História Apenas Uma Garota - Capítulo 16


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Adolescente, Amor, Bullying, Comedia, Dor, Fase Da Vida, Ficção, Frieza, Interesse, Mudanças, Perseguição, Reencontro, Revelaçoes, Sofrimento, Vicio
Visualizações 13
Palavras 1.927
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Comédia, Escolar, Famí­lia, Ficção, Poesias, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Insinuação de sexo, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Sem clichê ❤❤ editei zó um pouco 🙈

Capítulo 16 - Capítulo 14


(Capítulo pesado, realmente, foram avisados. Sem mimi nos comentários!)

             • • •

"Não deixe ela fazer isso!", algo me diz claramente.

Eu sabia o que ela ia fazer... 

Em um pulo Eleonora se coloca no meio da pista...

"Vai logo!" - A voz me ordena.

Desci da bicicleta rapidamente, larguei ela atravessei a pista. Em questão de 5 segundos, vi tudo em câmera lenta, as pessoas olhavam para Eleonora estranhando ou até, assustadas, vi pessoas gritando para ela sair do meio da pista. Corri o mais rápido possível, o carro que estava em alta velocidade, estava á 3 metros de Eleonora.
Antes que eu pudesse empurrala, ela foi puxada...

Eleonora abre os olhos totalmente pasma, ela parecia mais pálida do que o seu tom de pele, até seus lábios ficaram sem cor, suas pupilas se dilataram instantaneamente, seu corpo estava tremendo, além de estar frio. 

Ela ficou imóvel por 10 segundos.

Até que ela volta ter seus reflexos, me olha mais pálida ainda.

Pessoas se colocam em volta para a saber o que se passava.
       _______________...________________

  Eleonora***

Me senti segura do que ia fazer, eu estava disposta a me matar, a acabar com essa vida infeliz de imediato! 

"Me perdoa pai..."

"Me perdoe Alice..."
Digo para mim mesma em pensamento...

"Me perdoe Logan... ", minha mente diz...

Tudo isso vai acabar! O universo vai poder se aliviar com um problema a menos...

Em um pulo me coloco no meio da pista, de longe ouvi gritos.

- Saia daí garota!

- E o motor do carro, a pessoa estava acelerando...

Adeus...

Meu corpo estava leve, não senti exatamente... nada... era como se, eu já estivesse em outra dimensão...

Abri meus olhos, e não vejo exatamente nada...

Pouco a pouco, recupero minha visão, meus sentidos voltam, meu corpo esquenta.
Logo sinto que meu corpo estava no chão. Não consegui falar nada e nem reagir.

Vi Logan, ele parecia apreensivo, sem rumo, desorientado...

Senti uma baita dor de cabeça, e uma tontura do satanás, era algo totalmente agonizante, vou perdendo meu ar pouco a pouco... 

Logo vejo tudo escuro, perco meus movimentos, e me sinto apagada.
 
      _______________...________________

   Logan***

Eleonora apaga de uma vez.

Várias pessoas vieram tentar ajudar. Era uma multidão em nossa volta.

- Você conhece ela rapaz? - Um homem velho pergunta. Apesar, o cara que salvou ela.

- Sim, ela é minha vizinha.

- A vida dela é boa? - Ele pergunta.

- Não sei...

- Bom, parece que não... todo dia ela passa aqui, muito cabisbaixa... - Ele afirma.

- Pode ser.

- Ela está acordando! - Uma mulher afirma, não pude ver quem era, mas sabia que estava entre a multidão.
  Eleonora abriu os olhos bem devagar:

- Eu já estou morta? - Eleonora pergunta cabisbaixa, e fria, como sempre.

- Não! - Eu respondo, já impaciente.

"Essa garota tem merda na cabeça?"

- Que droga... - Ela diz fechando os olhos. - Não era pra você ter me salvado, seu idiota... - Ela me deu um tapa de leve.

- Nem foi eu que salvei, para de drama e levanta. - Falei a puxando pelo braço.

- Me deixa Logan...

- Vamos logo Eleonora! - Digo a puxando com força. - Eu mesmo te levo pra casa.

Ela aceita e se levanta. 

Ela estava mole e sem ânimo.

A multidão desaparece pouco a pouco.

Peguei minha bicicleta e pedi para alguém cuidar dela.

- Cuide da minha bicicleta? - Pedi para o homem que me perguntou, como era a vida de Eleonora.

- Amanhã você vai vim aqui buscá-la? - Ele pergunta.

- Claro. - Respondo. - E aí? Cuida dela?

