História Apenas A.R.M.Ys - Capítulo 16


Escrita por: ~ e ~Body101

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags 3 Meses, Armys, Bangtan Boys, Bias, Body101, Bts, Killerpark, Kpop, Personagens Originais
Exibições 209
Palavras 1.135
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Hey Errbody!
Nossa, esse capítulo ficou bem grande...
Mas como o próximo vai ser curtinho, então tudo bem.
Já vi tudo, vai ser tiro atrás de tiro, se preparem...

Capítulo 16 - Taxi


Fanfic / Fanfiction Apenas A.R.M.Ys - Capítulo 16 - Taxi

 

- Heey! Ji ! Eu vou com você!- Gritou uma voz. Olhei para trás e vi Sung saindo do clube correndo na minha direção.

No fundo eu sempre soube que ela ia ficar do meu lado. Ela é esse tipo de amiga. Eu a abracei e ficamos em silêncio, esperando o táxi que eu tinha acabado de chamar.

Olhei para sua expressão triste. Ela parecia arrependida de alguma coisa.

- Você quer ficar com o Jungkook, né? – Perguntei, sorrindo. Ela sorriu de lado também.

- Eu meio que tive uma leve discussão com ele. Eu disse que queria ir com você pra te dar apoio, mas ele não queria me deixar ir.

- Você devia ter ficado com ele.- Falei, tocando sua mão.- Não é como se eu realmente estivesse muito mal. Óbvio que eu estou triste, mas não o suficiente. É claro que eu não ia voltar pra nossa casa. Eu estava com raiva e com dois shots de tequila no cérebro. Eu amo demais aquela criatura pra deixar ele.- Expliquei, com um sorriso sacana no rosto.

- Aquilo não era tequila. Era vodka. Está tão bêbada que nem sabe o que tomou.

- Dane-se. Você entendeu

- Nossa, você é má com ele...- Falou, me dando um tapinha.- E eu realmente cheguei a acreditar que você estava falando sério. Mas...eu posso pelo menos te ajudar a arrumar a “mala”?- Perguntou, rindo.- Sério, eu quero voltar pro dormitório.

- Pode, sim. Mas você não é a que ama festas?- Perguntei, irônica.

- Eu sei. Só queria sair um pouco do clube. Lá estava ficando entediante.  Os garotos só estavam querendo saber de agarrar nossas amigas. E o Jungkook...digamos que ele é um pouquinho tímido pra me agarrar publicamente. E eu também.- Falou, ficando corada. O táxi chegou e entramos nele. Era espaçoso, como todos os taxis da Coreia (nunca vou me acostumar. Os taxis do Brasil eram tão pequenos...)

- Boa noite, moças!- Falou o taxista. Dei o endereço do dormitório e voltei a conversar com Sung.

- Mas...e aí? Como você vai fazer com o Kook? E com os outros?- Perguntei.- Você discutiu com ele por nada. Nossa, que confusão isso.

- Ah, isso? Eu explico pra ele. Ele vai rir depois dessa. E os outros não precisam saber.- Falou, sorrindo, fazendo suas covinhas aparecerem.

- Olha que fofinha! – Eu disse, enfiando o dedo em uma de suas covinhas. Ela riu. Percebi que alguma coisa estava errada. Estávamos estacionados em uma rua calma, à caminho do dormitório.- Sung...-Sussurrei, séria.- Você pediu pro cara parar?

-Não...-Sussurrou de volta. Se virou para o taxista.- Senhor, o que aconteceu? Acabou o combustível?

- Não.- Falou, dando um sorrisinho.- Mas muita coisa vai acontecer.- Escutei as portas se trancarem e ele tirando o cinto de segurança.

 Passou para os bancos de trás, fazendo com que nós nos espremêssemos na ponta. Colocou a mão na coxa de Sung e apertou. –Vocês duas não podem ser desperdiçadas. Não vou terminar essa corrida sem antes fazer isso.- Começou a passar as mãos pelas costas da Sung, que chorava e implorava para ele parar. Deslizou as mãos para a frente, as passando em todo o contorno de seus seios. Cansou dela e trocou de lugar, ficando do meu lado. Observei Sung se encolher e chorar baixinho.

