História Apocalipse - Outro Grupo - Capítulo 5


Escrita por: ~

Exibições 1
Palavras 1.321
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Aventura, Colegial, Crossover, Drama (Tragédia), Ecchi, Escolar, Fantasia, Ficção, Ficção Científica, Hentai, Luta, Mistério, Policial, Romance e Novela, Saga, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Canibalismo, Estupro, Heterossexualidade, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Espero que gostem e tudo mais, Vlw.

Capítulo 5 - O Treino


Fanfic / Fanfiction Apocalipse - Outro Grupo - Capítulo 5 - O Treino

Eu olhava para ele, eu tinha a arma na mão, podia atirar na nuca dele, podia mata-lo, e ir atrás da minha mãe, agir por conta própria, sim, ele salvou minha vida, ele cuidou de mim, de certa forma, cuidou, não podia mata-lo assim, sem motivos, na verdade, eu até tinha motivos, do tipo que ele atirou em mim, mas... Ele também salvou minha vida, e disse que ia me treinar, ele falava como se soubesse que o mundo ficaria daquele jeito, ele era esquisito, podia chama-lo até de maluco, mas uma coisa é certa, se ele vai me ajudar a sobreviver, eu posso continuar a acompanha-lo, o mundo caótico lá fora, não havia visto nem metade, mas sabia que tudo estava mudado, e que eu teria que mudar, eu teria que me adaptar aquele mundo, isso eu já sabia, só não sabia como faria, mas agora, tinha oportunidade.

