História Apenas mais uma história - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Visualizações 2
Palavras 3.769
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Festa, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Segue o segundo capítulo, dessa história, um tanto que comum. Espero que gostem!

Capítulo 2 - Um devaneio, um pedaço de frango e um guardanapo!


Fanfic / Fanfiction Apenas mais uma história - Capítulo 2 - Um devaneio, um pedaço de frango e um guardanapo!


- E deveríamos fazer dois cortes rápidos nessa cena, par...
  Eu sei que devia estar prestando atenção, era muito importante, eu queria realmente prestar atenção, mas tudo o que vinha na minha mente era aquele sorriso.
  O Senhor Alguma Coisa, não parava de falar sobre o comercial, eu assentia com a cabeça e dava algun sorrisos, quando parecia necessário, foram apenas uns 40 minutos de reunião, 40 minutos que mais pareciam 40 dias, eu só queria voltar pra casa, pra poder procurar essa garota, agora eu conseguia organizar meus pensamentos, lembro que ela usava uma boina cor de mel, e um cachecol de xadrez, e por baixo dele tinha um crachá, lembro da letra V, será que era do nome dela, Vanessa, Valéria, Viviane, Vitória, foram os nomes que vieram na minha cabeça. 
   - Então, em quanto tempo você acha que fica pronto, Tom?
  Eu despertei do meu devaneio, e todos na sala estavam com os olhos em mim, dei uma rápida olhada na tela, e tinham algumas anotações nela, "eu tenho que guardar isso" foi o meu primeiro pensamento,
  - 4 dias, e o senhor vai ter o melhor comercial que já viu! - Dessa vez pensei em voz alta
  O Senhor Alguma Coisa ficou feliz com a minha resposta, bateu uma palma, e falou mais algumas coisas, nas quais não prestei atenção, pois agora estava de olho na tela tentando absorver o máximo de informação possível, era um ótimo serviço e eu não podia me dar ao luxo de perder ele, quais eram as chances de eu conseguir algo assim novamente, caso eu falhe, eu não podia me dar o luxo de dar mole, "e se eu nunca mais ver ela novamente", e meu coração estremeceu com esse pensamento, eu não deveria estar pensando nisso. A sala agora estava se esvaziando, estava apenas eu e o Senhor Alguma Coisa na sala.
  - Ouvi muito bem do seu trabalho, Tom, estou ansioso pra ver o resultado - Ele disse enquanto dava um tapa nas minhas costas com uma mão, e indicando a saída com a outra - Até quarta feira então!
  - Até, Senhor! - Eu disse enquanto saia da sala, pensando "Eu realmente preciso descobrir o nome dele".
  Sai da empresa, já pensando em como eu iria achar essa garota, facebook foi minha primeira opção, e a unica viável, não devem exi...
  -  Ei, Tom, como é que foi?
  Olhei e o Will estava encostado no Civic prata dele, junto com o Diego, acenando pra mim. Eu dei um sorriso e fui em direção á eles.
  - Cara foi bom, o Senhor Alguma Coisa é gente boa, valeu por ter arrumado esse trampo pra mim.
  - Senhor Alguma Coisa? Quem é esse? - Perguntou ele num misto de confusão, e diversão.
  - Sim, o senhorzinho que você me indicou - Eu respondi, e uma luz pareceu ter acendido na cabeça dele.
  - Ah, o seu Dirceu, hahahaha - Ele gargalhou alto - Senhor Alguma Coisa? Hahahahahaha. Por que está chamando ele assim?
E pensei um pouco, qualquer informação a mais que eu desse para o Will, ele iria usar para me pertubar o restante do dia.
  - Eu estava distraído, viajei um pouco, não prestei atenção quando ele se apresentou, e fiquei sem jeito de perguntar de novo o nome dele - Eu disse - Mas obrigado, você acabou de me ajudar - Completei, tentando ser convicente o suficiente para evitar mais perguntas.
  Não fui.
  - Como assim você estava distraído? Era uma reunião muito importante cara, você dev...
  Enquanto ele me dava um sermão enorme sobre a minha falta de compromisso, percebi que o Diego estava me encarando, sério, como se estivesse tentando me ler.
  - Calmae Dih, estou bancando o pai dele agora - Disse o Will quando eo Diego cutucou o braço dele, ainda me encarando.
  - Ele estava pensando nela, por isso não estava prestando atenção - Disse o Diego
  Por um momento, o Will pareceu ganhar na loteria, encher meu saco, era um dos, se não "O" hobby dele. Mas antes que ele pudesse abrir a boca para começar, eu me adiantei:
  - Não, eu juro que não estava, em momento algum eu pensei na Fernanda!!!
