História Apartamento 801 - Capítulo 11


Escrita por: ~

Postado
Categorias Akdong Musician (AKMU), Bangtan Boys (BTS), Black Pink, EXO, Got7, I.O.I, IU, Red Velvet, Sensational Feeling 9 (SF9), Seventeen, TWICE
Personagens BamBam, Chani, D.O, Hansol "Vernon" Chwe, Jeon So-mi, Jungkook, Lee Chan-hyuk, Lee Ji-eun "IU", Lee Soo-hyun, Lisa, Tzuyu, Yeri
Tags Akmu, Bambam, Blackpink, Bts, Chanhyuk, Chani, Exo, Got7, Hansol, Ioi, Jungkook, K-pop, Lisa, Red Velvet, Seventeen, Sf9, Somi, Soohyun, Twice, Tzuyu, Vernon, Yeri
Exibições 12
Palavras 1.723
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Crossover, Escolar, Festa, Fluffy, Hentai, Romance e Novela, Yaoi, Yuri
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Não tenho o que acrescentar sobre esse capítulo, introduzi outros personagens mas acho que não faz muita diferença, então ok.

Capítulo 11 - As Distrações para o Apartamento Falham?


Fanfic / Fanfiction Apartamento 801 - Capítulo 11 - As Distrações para o Apartamento Falham?

Quando acordei pela manhã, o quarto estava uma bagunça. Pela incidência solar, eu soube que já havia passado a hora de todos irem para a escola. Me levantei desesperada, mas a primeira coisa que fiz foi perder o equilíbrio, me sentindo enjoada e cair de volta na cama. O hálito em minha boca não deixava dúvidas do que eu havia feito noite passada. Uma corrente de vento passa, e senti ela tocar todo o meu corpo.

"Pera... Todo o meu corpo?" Pensei. Quando me olhei, foi que percebi que estava nua. Meus olhos se arregalam e olho para o ser desmaiado na minha cama. Ele estava dormindo por baixo de um cobertor. Silenciosamente, levanto um pouco do cobertor, espiando. Ele estava só de calça moletom, sem blusa ou roupas íntimas. "Não estou com um bom pressentimento disso..." Pensei, indo para o banheiro. O enjôo estava muito forte, então fui meio que me arrastando até lá. Fiquei com o rosto sobre a privada, temendo vomitar algo.

Agora, isso já passou. Me levantei, tomei meu banho. D.O. ainda dormia em minha cama. Nosso quarto tinha duas de solteiro, uma em cada canto. Mas hoje acordamos em uma mesma. "Nada bom..." Me vesti, saí do meu quarto e fui para o corredor. Verifico os quartos. Todo mundo tinha acordado e saído já, nem sequer vou precisar preparar o café para muita gente. 

Na cozinha, estou preparando o café para mim e D.O. Não parava de pensar no que tinha rolado e se estávamos de volta, mas prometi para mim mesma que não ia tomar nenhuma atitude quanto ao nosso relacionamento. Ele se levanta, estou terminando de coar. Quando olho para trás, sorrio dando bom dia. Me surpreendo porque ele estava vestido como se para sair.

-Ya... Um velho amigo me chamou aqui. Eu vou passar o dia fora hoje. Consegue cuidar das crianças?- Ele fala. Gosto disso, porque sinto que se fosse a mãe deles todos e ele o pai. Como uma família, mesmo. Sorrio.

-Lógico que consigo. Se divirta bastante...- Ele vem até mim e me dá um beijo na bochecha antes de sair. Esse tipo de contato é novo. Então, realmente rolou algo. "Ele não costuma passar um dia inteiro fora, e nem tem muitos amigos da época em que era mais jovem. Ele pode estar me evitando. Mas também pode realmente estar vendo um amigo, porque quando ele mente, geralmente ele fica muito sério para passar a imagem de que está falando a verdade." 

Penso essas coisas e coloco o café na garrafa térmica, tirando apenas uma xícara para mim. Levo para a mesa e começo a beber, sozinha. Quando de repente, eu ouço a campainha tocar. Isso não acontecia nunca, só quando o zelador ou algum vizinho vinha reclamar. Suspiro, e penso em não atender. Vou até a porta andando só com a ponta do pé para não fazer barulho, e vejo pelo olho mágico.

