História Apesar das nossas indiferenças. - Capítulo 23


Escrita por: ~

Postado
Categorias Malhação
Tags Benê, Bruno Gadiol, Daphne Bozaski, Gune, Guto
Visualizações 253
Palavras 1.111
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Ficção Científica, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Sexo, Spoilers
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


novamente venho pedir inúmeras desculpas, sei que o meu dia de postar era ontem, mas definitivamente não deu. gostaria de agradecer à todos, pelo apoio, pelos comentários e por cada pessoa que gosta da minha fanfic, vocês não sabem a imensa felicidade que sinto.

Capítulo 23 - Capítulo XXII


Fanfic / Fanfiction Apesar das nossas indiferenças. - Capítulo 23 - Capítulo XXII

Assim que Rodrigo olhou ao visor, percebendo que se tratava de um número desconhecido. O mesmo resolveu ignorar, portanto, continuando tocando.

– Que saco! – bufou – Esse é insistente. – Rodrigo reclamou, indo ao encontro de seu celular atendendo o telefonema.

Ligação on:

– Alô?! – falou a pessoa do outro lado da linha.

– Alô! – disse Rodrigo.

– Rodrigo?! – perguntou a pessoa.

– É. – exclamou preocupado – Com quem eu falo?! – perguntou Rodrigo.

– Não acredito. – deu uma risada – Você não se lembra mais dos velhos amigos? – perguntou a pessoa.

– O quê?! – se assustou – Bernardo? – perguntou Rodrigo.

– Pensei que não ia se lembrar de mim. – Bernardo falou.

– Trocou de número? Apareceu aqui como desconhecido. – disse Rodrigo.

– Troquei, mano. Tenho uma notícia para te contar. – Bernardo falou.

– É?! – suspirou – Lá vem bomba. Suas notícias nunca são agradáveis. – disse Rodrigo.

– Essa é a impressão que você tem de mim? – se espantou – Eu voltei para o Rio novamente, acabei de descer do avião. – Bernardo falou.

– Sério?! – perguntou Rodrigo.

– Sim. Estou voltando, só tem um problema. Você pode me ajudar a escolher um hostel? – Bernardo falou.

– Não precisa. Você pode ficar lá em casa, as portas lá de casa sempre estarão abertas para você. – disse Rodrigo.

– Po, valeu mano. Onde você mora? Como faz para chegar ai? – Bernardo perguntou.

– Vamos fazer o seguinte, eu te busco no aeroporto. Onde você está? – perguntou Rodrigo.

– Aeroporto Santos Dumont. – Bernardo falou.

– Tá bom. Vou sair daqui agora, daqui há umas 30 minutos chego aí. Valeu. – disse Rodrigo.

– Valeu! – Bernardo falou.

Os dois desligaram. Enquanto isso, Keyla continuava no hospital ao lado de Benê.

– Será que a Ellen não vem? – Keyla indagou.

– Ela foi avisar ao Tato, o nascimento do Tônico, Keyla. – disse Benê.

– Eles estão demorando. – Keyla falou brava.

– Calma. Daqui a pouco, eles cheg.. – disse Benê, sendo interrompida por alguém batendo na porta.

– Ei. É aqui que tem a mãe mais gata desse hospital? – Lica perguntou adentrando no quarto.

– Ih. – cruzou os braços – Acho que vocês entraram no quarto errado. – Keyla falou.

– Engraçadinha. É claro que estamos falando de você, Keyla. – Tina falou.

– Eu e a Tina não viemos juntamente à vocês, porque passamos em uma loja. Toma, – entregou as bolsas para Keyla – espero que goste. – Lica falou.

– Que coisa mais linda. – pegou em um macacão todo azul escrito "príncipe" – Não precisava, meninas. – Keyla falou.

– Cadê? Cadê meu neto? – Roney chegou eufórico.

– Pai! – o acalmou – Ele está na incubadora. – Keyla falou.

– Desculpa a minha falta de educação. Oi Benê. Oi meninas. – Roney falou.

– Seu Roney, essa aqui é a Tina. – a puxou um pouco para frente – Essa louca aqui, é a Lica. – disse Benê.

– Louca, Benê? – a encarou – Talvez, um pouquinho. – Lica falou.

– Oi. Desculpa a demora! – levantou a mão em sinal de rendição – A culpa é toda dele. – apontou pro Tato – Ele demorou, e veio o caminho todo falando do Tônico. – Ellen falou.

– Meu filho nasceu! – gritou – Ele se chamará Tônico?! – Tato perguntou.

– Antônio. Em homenagem a minha mãe. – quando olhou para seu pai o mesmo já está com os olhos marejados. – O que houve, pai? – Keyla perguntou.

Assim que Rodrigo olhou ao visor, percebendo que se tratava de um número desconhecido. O mesmo resolveu ignorar, portanto, continuando tocando.

