História Apenas Uma Chance - Capítulo 53


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fairy Tail
Personagens Lucy Heartfilia, Natsu Dragneel
Tags Gale, Gruvia, Jerza, Nalu, Romance, Zevis
Exibições 166
Palavras 3.793
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Escolar, Famí­lia, Hentai, Luta, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Oi meus amores! Eu atrasei um pouco, mas foi por que estava sem net desde sexta ;-;
Sabe o que é passar o final de semana sem internet? Horrível!
Bom fiquem com o capitulo e desculpe algum erro e espero que gostem.

Capítulo 53 - Sonhos e memorias perdidas.


Fanfic / Fanfiction Apenas Uma Chance - Capítulo 53 - Sonhos e memorias perdidas.

Natsu on

Lucy pegou no sono na metade do filme e acabou encostando e mim, o que eu não achei nada mal, afinal eu ainda a amo...

Levei-a para minha cama e a deitei lá a cobri. Voltei para o sofá e desliguei a teve e acabei dormindo lá mesmo... Happy que não é nada bobo foi dormir com a Lucy.

Continua...

Lucy on

Sonho...

Novamente eu estava correndo pela floresta... Estava com medo, algo estava me perseguindo até eu chegar àquela área aberta...

-Está tudo bem?

-Oi? – Perguntei confusa.

-Você parece estar assustada... Está tudo bem? – Uma voz me perguntava, mas eu não sabia de onde ela vinha.

-Que é você? Por que não aparece?

-Por que te assustaria... E eu não quero que vá embora.

-Eu não vou me assustar.

-Não diga que eu não lhe avisei.

Um garoto que aparentava ter 17 anos saiu em meio os arbustos, ele tinha parte do seu corpo coberto por escamas vermelhas e um rabo de dragão.

-Ai meu deus! –Me assustei e me afastei um pouco dele, o que deixou o mesmo com a expressão triste.

-Eu sabia...

-Me desculpe... Eu só não esperava...

-Não esperava um garoto meio humano meio dragão? – Assenti e o menino suspirou. –Tudo bem, estou acostumado com isso, mas do que a senhorita estava fugindo? Algo lhe incomoda e sei que não sou eu...

-Eu estava sendo perseguida... Por algo que não sei o que é! –Falei alarmada e logo escutei alguém correr em meio a arvores. 

O garoto se colocou na minha frente e logo a fera apareceu... Era um lobo preto. O rapaz sacou sua espada e com um golpe derrotou o Lobo.

-Obrigada! –Eu o agradeci. Ele me fez referencia e beijou minha mão.

-Por nada minha princesa.

-Qual o seu nome? –Perguntei curiosa.

-Natsu... O filho do dragão!

-O meu é Lucy! – Disse sorrindo para ele.

Lucy... Lucy... Lucy!

Alguém está me chamando... Mas quero ficar mais com ele. Logo tudo foi clareando.

Sonho...

-Lucy! – Natsu estava me chamando.  – Hei Lucy!

-Oi? – Falei meio sonolenta.

-Está tudo bem? Você estava um pouco agitada, achei que estava tendo um pesadelo.

-Estou sim... Natsu...

-Hum?

-O filho do dragão...

-Hã? – O rosado me olhou confuso.

-Anos atrás... Encontrei-me com um jovem rapaz... Meio humano meio dragão... Ele me salvou e...

-Lucy! – Natsu me sacudiu me tirando do transe.

-Desculpe... Eu tive um sonho e ele foi muito real... Como se eu tivesse realmente vivido aquilo...

-Era só um sonho Lucy. – Diz ele indiferente sentando na ponta da cama.

-Que horas são...?

-6hrs da manhã, por quê?

-Pode me levar para casa?

-Ainda é muito cedo, durma mais um pouco.

-Eu preciso ver uma coisa... É importante!

-Caso de vida ou morte?

-Mais o menos... – Falei fazendo carinha de piedade para ver se ele sedia.

-Essa carinha não vai me convencer, volte a dormir! –Natsu apagou a luz e fechou a porta voltando para a sala.

Droga não deu certo... E minha cabeça está doendo... O que é isso...

Lembranças...

