História Ao ~não~ te ver? - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Drama, Revelaçao, Romance
Visualizações 17
Palavras 965
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Colegial, Escolar, Famí­lia, Romance e Novela

Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Aaaaahhh galerinha!!!!! Eles vão começar a se aproximar.....meu deuso que nervosismo kkkkkk QUE EXAGERO

Capítulo 8 - A Tão Esperada Aproximação.....


Fanfic / Fanfiction Ao ~não~ te ver? - Capítulo 8 - A Tão Esperada Aproximação.....

              ¤          ¤          ¤

Fui para o refeitório sozinha, constantemente pensando em Jimin e na noite anterior.

- Oh! Se não é nossa linda dançarina - Tae fala alto, quando chego em nossa mesa, dando seu lindo sorriso quadrado.

Todos começam a me parabenizar e dizer que "eu sou o máximo". Não gostei de ter toda a atenção para mim, mas não pude negar que gostei de ver o quanto se importavam comigo. 

- Parabéns Cassie!!! - Yoongi me abraça.

- Isso é incrível- - Namjoom faz o mesmo.

- Parece que temos um fofoqueiro aqui? - me dirijo a Hoseok, depois de nos sentarmos.

- Ahh, qual é? Acho até que deveríamos comemorar - defende - se ele.

Todos concordam entusiasmados e já começam a combinar algo para fazermos. No final do almoço já está tudo combinado, à noite iríamos todos juntos a um parque.

O sinal avisa - nos para irmos pra nossa aula de música e assim o fazemos. Caminhamos na maior bagunça pelos corredores, em direção a aula e com vários olhares em nossa direção. Da aonde estou avisto as costas de Jimin e corro alegre até ele. Ousadamente, firmo minha mão em seu braço, como se fossemos um casal.

- Oi - murmuro descontraída.

Vendo que foi muita ousadia de minha parte fazer isso, faço menção de tira - la, mas Jimin firma sua mão sobre a minha.

- Olá - responde nervoso.

- Sabe, eu sei que pode não dar certo, mas por favor, poderíamos tentar ser amigos?

Ele logo tenta negar, mas sou mais rápida. 

- Só tentar? - súplico.

- Tentar - cede ele, derrotado.

Dou um grito em comemoração, o que acaba arrancando um sorriso dele. Sorriso esse, perfeito e que acabou ganhando o recorde de mais lindo que já vi.

Conseguimos nos dar bem, por enquanto. Conversamos bastante, até sobre seu passado. Mas nunca falamos sobre algo que o afligia, machucava ou amedrontava. Não tínhamos intimidade o suficiente para esses assuntos, ainda.

O professor nos interrompe, exigindo a atenção de todos.

- Para os que faltaram ontem, haverá uma apresentação em duplas. Sugiro que comecem logo - ele fala 

- Vamos ensaiar hoje? Lá em casa? - pergunta, timidamente.

- Siim - pelo o menos ele estava se esforçando - As aulas terminarão mais cedo mesmo.

         ¤               ¤               ¤ 

Fazia uns dez minutos que fomos liberados e esperávamos Hoseok, para ele levar Jimin pra casa.

- Quem sabe eu te dou uma carona, só antes vou em casa pra me trocar - sugiro, em dúvida.

Fomos até minha casa e tomei um banho rápido, vestindo - me com um vestido preto meio curto e um tênis qualquer (foto da capa).

Fomos para casa dele e Solji nos encontrou na porta. Sua alegria por né feriado acompanhada de seu filho problemático era palpável. Ela nos deixou sozinhos e fomos para uma sala que continha um piano preto e me entregou um violão.

Música: Dear No One - Tori Kelly (ver tradução)

- Vamos de Dear No One e quando você entrar é só inverter as partes femininas para masculinas - falo determinada.

- Ook então - ele sorri - vai ser essa. 

Ele começa fazendo a introdução com o piano e eu sigo logo após com o violão. Jimin mantém - se de olhos fechados, com a expressão compenetrada. Então ele começa a cantar. Sua voz era o som mais perfeito que já havia escutado. Ele cantava com paixão e intensidade, envolvendo a letra da música com suavidade, gentileza e até mesmo seus próprios sentimentos.

A atmosfera muda inesplicavelmente, tornado tudo lindo e especial. Parecia que  naquele momento só existia nós dois. Eu entro então cantando o refrão junto com Jimin, o mesmo vira sua cabeça em minha direção cantando com fervor e explodimos em conexão perfeita. Nunca havia presenciado ou participado de algo como aquilo, havia sido perfeito de uma forma inexplicável.

Quando a música terminou ficamos ali em silêncio, absorvendo tudo. 

- Foi incrível - murmuro depois de um tempo, maravilhada.

- Foi mesmo - responde simplesmente.

Jimin On

Eu não conseguia encontrar palavras que conseguissem descrever a perfeição da voz de Cassie. Simplesmente toda ela era perfeita. Não valia a pena perder tempo tentando descrever, pois era impossível. Agora a única coisa que eu queria mais que tudo era me aproximar dela, estar com ela.

- Cassie! - escuto Hoseok gritar por ela - Não sabia que viria pra cá.

- Pois é, eu troquei de roupa e já vim pra cá, até porque tinha que ensaiar com Jimin. Aí já vamos direto daqui para o parque - explica ela, de forma gentil.

Eles iriam ao parque juntos. Não conseguia entender porque essa constatação irritou - me tanto assim, me deixou furioso.

Hoseok sobe para se trocar e então ela vem falar comigo

- Eu e a galera vamos comemorar minha entrada na Dark, gostaria muito que fosse - fala timidamente.

Como eu gostaria também, de poder sair com ela. De poder ser normal e ver ela. Mas isso não era possível. Eu não saía a séculos, nunca mais fui normal, então eu não podia.

- Hoje não dá - falo esquivando - me.

- Porque? - pergunta confusa.

- Porque eu não quero - respondo em tom óbvio.

- Oh vamos Jiminie - resmungou ela suplicante - faça isso por mim? Por favorzinho?

Como eu podia negar isso a ela. Não tinha nem como,até um apelido ela havia me dado. Eu faria isso siim, por ela.

- Ook, ook. Vamos fazer isso - levanto minhas mãos  sinal de rendição.

Ela praticamente pula em cima de mim, envolvendo meu pescoço com seus braços. Um abraço. O abraço mais quente e significativo que já recebi em toda minha vida e eu o retribuo agradecido. Agradecido por ela insistir, por ela não desistir de mim mesmo eu a tratando da pior maneira possível, mesmo ela não conhecendo minhas lutas e medos internos. Estava alegre e amedrontado, porque eu suspeitava que gostava dela mais do que como um simples amigo.

Contínua.....




Notas Finais


Foi mal alguns erros ae gnt......beijoooss


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...