História Antes do fim - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Saint Seiya
Personagens Albafica de Peixes, Aldebaran de Touro, Asmita de Virgem, Aspros de Gêmeos, Atena (Sasha), Defteros de Gêmeos, Dégel de Aquário, Dohko de Libra, El Cid de Capricórnio, Hakurei de Altar, Hypnos, Kardia de Escorpião, Manigold de Câncer, Pandora, Radamanthys de Wyvern, Regulus de Leão, Serafina, Shion de Áries, Sísifos de Sagitário, Thanatos
Visualizações 33
Palavras 4.560
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Fantasia, Hentai, Magia, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Espero que gostem.

Capítulo 4 - Feia


Fanfic / Fanfiction Antes do fim - Capítulo 4 - Feia

O tédio corroia Manigold, resolveu ir à uma cidade próxima em busca de bebidas e mulheres.
Acordou com gosto fel na boca e havia uma garota no pequeno colchão com ele, vai logo passando a mão nos seios da garota ainda com os olhos fechados.
__Belos peitos.
A garota mas que depressa devolve pegando em seu pau.
__Nem tão grande assim deve ser o frio.
__Ei tu tá pensando o que em maluca?
__Foi tu que começou.
__Pelo menos diga que te fodi direito ontem.
__Não tive a honra caiu bêbado feito uma toupeira ao sol na minha porta, iria congelar por isso arrastei-o pra dentro.
__Tá tantam das idéias eu podia ser um assassino.
__Esqueceu-se quem és Manigold? A bebedeira foi terrível hein?
__Me conheces?
__Sou cega não burra Manigold, é o beberrão Italiano safado que é cavaleiro de ouro de Athena.
Manigold abriu os olhos e ergueu a cabeça rápido esquecendo o motivo de ainda não ter feito isso. A dor foi terrível.
__Puta merda.....
__Deita Manigold, vou te fazer um remédio.
__Como me conhece? Eu não posso deixar uma cega.....
__Manigold bancar o bonzinho vai estragar tua reputação.
__Tá, só uma pergunta como me trouxe?
__Coisa mais simples peguei uma lona estirei ao lado do corpo, rolei o corpo pra lona, e arrastei a lona tava muito frio então te pus na minha cama.
__Não te falaram que é perigoso? Tipo sua mãe não te falou que homens são perigosos?
__Sim mas sabe nada ocorre na vida de uma cega feia, pobre e inútil, então por que não arriscar? Soube de seus dotes na cama e vive bêbado uma pobre virgem pode sonhar não acha?
Manigold ficou sem palavras, e isso de fato era raro, obrigou-se a virar a cabeça e olhar a garota que ascendia o pequeno fogão a lenha, com precisão dava pra ver a grande cicatriz do lado esquerdo do rosto, e os olhos brancos sem vida. Realmente a garota era uma visão bem grotesca, não era o tipo que um homem como ele pegaria pra lhe aquecer a cama.
__Você não é meu tipo mesmo eu gosto das bonitas.
__Eu também gosto mas não me sobrou como saber não é?
__Oh retardada eu te chamei de grotesca.
__Já te falei que não sou burra e para de gritar que eu não sou surda. E eu sei que sou uma péssima visão, por isso agradeço por ser cega.
__A que ponto tu chegaste Manigold que a única mulher que te quer é uma pobre coitada.
__Eu não posso reclamar do povo daqui, me dão comida e alguns me trazem água e lenha mas é por que não querem me ver por aí pedindo. Então Manigold ainda de pé pagando bebidas ou de pau duro você é super útil, caído sem dinheiro ninguém liga se morrer em uma calçada.
__Que horror garota olha a boca suja.
__Vai bancar o puritano só por que sou feia?
__Porra e eu achando que ontem tinha sido um dia ruim.
Deitou-se e fechou os olhos bem firme, a cabeça latejava lembrava-se de ter bebido muito de ter feita a festa com duas ou três garotas e de ter continuado bebendo como se pudesse entorpecer os demônios que habitam dentro dele.