... Uma bola de basquete vindo em minha direção... Um garoto de cabelos rosa indo pegar ela...

Ai...

Uma albina me prendendo em um porão... Estava dizendo algumas coisas que não conseguia me lembrar... E uma forte dor... Eu sinto fortes dores...

-Aaah Minha cabeça... – Gritei... Natsu entrou no quarto assustado novamente acendendo a Luz.

-Lucy o que houve?

-Natsu, está doendo... Está doendo a minha cabeça... Faça parar, por favor. – Implorei ao rosado que assentiu assustado e foi até a cozinha pegar um comprimido e um copo de agua.

Eu tomei o comprimido junto da agua e ele estava me olhando preocupado.

-Obrigada...

-Está melhor?

-Não... Ainda está doendo...

-Quer que eu te leve a um hospital?

-Tudo bem... Eu estou bem. –Sorri disfarçando, na verdade não estava nada bem, sempre que minha memoria voltava eu sentia fortes dores de cabeça...

Natsu mesmo assim não estava convencido.

-Tá... Se precisar me chama! –Apagou a luz e saiu no quarto novamente.

Deitei-me novamente e virei de lado para tentar dormir...

 

Flashback.

Cinco anos atrás

-Lucy você está bem? Não sei desse quarto a dias... – Pergunta Virgo preocupada assim que voltou de sua viagem.

-Eu estou bem... – Eu não estava nada bem, não consegui ver a cara de ninguém muito menos dela...

Meus gritos noturnos continuavam desde quando recebi alta...

Desci até a cozinha e percebi que a virgo não estava lá... Peguei uma faca de dentro da gaveta do gabinete e estava preste a enfiar ela em minha barriga para acabar meu sofrimento... Lagrimas e lagrimas rolavam em meu rosto, uma a pós a outra. Virgo me encontrou com a faca não mão me preparando para tirar minha vida. Ela correu e por pouco conseguiu tirar aquela facada da minha mão e a jogar no chão da cozinha com força... Agachou-se do meu lado e me abraçou forte. Não disse nada, apenas ficou assim até eu me acalmar.

Os dias foram passando e Virgo teve que esconder todos os objetos pontiagudos e perigosos de mim...

Estava escutando ela conversa com a Aquarius atrás da porta do escritório do meu pai.

-Precisamos levar a Lucy a um psicólogo urgente... – Diz Aquarius preocupada.

-Eu sei disso... Ver ela desse jeito me parte o coração...  – Virgo estava com a voz chorosa.

Entrei na sala na mesma hora com os olhos cheios de lagrimas.

-Lucy? – As duas falaram surpresas.

Não falei nada apenas corri para abraçar elas...

No dia seguinte as duas me levaram a um psicólogo e a um psiquiatra... E enfim foi dado um diagnóstico oficial em que eu estava com depressão profunda e precisava ser internada para tratar isso, pois estava endoidando.

Fiquei alguns meses internada em uma clinica psiquiatra, os médicos me medicavam quase toda hora, dia após dia...

Eu já não estava aguentando mais aquela rotina, então fingi estar bem... Reagindo aos tratamentos para sair logo daquele inferno... E deu certo.

No mês seguinte me deram alta, mas mesmo assim me receitaram vários tipos de remédios antidepressivos que sinceramente, não ajudava em nada...

Virgo foi me buscar junto de Loke, os dois me deram um grande abraço... Mas eu estava decidida, dessa vez iria tirar minha vida de uma vez por todas... 

Sai escondida da mansão e fui a uma loja de produtos e venenos para insetos e roedores... Peguei um frasquinho que dizia “extremamente toxico, manter longe de animais domésticos e crianças”. E voltei para casa

-Lucy, eu vou precisar ir ao mercado, por favor, não faça nada enquanto eu estiver fora! – Fala Virgo preocupada.

-Não se preocupe Virgo eu estou bem! – Forcei um sorriso enquanto apertava o frasco de veneno na minha mão atrás das costas. Virgo me olhou desconfiada e fechou a porta.

Esperei meia hora e desci até a cozinha. Peguei alguma coisa para abrir aquele frasco, mas era inútil virgo tinha escondido todas as facas... Ou... Nem todas!