- Olha aqui, eu não sou como a minha amiga. Eu não vou deixar você fazer isso comigo, seu velho nojento. – Falei, determinada. Uma parte enorme do meu cérebro estava gritando: “ Ji- Hee, sua louca! Não era pra ter feito isso! Você fez merda! Recuar, recuar!” Enquanto a outra me encorajava a impedi-lo de encostar em mim.

Enquanto raciocinava e analisava minhas opções, eu não percebi que ele tentava desabotoar minha calça jeans.

- Ei, o que você acha que está fazendo?- Gritei, dando um tapa nele.- Socorro! Alguém me ajuda! Socorro!- Gritei, batendo no vidro.

- Você ta louca?!- Gritou ele, tapando a minha boca.- Cala a boca, sua atrevida!- Mordi a mão dele, que recuou.

- Socorro! Alguém me tira daqui! Não quero mais ficar perto desse asqueroso!- Ele me deu um tapa, que foi forte. Doeu, começou a arder. Mas eu não ia dar esse gosto pra ele. Ele não ia me ver chorar. Voltei a estapear a janela, encorajando a Sung a fazer o mesmo. Iríamos fazer esse escândalo até alguém  nos notar. Enquanto isso, o cara ainda tentava nos conter, nos batendo e insultando. Mas continuávamos firmes no nosso objetivo.

Jimin POVs On

Cara, a Ji deve mesmo estar muito brava comigo. Não era pra isso ter acontecido. Não estava nos planos.  “Jimin, seu lesado, então por que você não vai atrás dela?” Gritou a minha voz interior, tentando me manipular. Mas meu orgulho não deixava. Entraram em uma batalha e o que venceu foi a vontade de reconquistar a Ji. Mas onde ela deveria estar?

Claro, no dormitório juntando suas roupas. Nossa, ou eu sou muito tapado, ou foi o hálito de baijiu da Shi que me deixou bêbado também. Me levanto do chão do vestiário  e saio correndo para a fachada do clube.

Eu vou andando para o dormitório, mesmo. É até perto. Não passa de dois ou três quarteirões.

De repente, eu escuto um barulhinho irritante. Parece quando você quer que o tablet funcione e fica dando batidinhas na tela, aquele som meio oco. Me viro. Não tem ninguém atrás de mim.

- Socorro!- Escuto uma voz abafada gritar. Analiso o local. Não tem ninguém. E todas as luzes das casas estão apagadas. Deve ser imaginação minha. Sigo em frente.

- Alguém me tira daqui!- Escuto a mesma voz abafada. Ignoro novamente e sigo em frente. Passo por um taxi estacionado e escuto uma pancada vindo dele. Sei que não devo, mas me aproximo. Encosto a cabeça no vidro do banco do carona, onde não tem ninguém. Enxergo a Sung  batendo nos vidros de banco de trás e, do outro lado, um homem em cima de uma garota com cabelos cacheados. Ji Hee. Ele estava abaixando os jeans dela. Não penso duas vezes: Arrombo a porta do carro. O moço parece surpreso. Eu avanço pra cima dele e dou um soco em seu queixo. Ele cambaleia e se ajeita novamente no banco, me dando um soco e acertando a minha boca. Finalizo com um soco forte em seu estômago. Ele cai desacordado em cima de Ji. Destravo as portas e a tiro de lá. Sung sai pelo outro lado sozinha, ainda em choque. Abraço as duas.

- Vocês estão bem?- Pergunto, as confortando.

- S-sim. Obrigada.- Murmurou Sung, se desvencilhando do abraço. Ji não responde, mas continua abraçada à mim. Sinto que ela ainda confia em mim.

- Melhor irmos para o dormitório andando, mesmo. Lá vocês podem relaxar.- Falei, guiando as duas para o dormitório.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...