E agora estava na cabana de uma garota Horrorosa que não se abala com chingamentos. Sentiu mãos quentes erguendo sua cabeça quis protestar mas havia algo nas mãos pequenas e quentes que aliviaram a dor. Ele se deixou cuidar. A garota pôs uma compressa quente com cheiro de alguma erva, algo clareou ela não lhe contara que ele provavelmente tinha sido dopado e que ela cuidara dele por toda noite, que tipo de trouxa faria algo assim, Sage ia matá-lo dessa vez um cavaleiro de Athena perdendo a vida envenenado em um bordel era uma tremenda desonra pra seu mestre tão responsável, sim ele vivia metendo o louco mas Sage era um pai, não um mestre um pai amoroso que fizera o possível para fazê-lo se sentir parte de alguma coisa. O cavaleiro desbocado de câncer amava seu mestre mesmo que muitas de suas atitudes não fossem exemplar seu mestre sabia que podia contar com ele.
__Manigold você calado me assusta.
__O que te ocorreu?
__Um tive o azar de sobreviver há alguns anos, um ataque de espectros.
__Não gosta de viver?

__Que vida? Essa coisa ridícula que tenho? Não isso é sobreviver, eu preferia ter ido com os outros.
__Mas a vida.....
__Há não Manigold nem vem, tipo nem sexo eu faço.
__Realmente que bosta hein? E bebidas?
__Nada os tipos que me dariam bebidas acabariam me matando e fazendo obscenidades com o corpo.
__Caralho coisa esquisita, vai me dar pesadelos.
__Ai vai me dizer que nunca viu isso no inferno?
__Ei é mundo dos mortos, inferno é por aqui mesmo. E você é bem pior do que as coisas que tem por lá.
A garota se acaba de rir do tom de Manigold, se pudesse enchergar veria as caretas bizarras dele.
__Tu és divertida mas ainda não sei teu nome apesar de que podia te chamar de assombrosa mas aí tua mãe ia puxar minha perna no mundo dos mortos.
Ela não parece se importar quantos comentários cruéis alguém precisa ouvir pra deixar de se importar, Manigold ignora o pensamento.
__Angelita.
__Não é daqui?
__Quase ninguém é daqui, eu sou espanhola.
__Angelita nome de puta cristã.
__É talvez eu seja mas....só a vida me fode não é uma merda?
__Põe merda nisso é quase o fim do mundo. Não sei o que eu faria sem beber e fuder muito.
__Fico me perguntando como pode você ser um cavaleiro de Athena sendo um porco tarado sem honra nem caráter.
__Ei filha do Satã, quem é tu pra falar de mim.
__Eu sou uma cega deformada sem nada na vida, então nada a perder senhor cavaleiro de ouro de Athena.
__Fodido, bêbado, tarado sem nada na vida a não ser meu mestre.
__E a armadura de ouro?
__Só um troço brilhante.
A garota levantou, Manigold também ela pegou uma pequena panela de água fervente e levou até o pequeno quarto adjacente para preparar um banho para ele. Manigold disse meio contrariado que não precisava e ela seguia para preparar algo pra comerem.
Ela sorria pra si mesma por se sentir tão bem perto de Manigold, com seu jeito divertido. Ela era tímida mas com ele parecia tão natural. Quem diria que a feia Angelita dormira com o infame Manigold. Este por sua vez ficou paralisado quando saiu depois do banho rápido e vestira a roupa que ela deixara para ele, o sorriso dela era iluminado perfeito, ela ficava linda mesma ele só podia estar sob efeito de drogas não podia ser, como a parente mas próxima do Cruz credo podia ficar bonita sorrindo.
Ela sentiu o olhar de Manigold e ele estava parado a olhando alguns minutos.
__Vem comer e depois deita de novo essa compressa é excelente a curto prazo mas daqui à um tempo se não deitar vai se sentir muito mal.
__Eu posso aguentar uma dorzinha à toa de ressaca.
__Sabe que não é isso. Então faz o que eu disse, come e deita.
__Geralmente eu deito e como.
Ela ignorou a piada, tinha feito um chá que além de saboroso ajudaria na dor biscoitos que ganhara de madame Hegdar e frutas do senhor Monser.
Manigold comeu em silêncio, olhando a triste figura a sua frente.