Fui até o quarto do meu pai e encontrei uma peixeira que tinha guardada em sua gaveta. Peguei-a e desci até a cozinha novamente, enfim abrindo o frasco e bebendo o veneno... Depois disso não vi mais nada.

Flashback...

Acordei com os a luz entrando pela a cortina e atingindo meus olhos... Levantei-me esfregando os olhos e logo senti um cheiro bom de ovos fritando e café fresco... Fui até a cozinha e Natsu estava preparando o café da amanha.

-Oh! Bom dia Lucy, está melhor? –Diz ele a me ver na porta.

-Uhum... O que isso? Parece ser bom...

-Ovos com bacons fritos. Gosta?

-Gosto sim. – Dei um sorriso simpático para ele e o mesmo me retribuiu. – Perai! – Falei indo para o banheiro lavar meu rosto... Meus olhos estão vermelhos, será que chorei?

Lavei meu rosto bem e o sequei e voltei para a cozinha, Natsu já estava colocando os ovos e os bacons no meu prato junto de uma xicara de café.

-Obrigada!

-Fique a vontade! –Ele me deu uma piscadela e voltou para o fogão para preparar para ele.

-Natsu...

-Hum?

-Você faz isso... Com todas?

-Hã? – Ele me olhou confuso.

-Digo... Tratar dessa maneira?

-Não, por quê?

-Isso faria qualquer garota se apaixonar... Nunca se apaixonou por alguém?

Natsu hesitou antes de me responder.

-Já...

-Eai?

-Bom... Digamos que tomei um fora dela! – Falou ele sem graça.

-E você desistiu dela? – Perguntei curiosa.

-Estou pensando em desistir...

-Por quê? Se gosta dela não devia desistir...

-Lucy, você não entenderia...

-Por que não? – Natsu deu um grande suspiro.

-É complicado... Ela não se lembra de mim... – Disse ele tentando parecer que estava escolhendo as palavras certas para dizer. – Eu sou apaixonado pela mesma pessoa já faz seis anos mais o menos... Acho que chega uma hora que a gente cansa né?

Ele sorriu sem graça pra mim.

-Desculpe... –Abaixei a cabeça ao ver seu olhar triste.

-Tudo bem... Eu estou bem, não se preocupe.

-Tenho certeza, que ela seria uma pessoa de sorte... Por você não ser quem eu pensava que era... – Falei sem pensar e acabei tampando minha boca surpresa. Natsu estava me olhando surpreso também.  –N-n-n-não estou insinuando nada! –Falei corando e bebendo meu café.

Natsu começou a rir com o que eu disse o que me fez corar mais.

-E você Lucy?

-Eu? Eu o que?

-Nunca se apaixonou?

-... De verdade, eu não me lembro...

-Não se lembra?

Balancei a cabeça em sinal de não.

-Eu perdi minha memoria após uma tentativa de suicídio... – Segurei firme a xicara e olhava para baixo.

-Lucy você... Tentou se matar? – Assenti. – Mas por quê?

-Não achei que merecia mais uma chance... Não depois do que fiz...

-O que você fez?

-Fui incapaz de gerar uma criança... De nutrir ela...

-Lucy... Isso não foi sua culpa...

-Foi sim... Se eu tivesse ido ao médico antes... Logo quando estava me sentindo fraca, eu estaria com ela ao meu lado agora... – Coloquei minha xicara em cima da mesa e cobri meu rosto tentando esconder minhas lagrimas.

Natsu deixou o que estava fazendo e se ajoelhou na minha frente, tirou minhas mãos do meu rosto e olhou nos fundo dos meus olhos.

-Lucy... Não se culpe okay? A culpa não foi sua... Não acabe com a sua vida por causa disso...

-Natsu...

-Eu... Quero te proteger, proteger o seu sorriso... – Ele falou virando o rosto corado.

-Natsu... – Falei espantada... Eu sinceramente não esperava tais palavras dele...

Natsu se aproximou mais de mim até colar nossas testas.

-Eu prometo... Que vou proteger o seu futuro... – Sussurrou ele.

Não me importo se estou triste... Se gosto do Matt ou não... Isso é se eu realmente gostar dele. Ficar perto do Natsu me trás segurança de alguma forma... De alguma forma eu me sinto segura. Natsu estava se aproximando mais de mim, mas em um impulso acabei me levantando deixando o rosado sem entender nada.

