História Apologies? NO! - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Amor Doce, Eldarya
Personagens Ezarel, Jamon, Keroshane, Leiftan, Mery, Miiko, Nevra, Personagens Originais, Valkyon
Tags Eldarya, Ezarel, Guardiã, Romance
Exibições 34
Palavras 1.833
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Ficção Científica, Magia, Misticismo, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Spoilers, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Eu demorei mesmo! Estou sem criatividade! Pois eu ''praticamente'' já tenho um plano para os últimos capítulos, mas não tenho certeza de como vou fazer para chegar nesse rumo, então, vão ter que e aguentar com esse ''Block'' de escrever! Espero que vocês gostem! Boa leitura sz

Capítulo 4 - Capítulo 4


 

Eu ouvia as gotas d'água cair no chão, um borbulhar intenso que existia em cima de nós, formava um barulho tranquilo, e eles pareciam aflitos, mas ao mesmo tempo satisfeitos. Durante o nosso trajeto, eu havia achado meia dúzia de escaravelhos iridescentes, e já havíamos dado a metade das caixas, e sim, eles pegavam leve comigo, mas até agora só foram enfeites, pela frente viria pequenas mudas de pinheiros, comidas, e alimentos de mascotes especiais, que era muito difícil de encontrar além do leilão, que o preço era muito exagerado. Foram apenas dez segundos para me tocar, que não tínhamos rota, e que teríamos que passar o dia ali, Nevra parecia tenso, enquanto Valkyon extraia alguns minérios a qual eu nunca tinha visto na minha vida, e, por outro lado estava Ezarel, sentado em uma pequena rocha, com o braço direito sobre a testa, e com os olhos fechados, parecia cansado, não me surpreendia. Passando alguns minutos, resolvi fazer alguma coisa, mas, não sabia direito o quê, então, resolvi falar com cada um dos meninos, e comecei pelo Valkyon, ele estava com uma picareta na mão, quando eu parei ao seu lado e comecei a observar as pedras. 

-A branca e rosa, é muito bonita. 

-É sim, maravilhosa, sabe por quando vendem no leilão? 

-Quanto? - Perguntei, interessada.

-Dois mil maanas, ou quinhentas moedas de ouro. Bastante, né? 

-Muito! - Disse, surpresa. - Eu adoro pedras, se eu pudesse, eu colecionava, mas eu acho que, no momento minha mochila está lotada. 

-Qual você mais gostou? - Ele falou, com uma expressão fechada, como sempre. Eu acho que eu pensei bastante, há vários tipos de pedras, lindas, fascinantes, mágicas, então, eu escolhi uma que havia chamado a minha atenção, era uma azul escura, suja com pó de carvão, e que era tão pequena que nem caberia na minha mão direito, ela maravilhosa. 

-Tudo bem, eu pego ela para você. 

-Obrigada Valkyon. - Eu não iria recusar, com Valkyon aprendi que temos que ser diretas e falar tudo na lata, ele não gosta de enrolar, eu aprecio isso. Quando ele foi tirar a pedra, alguma coisa começou a sair, e não era como eu pensava, não era uma pedra comum, era um pedaço do Cristal! 

-Como eu não tinha visto antes? - Ele chacoalhou a cabeça, e olhou na minha direção. - Muito bem, Núbia. Eu vou retirar e colocar na sua mochila, você pode tomar conta, já que você achou. 

-Fico grata. - Em meio a tudo isso, voltei minha direção aos outros meninos. - Eu vou falar com os outros. 

Caminhei em direção a Ezarel, que parecia desmaiado na rocha que estava deitado, coloquei a mão sobre seu braço e ele soltou um

sorriso, foi quando ele começou a falar:

-Por acaso você não para quieta? Quanta energia. 

-Eu tento. - Disse, retribuindo o sorriso. - Você vai tirar um cochilo? 

-Óbvio. - Ele deu uma pausa. - Que não, você está brincando comigo, não é? Caso se eu dormisse e acontecesse alguma coisa, eu poderia ser abandonado, e vocês fariam isso em suas primeiras oportunidades. 

-Eu não faria isso! 

-Claro que não. - O mesmo se espreguiçou e olhou para mim. - E o joelho, melhorou?

-Ah, sim. - Falei, na verdade, nem tinha checado, mas não queria deixa-lo preocupado com bobeiras. - Eu achei um pedaço de cristal! 