  - Ele ta falando a verdade - Disse o Diego - Mas você estava pensando em alguém não estava? Quem era?
  Mas que merda estava acontecendo? Como ele tava conseguindo me ler tão facilmente?
  Os olhos do Will brilharam de felicidade, porém ele não disse nada, ele apenas olhou para o Diego, e abriu a porta do carro.
  - Vamos? - Ele disse olhando em minha direção.
  - Para onde? - Perguntei.
  - Eu e o Dih não temos roupas para a festa, aposto que você também não tem. - Ele disse sorrindo com um ar de convencido.
  - Não eu não tenho - Disse, enquanto ia em direção ao carro.
  Houve um silêncio durante toda o caminho até o shopping, mas eu sabia que ele e o Diego estavam se comunicando através de olhares, eu tentava participar para saber o que se passava na conversa silenciosa deles, mas eles me deixavam de fora. Odeio quando eles fazem isso.
  Finalmente chegamos no shopping, fomos direto na loja, onde a namorada dele trabalhava.
  - Oi, mor - Disse a Mellisa quando viu ele entrando pela porta - Vieram pegar as roupas, eu já deixei tudo separado, ta ali no balcão - Disse ela apontando para três sacolas no balcão.
  -  Obrigado, mor - Falou o Will enquanto agarrava ela pela cintura, e lhe dava um beijo - Não sei o que eu faria sem você!
  - Nada! - Respondeu ela sorrindo, enquanto afastava ela - Mas você sabe que não pode fazer isso, estou em horário de trabalho ainda, da ultima vez tomei uma advertência do meu chefe - Disse tentando parecer séria, e falhando - Agora pague, pegue e vá.
  Ele sorriu e então foi para o balcão pagar.
  - Ei, como assim deixou tudo separado? - Perguntei em protesto - Eu quero escolher minhas roupas!!!
  A Mellisa me deu dois tapinhas no ombro e disse:
  - Tom, você não tem o mínimo de senso na hora de escolher suas roupas - Ela disse sorrindo - Só aceita, dói menos!
  Consegui ouvir o Diego dando umas risadas baixas atrás de mim.
  Pegamos, as sacolas, e fomos em direção a praça de alimentação, chegando lá, pedimos nosso costumeiro baldão no KFC, quando chegamos a mesa, parecia que eles já tinham conversado silenciosamente, e decidiram me incluir na conversa:
  - Então, quem é ela? - Perguntou o Will
  - Onde vocês se conheceram? - Diego imendou
  - Como vocês se conheceram? - Atropelou o Will
  - Ela é bonita? - Diego perguntou
  - Convidou ela pra sair? - Will perguntou já ofegante
  - Cham...
  - PAREM - Eu gritei quase que implorando - Do que vocês estão falando? Ela quem, chamei o que? Vocês estão doidos?
  O Will estava se divertindo demais para poder falar, então o Diego tomou a vez:
  - Ta na sua cara estampado cara, não adianta esconder, não de mim pelo menos, você não viajou só na reunião, mas no carro quando falamos com você, tu sequer respondeu, estava em outro mundo - Disse ele com tom debochado - Então você pode nos dizer agora, ou nós podemos descobrir por nós mesmos, e vai ser muito pior, você que decide!
  E então os dois olharam esperançosos pra mim, como se a qualquer instantes eu irira bombardear eles com uma monte de informações sobre essa garota misteriosa, mas, o que eu iria dizer? "Ah então, eu trombei com uma garota na rua, e segundos depois eu já estava planejando como seria nosso casamento, e o nome dos nossos filhos"? Não, por enquanto era melhor eu manter isso para mim mesmo, até por que, sendo realista, quais as chances de nos encontrarmos novamente? Nesse momento passou pela minha cabeça, o pensamento de reencontrar com a garota misteriosa, ver aquele sorriso, puta que pariu, meu coração dispara só de pensar naquele sorriso, naqueles olhos penetrantes, e por um segundo me peguei divagando, beijando seus labios, e de repente um calor tomou conta de todo o meu corpo, e então eu me toquei, que não estava sozinho.
  Quando me dei conta, os dois estavam me encarando, com uma cara de satisfação estampada.
  - Exatamente essa cara que você estava fazendo - Disse o Diego segurando o riso - Mas não tinha ficado vermelho da primeira vez...Que tipo de sacanagem você estava imaginando cara?
EU TINHA CORADO? DROGA!
  - HAHAHAHAHAHAHAHA - Will gargalhava alto - Ainda vai tentar esconder da gente mano?