-Desculpe... Agradeço por sua hospitalidade, mas proteger meu futuro. – Dei uma risada de deboche. Por que estou falando isso? – Você nem sabe a metade das coisas que passei... Como pode dizer com tanta facilidade, provavelmente só é mais um que quer me comer e sair fora!

-O que? – Ele perguntou incrédulo com o que acabei de dizer. – Ainda acha que só quero isso? Qual o seu problema? Por que você sempre tenta disfarçar sua tristeza me tratando desse jeito? O que eu fiz para você? – Ele perguntou se levantando bruscamente também.

Eu não sei... Na verdade não sei por que estou te tratando assim... Sinto que é uma ameaça e devo te eliminar do meu caminho...

-Desculpe, acho que está na hora de eu ir embora... – Falei virando o rosto e desviando dos olhares preocupados e desentendidos do rosado.

-Já chega Lucy! – Gritou ele.

-Que? – Ele me pegou de surpresa.

-Chega desses joguinhos que está fazendo para me desestabilizar! Eu sei que eu posso transar com qualquer uma que de em cima de mim, e você está certa em uma coisa! – Ele fez uma pausa antes de falar, parecia estar tentando recuperar o juízo o que não havia dado certo. – Eu realmente quero te “comer”. Desde o dia em que eu te vi naquele acidente!

O que?... Não pode ser eu disse isso da boca pra fora e ele está confirmando isso?

-Como disse? – Falei incrédula.

-Isso que você escutou... – Sua voz se suavizou e então fui pega desprevenida quando ele segurou e minha cintura e me puxou para perto de si... Eu não consegui dizer nada, não consegui protestar nem me debater para sair de seus braços. Foi então que ele me beijou... Um beijo voraz e cheio de desejo. Colocou sua outra mão em meu pescoço intensificando ainda mais aquele beijo que até então eu comecei a correspondê-lo. Nossas línguas travavam uma poderosa briga dentro de nossas bocas e não demorou muito para perdemos o folego, paramos um pouco para poder respirar e voltamos a nos beijar com a mesma intensidade. Natsu agora passava sua mão para dentro da minha blusa alcançando meu seio e me fazendo liberar um pequeno gemino reprimido de surpresa. Estávamos andando em direção à parede ignorando as cadeiras e coisas espalhadas. Natsu agora estava me prensando contra a parede, ele desceu seus beijos até meu pescoço o contornando com a língua, sua mão não parará de massagear meu seio enquanto a outra não saída de minha cintura. Sua língua parecia como chamas queimando em meu pescoço...

Natsu me pegou no colo e eu entrelacei minhas pernas em sua cintura e ele voltou a me beijar com a mesma intensidade de antes. Ele me levou até seu quarto e me jogou na cama e em seguida tirou sua regata preta que estava usando e a jogou em qualquer canto do quarto e depois fez o mesmo com minha blusa deixando meus seios totalmente a mostra. Ele mordeu seu lábio inferior ao ver aquilo e eu corei um pouco, já estava começando a ficar excitada com aquilo tudo, e de fato tinha um corpo de dar inveja em qualquer um, com um belo abdômen definido e seus orbes verdes me fitando com desejo o deixa ainda mais sensual...

-Nat... – Antes que eu pudesse terminar a frase Natsu abocanhou meu seio esquerdo de maneira cuidadosa, mas ao mesmo tempo sem conseguir se controlar, como se estivesse querendo isso há muito tempo... Natsu desceu sua mão até a minha intimidade e deu um sorriso malicioso ao ver que já estava “molhada”. Ele passou seu dedo por cima da calcinha me fazendo estremecer um pouco de prazer, segurei em suas madeixas rosadas pressionando sua cabeça contra meu peito intensificando seus movimentos com a língua. Enquanto isso Natsu afastou um pouco o pano da minha calcinha para o lado adentrando seu dedo indicador em minha vagina. O que acabou me fazendo soltar um gemido, Natsu não perdeu tempo que mordiscou a ponta do meu mamilo me fazendo tomar um choque de prazer e soltar outro gemido.