__Posso ver você depois do desjejum?
__Pirou de vez.
__Te tocar sabe seu rosto eu vejo com as mãos.
__Sai pra lá coisa esquisita......
A mão quente dela tocou seu rosto, numa carícia tão sutil, que Manigold estremeceu ela pareceu não perceber, seus dedos pequenos percorreram o rosto com toques gentis, quando ela chegou aos lábios, Manigold não se reconheceu quando a olhou e viu uma satisfação feminina muito erótica no rosto dela, a tôla inocente era completamente transparente enquanto ele possuia camadas de proteção. Ela passou o dedo indicador suave pelo lábio inferior dele, Manigold não resistiu mordeu seu dedo e depois sugou sem tirar os olhos dela que gritou e se encolheu tão tímida e envergonhada que ele ficou estantaneamente duro, e aquilo doeu, ele soltou o dedo dela, caralho seu corpo só podia estar doido querendo logo uma garota tão feia.
Precisava de umas tequilas e uma ou duas melhor três putas, pra esquecer disso mas a maldita garota tinha razão precisava deitar e descansar a dor estava voltando deitou-se no colchão com cheiro de lavanda e laranja, era o cheiro dela, inspirou a fragrância calmamente, e relaxou, sentiu ela por uma compressa morna em sua testa, mas ficou quieto e caminhou para um sono tranquilo.

Houve um leve despertar nas 2 primeiras vezes que ela trocou a compressa mas depois ele já não acordou.
Teve uns sonhos bizarros, de um tempo que ele não conseguiu até hoje apagar. Se debateu e um corpo quente  aconchegou-se a ele, ele apertou firme e finalmente consegui descansar em paz. Angelita se encontrava em choque todo o seu corpo praticamente  sobre o de Manigold, como podia dormir sobre o peito dele, com uma de suas pernas, presa entre as dele sentindo todo o seu corpo firme e musculoso,e a mão dele segurava sua bunda, ela morreria feliz se pelo menos uma vez pudesse ter ele nu pra ela explorar com suas mãos e lábios ela acrescentou.
Quando Manigold despertou sentiu um peso sobre seu corpo, e lembrou vagamente da garota, ele segurava sua bunda que parecia bem firme e redonda, as coxas eram grossas e deliciosas, e seios grandes do jeito que ele gostava, porém ela é feia demais e cega, ele se considerava um filho da puta mas nem tanto. Ele se moveu pra ela acordar, Angelita pulou longe tão envergonhada que Manigold se surpreendeu aquela não parecia ser a garota desbocada que segurara seu pau.
__Me desculpe vou fazer algo pra gente comer.
Ele caiu na gargalhada e ela ficou corada.
__Eita merda agora tá parecendo o Belzebu feia e vermelha.
__Olha como fala seu.....seu......
__Para para.....menina tu com raiva é um antro sem puta.
__Vai se ferrar Manigold.
Ele entendeu, ela tinha se sentido leve do lado dele, que bizarro a porra da garota se divertir em ser chingada, agora ela parecia constrangida, o que será será que ela tinha imaginado? Algo a mais naquela cama a resposta veio rápido, ela ja tinha deixado claro a chateação por ser virgem, mas ele não a tocaria de forma alguma, quem sabe podia levar ela para uma aventura talvez umas bebidas. Estava decidido levaria ela na cidade vizinha em um bar pra dançar e beber. Mas ela precisava de um vestido não aquele trapo cor de merda que ela usava.
__Não precisa vou embora.
Ela murchou, ele riu.
__Achou o quê? Que eu ia ficar aqui contigo criatura vê se te encherga.
__Sinto te decepcionar sou cega.
__Vou te mandar um dinheiro pela ajuda.
__Não fiz por dinheiro. Só vá logo Manigold.
Ele se foi, foram quase dois dias cuidando dele e ele se fora dormira pouco nesse tempo e fora junto a ele.
Voltou ao pequeno colchão e adormeceu.
Manigold fora ao bar, acertar umas contas, mas não foi preciso um certo garçom agora comia grama pela raiz. Pegou seu dinheiro, não era possível comprar um vestido sem as medidas exatas, então comprou um chapéu e voltou ao pequeno casebre.
