História Aos Olhos da Noite - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias Carmilla
Personagens Carmilla, Laura
Tags Carmilla
Exibições 153
Palavras 1.390
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Famí­lia, Fantasia, Luta, Magia, Mistério, Orange, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Shoujo-Ai, Sobrenatural, Suspense, Violência, Yuri
Avisos: Álcool, Canibalismo, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Oier pessoas, um capítulozinho para vocês.
Uma ótima leitura :3

Capítulo 7 - Péssima Noite. Péssimas Notícias


Fanfic / Fanfiction Aos Olhos da Noite - Capítulo 7 - Péssima Noite. Péssimas Notícias

    Acordei me sentindo horrível. Já havia amanhecido, e Carmilla não tinha voltado. Me preparei para a aula, quando abri a geladeira… Tinha esquecido de comprar leite. E só havia o dela. Só um pouco não faria falta, não é? Peguei um copo… Mas não sei o porque, resolvi cheirar antes. Não cheirava leite. Cheirava ferrugem, algo doce… Que iria me fazer vomitar de novo. Respirei fundo, e coloquei um pouco no copo. Ao invés de leite… Sangue saiu da caixa. Eu coloquei a caixa no lugar, e senti meu corpo amolecer, respirei fundo e segurei na cama. Sangue? Eu comecei a rir. Não era possível. Era uma piada dela. Peguei o copo e coloquei na boca. MERDA! ERA SANGUE MESMO! Joguei o copo na pia e corri pro banheiro. Vomitei até o fígado agora. Escovei o dente umas quatro vezes. Aquele gosto parecia ter impregnado em cada centímetro da minha língua. Voltei ao quarto. Pensei se deveria jogar fora a caixa ou não. Acabei recolocando no lugar, e lavei o copo.

Agora o pensamento “Vampira”, não me deixava pensar direito. Meu dia passou se arrastando, já era de tarde quando consegui comer algo. Estava morta de fome. Voltei ao meu quarto. Havia sinal de Carmilla. Mas nada dela. Recusei todos os convites que tive, para jantar, ou assistir um filme, só pra poder ficar sozinha com meus pensamentos. Não sei se era o melhor, mas era o que eu queria. Tomei um banho, e deitei mais cedo. Não sei que horas eram, mas acordei com um barulho, que parecia vir da janela. Abri os olhos, lá estava Carmilla, parada de frente a janela aberta, como se conversasse com alguém do lado de fora.

-Eu já lhe disse uma vez. Ou você controla eles. Ou eu mesma vou. - Ela parecia irritada.

-Você não tinha o direito…

-Que direito? As ordens foram claras. Ninguém tocava nela. E ele não cumpriu as ordens. Foi um castigo merecido.

-Merecido? Você quebrou o pescoço dele. Você ousou-

-O que você disse? - Ela estendeu a mão para fora, e eu ouvi alguém engasgando. - As ordens foram claras. Eu estou aqui, para pôr em ordem sua sujeira. A sujeira de todo o campus. E se você, não quiser me ouvir, e decidir agir por conta própria, ótimo. Não será o primeiro que eu me livro. -Ela soltou e eu ouvi tosse. -Agora suma daqui, antes que eu decida acabar com você também.

Ouvi um rosnado baixo, e no instante seguinte ela começou a fechar a janela. Eu estava sonolenta demais para processar tudo. Acordei no outro dia, com a cabeça explodindo. Carmilla aninhada em sua cama, como todos os dias. O dia de ontem foi apenas um sonho. Sim. Um sonho. O sangue, a conversa, o sonho. Nada aconteceu. Saí do banho e tomei meu leite. Lancei um olhar a caixa de leite dela, e ri baixo. Que sonho maluco. Saí do quarto para um dia normal de aula. Normal, até ouvir as conversas. Mais um aluno tinha sido transferido.

Encontrei Perry e LaF, em uma conversa baixa sobre o que estava acontecendo.

    -Você não soube? - LaF falou baixo. Eu neguei com a cabeça.

-Will. Um Zeta. Sumiu anteontem. E hoje chegou o aviso que foi transferido. Mas as coisas dele… Até ontem estava aí. Segundo o colega de quarto dele, Kirsh.

-Laura, você se sente bem? - Perry me perguntou. Com toda certeza, eu estava pálida. Será… Que tudo aconteceu? Não podia ser verdade.

Decidi, a contragosto, contar tudo que me incomodava para Perry e LaF. Depois das aulas, fui até seu quarto, e contei tudo. Omiti a parte dos beijos. E da conversa com Carmilla ao pé das escadas. Ok. Não devia ter omitido. Mas como explicar sobre a sensação do beijo, se nem eu mesma entendia meu corpo nessa altura. As meninas se olharam, e ficaram quietas.

-Porque eu estou sentindo, que tem alguma coisa, que vocês não querem me contar? - Perguntei e LaF abriu a boca, mas Perry o olhou feio. - Qual é, eu contei tudo.

-Sabe Laura, algumas pessoas, sob a pressão da faculdade, começam a ficar com a mente fraca…

-Legal. Fiquei louca no primeiro semestre - Falei debochada.