Ele então com sua mão livre voltou a apalpar meus seios e voltou a me beijar me deixando cada vez mais sem folego... Eu não queria perder aquela briga, não era justo só eu sentir prazer, desci minhas mãos até sua bermuda a abrindo de vagar enquanto o olhava nos olhos de forma sexy, e vi em seus lindos orbes verdes seus desejos aumentarem. Natsu começou movimentar seu dedo dentro de mim, fazendo com que eu arfasse de prazer. Acariciei seu membro já excitado por cima de sua cueca box vermelha. Natsu tirou seu dedo de minha intimidade o colocando na boca para sentir o gosto dos fluidos que saíram de lá.

Empurrei-o de leve invertendo nossas posições e agora ficando por cima. Eu rebolava em cima de seu abdômen de forma provocativa, fazendo o rosado morder seu lábio inferior ao me ver. Mas não pretendia ficar só na provocação, então sai de cima dele e a baixei sua cueca deixando seu membro duro à mostra. Passei minha língua em volta do lábio o fitando com desejo e em seguida abocanhei seu membro, fazer o rosado soltar um gemido rouco e colocar sua cabeça para traz, comecei a fazer movimentos de vai e vem com seu membro em minha boca quanto minha linga o contornava por inteiro, Natsu segurou na minha cabeça a empurrando para baixo fazendo com que eu fosse mais fundo, comecei a masturba-lo para ajudar nos movimentos o que fez o rosado delirar de prazer. Em seu rosto dava para perceber um sorriso bobo, mas ao mesmo tempo sedutor. Tirei minha boca do seu pênis e o posicionei entre meus peitos fazendo uma espanhola no rosado que estava se segurando firme nos lençóis da cama com a respiração ofegante. Enquanto fazia o movimento de sobe e desce com meus seios, dando lambidas na cabeça de seu pênis o fazendo delirar mais.

Senti um gosto amargo em minha boca e sabia que ele estava preste a gozar então parei com os movimentos e me afastei dele deixando ele com cara de decepção, mas não por muito tempo. Pois comecei a tirar meu short junto da calcinha enquanto rebolava em sua direção, Natsu se sentou na cama apreciando minha rápida dancinha. Ele segurou no meu braço e me puxou para seu colo me beijando intensamente. Sentei-me em seu colo e entrelacei minhas pernas em sua cintura, seu pênis roçava em minha abertura me fazendo arrepiar de prazer, comecei a rebolar em seu colo fazendo com que roçasse mais ainda, Natsu desceu seus beijos pelo meu pescoço o mordiscando a cada selinho que dava no mesmo.

Natsu me tirou de cima do seu colo e foi ate se gaveta pegar uma camisinha, ele rasgou a embalagem com os dentes de forma bruta, o rosado se sentou na cama posicionando a camisinha em seu membro de forma experiente e se voltou para mim em seguida, me olhando como um leão analisando sua presa. Dei um sorriso malicioso e ele rapidamente entendeu o recado se sentando na minha frente e me colocando em colo só que desta vez eu estaria de costas para ele. Natsu segurou em seu pênis e adentro o dentro da minha vagina sem mais delongas e começou a se movimentar enquanto mordiscava minha orelha e a palpava meus seios. Eu estava enlouquecendo de tanto prazer, não consegui conter meus gemidos o que o deixava mais excitado ainda. Eu rebolava em cima do seu membro fazendo ir mais fundo e alcançar mais lugares. Coloquei minha cabeça para trás apoiando em seu ombro e então ele me beijou mais uma vez então enquanto eu continuava a cavalgar em cima dele.

Natsu segurou minhas coxas firmes e as levantou para cima aumentando mais a velocidade das estocadas a respiração de ambos estava pesada e logo ele não aguentaria. Ou aguentaria eu não sei... Natsu me deitou na cama e continuou com as investidas cada vez mais fortes e rápidas, ele virou meu corpo para que eu pudesse ficar a sua frente e voltou a me penetrar. Ele se voltou à atenção em meus seios, enquanto chupava um apalpava o outro, por meus seios ter o tamanho avantajado o deixa ainda mais louco de prazer e a cada toque seu me deixa louca também.  Cheguei ao meu ápice e acabei gozando, mas isso não fez com que o rosado para-se, ele continuou sua estocadas, cada vez mais rápido dentro de mim enquanto revisava sua boca em meus seios, dando prazer aos dois igualmente. Segurei seus cabelos os puxando um pouco e descia mais minhas mãos para suas costas o arranhando sem dó. Natsu pareceu estremecer um pouco de dor, mas acho que era impressão minha, pois em seu rosto se formava um sorriso ainda mais malicioso que os outros.