Encontrou-a adormecida numa posição bem interessante pensou em deu um grito ela acordou tão atordoada e chateada que ele não se aguentou de tanto rir. Nem percebeu que ela se levantara, só sentiu o tapa ressoar.
__Surtou Belzebu?
__Eu podia ter me machucado, me machucado sério.
__Ai que horror criatura pare de me olhar...... tu com raiva é um desgraça. Vamos vou te levar há um lugar na cidade vizinha.
__Como assim? Onde vamos?
__Num bordel.
__Eu não vou a um lugar desses.
Mas ela acabou indo e agora estava cercada de garotas, que discutiam sobre o que ela ia vestir, como se ela fosse uma boneca. Mas ela estava gostando de ser mimada, havia alguém cuidando de suas unhas, outra de seu cabelo tinham lhe dado óleos essenciais para a pele, e uma garota garantia que quando terminasse de lhe maquiar e vestir teria uma dúzia de homens querendo possuí-la, e que elas escolheriam o melhor para ela. Estava decidida a aproveitar seu presente ao máximo, e era óbvia a escolha se pudesse escolher quem ela queria, mas ele estava a anos luz de sua triste figura. Não voltaria para casa virgem, aceitaria entre suas coxas o homem que aquelas putas malucas escolhessem, não podia almejar algo mais.
Manigold sabia a loucura que fora trazer Angelita até ali, mas não imaginava o tamanho da encrenca, não imaginava que todas as garotas de seu bordel favorito se encantassem com o humor negro e depreciativo dela. Nem que decidissem escolher um cliente, um bom cliente da casa para ela.

__Em silêncio Manigold?
__Suas meninas tiraram a idéia de merda da cabeça?
__Não, e sua virgem decidiu que é hoje. Nós podíamos leiloar a virgindade dela mas não queremos um lixo pervertido tocando nela.
__A filhote de Belzebu tá louca, não vou permitir isso.
__Não se preocupe escolheremos um bom homem e.....
__Bons homens vão a almoços de família não a bordéis.
__Ela quer Manigold. Ela terá.
A casa estava cheia como sempre, ele pensou em reclamar porém era a hora das garotas descerem, e lá estava ela toda de vermelho pernas incríveis de fora, seios marcados em um corpete apertado, o cabelo negro e rebelde, caindo em ondas perfeitas, apesar da cicatriz ela estava linda, e os homens loucos, ela parecia feliz, com as meninas escoltando ela pelo salão, ele podia ouvir as propostas que faziam por ela, Angelita estava assustada como podiam oferecer dinheiro por ela sendo tão feia, sorria de nervoso e pela adrenalina de toda a situação. Ela se divertia mas as meninas precisavam trabalhar e ela se viu sozinha, ele percebeu o momento em que ela ficara sozinha e avançara bem rápido, antes que alguém a tocasse ele a pegou e a levou até o bar.
__De virgem a puta.
__Se posso por uma noite me divertir e ganhar dinheiro por que não?
__Se é o que quer Belzebu.
Algumas das garotas desceram as escadas e levaram-na pra cima, ele soube que tinham escolhido.
__Ei Lorna, lençóis nunca usados. Não a quero nua......
__É óbvio querido aquela garota é espetacular......devia ser você.....
__Nem fudendo sabe que gosto das bonitas.
__Ela é mais que bonita e você sabe.
Bebeu toda a tequila de uma vez quando a levaram na direção dos quartos, o garçom encheu o copo de novo, e quando o homem subiu mandou toda a tequila pra dentro em um gole amargo.
__Lorna.......
__O que foi?
__Para onde?
Ela lhe jogou as chaves, ele olhou nervoso era dos quartos proibidos a clientes, tentou disfarçar a pressa que tinha de tirar o cretino de cima dela, quando entrou no quarto ela estava só, vestindo uma espécie de túnica praticamente transparente, malditas ele pensou, malditas putas armaram pra ele, e ele caira feito um paspalho.
Ela estremeceu ao se dar conta de quem entrara no quarto, não era possível, mas pra sua surpresa ele avançara e beijara com uma fúria que assustou-a.
__É o que quer ser usada como uma puta.
__Sim.
Ela respondeu de queixo erguido em desafio.