  Estava ficando sem opções.
  - Não tem ninguém - Eu disse sério o suficiente para fazer eles pararem de rir - Agora vão me deixar comer o frango em paz?
  E então, o Will pegou o primeiro frango no balde, sorrindo em desaprovação, e então o Diego se inclinou em minha direção, com o rosto sério:
  - Vai ser do jeito dificil então!
  Isso não era nada bom.
  Comemos o frango, enquanto falavamos sobre a balada de mais tarde, sobre video-games, e futebol, não tocaram mais no assunto da garota misteriosa, a tarde passou que mal vimos, Will me deixou em casa já eram quase 19hr. Corri para limpar a sujeira que o Zeus fez em casa, pra um cachorro pequeno, ele caga bastante. Pensei em ir pra academia, mas estava com uma preguiça enorme, então deitei, só um cochilo...e então o telefone toca, era o Will:
  - Cara, que tal você atender a porta, estou aqui faz 5 minutos já - E desligou.
  Mas que diabos? Acabamos de nos ver, o que ele quer? Então abri a porta
  - Mas que porra é essa mano, vem me falar que ficou putinho por causa de mais cedo, e não vai mais pra balada, você combinou, cadê sua palavra, cacete, mano eu não vou sair daqui enquanto você não se arrumar e ir, já vou avisando
  - Calma cara do que você está falando? - Indaguei
  - Da balada, do que mais seria?
  - Que horas são - Perguntei pra mim mesmo.
  E a surpresa tomou conta de mim, já eram 22:14, eu dormi mais de 3 hrs, eu nem tinha tomado banho ainda, e o Will tava parado na minha porta, vermelho de raiva.
  - O que porra você tava fazendo cara? - Ele perguntou
  - Ah, mano, eu deitei pra tirar um cochilo, apaguei... - Eu respondi, um pouco perdido ainda.
  A vermelhidão do rosto dele sumiu, e a raiva deu lugar a pra uma gargalhada estridente.
  - Caralho mano, você tava dormindo até agora? Vai se lavar mano, vou ligar pro Dih pra avisar que vamos atrasar um pouco. - Ele disse enquanto entrava e fechava a porta por detrás dele, minha sala não era muito grande, tinha um sofá cor de creme, meio velho, tinha um rack preto, desgastado também, uma tv de LCD de 42 polegadas, e um playstation 4, que era nosso passatempo preferido, meu passatempo preferido, "nós" não existe mais, ela se foi...pera onde eu estava, sim, claro, as paredes eram brancas nas paredes norte e sul, e pretas na leste e oeste, bem simples, mas eu gostava. 
  Will se acomodou no sofá, e já foi tirando o celular do bolso pra ligar para o Dih. Entrei no banheiro e tomei o famoso banho de gato, saí e fui me arrumar, e quando abri a sacola...surpresa, tinha uma camisa de seda preta rídicula, acompanhada de uma calça boca de sino vermelha, e na caixa de sapatos, tinha um sapato que parecia social, mas não era, de cor preta, e brilhava tanto, que quase fiquei cego quando a luz refletiu nele, pensei em ir para a sala reclamar com o Will, mas me toquei que ele estava usando a mesma roupa ridicula, mas a camisa de seda dele era rosa, e a calça era amarela, e ele era no minimo 2 vezes mais forte do que eu, me reconfortou a ideia de que não serei o mais ridiculo do lugar. 
  Passamos na casa do Dih, e ele já estava na calçada, sentado nos esperando, ele entrou depressa no carro, e tirou uma pequena sacola de papel do bolso.
  - Para ficarmos no estilo - Disse ele com um sorriso canalha no rosto.
 E então tirou da sacola de papel, 3 pares de costeletas falsas.
  - Não vou usar isso nem fodendo - Disse tentando deixar claro a irritação na minha voz.
  O que não deu muito certo, pois quando olhei pro Will, ele já estava usando as costeletas falsas. Foi impossível não rir, perdi o argumento ali, coloquei então as costeletas, olhei no meu celular e pensei "Hmm, não ficou ruim" talvez eu devesse deixar ela crescerem um dia, paramos em frente ao casarão, onde a Mellisa morava, ela saiu saltitante pela porta da frente após o Will buzinar, ela vestia um vestido amarelo e um cinto preto, um sapatinho de salto baixo, azul cheio de bolinhas brancas, ela até parece inofensiva, olhando assim, mal dá pra perceber que ela é a pior de nós 4, e eu estava prestes a descobrir isso. A primeira coisa que ela fez ao entrar no carro foi:
  - E então Tom, pode me contar tudo, quem é ela? Como ela é? O que te chamou atenção nela? Qual o signo dela? Não me olha com essa cara não Tom, eu quero saber tudo nos minimos detalhes, pode começar a falar, você chamou ela pra ir na balada com a gente hoje? Consigo encaixar ela com a gente. Ai meu Deus menino, fala alguma coisa, qual é nome dela?