Nunca pensei que um olhar era o suficiente para saber que você teria problemas logo logo. Mas me sinto exatamente assim, vendo Shownu com um buquê de flores em mãos. Me desespero. "Como ele chegou aqui? O que ele está fazendo aqui?"

-JÁ TO INDO!- Grito, mas na verdade corro de volta para o meu quarto. Tiro a roupa casual e amassada que estava usando e coloco um vestido curto e florido. Calço sandálias e me olho no espelho. Meu rosto está com umas marcas de quem acabou de acordar mas meu cabelo está ótimo. Cubro um pouco o rosto com ele, prendendo-o em um rabo de cavalo de lado.

Abro a porta calmamente, controlando a respiração acelerada. Ele me olha com ternura e sorrindo:

-Oi... Que bom que você está aqui. Está sozinha?- Ele pergunta. A voz dele é tão macia. "Sempre homens com esse tipo de voz em minha vida..." Penso.

-Oi... Bem, estou sozinha. Quer entrar?- Pergunto, sem o olhar. Por algum motivo, não conseguia olhar diretamente para homens como ele por muito tempo. Eu ficava sem graça.

-Na verdade, queria te dar esse buquê. E te convidar para a festa de aniversário de um amigo. Eeee... Tenho que te perguntar uma coisa também. É, tenho muito o que fazer, mas tenho que sair logo. Senão, eu até entrava.- Fico aliviada de ele não querer entrar, pois o apartamento estava meio mal arrumado. Quando ele entrega o buquê na minha mão, o admiro um pouco. Tinham flores brancas e azuis apenas. Era simples, mas as flores azuis não devem ser comuns, porque aquelas eram verdadeiras e nunca tinha visto uma assim. Sorrio para ele.

-Ah, obrigado... Você com certeza sabe alegrar uma mulher.- Elogio, involuntariamente. Talvez por causa do meu amor declarado por flores.

-Esse foi um belo elogio. Bem... Vamos ver. Você está solteira, né?- Fico um pouco chateada por essa ser a pergunta. Não queria dizer isso, não queria estar.

-Estou.- Falo, apenas. Penso em deixar as flores de lado, mas são bonitas demais para isso.

-Então... Vai ter uma confraternização nessa Sexta-Feira. Um amigo meu, Jooheon, estará fazendo aniversário. Vai ter uma programação especial: Primeiro, almoçar em um restaurante daqui. Depois, vamos até a casa dele na montanha de jipe. Vai ter uma festinha especial para a gente, vamos passar a noite lá. E de manhã no outro dia, vamos sair para esquiar. A gente almoça lá na casa da montanha e volta no sábado de tarde. Jooheon pediu que cada pessoa levasse um acompanhante. Todos têm um já, menos eu. Não seria legal eu ir sozinho, então pensei em você...-

Fico pensando se a pergunta sobre meu estado civil tinha sido apenas curiosidade ou ele tem segundas intenções, mas fico sem resposta. Não podia simplesmente sair com ele e passar uma noite fora logo depois do que aconteceu ontem com Kyungsoo. Mas admito que seria bom passar um tempo fora do Apartamento.

-Eu vou pensar nisso, ok? Tem certa possibilidade de eu aceitar, então não me descarte. Só... Tenho que lidar com uma coisa aqui.- Ele foi compreensível, me cumprimentou beijando minha bochecha e se foi. Realmente parecia estar ocupado.

Começo a arrumar a casa. Após D.O. ter dado a bronca ontem, o local parece bem mais calmo e tem menos bagunça. Rapidamente arrumei tudo. Antes que qualquer um chegasse, D.O. voltou. Me surpreendeu, pois pensei que ele só voltaria de noite. Falou que passaria o dia todo fora.

-Já voltou?- Pergunto, sorrindo. -Que bom.- Ele me olha, e senta no sofá. Eu estava assistindo o episódio piloto de um drama qualquer.

