História Apaixonada Por Minha Leitora - Lia Jones - Capítulo 52


Escrita por: ~

Postado
Categorias Ariana Grande, Austin Mahone, Bea Miller (Beatrice Miller), Demi Lovato, Dylan O'Brien, Fifth Harmony, High School Musical, Logan Lerman, Selena Gomez, Shawn Mendes, Taylor Swift, Troye Sivan
Personagens Ally Brooke, Ariana Grande, Austin Mahone, Bea Miller, Camila Cabello, Demi Lovato, Dinah Jane Hansen, Dylan O'Brien, Lauren Jauregui, Logan Lerman, Normani Hamilton, Personagens Originais, Selena Gomez, Shawn Mendes, Taylor Swift, Troye Sivan
Tags Camren, Camren G!p, Camreng!p, Comedia, Fifth Harmony, Lauren G!p, Laureng!p, Norminah, Romance
Exibições 1.090
Palavras 3.138
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Hentai, Luta, Policial, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Shoujo-Ai, Suspense, Violência, Yaoi, Yuri
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Voltei por vocês :D Será que a Lauren perdeu a memória? Than than than thaaaan...

Boa leitura!

Capítulo 52 - Sintomas de uma grávida


Fanfic / Fanfiction Apaixonada Por Minha Leitora - Lia Jones - Capítulo 52 - Sintomas de uma grávida

POV Lauren

Acordei não me lembrando onde estava. Minha cabeça doía muito e quando forcei a memória para lembrar o que aconteceu, acabei piorando meu estado. Me lembrava de estar no meu escritório e de ver Camila vomitando.

Até que Dinah e Normani chegaram avisando que minha garota estava...grávida...Camila estava grávida de mim. Eu iria ser mãe. É claro, foi isso que me fez desmaiar. Não desmaiei por ter a responsabilidade de criar uma criança, mas sim por felicidade.

Nunca imaginaria ter um filho por causa da minha condição. A ultima vez em que fui ao médico, foi quando comecei a transar com várias garotas do meu estágio. Fora isso nunca perguntei se teria a capacidade de criar um bebê.

Mas me lembrava vagamente de ouvir Dylan dizendo que aberrações não engravidam ninguém. Dei de ombros mas no fundo eu tinha um medo enorme de não ter uma família. Mas aqui estava eu. Sei que ainda era cedo para pensar nisto, mas eu já queria sentar com Camila no sofá e escolher o nome do nosso pequeno Cabello Jauregui.

Esfreguei meu rosto e analisei melhor aonde eu estava. No chão ainda. Por que eu ainda estava no chão do meu escritório? Ouvi vozes mais a frente e encontrei as meninas. Por estranho que pareça elas estavam jogando pedra, papel e tesoura.

“ – Droga Dinah! Não vamos ganhar nunca se você continuar empatando.” Camila bufou.

“ – Mas não é culpa minha se vocês não sabem jogar direito.”

“ – Gente, acho que isso não se joga de três.” Mani pensou alto.

“ – Também estou achando. Afinal, se vocês duas fizerem tesoura e eu pedra. Eu ganho de vocês duas?” Minha irmã perguntou confusa.

“ – Claro que não! Se isso acontecer, vai nascer uma super tesoura, e não vai ter pedra que quebre.”

Camila falou fazendo gestos de tesoura com o dedo e eu ri baixo por sua louca ideia. Resolvi assustar as garotas um pouco e aproveitando o fato que cai no chão por causa do desmaio, não seria má ideia fingir uma perda de memória.

“ – Onde eu estou? Quem são vocês?” Falei imitando uma voz de sono.

Mani e Camila me olharam com olhares assustados. Dinah correu pelo meu escritório atrás de algo. Em segundos as meninas se aproximaram de mim e minha latina segurou meu rosto.

“ – Ai meu Deus Lauren.” Camila abriu meus olhos com dois dedos. “ – Sabe quem eu sou?”

“ – Não.” Falei me controlando para não rir da preocupação delas.

“ – Mas que merda! Estamos ferradas!”

Dinah gritou segurando uma penca de caderno e papéis que eu guardava no meu armário. Fiquei me remoendo de ver elas bagunçarem minhas coisas, mas eu não podia estragar a brincadeira logo agora.

