse tudo que queria então ponha-se daqui para fora.

Disse isso e me “arrastei” para a porta abri e dei passagem para ele passar.

-Tchau Beatrice, mas você vai me pagar por me expulsar da sua casa.

-Eu não te expulsei você já tinha terminado o que veio fazer aqui além do mais você que nunca gostou de mim.

Digo isso e bato a porta na sua, como eu o odeio e um cara tão insignificante que só pensa em ser cruel e no melhor para si mesmo.

Eu não sei exatamente quando essa empatia com ele começou mas desde sempre a gente não se dá bem e não faço a menor ideia do motivo disso tudo,só quero paz será que é muito difícil.

Fui me arrastando para meu quarto não queria conversar com ninguém então peguei um papel e escrevi “não quero jantar só me chame amanhã antes da cerimônia” e preguei na porta e tranquei, me joguei na cama e fiquei lá pensando no que fazer não tinha a mínima ideia, eu divergente entre audácia, erudição e abnegação isso é tão estranho saber que me encaixo na erudição eu não sou tão inteligente assim, audácia eu corajosa a esse ponto não acredito nisso e abnegação eu atá uma abnegada eu, isso é a coisa mais estranha de tudo eu não tenho a menor ideia, nenhuminha para onde eu vou.

De tanto pensar acabei dormindo tive vários pesadelos e nem me lembro de todos só sei que foi bem terrível.

Acordei com minha mãe me chamando levantei com custo, fui para o banheiro eu estava sentindo que tinha passado um caminhão tanque em cima mim, entrei no banheiro tirei o curativo nem parecia que eu tinha levado um tiro á seis dias atrás, tomei um banho, escovei os dentes. Voltei para o quarto e minha roupa estava em cima da cama e minha mãe sentada ao lado, acho eu, para fazer o curativo da minha perna de novo.

Peguei a roupa e fui para o banheiro de novo me vesti e saí de novo minha mãe não disse nada só chegou perto olhou a minha perna passou uma pomada e pronto, arrumou meu cabelo com um coque bem apertado e sai.

Eu fui atrás dela como já estava pronta ela desceu a escada e foi em direção à cozinha eu fui atrás, me sentei e ela colocou o prato com torradas na minha frente se sentou ao meu lado e começou a falar:

-Está nervosa?

-Não, estou apavorada, não sei o que fazer.

-Beatrice não importa o que você escolher lembre seu pai e eu amamos você e Caleb.

Fiquei pensando nisso porque hoje em dia não é mais obrigatório viver na sede de cada facção você pode morar com seus pais e voltar a cada ano na facção só para cumprir seu determinado trabalho, mas a nossa cidade leva bem a sério esse negócio das facções.

Meu pai chamou todos nós para irmos, só agora eu percebi uma coisa eu estou andando quase que normalmente.

Saímos e fomos em direção ao ponto de ônibus desde pequena eu me lembro de como eu me sentia em relação ao meu pai ser o governador de Chicago junto com Marcus Eaton as coisa sempre foram complicadas por esse fato, mas hoje em dia eu nem ligo já me acostumei.

Pegamos o ônibus e logo chegamos ao salão onde todo onde é celebrada a cerimônia.

Vejo muitas pessoas na rua ou em frente com várias cores de todas as facções.

Entramos e seguimos para a área destinada à abnegação, mas no caminho não podíamos encontrar a líder da erudição uma mulher tão desprezível que dá até vontade de vomitar e claro tinha que nos parar.

-Oi Andrew Prior.

-Oi Jeanine.

-Quem são eles?

-Há são meus filhos Beatrice e Caleb Prior.

-Prazer em conhecê-los.

Mal olho para ela e continuo andando fomos para nossos lugares e dão o aviso.

-Sentem-se todos aos seus lugares em suas determinadas facções.

Com isso a cerimônia começa com Jeanine falando:

- Bem-vindos à Cerimônia de Escolha. Bem-vindos ao dia em que nós honramos a nossa criação democrática dos nossos idealizadores, que nos fala que todo homem tem o direito de escolher seu próprio caminho no mundo, escolher qual vai ser para sempre seu futuro.

- Nossos filhas ou filhos estão agora com dezesseis anos. Eles estão no princípio da vida adulta e agora são capazes de decidirem que tipo de pessoas eles querem ser-a voz de Marcus é calma e clara dando peso igual a cada palavra. - Décadas atrás, nossos ancestrais compreenderam que não é uma ideologia política, crença religiosa, raça ou nacionalismo que culpa um mundo ignorante. Sendo assim, eles determinaram que fosse culpa da personalidade humana –o idealismo que a humanidade tem  para  fazer o mal, seja qual forma for. Eles se dividiram em facções que pretendiam tirar todas essas qualidades erradas que acreditavam ser responsáveis pela falta de organização do mundo.