  Nesse ponto eu estava muito estressado demais com as perguntas dela, que eu simplesmente deixei escapar:
  - Eu não sei, eu não sei nada sobre ela!!! - Droga!
  E então houve o silêncio, e então, risos. William gargalhava histéricamente ao volante, do seu lado Mellisa dava um riso de orgulho do que tinha feito, do meu lado, o Diego tinha um riso no canto da boca dele, mas não foi o suficiente pra ele, ele virou pra mim e disse:
  - O jeito dificil  não foi tão dificil assim, não é mesmo? - Disse enquanto voltava a virar pra frente, e sorrir mais abertamente.
  Eu simplesmente me calei, não queria contar nada, não mais do que eu já tinha (estupidamente) relevelado. Eles não perguntaram mais nada, pareciam contentes com essa pequena vitória, mas eu sabia que era a calmaria antes da tempesatde, e como a tempestade ia chegar cedo ou tarde, resolvi aproveitar a calmaria.
  Depois de alguns minutos, chegamos de frente ao clube, e tinha uma fila enorme para na porta, acho que a Mellisa viu a preocupação estampada na minha cara e na do Dih, porque ela disse tentando nos alcalmar:
  - Relaxem, o dono do clube é amigo do meu pai - consegui notar um pouco de raiva no tom de voz dela -  Como vocês acham que eu consegui as entradas VIP's pra gente? - dessa vez ela estava dando um sorriso canalha enquanto falava.
  E foi exatamente como ela disse, chegamos na porta, ela apresentou as "credenciais" e entramos em questão de segundos. Passamos por um corredo estreito e escuro, ontem tinham 2 guardas, o padrão de balada, um homem para revistar os homens e uma mulher para revistar as mulheres, assim que eles confirmaram que não estavamos de posse de drogas, e nem nada do tipo abriram a porta e liberaram a nossa entrada, o lugar não era tão grande, tinha uma pista enorme com pisos de madeira, bem ao funto do salão dava para ver o bar, e lá estava concentrado o maior numero de pessoas, perto do bar tinha um escada, que nos levava para o segundo andar, era pra onde a Mellissa estava seguindo, a área VIP, passamos mais uma vez por outro segurança que guardava a escada, chegamos na área vip, e a primeira coisa que me chamou a atenção, foi o tanto de pequenos sofás que tinham no lugar, "Pelo menos vou ter onde sentar" pensei, chegamos em um canto, onde ficava perto da escada, "para podermos ir e voltar ao bar com facilidade" disse o Dih, ele era o mais calado do grupo, e também era o que mais bebia entre nós, e então fomos para o para peito, onde podíamos ver a pista no primeiro andar, e já estava enchendo o salão, se olhassemos para cima, conseguiamos ver um enorme globo espelhado, preso no teto. Passado alguns minutos o lugar já estava cheio, a musica alta, e uma boa galera arriscando alguns passos no centro da pista, não era tão desagradável quanto eu pensei.
  Já se passaram 2 horas, e cá estou eu, sentado, cansado, pedindo pela minha cama, enquanto o Dih arriscava alguns movimentos com uma garota desconhecida, no pequeno espaco circular que tinha no centro do andar superior, e o Will e a Mellisa estavam nos amassos no sofá ao lado do meu, resolvi então me levantar, e ir ao bar, já estava cansado desse lugar, então, beber um pouco não faz mal, desci as escadas, e me espremi até conseguir chegar no bar, me inclinei com o peito no balcão, e falei para o barman:
  - Bom dia chefe! Qual o drink que você faz, que pode me deixar alegre o mais rápido possivel?
  Ele só sorriu e disse:
  - Um á moda da casa saindo!
  Tirei o peito do balcão, e então senti uma trombada de leve nas costa, e em seguida um pedido de desculpas, assenti com a cabeça e pensei "É por isso que eu odeio lugares assim, não consigo ter nem meu próprio espaço", e então essa pessoa parou do meu lado do balcão, olhei com minha visão periférica, e consegui ver uma pessoa baixa de black power, usando um vestido preto com bolinhas brancas. 
  - Foi mal, o lugar está muito cheio - Ela disse
  - Não esquenta, tá de boa - Eu respondi, enquanto estava surpreso com o tanto de bebidas diferentes que o barman estava colocando no me drink.