“ – Lauren, diga que é brincadeira. Por favor, não faça isso comigo.” Camila derramou algumas lágrimas na lateral dos olhos e eu me senti mal.

“ – Quem é Lauren?” Mas não tão mal assim.

“ – É, realmente estamos ferradas.” Mani concordou com a minha irmã.

“ – Vocês tem noção do quanto custa para fazer alguém voltar com a memória?” Dinah perguntou e todas fizeram um som negativo. “ – Meu tio disse que custa muito dinheiro.”

“ – Não importa o dinheiro. Precisamos saber o aconteceu com a Laur, ela deve ter batido a cabeça quando caiu do desmaio.” Camz limpou as lágrimas e procurou algum roxo na minha testa.

“ – Espera! Eu já vi isso em um documentário!” Dinah gritou ainda com meus papéis em mãos.

“ – Viu o que garota? Para de ficar gritando.” Mani reclamou.

“ – Quando alguém perde a memória por uma lesão, tem que ser feito uma lesão ainda maior para que a memória volte.”

“ – Espera aí. Está dizendo que vai bater na Lauren para a memória dela voltar?” Mani perguntou com um sorriso maléfico.

“ – Não, vocês não vão fazer isso.”

Assim que Camila disse tais palavras. Todos os cadernos e folhas que Dinah segurava, voaram em meu rosto com toda força. Nem tive tempo de desviar e nem a minha latina teve tempo de me defender. A ponta do caderno foi certeira em meu lindo rosto.

Cai no chão com a mão no queixo, grunhido de dor. E avistei Mani correr pela sala atrás de outra coisa para me bater. Quando Dinah se aproximou com sua mão quase maior que meu pau, eu não pude segurar mais essa brincadeira.

Seria isso ou perder todos os dentes da minha boca. E acredite, eu não era tão jumenta de receber tapas de graça. Gritei qualquer coisa para me defender e de repente todas me olharam confusas.

“ – Você disse o nome da Dinah?” Camila perguntou.

“ – Sim.” Sorri amarelo.

“ – Então quer dizer que...”

Ela parou a frase no ar e eu pensei em todos os xingamentos que ela poderia me chamar ao ver que eu enganei elas. Mas o ato que Camila fez a seguir me deixou surpresa.

“ – Eu te amo, Dinah!”

Minha latina se levantou dando um abraço na minha irmã. Estranhei essa ação mas logo Camila voltou para mim, me ajudando a levantar, para me abraçar também.

“ – Eu falei que ia dar certo.”

“ – Ah, que pena. Eu queria ter batido também.” Mani fez um bico e eu semicerrei meus olhos para ela.

“ – Que bom que sua memória voltou, Lo.” Seus braços apertaram meu corpo e eu sorri por ela se preocupar tanto comigo. “ – Não sei o que faria se você se esquecesse de mim.”

“ – Está tudo bem agora. Nada vai me fazer esquecer de você.” Falei com a consciencia meio pesada.

Mas mesmo estando assim, eu jamais contaria que acabei de trolar com as meninas. Não sei qual seria a reação delas e preferia não descobrir. Então técnicamente esse assunto morre aqui.

“ – Eu acho que deveríamos mudar de área de pet para humanos. Poderíamos ganhar muito dinheiro voltando com a memória das pessoas.” Dinah deu a ideia coçando o queixo.

“ – Esquece DJ.” Sorri.

“ – Bom, já tivemos muitas emoções por hoje não é mesmo? Que tal irmos todas para o apartamento de vocês para poder pensar e resolver como ficamos.” Camila perguntou esfregando os olhos.

Ela parecia estar cansada e isso me fez achar que poderia ter algo haver com o nosso filho que ela estava carregando. Segurei na mão dela assim que todas concordaram e segui com todo mundo até o estacionamento da empresa.

Entrei em um carro do ano que Normani tinha alugado assim que chegou. Mani dirigia enquanto que Dinah ditava o caminho. Camila estava ao meu lado na parte de trás e seu cansaço estava nítido, já que seu corpo estava colado ao meu e sua cabeça descansava em meu ombro.

Acariciei seus cabelos ouvindo sua respiração abaixar e como o trânsito estava de matar, aproveitei para deixar a minha latina descansar em meu ombro até chegarmos.

[...]