– Que saco! – bufou – Esse é insistente. – Rodrigo reclamou, indo ao encontro de seu celular atendendo o telefonema.

Ligação on:

– Alô?! – falou a pessoa do outro lado da linha.

– Alô! – Rodrigo falou.

– Rodrigo?! – a pessoa perguntou.

– É. – exclamou preocupado – Com quem eu falo?! – Rodrigo perguntou.

– Não acredito. – deu uma risada – Você não se lembra mais dos velhos amigos? – a pessoa perguntou.

– O quê?! – se assustou – Bernardo? – Rodrigo perguntou.

– Pensei que não ia se lembrar de mim. – Bernardo falou.

– Trocou de número? Apareceu aqui como desconhecido. – Rodrigo falou.

– Troquei, mano. Tenho uma notícia para te contar. – Bernardo falou.

– É?! – suspirou – Lá vem bomba. Suas notícias nunca são agradáveis. – disse Rodrigo.

– Essa é a .. que você tem de mim? – se espantou – Eu voltei para o Rio novamente, acabei de descer do avião. – Bernardo falou.

– Sério?! – perguntou Rodrigo.

– Sim. Estou voltando, só tem um problema. Você pode me ajudar a escolher um hostel? – Bernardo falou.

– Não precisa. Você pode ficar lá em casa, as portas lá de casa sempre estarão abertas para você. – disse Rodrigo.

– Po, valeu mano. Onde você mora? Como faz para chegar ai? – Bernardo perguntou.

– Vamos fazer o seguinte, eu te busco no aeroporto. Onde você está? – perguntou Rodrigo.

– Aeroporto Santos Dumont. – Bernardo falou.

– Tá bom. Vou sair daqui agora, daqui há umas 30 minutos chego aí. Valeu. – disse Rodrigo.

– Valeu! – Bernardo falou.

Os dois desligaram. Enquanto isso, Keyla continuava no hospital ao lado de Benê.

– Será que a Ellen não vem? – Keyla indagou.

– Ela foi avisar ao Tato, o nascimento do Tônico, Keyla. – disse Benê.

– Eles estão demorando. – Keyla falou brava.

– Calma. Daqui a pouco, eles cheg.. – disse Benê, sendo interrompida por alguém batendo na porta.

– Ei. É aqui que tem a mãe mais gata desse hospital? – Lica perguntou adentrando no quarto.

– Ih. – cruzou os braços – Acho que vocês entraram no quarto errado. – Keyla falou.

– Engraçadinha. É claro que estamos falando de você, Keyla. – Tina falou.

– Eu e a Tina não viemos juntamente à vocês, porque passamos em uma loja. Toma, – entregou as bolsas para Keyla – espero que goste. – Lica falou.

– Que coisa mais linda. – pegou em um macacão todo azul escrito "príncipe" – Não precisava, meninas. – Keyla falou.

– Cadê? Cadê meu neto? – Roney chegou eufórico.

– Pai! – o acalmou – Ele está na incubadora. – Keyla falou.

– Desculpa a minha falta de educação. Oi Benê. Oi meninas. – Roney falou.

– Seu Roney, essa aqui é a Tina. – a puxou um pouco para frente – Essa louca aqui, é a Lica. – disse Benê.

– Louca, Benê? – a encarou – Talvez, um pouquinho. – Lica falou.

– Oi. Desculpa a demora! – levantou a mão em sinal de rendição – A culpa é toda dele. – apontou pro Tato – Ele demorou, e veio o caminho todo falando do Tônico. – Ellen falou.

– Meu filho nasceu! – gritou – Ele se chamará Tônico?! – Tato perguntou.

– Antônio. Em homenagem a minha mãe. – quando olhou para seu pai o mesmo já está com os olhos marejados. – O que houve, pai? – Keyla perguntou.

– Sua mãe ficaria feliz. – Roney falou.

– Vem aqui, pai. – apontou para a cama – Fica aqui! – Keyla falou.

– Tato. Dá para ver o Tônico pela vidraçaria que tem na incubadora. – disse Benê.

– Vamos lá, Tato. Eu quero ver meu afilhado. – Ellen falou.

– Espera! – chamou a atenção – Quem disse que ele será seu afilhado? – Keyla indagou.

– Você não é louca a esse ponto. Sou sua melhor amiga, claro que serei madrinha do Tônico. – Ellen falou.

– A Benedita também é minha amiga, Ellen. – Keyla falou.

– Depois discutimos isso. Vamos logo, Tato. – Ellen falou.

Depois de algum tempo, Rodrigo chegou ao aeroporto Santos Dumont.

– Já cheguei, Bernardo. Estou próximo aos bancos. – Rodrigo enviou.


Notas Finais


então é isso meus amores, provavelmente amanhã minha bf postará. se caso ela postar amanhã mesmo, nós vermos no domingo, caso contrário, segunda. até mais, beijosss.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...