- Tá bom meu filho. - Ele responde - Meu nome é Joacilho.

- O meu é Logan. - Me apresento. - Amanhã quando eu for para a escola eu passo aqui senhor Joacilho.

- Sim, você passa nessa lojinha aqui, tá bom? - Ele diz mostrando a loja.

- Ok senhor Joacilho. Vamos Eleonora. - Me virei segurando os pulsos dela, levemente.

- Me larga Logan! - Ela puxa o braço dela de uma vez, dando as costas e se retirando.

Já sem paciência, pego ela e a coloco em meu ombro.

- Me põe no chão seu merda! - Ela diz batendo em minhas costas, enquanto eu caminhava sem me importar.

- Não vou te largar enquanto não chegarmos em casa!

- ME SOLTA! - Ela grita. - Eu te odeio! Você é um inútil!

- Você pode me odiar, mas eu não.

- O que? - Ela diz sem entender.

- Você pode me odiar mas eu não odeio você. Apesar... Eu gosto de você. - Falo já me abrindo, na intenção de tentar a comover.

Ela fica em silêncio por uns segundos... deu certo!

- Desculpa. - Ela fala, e coça minhas costas levemente, em cima da blusa. Suas mãos eram de anjos... me arrepiei dos pés a cabeça.

- Ok Eleonora. Mas, saiba que eu gosto de você.

- Como assim? - Ela pergunta.

- Você parece ser uma pessoa legal de fazer amizade.

Fica um silêncio constrangedor.

- Tá bom. - Ela diz. - Nunca ninguém falou que gostava de mim. Pois...

- Pois? - Me interesso em ver ela concluir a frase.

- Esquece garoto. - Ela diz tentando ficar confortável em meu ombro.

Ficou um silêncio por 2 minutos..
Reparei que, Eleonora não era pesada, não senti nenhum peso em meu ombro.

- Caraca, você é leve em... - Digo brincando, cortando o gelo.

- Vai começar a reparar no meu tamanho?

- Sim. Olha... você é baixinha e magra... mas, isso não é tão ruim...

- Cala a boca. - Ela diz sorrindo.

- Hahaha! - Comecei a rir. - Ninguém nunca brincou com você?

- Não, apenas zoaram meu tamanho em forma de ofensa... sabe... eu sou a menor da escola, e sempre fui zoada por esse motivo...

- O que? Você é a Zé Baixinha do colégio?

- Yes. - Ela responde. - Pera aí? Zé Baixinha?

- Sim, e como eu chamo as meninas mais baixas de uma escola. Mas é em forma de carinho, tá?

- Tá.

- Você tá em que ano? - Puxo assunto.

- No 1°.

- Parece que você é do 9°!

- Cala boca Logan... - Ela diz entediada. - Me coloca no chão?

- Não.

- Uuugh! - Ela resmunga.

- Já estamos chegando na parada. Você tem dinheiro? - Pergunto.

- Tenho. Porquê?

- Para a gente pagar a passagem.

- Tá no meu bolso. - Ela diz.

Enfio minha mão no bolso de trás da saia dela.

- Ooou! - Ela grita. - Você é doido!? Tira a mão daí! O dinheiro tá no bolso da blusa de frio! Idiota.

- Ah, calma! Não foi por maldade nem malícia!

- ATA!

- É sério, meus tempos de malícia acabaram, voltei a ser inocente, bv e virgem. - Falo "virgem" por engano. - Ops... falei o que não devia... - Resmungo.

- Seu nojento. - Ela diz. - Depois que você me largar, e eu chegar em casa, vou tomar um banho de, desinfetante.

- Noza! - Falo admirado, me fazendo de ofendido com sarcasmo no rosto.

- Noza... - Ela diz irônica.

- Você eu nem preciso perguntar... se é ou não...

- Porquê?

- Por que, eu já sei a resposta.

- Qual é a resposta?

- Vai ser: Não. - Falei sério, porém, estava zoando.

- Seu idiota! Eu não sou tão retardada a ponto de fazer isso antes da hora correta. - Ela diz me dando um murro nas costas.

- Ah, e a hora correta vai ser no casamento? - Pergunto irônico. - Para com isso, todas as garotas sonham em perder a virgindade logo.

- Menos eu...

- Porquê senhorita Eleonora?

- Por que... - Ela pensa, e eu paro de andar pra ouvir sua explicação. Percebi que as pessoas no olhavam de uma maneira julgativa. - Porque é algo nojento.

- ATA! Aposto que você ver vídeo pornô. Pode assumir! Você não me engana. - Digo rindo, e voltando a andar.