__Talvez eu queira um pau, talvez queira gritar de prazer nem que seja uma única vez. Então por favor saia não quero sua piedade.
__Não vou permitir que seja usada na sua primeira vez.
__Seu cretino me trouxe aqui e agora que......
Um pequeno grito escapou quando ele  segurou seu cabelo, e a puxou pra mais um beijo agressivo, ele mordeu seu lábio inferior fazendo-a abrir a boca pra invasão de sua língua.
Presa pelo cabelo com a língua dele explorando sua boca faminto ela estava feliz a mercê dele, podia não ter nenhuma experiência mas era inegável que ele a queria.
Ele a soltou brusco e ela caiu na cama. Devia ir embora putas não tomavam decisões em sua vida, mas seus pés não se moveram em direção a porta.
__Eu não o esperava, o que faz aqui?
__Que diabo de pergunta mulher? Não vai ser tratada como..... o que quer praga?
__Ver você. Todo você. Prometo ir embora se me deixar......você sabe.
__Nem fudendo, você não faz meu estilo.
__Nem com a luz apagada?
Ele foi obrigado a sorrir a garota desbocada, sem nenhum respeito pelo pau alheio merecia mais que uma volta em um bordel.
Virou-se de costa sem nem entender porquê, já que de fato não podia enchergar, talvez fosse a vergonha fazendo uma mega aparição, ouviu as peças de roupa irem pro chão, sentiu o corpo dele bem próximo, tocou com medo que não fosse real, a pele quente os músculos firmes e as cicatrizes , ela sentiu o próprio corpo reagir, ele em um silêncio assustador mas ela não ia se intimidar, percorreu cada canto do corpo dele memorizando o máximo que podia.
Ele por sua vez fingia não estar completamente alterado com os toques dela. Quando sua pequena mão se fechou em torno de seu membro duro, ele não pode se conter e um grunhido frustrado ressoou pelo quarto.
__Desgraçada.....maldita garota....
Angelita não saberia dizer de onde veio o impulso, mas em um segundo estava ouvindo esbravejar e no outro estava empurrando ele, fazendo com que sentasse em uma cadeira, no outro estava no colo dele com seu pau  grande e duro na sua entrada, nem saberia dizer como tivera coragem de tirar a própria virgindade, enquanto descia sua intimidade encharcada sobre o pau dele até estar completamente preenchida.
Manigold também não saberia dizer nada após ela começar a obrigar seu corpo pequeno e apertado a recebê-lo todo, o grito de dor dela o fez esquecer de quem era, até de onde estava, e do por que preferir putas a virgens. Quando ela se moveu tentando se adequar ao tamanho dele, ele a beijou pra se impedir de gritar, nem parecia ser ela a estar perdendo a virgindade em um bordel com um canalha, parecia que ele era o virgem,desesperado a beira de um orgasmo quente, naquele momento algo ficou para trás, e ele se permitiu se entregar pra ela como ela havia se entregado a ele. Naquela noite ele foi dela quantas vezes ela desejou e toda vez foi assustador sublime e novo, e terminou sempre com ele se derramando dentro dela inúmeras vezes, coisa que jamais tinha feito na vida. Sabia da irresponsabilidade disso mas nunca estava pensando direito quando a seguia em um orgasmo profano e indescritível. Ela devia estar cansada machucada, mas o procurara uma vez, duas três até perder as contas.
Ela estava suada, cheirando a sexo, com as pernas gosmentas depois de tantas vezes que ele se derramara dentro dela. Ele geralmente fugia depois mas dormira abraçado a essa garota, completamente tarada, tentou levantar mas ela o puxou de volta esfregando a sua bunda redonda gostosa no seu pau.
__Oh tarada precisa de banho e comida.
__Você é uma refeição completa. Nossa delicioso.
__Caralho mulher tu é mais tarada que eu.
__Tu tá praticando a anos essa vai ser minha primeira e última vez, e já estou choramingando por isso.
__Não precisa ser a última vez....
__Sim precisa, duvido que você repita cardápio.
O sangue de Manigold, ferveu ela nua descabelada com seios fartos empinados dizendo que era o único que ela queria era demais.