Depois de mais alguns minutos finalmente Natsu chegou ao seu limite também e acabou gozando e se deitando exausto do meu lado. Nossas respirações estavam ofegantes, mas nos acalmávamos um pouco. Virei-me de lado para encara-lo enquanto o mesmo estava com um sorriso bobo no rosto, me olhando de lado.

-Eu... Podia fazer isso sempre sem me cansar! – Disse ele finalmente quebrando aquele silencio.

-Você é um pervertido sem salvação... – Falei com a respiração forte em um tom de brincadeira.

-Não me julgue você também me atiçou muito loirinha! – Diz ele sorrindo de lado para mim.

-Isso tem que ficar entre nós, está bem? – Falei séria.

-Por quê? – Perguntou ele se virando para mim e se apoiando sua cabeça em sua mão me olhando com divertimento.

-E-eu não quero que saibam que eu...

-Transou comigo? –Ele deu uma risada de deboche. –Tudo bem princesa, vai ser nosso segredo!

-E essa foi à única vez! Não vai rolar de novo! – Falei me virando envergonhada.

Natsu não me respondeu, mas senti a cama estremecer um pouco e escutei um riso abafado, essa minha vergonha o divertia.

-Vou tomar um banho, se quiser pode vim junto! –Ele se levantou e o olhar por causa de suas palavras.

-Não, obrigada, vou depois que você! –Falei e ele deu de ombros.

Fiquei o encarando enquanto procurava uma roupa em seu guarda-roupa e pegava uma cueca na gaveta. Ele era encantador mesmo... Nunca tinha reparado, mas ele tinha seu braço tatuado, umas marcas pretas que começavam do seu peito e terminava em seus dedos.

-Tem certeza que não quer vir? –Perguntou ele me fitando com divertimento. Quando eu percebi que eu não parara de olha-lo desde quando se levantou.

-Tenho! –Respondi de imediato.

Natsu então finalmente entrou no banheiro e eu me joguei para trás suspirando. Happy pulou na cama e se deitou ao meu lado.

-Hei pequenino... Eu me lembro de você, só não sei como o conhecia! –Falei acariciando seu pelo o que fez o gatinho ronronar. – Sei que você também se lembra de mim... Algo me diz que  isso que estou passando não é por acaso... 

-Meows! – Ele miou e então se aconchegou perto dos meus peitos.

Fiquei cariciando ele por um tempo enquanto Natsu ainda estava tomando seu banho.

 

-Lucy pode ir! –Disse ele saindo do banheiro com uma bermuda verde e com a toalha pendurada em seu pescoço, ele estava sem camisa o que me fez prender a atenção novamente. –Terra chamando Lucy, oi?

-Oi! Desculpe! –Me levantei assustada e envergonhada com meu distraimento.

Natsu sorriu de lado, mas não disse nada. Levantei-me e peguei minha calcinha que estava jogada no chão e entrei no banheiro.

Depois que sai do banho, meu vestido que eu estava usando ontem já estava seco, então o vesti, Natsu me levou para meu apartamento como havia pedido. Agora tenho coisas e mistérios a desvendar! Subi só para trocar de roupas e peguei minhas chaves e celular. Desci até a garagem e entrei no carro.

No caminho liguei para virgo avisando que iria fazer uma visita, o que a deixou muito feliz.

Continua...
 

 


Notas Finais


Ele avisou que teria a ultima transa com ela e bom... Conseguiu :v
Não sei se isso fico forçado ou não afinal foi um desejo carnal e como ela n recusa nem mesmo um estranho pq recusaria essa lindeza de homem * -*
Vamos lá gente, vamos viajar no tempo? Fiquem ligados no próximo capitulo!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...