História Apenas Alice 2 - Capítulo 13


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Exibições 41
Palavras 1.625
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Ecchi, Escolar, Harem, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yuri
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 13 - Coelhos mordem


Fanfic / Fanfiction Apenas Alice 2 - Capítulo 13 - Coelhos mordem

Eu dormia relaxadamente quando algo pesado foi jogado em mim:

-ai o que é isso?! 

-sua mochila levanta! 

Era Dylan ele havia pegado minhas coisas colocado na mochila e jogado em mim, olhei no relógio e eram 8h da manhã :

-eu tenho que trocar de roupa

-não precisa vamos pra minha casa, e aqui do lado, anda logo. 

-cadê meu pai teve que trabalhar na empresa hoje. 

(Espirrei) 

-tá vendo por culpa disso ai eu tenho que te levar pra minha casa, a senhorita ofendida quis nadar. 

-não é culpa minha ficar resfriada. 

-minha que não foi. 

Levantei as sombrancelhas e encarei, é claro que a culpa era inicialmente toda dele, ele riu, peguei a mochila e me levantei ainda agarrada no travesseiro, calçei minha pantufa e saí do apartamento, era bem do lado do meu pai, ele abriu a porta e entrei. 

Tudo era bem sofisticado uma casa bem organizada e elegante, ele mal entrou e já foi ligando o som que tocava uma melodia de piano, seu gosto era bem refinado não esperava menos de um autor como ele, segundo meu pai ele era muito bom no que fazia:

-vem comigo eu preciso escrever, você pode deitar no meu quarto, por favor não toque em nada. 

Entrei em seu quarto, tudo tinha um tom triste acinzentado, sua cama era imensa completamente exagerado pra alguém que mora sozinho:

-você é casado? 

-por mais que não seja da sua conta... Eu não planejo me casar. 

-por quê 

-relacionamento é algo que come tempo e criatividade, se for pra ser sugado prefiro ser bem pago pra isso. 

Ao lado da sua cama havia uma enorme escrivaninha com um computador e varias folhas riscadas eamassadas jogadas pelo chão, lembretes colados na parede com folhas rosas e fluorescentes, Dylan apontou pra cama coloquei a bolsa no chão e me sentei:

-vou pegar um remédio pra você... Não... Toque... Em nada... Entendeu? 

-okay 

Ele saiu, me levantei e começei a ler os lembretes pregados na parede, eram letras de músicas ,nomes aleatórios e nomes de cidades, fuso horário de diferentes lugares, ele entrou e me entregou o copo de água e um comprimido :

-você usa isso como referência pro que você escreve ou é só inspiração? 

Ele me olhou surpreso e sorriu:

-o quê você acha? 

-inspiração. 

-acertou, a maioria das pessoas erra. 

Um sorriso sincero se abriu, naquele momento Dylan não parecia tão assustador e grosseiro, ele se sentou na cadeira,tomei o remédio:

-onde posso colocar o copo? 

-na escrivaninha. 

-mas vai molhar seus papéis. 

Ele pegou meu copo se levantou e sorriu:

-você até que consegue pensar quando se esforça. 

Ele saiu, aquilo não era bem um elogio mais eu estava feliz, me deitei na cama virada para sua escrivaninha, ele entrou, colocou um óculos e se sentou bem concentrado, eu olhava seu rosto atenta a seus movimentos, seus olhos estavam totalmente voltados ao seu texto, ele terminava uma página imprimia corrigia e concertava o erro no computador, fazia seu trabalho de forma séria e não se permitia distrair, eu acabei adormecendo. 

Acordei com o barulho da chuva e o vento soprando sobre sua sacada, Dylan fechou a janela e veio em minha direção :

-se sente melhor? 

-sim obrigado, quantas horas? 

-já e quase 1h da manhã 

-eu dormi o dia inteiro

-sim, o remédio tem esse efeito. 

-é meu pai? 

-ele veio aqui mas ficou com pena de te acordar e pediu se podia te deixar aqui

-você só acabou de escrever agora? 

-sim, vou ir tomar um banho, ou você quer ir primeiro? 

-não eu espero, você esteve trabalhando precisa relaxar mais que eu. 

Dylan sorriu e se retirou, eu não sabia por quê ele estava tão gentil, seria por eu ter respeitado seu trabalho? Ou ter compreendido?.Após uns 20 minutos Dylan sai do banheiro enrolado na toalha:

-pretende me acediar essa hora? 

-N-Não... 

-o banheiro está livre, daqui a pouco levo sua toalha. 

Entrei calada, não pude deixar de reparar naquele corpo maravilhoso, Dylan tinha realmente 28?? Ele transpirava juventude, nossa e como. 

A banheira já estava cheia e provavelmente ele já tinha se deitado alí, a imagem daquele belo corpo veio na minha mente, a água estava quente e cheirava a sais de banho, um cheiro cítrico o meu favorito, mergulhei e relaxei alí, ouvi batidas na porta:

-pode entrar

-a água esta boa? Sinto muito não ter trocado e que eu odeio desperdício. 

-não está maravilhosa. 

-fico feliz. 

-Dylan... 

-sim... 

-obrigado por cuidar de mim,você  está sendo muito gentil comigo. 

-eu acho que te julguei mal... Desculpe. 

Dylan se retirou, me sequei é ví que havia apenas uma enorme blusa social branca, aquela história de vestir só um camisão eu ja conhecia, e ia dar merda, mas vesti, quando saí Dylan já estava deitado na cama lendo um livro:

-desculpe mas eu não peguei nenhum pijama seu, eu não pensei que você fosse dormir aquí 

-tudo bem. 

