História Ao anoitecer. - Capítulo 9


Escrita por: ~

Postado
Categorias Lendas Urbanas, Slender (Slender Man)
Personagens Personagens Originais
Tags Offenderman, Slender, Splendorman, Trenderman
Visualizações 136
Palavras 1.646
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Magia, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Canibalismo, Drogas, Estupro, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir culturas, crenças, tradições ou costumes.

Notas do Autor


Personagem da capa é a Alice.

Capítulo 9 - Alice run.


Fanfic / Fanfiction Ao anoitecer. - Capítulo 9 - Alice run.


Alice on.

-Então Slender gosta de mim?- perguntei com a sobrancelha franzida.

- Não sei mas parece que sim.

- Ele já teve namorada? 

- Nunca, sempre preferiu a solidão tanto que antes nos todos morávamos juntos mas Slender não quis e se isolou de todos.

- Então mora só ele aqui?- falei incrédula.

- Você, Trender e ele.

- Mas e aqueles que eu vi antes?

- A gente vem fazer visitas ou até pousar aqui por exemplo Jeff ele pega vítimas dessa região então ele vem dormir aqui.

- Mas...

- Chega de perguntas! Fale com Slender se quiser esclarecer algumas coisas.- disse ele me interrompendo.

Ele me entregou a foto que tinha em mãos, era a foto do beijo então eu enfiei no sutiã já que não tenho bolso.

- Boa sorte anjinha e cuide bem do seu Sugar Daddy

- Pra você também manequim.- falei soltando um sorrisinho.
Ele saiu apressado.

Depois de muito tempo esperando Trender ele aparece com um prato com macarrão com molho vermelho e carne moida, ai meu Deus eu amo isso!

- Você está a um bom tempo sem comer.

- Achei que você tivesse sido raptado de tanta demora.- falei com raiva.

- Eu fiz esse macarrão meu bem.

Peguei um banquinho e coloquei perto de uma mesa, acho que é aqui que corta os tecidos estava meio desarrumado com réguas, fios, paites, e agulhas.

Peguei o prato e os talheres da mão dele com brutalidade e comi como se não houvesse amanhã, me senti um porco.

Trender on.

Depois de ela ter comido quatro pratadas de macarrão e tomado quase um litro de refrigerante ela resolveu fazer uma pausa.

- Mastigar gasta muita energia então vou fazer um intervalo!

- Comer assim faz mal.

- O que faz mal é não comer meu querido.

Cortei aquele pijama e vi o resto de seu corpo semi-nu, me senti excitado ela não é um corpo violão mas mesmo assim tem seus traços, em um estante acariciei suas costas são tão macias como algodão, quero deita la nessa mesa e fazer amor até o amanhecer...
NÃO, NÃO, NÃO ESTOU APAIXONADO POR ELA, não posso fazer isso ela não é minha ela é do Slender, eu tenho que acabar com esse sentimento antes que isso acabe comigo.

Alice on.

As mãos de Trender são secas e ásperas não tem a mesma textura que as mãos de Slender.

Não aguento mais experimentar vestidos e roupas estou cansada.

- Vamos parar por aqui...- falei bocejando mas acho que ele entendeu o recado.

- Vou pegar uma camisola para você dormir- ele mexeu em um armário e pegou uma camisola tipo de veia.

- Nossa sem comentário - gente pra um louco da moda isso é cafona.

- É pra dormir não pra desfilar.

- Desse jeito os carneirinhos vão tirar sarro de mim.- falei rindo.

- Vai dormir!
Sai daquele quarto e fui para a cozinha tomar uma água e vi Slender paradão no canto, to com medo de levar um susto.

- S-se você me der susto eu mijo nas calças.. Q-quer dizer Vestido.
Ele estava estático, acho que vou beber água da privada porque nessa cozinha eu não fico!

- Espere...- soou como um sussurro.

- An?

Pode beber água... Só estou pensando.

- No que pensa?

Em como você está horrorosa com essa roupa.

- Isso é inveja sabia? Recalque de manequim não atinge a sereia aqui.- dei um beijinho no ombro.
Peguei um copo de água e fui para as escadas, cada degrau caia um pouco de água no chão, acho que até la em cima não tem mais nada no copo.

Vai beber o que caiu no chão? Faça o favor de limpar.- disse ele me olhando.

- Nhuuuuuhuhuhu.- grito da preguiça.
Depois de limpar as escadas e conseguir levar o copo para o quarto eu me deitei na cama e liguei um abajur que estava do meu lado,  me cobri até a cabeça (mania né gente nunca se sabe se o bichão vai pega você) e fechei os olhos.

Mesmo com os olhos fechados eu ainda estou acordada pensando.
Por que eu me conformei?

Por que eu não luto para fugir?

Significa que eu não sinto nada e que qualquer lugar está bom pra mim?

Quer dizer que não amo minha mãe, amigos e companheiras de trabalho? 

Comecei a chorar.

Eu sou fraca.

Sempre fui assim.

Desde pequena.
Minha mãe vive trabalhando desde que meu pai se foi, a partir dai a nossa relação de família se desmoronou, raramente se víamos, nós falávamos pelo telefone pra ver se estava tudo bem, mal lembro o rosto dela, acho que as vezes ela realmente não quer voltar pra casa, trabalhar ocupa a cabeça e faz nós esquecer da dor.