__Garota vou te fuder até implorar pra que eu pare.
__Nunca terei o suficiente de você. Nunca mesmo.
Dessa vez ele perdeu completamente o controle, enquanto aos gritos ela pedia por muito mais, ela adormecera exausta, e ele levantou providenciou sua higiene e a dela quando acordasse, e saiu a procura de Lorna.
__Pelos gritos a coisa foi...... o que houve?
__Arruinado completamente arruinado.
__Sem nenhuma piada.
__Não, posso deixá-lo aos seus cuidados Lorna?
__Mas soube que ela tem uma casa?
__Sim mas onde ela mora ninguém é confiável, aqui até os ladrões são bons e gentis. Sua filha poderia viver com ela ao invés de trancada e escondida aqui. Eu providenciarei casa e sustento......
__Isso me seria uma bênção, mas por que não fica você com ela?
__Eu tirei uma semana de folga, por que morrerei nessa guerra santa Lorna.
__Você não pode.......saber. pode?
__Eu sei, a morte é minha companheira desde a mais tenra infância. Eu duvido que muitos de nós sobrevivamos, mas Shion de Aries será um desses, Angelita ficará a cargo de você e dele, Lorna.
__Ela ficará arrasada quando acordar.
__Voltarei em 2 dias pra dizer adeus. E ela é forte.
Ela sabia que acordaria sozinha, e não  iria chorar ou lamentar levantou procurou um roupão foi interrompida por Lorna.
__Nua....
__E satisfeita, ia tentar chamar alguém mas não faço idéia da hora......
__A casa esta fechada hoje, vou te levar pra área secreta, ele nos pediu pra cuidar de você.
__Como ele caminha pra guerra santa acha que ficará segura com minha menina segundo ele providenciará casa e sustento, e eu prometi cuidar de você.
__Eu não quero ser um peso.
__Ele me disse que era corajosa mas não imaginei tanto, não te preocupa viver com prostitutas? 

__Vão me obrigar a me vender?
__Não.
__Então tudo bem.
__Você é incrível, ele merecia alguém assim.
__Ele é um desbocado maluco, e eu estou nas nuvens pelo que acabei de viver.
Manigold foi ao santuário conversou com seu mestre, que percebeu uma sutil mudança nele, mas se ele não queria contar era melhor deixar assim,  depois seguiu até a casa de Aries, para falar com Shion. Serem discípulos dos gêmeos os aproximou muito, apesar das diferenças evidentes de fato Shion era o único a transitar por todas as casas.
__Sem armadura Manigold?
__Que observador.
__O que você quer?
__Preciso que cuide de uma garota quando eu me for.
__Como assim?
__Todos nós sabemos que se alguém vai sobreviver é você.
__O que houve, você tem sempre uma piada pra falar e hoje está sério.
__Conheci uma garota e agora estou arrependido de ter voltado para ela.
__Tá apaixonado?
A pergunta não tinha deboche, havia uma nota de dor e Manigold percebeu por que o sentimento era o mesmo que ele carregava.
__Não há por que negar.
__Quem é ela?
__Se chama Angelita, é uma menina cega maluca e maravilhosa.
__Onde ela está?
__Em um bordel em Tarento.
__Como assim.
__Uma pobre órfã de Pérgamo, não estava segura lá todos uns corruptos, que a ignoraram por não ter nada mas agora é diferente, porém em Tarento até os ladrões e putas protegem os inocentes e indefesos.
__Isso é verdade. Mas por quê eu?
__Fiz um bolão e apostei uma nota como nessa guerra santa você sobrevive. Então quando acabar essa merda vá lá pegar meu dinheiro e proteja minha mulher.
__Tá admitindo que não é o cara?
__Eu sou o cara por isso mesmo vou morrer sou arrogante e teimoso feito uma mula. Cuide dela Shion.
__Se eu sobreviver. Pergunta em quem apostou pra morrer primeiro?
__Não consegui definir entre o Asmita e o Alba-chan então apostei nos dois. Tenho quase certeza que vou ganhar.
__Apostou no Albafica? Ele é o seu melhor amigo.
__Por isso mesmo ele não aguenta mais. Está louco pra morrer se puder fazer isso junto com algo nobre.
Shion riu amargo, todos mereciam a felicidade, mas Manigold apesar de seus modos imperdoáveis, tinha sofrido de mais e merecia ser feliz. Todos eles mereciam porém grande poder, vem com grandes obrigações.