- Não seu idiota! Isso é nojento e, algo idiota de se fazer. Só mentes poluídas, como você, fazem isso. - Ela me dá um murro, nas costas. - Você é nojento.

- Novidade... - Falo irônico.

- Ah, única vez que eu vi uma cena de... sexo, foi da minha mãe com meu padrasto. Ugh! Que nojo...

- Ah. Você viu o negócio do seu padrasto?  - Pergunto malicioso.

- Foi só dessa, vez quando peguei eles no flagra, na sala.

- Credo. - Falo rindo, porém, só de pensar, me dava ânsia. - Uugh! Que nojo!

- É, nunca mais me sentei naquele sofá, até hoje. Ecp!

Comecei a rir sem parar. Era muito bom ter um diálogo, com Eleonora

- Ah, pensei que você era totalmente fria. Mas eu fui um idiota.

- Cala a boca.

- Ain! Tá bom. - Falo me fazendo de ofendido, além de imitar um gay...

- Que gay.... - Ela ri ironicamente, porém não perdia sua frieza.

- Tá, chegamos na parada.

- Tá, agora me tira do seu ombro?
 
- Não!

- Aaaaah... - Ela resmunga. - Isso está sendo bem idiota. Não acha?

- Acho. Mas é legal te segurar no ombro. Você é bem levinha.

- Ah. Que saco Logan....

- Ficaria mais confortável se saísse daí? - Perguntei.

- Claro.

A coloco no chão, e a pego no colo.

- Meu Deus! Para Logan! Você tá sendo um idiota! Babaca!

- Xiu! Quer voltar pro ombro?

- Prefiro o ombro. - Ela diz.

- Tá. - Falo colocando ela no meu ombro de novo.

- Você tem quantos anos? - Ela pergunta.

- 18, e você?

- 15.

- Noza! Não parece! - Digo rindo.

- Cala a sua boca.

Depois de um minuto na parada. Um garoto que aparentava ter 18 anos aparece. Ele era do meu tamanho, um pouco mais forte, cabelos castanhos e olhos azuis.

- Correto Eleonora. - Ele diz.

Percebi o corpo de Eleonora tremer e perder o calor.

- Cala a boca... - Ela diz.

- Calo não Eleonora. Você se diz, ser firme! Mas não é nada!

- Me deixa Pedro! - Ela diz friamente.

- Oh, fala assim com ela não! - Repreendo, calmamente.

- Cala a boca você ELEONORA! E NÃO se intromente garoto! Você está falando com o Ex, da linda e fria Eleonora. Então fale direito comigo.

- Ah, cara não precisa falar assim. - Falo na boa. - Olha, eu só sou o amigo dela

- Desde quando Eleonora tem amigos? Ela é uma isolada da sociedade!

Percebo minhas costas começarem a molhar. Eram lágrimas de Eleonora.

- Ela não tinha mas agora tem. - Falo calmamente.

- Ugh! Você acha que vai conseguir algo com ela? Pois bem... enquanto eu estiver vivo... ninguém toca em Eleonora... só eu que posso. Ok? - Ele diz todo arrogante e convencido. - E tire ela de seus ombros. Isso é totalmente errado, nas minhas leis, de Ex...

Cara, realmente, ele estava me estressando.
Graças a Deus o ônibus chega. Se não, eu iria estragar a cara daquele idiota.

- Isso! Vai! Covarde.

Ignoro o que esse tal de Pedro diz.
Coloco Eleonora no degrau do ônibus. E ela termina de subir, e eu vou atrás.
O ônibus dá a partida, ela paga a nossa passagem.
Ela passa na roleta, e eu depois. Já do outro lado, ela se senta em um banco, e fica distraída, até eu me sentar do seu lado.

- O que foi? - Pergunto, colocando um fio de seu cabelo, atrás de sua orelha.

- Nada... - Ela limpa o rosto. - O Pedro é um idiota...

- Verdade. - Respondo.

- Eu odeio ele! Com todas as minhas forças...

- O que vocês tiveram? - Pergunto.

- Essa história é mais para frente... mas saiba que eu já namorei ele...

- Então... você vai começar a falar comigo? - Pergunto sorridente.

- O que você acha? - Ela diz, olhando pra mim, sua fisionomia era séria.

- Acho que... sim.

- Então é sim. - Ela fala séria, se virando para a janela.


Notas Finais


Deixei de revisar dois capítulo eeem só pra ler e tirar um pouco do clichê 🙅

(#Revisado)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...