Mas eu nunca questionei ela.
Nunca fiz ela ter uma folga pra cuidar de mim.

Eu deveria ter feito mais por ela.

Em vez de lutarmos juntas nos separamos.
 

 

Dormi em meio aos meus pensamentos.
E acordei com gritos.

- SOCORRO!!!!
Olhei para o relógio, está marcando 3:00 da madrugada.

Fui pé por pé saindo do quarto e indo pro corredor, gritos eram desesperadores mas me mantive firme, nas escadas percebi que o quarto de Trender estava com a luz ligada.

Parei em frente a porta, o grito veio daqui, fui devagarinho olhar pelo buraco da fechadura.
Eram quatro mulheres e um homem acorrentados nas máquinas de costura, seus dedos estavam rasgados nas pontas, corpo cheio de hematomas.

- ESSA MERDA AQUI FOI VOCÊ QUE FEZ? - era Trender totalmente demoníaco, ele esfregou um pano cor de rosa na cara de uma menina mais nova que eu.

- S-sim.
Foi ai que eu vi uma cena horrivel, ele pegou uma agulha de tricô feita de ferro e perfurou o ombro da menina.

- PARE .. PARE .. POR FAVOR. .

Seu sangue se espalhou em tudo. Não consegui mais ver isso.
Foi ai que minha ficha caiu.

Eles são assassinos, monstros que irão me matar.

Corri para a fora em desespero e me deparei com uma floresta com árvores enormes e muito escura que nem a luz da lua entrava.
Sem pensar muito corri para dentro dela, corri tropeçando e esbarrando em árvores por uns dez minutos a partir dai fui andando normal.
Seguir reto é o meu objetivo, vou sempre dando uma olhada para trás para ver se alguém me segue mas nada.

Já estou entrando em pânico igual uma criança que se perde da mãe no shopping, ai quem me dera um pouco de água e batatinhas, encosto em uma árvore e tento pensar um pouco.

Escuto gemidos.
Credo não existe motel não? 
Vou devagar me aproximando a uma moita e dou de cara com Offenderman transando com uma mulher.

- Me ajude ele está me estuprando.- ele apertou a garganta dela com força até ela ficar roxa e parar de se mexer. 
Paralisei.

Ele começou a se levantar e eu voltei a realidade e novamente corri até despista lo.
Até que avistei um acampamento, as cabanas estão todas arrebentadas e há rastros de sangue no chão.

Mamãe...  Papai...

Um menininho chorando em um canto, acho que eu posso ajuda-lo.

- Ei qual é o seu nome?- perguntei.

- Arthur, quero minha mamãe!- 

- Nós vamos acha-la. Quantos anos você tem?

- Quatro vou fazer cinco... 

- O que aconteceu aqui Arthur?

- Monstros nós pegaram, minha mamãe disse pra eu me esconder.

- Sabe onde sua mãe está? Como ela é?

- Não sei. Ela é loira e de olho azul.

Ela era aquela que foi morta por Offenderman.

- Vai ficar tudo bem tá.- falei tentando convence lo.

- Ta bom.

Dei a mão pra ele e fomos andando sem rumo por muito tempo. 

Quebra de tempo.


Estou morta de cansaço, fome e sede, sinto que vou desmaiar.

- Me carrega.- ele estendeu os braços pra mim.

- A titia tá cansada meu amor.
Ele começou a chorar e fazer um escândalo.

- Não chore eles vão achar a gente sshhhhhh!
Ele não parava então o peguei no colo e o abracei, Arthur é bem gordinho pra sua idade. Queria eu ter alguém que me carregue por aí.

- Titia Alice tem um monstro vindo!!!
Pronto só o que me faltava correr de novo, olhei para trás e era Slender vindo no turbo.

E lá vamos nós correr pela mata DE NOVO. Slender está muito próximo não posso me descuidar.

- UMA ESTRADA!!!- dei um berro que assustou o Arthur.
Era uma estrada meu senhor da glória não aguento mais correr.

- Titia ele fica mais feio a cada segundo.
Quando olhei para trás Slender estava possuído, sua aparência está muito mais assustadora.

A única coisa que penso é em um carro, necessito encontrar um até que no horizonte eu vejo dois lindos pares de faróis vindo para mim.
Me joguei na estrada e fiz o carro parar bruscamente.

- POR FAVOR DEIXA A GENTE ENTRAR!
Fui abrindo a porta de trás empurrei o Arthur pá dentro e entrei na fé.

- ACELERA TEM UM MONSTRO ATRÁS DA GENTE.
Era um casal de idoso, eles estavam confusos e começaram a fazer perguntas mas eu nem liguei pois estou a olhar às janelas pra ver onde Slender está.
A janela se quebrou do meu lado e vi ele.

 

Saia desse carro agora Alice.- ele pegou em meu pescoço e começou a apertar.
Já não tenho forças pra lutar, sinto que vou desistir e me entregar.

- Seu monstro feio!- Arthur pegou um pé de cabra no chão do carro e acertou a cabeça de Slender, ele me soltou e o carro acelerou, olhei para trás e vi ele deitado no chão se contorcendo.
Isso me doeu velo assim.
 

 

 

 

 

No proximo capitulo:

Alice é procurada por duas famílias, Mans e ......? 


Notas Finais


AGORA QUE A HISTORIA SE INICIA


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...