-Laura… - LaF começou, mas Perry o tentou interromper - Perry, a Laura tem que saber. - Ele disse sério.

-Saber o que? - Meu estômago afundou.

-Nada Laura...-

-Laura, o Will sumiu depois de ser visto com a Carmilla. Assim como muitas garotas. - LaF falou, com uma Perry  raivosa o encarando.

Eu respirei fundo. Merda. Minha colega de quarto, realmente… Estraçalhou o Will, como havia dito?

-Merda… - Murmurei me levantando. - Merda. - Eu disse em voz alta.

-Ela, realmente, é uma Vampira. - Suspirou LaF.

-Susan, não fale besteiras…- Começou Perry.

-Já te pedi pra não me chamar assim - LaF se levantou e foi para o meu lado.

-Antes que você comecem… Me digam, o que vamos fazer? - Eu estava com a testa apoiada no joelho.

-Se a deixarmos solta… Mais pessoas podem… Sumir. - Disse LaF baixo.

-Bobagem isso, ela é apenas uma estudante. - Disse Perry.

-Uma estudante com super força, que se alimenta de sangue, que faz ameaças contra caras que tem o dobro do tamanho dela. Claro. Super normal. São os hormônios - LaF deu de ombros.

-Exatamente. Hormônios - Perry deu um tapinha na própria perna.

-Ah Perry, vamos lá - LaF tentava convencer ela, eu me deitei e deixei o pensamento voar. Tudo que aconteceu… Era verdade? Carmilla… Tudo era real? Eu fechei os olhos. Senti uma mão cutucando meu braço. Era LaF. - Perry foi chamar a Danny. Vamos contar tudo a ela. Ela saberá o que fazer. Não é?

Eu não respondi. Algo estava me deixando profundamente incomodada. Quando Danny chegou, as meninas lhe contaram tudo . Eu apenas permaneci deitada. Ela, claro, não acreditou. Eu tive que me sentar na cama, e falar tudo que aconteceu. Pulando… Certas partes. A ficha de Danny parecia cair aos poucos. Ela me encarava com aqueles olhos verdes, que pareciam enxergar muito além do que eu queria que percebesse.

-É verdade, Laura. Tudo isso… É verdade? - Ela foi cautelosa, e devagar tocou minha mão. Ela estava gelada. Eu segurei os dedos dela.

-Sim, Danny. Tudo é… Verdade - Ela apertou minha mão, e depois de alguns minutos se levantou, sem me soltar.

-Carmilla agora, passa a ser o inimigo número um do campus. Colocarei todas as Summers atrás dela. Até os Zetas se forem preciso. Vamos pegá-la pelas mortes e desaparecimentos…

-NÃO! NÃO! NÃO! NÃO! NÃO! NÃO! NÃO!- Perry se levantou e assustou as meninas. - Você vão fazer o que? Pôr algemas nela? Prendê-la numa sala de aula? Ela é uma estudante como nós. Até que se prove o contrário, ela é inocente.

-Perry tem razão. - Disse LaF se levantando - Não podemos mobilizar o campus. Isso só traria desespero e caos. E não precisamos disso.

-E o que faremos? - Danny soltou minha mão.

-Bem… De uma coisa sabemos… Ela sempre protege a Laura. Então… Teoricamente… Ela vai aparecer pra ver se está tudo bem com ela - LaF… Às vezes... Eu tinha vontade de socar ele.

Abaixei minha cabeça. Pelas próximas horas que se seguiram, ouvi planos absurdos, sobre como capturar e empalar vampiros. Aquilo já estava me dando dor de cabeça. Não sei se Carmilla soube o que queríamos, mas ela sumiu por vários dias. Apenas nos quatro sabíamos de tudo. As Summers deveriam apenas avisar se avistassem, mas nem elas estavam tendo sucesso. Eu sabia que Carmilla aparecia. O quarto sempre aparecia bagunçado quando voltava das aulas. Queria poder conversar com ela. Tentar entender tudo, mas sabia que isso não aconteceria. Eles não deixariam acontecer. Já estava a mais de uma semana, sendo seguida de perto por LaF, Danny e Perry. Aquilo estava me deixando louca. Precisava de um tempo pra mim. Não sei bem como, mas fugi delas e corri para me esconder na Biblioteca. Andei pelas prateleiras, olhando lombadas e às vezes parando em algum título. Parei no corredor onde vi Carmilla antes. Me distraí nas lombadas empoeiradas.

-Vós, que sofreis porque amais, amai ainda mais. Morrer de amor é viver dele - Murmurei para mim. Sorri ao final dele. Merda. O que estava acontecendo comigo?


Notas Finais


Obrigada a quem leu até aqui. Espero que tenham gostado.

Apenas reforçando o que falei uma vez, ou duas. Pera... Eu falei isso? Não lembro. Enfim.
Eu estou um pouco adiantada quanto aos próximos capítulos, mas logo mudarei os dias de postagem.
Um por semana, ou a cada 10 dias, ainda não sei. Depende do quanto consigo adiantar em meio a minha rotina de trabalho escravo. Acho que é isso...
Quem sabe não rola uma surpresa ainda essa semana... Ou não haushuahsua

Até o próximo capitulo :3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...