Deixei minha garota em cima da minha cama de casal e ajeitei seu rosto no travesseiro macio, enquanto dava meia volta para fechar a porta do quarto ao sair. Chegamos agora a pouco e preferi não acordar Camila. Carreguei ela no colo e deixei ela dormir um pouco para descansar da viagem e de todo o resto.

“ – Você sabe cozinhar? Estou cagada de fome.”

Ouvi Dinah e caminhei até elas. Mani mexia em algumas panelas e eu sentei na mesa de jantar que ficava ao lado da cozinha. Minha irmã fez o mesmo, sentando ao meu lado.

“ – Claro que sei. Vou preparar algo bem gostoso para a gente comer.” Normani falou se concentrando no fogão.

“ – Lauren.”

“ – Sim?” Olhei para a minha irmã, que tinha me chamado por um sussurro.

“ – Por que desmaiou? Não queria ter engravidado a Camila?”

“ – Não, claro que não.” Ela me olhou brava e eu me toquei do que falei. “ – Quer dizer, não, por que eu sempre quis engravidar a Camila.”

“ – Ainda bem.” Ela suspirou. “ – Mas e ai? O que vai fazer? Vocês ainda nem são namoradas.”

“ – O que eu vou te contar aqui, não pode ser espalhado para ninguém.” Olhei para Mani para garantir que ela não ouviria.

“ – Tudo bem. Conta.”

“ – Estou pensando em pedir Camila em casamento.” Sussurrei.

“ – O que?” Dinah gritou chamando atenção da Mani.

“ – Meninas não gritem, a Mila está dormindo.”

“ – Desculpa, Mani.” Dinah mandou um beijo para a sua namoradinha e eu bati um tapa na testa dela.

“ – Grita mais alto sua jumenta!”

“ – Ai me desculpa, mas a jumenta aqui é você.”

“ – Por que eu?” Fiz um bico, triste.

“ – Porque é você quem vai pedir em casamento alguém que nunca namorou.”

“ – E o que que tem? Namoro, casamento, ficar...tudo isto é só rótulos. Eu amo a Camila desde o momento em que vi ela pela primeira vez. E agora que descobri que ela espera uma criança minha...não sei dizer, só preciso me casar com ela, e morar junto para sempre. Ter uma família.”

“ – Então você está dizendo que vai pedir ela em casamento hoje não é?”

“ – Não. Eu não estou pronta.”

“ – Como assim não está pronta garota? Você acabou de me falar que ama ela.”

“ – Eu amo muito, mas e se ela achar que estou fazendo isso só por causa da gravidez?”

“ – Ela vai achar coisa muito pior se você não estipular um relacionamento sério entre vocês.”

“ – Acha que devo pedir em namoro então?” Suspirei.

“ – Não só acho como tenho certeza. E o casamento você faz daqui a alguns meses, não precisa esperar três anos.”

“ – Sério?” Perguntei confusa.

“ – Claro né Lauren. Ninguém é obrigada a saber de cor o nome de todas as tias do parceiro para casar.”

“ – Tem razão.” Ri junto com ela.

“ – Então segue o conselho dessa irmã diva que você tem, e já começa a preparar um jeito de pedir sua garota em namoro.” Dinah me abraçou e eu repeti o ato. Apertando ela com força.

“ – Mamãe estaria orgulhosa de você.” Falei me controlando para não ficar triste. “ – Por você estar cuidando de mim.”

“ – Você falando assim me faz ficar mal por ter te batido mais cedo.” Sorrimos. “ – Ela também estaria orgulhosa por você estar formando uma família.”

“ – Eu queria tanto que ela estivesse viva Dinah. Eu queria tanto nossa mãe. Ela poderia ver meu filho, poderia ter um netinho.” Pressionei meu rosto no ombro dela, com os olhos marejados.

“ – Eu também Laur. Mas sei que ela está em algum lugar do céu nos olhando.”

“ – Sempre?” Me afastei dela, limpando meu rosto molhado.

“ – Sim. Ela sempre está conosco.”

POV Camila

O cheiro de carne com batatas me tirou de meu cochilo. As vezes me esquecia de como é bom comer. Seria até melhor que transar. Pelo menos era antes de eu conhecer a deusa do sexo vulgo Lauren Jauregui.