Antes de ir com ele, eu fui me equipar, e enquanto me equipava, com munição e bolsas vazias, refleti sobre os aspectos geográficos do Japão, e pensei que para chegar aos outros países da Ásia, teria que atravessar boa parte do mar, aquelas coisas, ou o que os torna daquele jeito, teria que ser transportado para outro país em terra, o Japão podia ter terremotos, tsunamis, e sendo uma ilha, se o governo decidir explodir tudo aqui, os outros povos estarão salvos, o problema é o Japão, um país com tantas pessoas, e essa coisa que os torna agressivos, o que eu mais pensava era, como tudo isso aconteceu, como diabos tudo isso aconteceu, eu acabei refletindo demais, e aquele cara, o cara que eu apelidei de Cientista, porque usava algo que parecia muito um jaleco, mesmo não sendo, ele interrompeu meus pensamentos, entrando na sala, fazendo escândalo e com um humor assustador e barulhento: - Vamos caralho, tá passando batom?! Pondo absorvente!? Virou mulherzinha?! Vamos logo com isso porra, to com fome! - Gritava ele na minha direção, logo ele se retirou da sala, eu permaneci calado, não queria que aquele Cientista tagarela falasse no meu ouvido, apenas segui o que ele disse, e saímos do prédio, eu estava com a Glock.21 e uma faca, era uma faca pequena, mas não era de cozinha, era uma faca que parecia ser de colecionador, era do preta, havia algo escrito em letras vermelhas na lâmina da pequena faca, mas foi impossível de ler, estava muito desgastado, não perguntei nada, até porque foi o Cientista que me deu, e ele é meio maluco, então eu preferi evitar, até porque não é todo dia que você encontra um maluco tagarela que quer te ensinar a sobreviver em um Apocalipse, enfim, ele é eu havíamos descido o prédio, e pelo incrível que pareça, eu não vi o porteiro, que alguns minutos atrás estava ali, então seguimos andando na direção da porta, eu nao falava nada, nem ele, foi quando ele deu um giro e me empurrou, eu realizei pelo chão limpo e encerado por um tempo, ao erguer a cabeça, vi o porteiro, ele estava com a pele acinzentada, seus cabelos que eram pretos escuros ja estavam amarelados, seus olhos castanhos ja estavam também amarelados, seus dentes ainda brancos, eu consegui ver os dentes, porque daonde eu estava, era possível ver o Cientista e o Recepcionista brigando, o recepcionista estava cambaleando, e se movia devagar, mas parecia forte, o Cientista se matinha em pé e firme, mas não conseguia nem matar, nem se defender direito, estava imparcial, foi quando o Cientista olhou para mim, sem expressar muito dificuldade, ele apenas estava contendo, foi quando o Cientista gritou: - Primeira lição!!! Não me deixe morrer! - Em um impulso eu saquei a Glock, mas exiteo por um tempo, mas peguei a arma, sinceramente, tinha vontade de virar um pouco a mira, e ao invés de atirar no recepcionista agressivo, atirar no Cientista, então ele percebeu minha excitação, foi quando gritou: - Atire nele! Não é mais quem você achava que era, ele morreu a tempo, é só uma criatura bizarra dentro dele! - Então aos gritos do Cientista, eu atirei, ecoou por toda recepção, e eu vi o corpo do recepcionista descer lentamente, e se chocar contra o chão, eu tentei me aproximar, mas eu tremia, sentia que não era para ter feito aquilo,  foi quando, por causa do estrondo,  várias das criaturas apareceram vestidas de funcionários, como faxineiro, faxineira, segurança, e quase todos ali, começaram a sair dos fundos, foi quando o Cientista gritou para mim: - Atenção, segunda lição, nunca lute contra mais de 5 rastejantes! Eles em grupo são mais rápido do que parece! - Gritava ele para mim, rapidamente eu corri seguindo-o, então ao pararmos,  ele estava ofegante, eu também, tinhamos uma vista boa da onde estávamos, foi quando ele apontou a um mercado 24 horas à quase 3 quilômetros até lá, eu pensei ser muito longe, foi quando ele olhou para mim com um sorriso estranho no rosto, ele como sempre tagarelou: - Vamos garoto, temos que buscar comida, uma regra, nunca se apegue a um lugar, neste mundo, temos que ser vagantes, quanto mais vagarmos, menos o risco de sermos encontrados por pessoas más, como canibais, ou como loucos, entende? - Ele olhava para mim com uma cara de psicopata, aquilo me deu certo medo, foi quando ele deu uma cutuvelada na janela do carro que ali estava, o alarme do carro disparou, então o Cientista olhou para mim com um sorriso estranho, abriu a porta do carro, entrou eu me aproximava do carro, foi quando ele disse: - A propósito, não sei se já falei, mas barulho atrai esses desgraçados. - Ele acelerou, e estava a uns 500 metros na minha frente, eu podia vê-lo, e alcança-lo, eu comecei a correr, mas fui interrompido quando um andarilho caiu sobre mim, eu não conseguia me mexer, sua carne podre, e movimentos pesados, impediam meus braços de se mover, pelo o pouco que eu enxergava, mais daquelas criaturas vinham na minha direção, eu consegui pegar minha arma no coldre, então atirei na barriga daquela criatura, aparentemente a coisa sentiu o impacto, mas não sentiu dor, e continuava se movendo do mesmo jeito, en momento algum levou a não ao ferimento, eu consegui mover o braço esquerdo, e o ergui um pouco, e levei o cano da arma a sua cabeça, eu disparei, matando-o, então ao me levantar, contei rapidamente, e haviam 16 ou 18 rastejantes ali, eu corri, e sempre que eu alcançava o carro o Cientista acelerava mais 500 metros, ele ria enquanto eu tentava, e os rastejantes sempre atrás de mim, eu lembrava do rosto daquela criatura, a que chegou bem perto de mim, eu passei perto da morte, mais uma vez, e o Cientista ria de mim, enquanto acelerava, eu queria sair, foi quando entendi, aquilo era o treinamento, era doloroso, ter que cair e brigar com um rastejante, aquelas coisas me davam medo, receio, e o Cientista não me ajudava, foi doloroso, mas eu entendi, ganhei resistência, e a cada risada dele, mais me motivava, eu me sentia irritado, e cansado, após três quilômetros, ele deixou eu entrar no carro, eu não disse nada, então quando percebi, estávamos em frente ao mercado, ele ria cada vez mais, era de assustar, porém eu me mantive quieto, ele riu mais, e quando parou de gargalhar, olhou para mim, eu estava ofegante, cansado, mas ele me deixou ficar no carro, e disse que ele iria buscar comida, ele deixou a chave na ignição, e foi lá para dentro, no momento não havia nem pensado em sair com o carro, tinha tudo que era meu, só não tinha a moto que havia ganhado, de resto até o mapa estava comigo, na minha mochila, mas não havia pensado em fugir, estava tão cansado, que mesmo sendo tarde, mesmo sendo no meio da tarde, com o sol a chamar atenção, eu acabei dormindo no carro.


Notas Finais


Espero que tenham gostado e tudo mais, é isso povo, Vlw por tudo e flw!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...