História Apenas dois dias - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Os Heróis do Olimpo, Percy Jackson & os Olimpianos
Personagens Annabeth Chase, Percy Jackson
Tags Percabeth, Romance
Visualizações 207
Palavras 743
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Festa, Romance e Novela

Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oi, pessoal!
Admito que estou nervosa, afinal, começar um projeto novo não é fácil pra ninguém.
Espero que gostem da história, porque estou amando!

Capítulo 1 - Você serve.


– Quer namorar comigo? – Ouço uma voz masculina atrás de mim.

Quando me viro, vejo Perseu Jackson, um dos garotos mais requisitados pelas meninas (meninos também!), usando uma roupa de cowboy (camiseta de manga vermelha e jeans claro) que o deixa mais bonito que o normal. O porque da roupa? Todo dia oito do mês, quando este cai em dia de semana, é dia de se fantasiar. Até hoje, me pergunto porque temos isso em nossa escola.

Ele não é um dos meninos mais requisitados por questões de inteligência ou “bom humor”, mas sim pela aparência, com seus olhos verdes escuros e cabelos negros.

Olho para os lados do corredor, vendo que este está vazio e que estamos sozinhos. Também olho para trás, para o meu armário rosa claro (Sim, também podemos pintar nossos armários! Estranho, não? Mas a escola não é exatamente comum.), indagando se há alguém espremido entre ele e eu. Ainda sem conseguir acreditar que Perseu está pedindo uma completa estranha em namoro, aponto para mim mesma como uma idiota, de queixo caído. Ele apenas assente.

–Assim... Talvez você tenha me confundido com alguém... –Digo segurando os livros em meus braços com força, deixando os nós de meus dedos brancos, e ajeitando a alça da mochila, que estava descendo por meu braço, com um movimento do ombro.

– Tenho certeza de que não confundi. Você é a Rachel... –Ele parece ter dificuldades para lembrar o nome da menina que definitivamente não é eu. – Rachel Elizabeth Dare, não é?

Parece que ele nem ao menos conhece a menina que quer pedir em namoro.

–Er... Não. Annabeth Chase. –Digo apontando para mim mesma.

Ele fica em silêncio por longos segundos, me encarando enquanto pensa em algo. De repente, sinto a vibração do meu celular na mochila. O despertador está no mudo, e tocando. O que indica que estou dez minutos atrasada para o primeiro tempo de aula.

–Ah! Aquela Annabeth Chase? A toda nerd? Só nota dez?

Me pergunto se isso foi um insulto.

–Sim... –Respondo, sem vontade de começar a xingar um garoto sem ao menos ter certeza de que realmente fui insultada.

–Ah, você serve.

–Como é que é? –Pergunto com raiva. Como assim “você serve”? Até parece que...

–Então, quer ser minha namorada? –Ele interrompe meus pensamentos.

Minha raiva diminui um pouco enquanto penso sobre a proposta. Considerando que minhas amigas me chamam de encalhada por eu nunca mais ter tido um namorado desde o primeiro ano, começo a me perguntar o que eu tenho a perder...

Mas isso é um namoro, não posso sair namorando um completo desconhecido!  Mesmo que ele seja areia demais para meu caminhãozinho... Talvez essa seja a única oportunidade que eu tenha para meu caminhãozinho transbordar antes que eu me case com alguma pessoa comum. Mas acima de tudo, a areia é completamente desconhecida! Não posso fazer isso!

–Er... Não. –Talvez essa tenha sido a decisão mais difícil da minha vida desde a luta para decidir se marcava a alternativa “a” ou “b” numa prova de história do quinto ano. Afinal, o menino não é de se jogar fora. –Eu nem te conheço.

–Posso ser sincero? Inventei uma namorada de mentira e espalhei esses boatos hoje, então talvez você ainda não os tenha ouvido. Mas acontece que meus pais ouviram e agora querem conhecer a menina e não posso simplesmente levar uma de minhas amigas, porque eles não acreditariam. Muito menos as meninas que ficam em cima de mim o tempo todo. Imaginei que se arrumasse uma namorada como você, que nunca sequer me olha, talvez desse certo.

Como você... Ele não estava procurando pela tal de Rachel?

–Então é um namoro falso?

–Acho que sim. Por um dia, talvez dois, no máximo.

–E o que eu ganho com isso?

Perseu Jackson (ou Percy, como os rumores dizem que ele gosta de ser chamado), pensa por alguns segundos antes de me dar a resposta mais óbvia possível.

–Um namorado bonito.

–Fechado.

Ele sorri e começa a se afastar.

–Ah! ­– Ele se vira. –Gostei da roupa, querida!

Imediatamente fico vermelha e começo a puxar minha mini-saia vinho “metálica” para baixo, já que não tinha notado que ela havia subido demais. Puxo a regata branca, que vai até o meio da barriga, para baixo, mas não a ponto de deixar meu decote visível.  Que vergonha... Não acredito que minha mãe me fez vir para a escola com isso.

E foi assim que comecei a namorar um “partidão”.


Notas Finais


Favoritem (Não sejam fantasminhas) e até o próximo!
(Desculpe pelos erros de português. Alguns acabam passando kk).
Bjs!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...