-Sim. Achei que era algo mais interessante, estava enganado. Te apresentei o Kai, ou JongIn, não foi?- Lembro do nome. Um moreno alto e musculoso amigo de infância do D.O. Faço que sim com a cabeça, o olhando.

-Ele e a namorada Krystal vão acampar, e chamaram uma amiga da namorada também, a Luna. E eu. Acho que estavam planejando alguma coisa para a gente. Já nos conhecíamos, mas não gostei da ideia então voltei o mais rápido que pude.-

Fico curiosa sobre o que ele acaba de dizer, mas decido não perguntar nada. Muito menos, falar sobre Shownu.

-Já assistiu esse drama?- Pergunto. Ele olha por uns dois segundos, e responde:

-Já. O plot é inovador, mas a atriz é clichê. Enquanto o ator faz suas cenas divertidas e inusitadas, ela parece só conseguir expressar sentimentos explosivos. Alguém devia avisar para ela, que o contexto são sentimentos mais leves, mais simples. O mundo é assim, nem todo sentimento é aquele do tipo que você se joga no chão pela pessoa para ela passar no buraco.- Concordo com ele com a cabeça, mesmo sem entender por não conhecer a atriz.

-Ah, bom saber...- Mudo de canal, para um programa de variedades qualquer. 

-Você recebeu uma visita?- Quando ele me pergunta isso, estremeço. Com isso, imagino que dei uma resposta para ele automaticamente. Não tinha como eu negar depois dessa reação, então apenas confirmei com a cabeça. Olho de canto para ele, estava sorrindo mas não como costumava. Parecia um sorriso meio triste. -Você gosta de flores, como aquelas na mesa né? Eu sabia disso. Ainda assim, um cara romântico como eu não te comprou nenhuma naquela época.-

-Isso é passado, tá legal? Um amigo veio aqui, sim... Me pediu para eu passar uma noite com ele e os amigos, mas recusei. O buquê ficou, por algum motivo. Quer ele para você?- Olho para ele, que fica envergonhado. No fundo, ele queria sim. Assim como eu, adorava flores, plantas e animais. Se tivéssemos comprado uma casa, iríamos ter um jardim cheio de plantas. Foi uma das nossas promessas, de um noivado que nunca avançou.

-Eu sei que é passado. E mesmo que não fosse, você está aqui. Então, ainda não é tarde para eu te comprar um desses, um dia.- Reviro os olhos sorrindo, fingindo estar indignada mas que não devolveria o presente. No fundo, eu estava muito feliz. Sei que ele compraria o buquê que eu mais gostaria de ganhar. Deixando de lado esse momento alegre fora de contexto, deito minha cabeça em seu ombro, ainda observando a programação da TV.

Ele muda de repente o canal, e coloca no leitor de DVD. É um dorama que estreou esse mês. Não conhecia o nome nem os atores, mas ele vivia falando do diretor.

-Um drama bom e novo. Era isso que ia pedir para você escolher.- Sorrio, com os olhos na TV.

-Na verdade, você só ia pedir porque sabe que estou morrendo de vontade de te mostrar um.- Ele também sorri. Ficamos ali assistindo, o que me deixa bem alegre. D.O. tem um temperamento difícil as vezes e age de forma que não se compreende. Porém, ele é uma ótima companhia naqueles dias nublados em que tudo o que você quer é passar o dia debaixo do cobertor, comendo chocolate e vendo romances. 

"Na verdade, acho que nesse caso a companhia aqui sou eu." Em um momento do filme, pego meu celular e mando mensagem para Shownu: Desculpa, vou estar ocupada. Com certeza não irei, então pode pensar em outra companhia. Obrigado por ter lembrado de mim naquele momento...

Após uns minutos, ele responde:

Sério? Que pena... Mas bem, pelo que estão dizendo, Sexta vai ser um dia lindo. Perfeito para sair e fazer algo novo. Espero que faça algo aí que compense não vir comigo, viu?


Notas Finais


Não sei se o capítulo ficou grande ou pequeno, mas acho que agora, só Terça ou Quarta para eu postar outro.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...