Olhei envolta do lugar onde eu estava e identifiquei ser o quarto da Lauren, pois encontrei o meu unicórnio que havia dado para ela no Hawaii. Minhas malas estavam ao lado da cama e eu aproveitei para tomar um banho.

Escolhi uma lingerie preta e um robe branco transparente. Peguei minha toalha e caminhei até a suíte, ligando o chuveiro assim que entrei no box. Respirei fundo quando a água escorreu por meu corpo.

Lauren tinha desmaiado quando soube que eu estava grávida. Isso me deixava com uma dor no peito inexplicável. Por mais que eu evite, dentro de mim ainda pensava que tudo isso que estávamos passando era apenas curtição, por isso que ela ainda não tinha me pedido em namoro.

Talvez ela não me amasse como eu amava ela. Talvez isso tudo seja algo novo e Lauren ainda não esteja pronta para assumir um relacionamento sério. E quando descobriu que me engravidou, teve tal reação por pensar que seria obrigada a ter algo comigo.

Mas se ela pensa que vou a obrigar para ter algo sério comigo, está muito enganada. Não quero em hipótese alguma a pena dela. Se Lauren não quiser assumir meu filho, não a forçaria. Sumiria da sua vida, por mais que isso doesse e recomeçaria de novo.

Apenas eu e minha criança. Por mais que eu ame minha morena, eu tinha princípios e um deles era ser responsável por meus atos e não forçar outros para fazer o que consigo fazer muito bem sozinha.

Se bem que nem sei por que estou tendo tais pensamentos, nem sei se estou realmente grávida. Pode ser algo piscicológico ou uma coincidencia. Ah, quem eu quero enganar. Eu estava grávida sim.

Soltei o ar preso do meu pulmão e desliguei o chuveiro, me secando para colocar meu pijama. Minha roupa era bem sensual para dormir em uma casa em que dividira com minhas amigas. Mas veja minha cara de preocupação com isso.

Sequei meu cabelo com a escova e ajeitei minha franja cortada ao meio. Passei meu creme hidratante e quando garanti que esfreguei cada parte que poderia vir a virar uma ruga, sai do banheiro.

Amarrei a corda do meu robe na minha cintura e joguei meu cabelo para o lado, andando pelo apartamento até onde as meninas estavam.

Encontrei elas na sala. Mani e Dinah estavam deitadas em uma parte do sofá de conchinha enquanto olhavam um jornal na televisão. Lauren estava no outro sofá com as mesmas roupas de antes, segurando um prato com um bife e batatas.

Me aproximei dela e sentei ao seu lado. Assim que ela me viu, seu olhar parou em meu corpo. Mesmo estando de robe, o tecido era transparente então não conseguia esconder muita coisa.

“ – Você está melhor?” Lauren se aproximou colando seu braço envolta do meu ombro.

“ – Sim, obrigada por se preocupar.” Falei sorrindo quando ela me ofereceu o prato.

“ – Come. É importante você ficar bem cheia para...”

“ – Lauren, eu não quero que fale sobre minha gravidez. Pelo menos por hoje.” Interrompi ela.

Não sabia o porquê mas me deu uma raiva de ver ela se preocupando com algo que ela nem devia se importar. Com certeza ela iria falar isso para disfarçar sua revolta com minha gravidez.

“ – Tudo bem. Mas eu iria dizer que queria você bem cheia porque iria te comer mais tarde.”

Sorri pela sua comparação com a história do João e Maria. Suspirei e me aconcheguei em seus braços, comendo a carne com os talheres.

[...]

“ – Dá para alguém mudar de canal?” Lauren perguntou.

“ – A não. Eu gosto de jornais.” Dinah disse triste segurando o controle.

“Um jovem tentou assaltar uma loja de bebidas e resolveu ingerir algumas cervejas antes de roubar o dinheiro.

Na hora do assalto o bandido erra três tiros que foram direcionados para o balconista e acaba morrendo quando cai em cima da faca que ele guardava na cintura.”

O noticiário avisou e eu comecei a chorar. Lauren se preocupou e me abraçou acariciando meus cabelos enquanto perguntava o que tinha acontecido.

“ – O-o homem morreu.” Falei com dificuldade pelo choro.

“ – Poxa amor. Acontece, pelo menos ele morreu bêbado.” Lauren tentou me ajudar mas ter este pensamento só me fez chorar ainda mais.