  E então a música mudou, e começou a tocar "You're the one that I want".
  - Cara, eu amo essa música - Pensei em voz alta.
  - Ei, eu te conheço - então ouvi uma gargalhada, e meu corpo congelou - Você é o cara de hoje de manhã, o da revista não é? A gente tem que para de se trombar, tipo LITERALMENTE - E então mais risos.
  Então eu me virei, e lá estava, aquele sorriso, puta que pariu, que sorriso, e então em menos de 1 segundo, não tinha mais ninguém á nossa volta, não tinha música nenhuma tocando, só tinha ela, e aqueles olhos bonitos, aquele rosto perfeito, e aquele sorriso que tinha o poder de me congelar e me deixar sem ação.
  - Oi, você está bem? - Ela disse quando se passaram alguns segundos - Precisa de ajuda?
  - S-sou eu sim - Foi o que eu consegui dizer.
  Então ela sorriu ainda mais.
  - Eu percebi - Ela parecia se divertir - Você está com a mesma cara de perdido, igual estava de manhã, hahaha. Precisa de ajuda?
  Merda, ela devia achar que eu era retardado, queria poder dizer algo, mas tudo que eu conseguia fazer era admirar ela.
  - Tuuudo - Disse ela enquanto se afastava do balcão - Até a próxima trombada!
  Nesse momento bateu um misto de medo e desespero, ela estava indo embora, e muito provavelmente, eu não iria ver ela novamente...sério, quais seriam as chances? Eu tinha que agir.
  - Espera! - Eu acho que eu gritei - Eu me chamo Thomas, mas meus amigos me chamam de Tom, e eu estou bem, só não esperava te reencontrar assim, tão cedo.
  - Então, Thomas que seus amigos chamam de Tom, "Não esperava me reencontrar tão cedo" você disse, por acaso andou pensando em mim? - Disse ela em um tom de zombaria.
  - Sim - Agora as palavras saiam involuntáriamente - Não consegui parar de pensar em você desde que nos encontramos - Disse pra ela enquanto olhava para o barman ainda fazendo, o que porvavelmente, me levaria á um coma alcóolico.
  E então, quando tomei coragem de encarar ela nos olhos, ela estava paralisada, e estava da cor de um pimentão, e então, automáticamente eu também travei, "o que será que ela está pensando?" era tudo que eu consequia pensar naquele momento. E então veio uma garota e puxou ela pelo braço.
  - ...ela está passando mal, vamos levar ela no pronto socorro, vem! - Foi o que eu consegui ouvir a garota dizendo para ela.
  E então ela começou a ser puxada para o meio da multidão, e eu continuava lá parado, sem saber o que fazer. "Droga, o que está acontecendo comigo?", pensei em meio a decepção de ver ela sumindo entre um mar de pessoas.
   - Aí está chefia, á moda da casa, "alegria" garantida ou seu dinheiro de volta! - Disse o barman, que parecia orgulhoso do seu feito.
  Então ainda perdido, olhei para ele, assenti com a cabeça, e peguei meu drink, eu me sentia um merda naquele momento, mais uma vez ela foi embora, e eu não consegui sequer, descobrir o nome dela, olhei para o meu drink, e torci para ele ser tão bom quanto o barman acha que ele é, talvez ele pudesse amenizar um pouco essa sensação de derrota que eu estava sentindo. Foi então que eu senti alguém pegando a minha mão, quando eu virei era ela, e então ela fechou a minha mão, olhou bem no fundo dos meus olhos, deu um sorriso, e desapareceu, graciosamente em meio a multidão.
  Mais uma vez, eu fiquei congelado, que porra de magia essa garota jogava em mim, eu não conseguia reagir nenhuma vez quando estive perto dela, meu coração estava mais acelerado do que um carro de fórmula um, então eu olhei para minha mão esquerda, passaram-se alguns segundos desde que eu comecei a encará-la, até que então, eu consegui abrir ela, e ver um pequeno guardanapo dobrado, comecei a desdobrar ele, e meu coração acelarava cada vez mais. Quando finalmente terminei de desdobrar, eu tive um misto de empolgação, com alegria, com borboletas no estômago, eu coração estava tão rápido que parecia que ele ia explodir, estava escrito nele, com uma letra grande e bonita, na cor do batom roxo escuro que ela estava usando naquela noite:
                                                                                      " 9 7060 - 0249
                                                  VICTÓRIA, MAS MINHAS AMIGAS ME CHAMAM DE VIC!!!
                                                                                           ME LIGA!!!"
 


Notas Finais


Até o próximo capítulo!!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...