Ele comprou uma pequena casa numa área familiar para onde levou Angelita, Lorna tinha dito que a menina era de fato uma fortaleza e todos a haviam adotado ela já era filha e irmã de muitos. Apesar da morte ter sempre sido sua única certeza, ele aproveitara a vida e não ia reclamar.
Ela caminhava pela casa devagar, descobrindo cada coisa, e dava gritinhos ridículos de felicidade em outra ocasião ele diria algo grosseiro com humor negro peculiar mas estava feliz por cada gritinho ridículo.
Ela gostaria de gritar te amo, mas ele não precisava de mais esse fardo pra carregar.
__Quanto tempo pode ficar?
__O que tem em mente sua tarada filhote de cruz credo?
__Ui o velho Manigold de volta era esse que eu queria preciso de lembranças Manigold, lembranças quente, apimentadas quanto tempo? perdeu a língua? espero que não.
__Dois dias, é tudo que tenho.
Ela começou a se despir rapidamente.
__Então devemos começar logo muitas coisas pra inaugurar muitas posições para testar.
__Que história é essa? Espera te deixei com um monte de puta e agora virou uma rameira?
__Quero você, preciso de você agora.
__Ai sua tarada vou te fuder toda agora.
Ela caminhou para ele, ele a agarrou e a levou para cama, foram 2 dias vividos intensamente um para o outro. E foi com um sorriso lindo que ela deu adeus a ele.
Semanas depois, a tontura e a náusea provou-se ser apenas um sintoma de uma gravidez saudável e pela primeira vez ela chorou as meninas diziam que ela devia mandar avisar, mas ela proibira a todos de fazer isso.
Conforme Lost Canvas avançava no céu e sua barriga crescia, ela orava sem sessar por todos na guerra santa, e por fim a hora dela chegou ele não voltara nenhuma vez e ela não o esperava, era muito feliz ali cercada de pessoas boas mesmo que tivessem uma reputação duvidosa.

Ela sabia que ele sim enfrentava dias difíceis, o bebê nasceu saudável uma linda menina, de cabelos muito azuis e olhos sagazes, era impossível um bebê ser tão cabeludo.
Num dia igualmente ruim como o dia em que ele caira em sua porta, ele voltou apenas para dizer a Deus.
__Amo você Angelita, és a melhor coisa que fiz na vida.
Pegando o pequeno bebê ela o apresenta.
__Essa é a melhor coisa que fizemos e nós te amamos e temos muito orgulho de sermos sua família. Pequena esse é seu pai Manigold de câncer. Papai é nosso orgulho não é pequena.
E ele se foi honrado por sua família, seu mestre e seus inúmeros amigos com reputações duvidosas.
Levou muito tempo para que Shion pudesse honrar a promessa feita, mas quando finalmente foi descobriu que de fato até ladrões eram honesto em Tarento, e que o dinheiro de Manigold tinha sido posto num banco junto com uma pensão que ele deixara para sua garota, Todos conheciam a cega de Manigold, e sabiam onde moravam quando bateu na porta uma garotinha pequena, de olhos azuis e cabelos ciano espetado e ondulado lhe abriu a porta. A pequena era toda Manigold.
__Posso falar com sua mãe?
__Depende de quem seja você.
Ele sorriu encantado.
__Qual é a graça bonitão?
__Você é tão Manigold.
__Ei bonitão conheceu meu pai?
__Sou Shion de Aries mocinha.
__Posso me casar com você?
__Não dá muita sorte casar com cavaleiros de ouro.
__Realmente meu pai morreu só o vi uma vez, mas nossos bebês teriam cabelos longos e lisos e lindos e dourados que espécie de cabelo confuso é o meu.
Ele riu com gosto, parecia que tinha válido apena lutar pelas próximas gerações.
__Belo sorriso bonitão, devia sorrir mais vezes, e a proposta de casar ainda de pé.......vê se não morre.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...