Com isso meus olhos vão direto aos potes no centro da sala. No que eu acredito?

-Aqueles que culparam a agressão formaram a Amizade.

Os da Amizade trocaram sorrisos. Eles estavam vestidos confortavelmente, em vermelho ou amarelo. Cada vez que eu os vejo, eles parecem, amáveis, carinhosos, livres. Mas se juntar a eles nunca foi uma opção para mim, acho que não conseguiria viver como eles sempre tão pacíficos.

- Aqueles que culparam a ignorância se tornaram Erudição.

Descartar Erudição foi à única parte fácil da minha escolha, sou até que bem inteligente, mas não conseguiria ser presunçoso o tempo todo ou me gabar por descobrir isso ou aquilo.

-Aqueles que culparam a hipocrisia criaram a Franqueza.

Eu nunca gostei dos integrantes da Franqueza, sempre se achando superiores pelo fato de nunca mentir ou de que sempre descobrem se alguém mentisse.

-Aqueles que culpavam o egoísmo fizeram a Abnegação.

Eu culpo o egoísmo, eu culpo. Mas mesmo assim eu não sou abnegada ao suficiente em todos esses anos e eu não fui altruísta o suficiente, nunca seria abnegada ao suficiente para fazer parte da Abnegação.

- E aqueles que culpavam a covardia foram a Audácia.

Acho que não me daria muito bem na Audácia sou um pouco pequena demais, covarde demais.

Um por um, cada garoto ou garota de dezesseis anos dá um passo e caminha para o centro da sala. A primeira garota chamada decide em ir para a Amizade, a mesma facção da qual ela pertence. Eu assisto o sangue dela cair sobre a terra e ela fica atrás das cadeiras, sozinha.

A sala está organizada mais em movimentação o tempo todo, um novo nome e uma nova pessoa escolhendo, uma nova faca e uma nova escolha. Reconheço a maioria deles, mas duvido que eles me conheçam. Na escola todo mundo tinha seu grupinho particular não era diferente comigo.

* “- Tucker, James-Marcus diz”.

James Tucker é da Audácia é a primeira pessoa que tropeça no caminho para os potes. Levanta os braços e recupera o equilíbrio antes de cair no chão. Seu rosto está vermelho e ele caminha para o centro da sala. Quando chega lá, olha do pote da Audácia para o pote da Franqueza, a chama laranja que aumenta mais e mais a cada momento e o vidro refletindo a luz.

Marcus entrega a faca para ele. Ele respira profundamente - aceita a faca. Então, arrasta a faca através da palma da mão como um idiota e coloca o braço para o lado. O sangue dele caia sobre o vidro e ele é o primeiro de nós a trocar de facção. A primeira transferência de facção. Um murmúrio se eleva no setor da Audácia e eu olho para o chão.

Eles o verão como um traidor, como um perfeito idiota a partir de agora. Sua família da Audácia terá a opção de visitá-lo em sua nova facção, mas duvido que faça isso. Falta uma semana e meia para o dia de visita, mas eles não vão, porque ele os deixou, ele os traiu. Sua ausência perseguirá os corredores e ele será um espaço que eles não poderão esquecer ou repor. E então o tempo vai passar e o espaço vai ter sumido como quando uma pessoa morre os fluidos do corpo preenchem o espaço que ele deixou. Humanos não conseguem tolerar o vazio por muito tempo.

- ”Prior, Caleb-fala Marcus.”.

Caleb aperta minha mão pela última vez e quando ele se afasta, lança um longo olhar sobre o ombro para mim. Eu o vejo ir em direção ao centro da sala e as mãos dele quando ele aceita a faca de Marcus são hábeis enquanto ele pressiona a faca na outra mão. Então ele fica em pé com sangue escorrendo pela palma e seus lábios se juntam.

E respira. E então ele sustenta a mão no pote da Erudição e seu sangue caia na água, tornando-a de profundamente vermelha.

Eu escuto murmúrios que se estendem em gritos indignados. Mal posso pensar direito. Meu irmão, meu altruísta irmão, mudou de facção?Não acredito, Não acredito Caleb foi para a erudição.

Até agora não decidi o que fazem em que me encaixar mas logo meu devaneio é interrompido por Marcus Eaton dizendo:

-Prior, Beatrice.


Notas Finais


O que será que a nossa Be brave vai escolher?Abnegação,Audácia,Erudição,Franqueza ou Amizade?

Qual a opinião de vocês?

Nós vemos no próximo capítulo.
Até mais iniciados.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...