“ – Camila, você está me deixando preocupada.”

“ – Liga não Lauren. Isso se chama gravidez. Camila vai ficar muito sensível.” Dinah disse sorrindo.

“ – Como vocês não podem ficar tristes?” Perguntei com raiva.

“ – Viu só.”

“ – Vem Camila. Vamos dormir.” Lauren levantou me oferecendo sua mão.

Acompanhei ela até o seu quarto e assim que ela fechou a porta minha realidade caiu a tona. Abracei o corpo dela e comecei a pedir desculpas. Lauren me afastou um pouco para olhar em meu rosto.

“ – Me desculpa Lo, eu não sei o que está acontecendo comigo.”

“ – Tudo bem. Eu entendo. Vamos descansar, talvez você só precise de uma noite tranquila.”

“ – Tem razão, e não há tranquilidade melhor que estar em seus braços.” Falei envolvendo meus braços no pescoço dela.

“ – Camila...” Lauren engoliu seco, mordendo seus lábios quando comecei a distribuir beijos calmos em seu pescoço.

“ – Hm?” Perguntei lambendo a pele quente dela.

“ – V-vou tomar banho.” Ela tentou se afastar de mim e eu deixei, rindo quando percebi o volume na sua calça jeans branca.

“ – Não demore.” Gritei assim que a vi entrar no banheiro.

Caminhei até a cama e tirei meu robe, ficando apenas de lingerie. Deitei de bruços no colchão macio e esperei minha morena sair do banho.

Lauren de propósito demorou tempo demais no chuveiro, e eu imagino que ela fez isso por ter batido uma escondida lá dentro. Ninguém mandou ela gemer tão alto.

A porta do banheiro foi aberta e a encontrei saindo do lugar vestindo apenas um top e uma cueca boxer branca, que deixava meu melhor brinquedinho bem marcado. Minha boca salivou de provar seu gosto e Lauren pareceu perceber.

“ – Pode chegar para lá?” Ela perguntou envergonhada.

“ – Vai ter que me empurrar.” Provoquei.

Eu fiquei no meio da cama, e se ela queria que eu me afastasse, teria que encostar em mim. E era só isso que eu desejava nesse momento. Seu toque.

“ – Tudo bem então.” Ela deu de ombros sentando no chão.

“ – Ah, qual é Lauren?” Falei irritada. “ – Tem algum problema comigo?”

“ – Não é isso. É só que você...com essa lingerie, dormindo do meu lado...Camila, eu sou fraca, não vou me aguentar.”

“ – Não se aguente então. Me toque, me faça sua.” Mordi meus lábios, chegando na beirada da cama para ver ela no chão.

“ – Não faz isso comigo. Eu quero te deixar descansar. É importante para...” Ela iria falar a palavra bebê mas assim que viu meu rosto bravo, mudou de ideia. “ – Para a sua saúde.”

“ – Tudo bem, você ganhou. Mas não vai se safar amanhã.” Me afastei de toda a cama, deitando em apenas um lado.

Lauren se levantou e sentou na cama, se ajeitando para dormir. Esperei ela nos cobrir para me aproximar de seu corpo.

“ – Antes de você falar algo. Eu só quero um beijo.” Avisei.

Me aninhei ao seu corpo e aproximei meus lábios dos dela. Seu sorriso lindo se formou e eu não resisti a fazer o mesmo. Capturei sua boca com a minha e a beijei calmamente. Sem envolver língua.

Ficamos nos beijando por alguns minutos, aproveitando este contato calmo e apaixonante. Por um momento me senti perdida neste amor que Lauren me oferecia apenas em um beijo.

Não queria pensar em perder ela, mas a sua demora para me pedir em namoro me assustava. Soltei seus lábios e deixei um selinho casto antes de me apertar contra seu peito.

“ – Eu te amo Camz, nunca se esqueça.”

Ouvi sua voz rouca, mas estava tão cansada que nem aguentei abrir o olho ou a boca para responder. Deixei minha mente apagar e entrar em um sono calmo.


Notas Finais


Erros já sabem...

Se estiverem insatisfeitos por algo, comentem nos comentários para eu ver se posso melhorar. E se estiverem gostando, comentem também. Quem sabe eu volto amanhã, com mais de um capitulo? Vai depender de vocês :D


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...