Sua sinceridade extrema pelo visto era a única coisa que ele não poderia mudar, ele fechou o livro e apagou as luzes, eu subi na cama, e me deitei ao seu lado:

-você está bem cheirosa. 

-obrigado 

-não está com sono está? 

-na verdade não e você? 

Ele riu :

-após escrever até 1h da manhã estou um pouco. 

-desculpe isso foi uma coisa idiota de se dizer. 

-tudo bem. 

-obrigado pela blusa. 

Dylan subiu em cima de mim e me beijou de forma intensa, eu não entendi nada mas não tentei pará-lo, a chuva caía cada vez mais forte e o frio envolvia o quarto, seu corpo era a única coisa quente alí, Dylan abria botão por botão da camisa:

-Ela combinou perfeitamente com você, mas seria melhor tirar

Dylan abriu por completo a blusa, suas mãos passavam por todo meu corpo,e sua boca ora beijava e mordia meu pescoço ora meus lábios, estava muito exitada,não conseguia me segurar,quando Dylan foi abrir a calça encostei minha mão gelada sobre seu peito e ele parou:

-O QUÊ  E ISSO? 

-O quê?? 

-você está me acediando que ousada. 

-mas você... 

-o quê você ta fazendo na minha casa a essa hora? 

-eu dormi aqui. 

-invadiu minha casa e depois decidiu tirar proveito do meu corpo, que horrível baixo até mesmo pra você. Não que você saiba o que é altura.

-você ta de zuação com a minha cara ner?

-a vida já fez isso com você eu estou atrasado.

-quer saber de uma coisa Dylan eu vou sair daqui.

Empurrei ele e saí da cama:

-você está com a minha blusa.

Tirei a blusa e joguei na cara dele,peguei a mochila e não estava nem ai se teria alguem no corredor pra me ver so de calcinha,ele saiu pulando da cama e foi pra frente da porta:

-de jeito nenhum você vai sair daqui assim, se seu pai te ver saindo do meu apartamento pelada eu estou numa tremenda encrenca.

-to pouco me fudendo pra isso

-você não pensa nos outros não?

-olha quem fala

Puxei a maçaneta e Dylan bateu a porta, pegou no meu braço com força e me jogou na cama:

-o quê você ta fazendo?

-vou te corrigir já que seus pais não fizeram isso.

Dylan tirou a sua camisa e amarrou minhas mãos:

- me solta

-cala boca

-eu vou gritar

- a mais não vai mesmo

-SOCOR...

Não pude terminar de falar Dylan estava vermelho de espanto e colocou a mão na minha boca, eu me contorcia e tentava me soltar mais o nó era forte, ele saiu de cima de mim e abriu a gaveta:

-o quê diabos você vai fazer?

-cala boca você não está deixando eu me concentrar.

Ele puxou uma corda da gaveta:

-meu deus quem tem uma corda no quarto,você deve ser um psicopata, eu sabia que você tinha algum problema...SOCO...

Sua mão tampou minha boca novamente,com a outra ele começava a amarrar a corda nas minhas mão,tirou a blusa dos meus pulsos e colocou na minha boca:

-pronto agora você fica quieta.

Dylan estava em cima de mim com a calça aberta sem camisa,eu com os seios de fora somente de calcinha e amarrada,a cena era uma das piores não resisti e começei a rir quando olhei pra porta,era a empregada dele,o dia já estava claro e nós dois naquela bagunça a madrugada toda:

-eu volto depois senhor White

-Amanda...não é...

Ela bateu a porta do quarto e saiu, eu me contorcia de tanto rir:

-ele deve estar pensando que eu sou um tremendo tarado.A culpa e toda sua.

Ele tirou o pano da minha boca com grosseria:

-foi você que me agarrou.

-eu jamais agarraria você.

-bom não fui eu que abri suas calças, minhas mãos estavam pra cima o tempo todo.

Ele ficou vermelho e fechou o zíper,ele jogou o cobertor por cima dos meus seios para que eu pudesse ficar mais decente:

-so porquê você acertou alguns fatos sobre mim não quer dizer que você possa sair me agarrando okay?

-mas quem me beijou foi você querido, quem estava em cima de quem aqui? A única vítima da história sou eu.

Seu rosto parecia confuso e Dylan não aparentava saber do que ei estava falando, ele se sentou sobre mim,esfregava o cabelo tentando entender a situação e mesmo assim parecia estar sendo sincero de não se lembrar:

-eu não entendo eu fui durmir as 21h na sala como eu vi parar aqui? 

-eu não  sei quando acordei já  era 1h da manhã. 

-eu não  me lembro de você estar aqui a essa hora,  que estranho. 

-você  deve ser sonâmbulo 

-pra agarrar você  só  tendo algum problema mesmo. 

Não  disse mais nada e pedi que ele me desamarrase, vesti uma roupa e saí  do seu apartamento ainda sangada, antes que eu entrasse ele apareceu na porta, ainda sem camisa:

-foi mal ter agarrado você. 

-não  é  isso que me deixa chateada. 

-então  o que foi? 

-é  o fato de você não... Esquece deixa pra lá. 

Entrei no apartamento do meu pai e Fechei a porta, eu realmente estava chateada com Dylan porquê  ele era tão  grosseiro comigo eu nunca o tratei mal. 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...