-Sério?! - Seu olhar incrédulo me encarou. - Aqui? Meus parabéns, Núbia! - Magnifico, ele estava feliz com a minha descoberta, e era muito gratificante ouvir isso de Ezarel, foi então que acabei e fui em direção a Nevra, que caminhava de um lado para o outro, roendo as unhas.

-Alguma ideia? - Disse sem receio.

-Sim, mas eu não posso compartilhar. - Que cortada, havia até doído.

-Ah, entendi... 

-O que você estava falando com os outros? Algo de importante?

-Eu e Valkyon achamos um pedaço do cristal, como foi parar ali a gente não sabe, porém, conseguimos, foi pura sorte. 

-Fico feliz! Meus parabéns! - Ele sorriu. - Eu sei que você está tentando se esforçar, mas... Olha, tome cuidado tudo bem? Não quero que você se machuque, ou crie expectativas falsas sobre essa ''missão''. 

-Você está muito formal, isso me deixa desconfortável. - Era verdade, não tinha para que eu mentir, mas eu nunca me sinto bem perto de Nevra, seu jeito, seu olhar, tudo que ele faz para mim, eu não sei, estou muito confusa ultimamente. 

-Fique tranquila, não é essa a intenção. - Ele colocou a mão sobre meu ombro. - Você é uma amiga e tanto, não quero ver você decepcionada. 

Era óbvio que eu tinha entendido, provavelmente, o que ele estava tentando fazer era me afastar de missões assim, será que eu não era o suficiente? Eu pensava que minhas únicas preocupações, seria Ezarel, mas, parece que Nevra anda muito mais distante de mim que o próprio, o que vou fazer dessa vez? Nada na vida é um conto de fadas, eu vivenciei essa ilusão, e posso confirmar que nem chega perto disso, é decepcionante saber que, na verdade as versões para agradar o público, além de fúteis, não fazem o mínimo de nexo com a própria história, é loucura, talvez, mas talvez seja apenas fatos. Como, em a Bela e a Fera eles ficarem juntos, mas na história ela for devorada pela fera após um jantar. Ou quando Ariel perdeu tudo, e ninguém mais acreditava nela por causa da sua voz, mais uma bruxa. Ou  versão da capuz vermelho, que devora a própria carne da sua vó junto com uma taça de vinho. E, talvez, a de João e Maria que foram abandonados na floresta para morrerem de fome, e quando, chegaram da casa da bruxa quem havia morrido era seus pais. Por mais que as pessoas tentem amenizar as histórias, colocarem um lindo final feliz, fazer de tudo para atrair público, sempre vão ter vestígios da verdadeira face, o que estou querendo dizer, é que estavam mentindo para mim, mentindo muito feio. 

 

Minhas botas estavam encharcadas, meu cabelo estava úmido e em minha cabeça ecoava ainda o som da água quente que borbulhava acima de nós. Carregava duas caixas, uma tinha duas estrelas pontudas de vidro e a outra tinha algumas iscas e comidas que eu não lembrava o nome, comigo, Ezarel, Valkyon e Nevra que carregará muito mais caixas que eu, caminhavam diante do sol tão intenso, suavam, dava para ver. Valkyon até então era o que se mantinha mais forte, ele andava mais rápido que todos e tinha muito mais itens para carregar, Ezarel tinha um pouco menos que Valkyon, dava para perceber seu cansaço mas ele continuava andando, Nevra sempre foi destemido, seus músculos articulavam conforme o quanto ele andava, e seu pensamento parecia distante. 

-Vamos acampar. - Valkyon falou enquanto colocava sua mão na altura da sobrancelha, avistando o por do sol.

Nevra sentou em uma pedra, Ezarel começou a chutar a areia para colocar a barraca e Valkyon começou a montar, sem excitação, me sentei do lado de Nevra e comecei a dialogar, só como passa-tempo. 

-Você, por acaso, assim, me acha inútil?

-Não Núbia. - Ele disse. - Só que nós temos que tomar medidas, você sabe muito bem. 

-Sim, eu sei disso!

-Vem aqui. - Ele estendeu a mão em minha direção, enquanto me guiava para sentar ao seu lado, eu me aproximei e ele colocou seu braço sobre meus ombros, e sorriu, ah, ele estava a fazer aquilo de novo. - Sabia que eu gosto muito de você, não é Núbia?

-Eu sei, eu sei. - Disse sorrindo também. - Isso não vem a questão, eu quero respostas.

-Porém eu quero lhe responder, mas eu não posso princesa. 

-Só me diz, alguém além de Ezarel fala mal de mim? 

-Ele não fala mal de você. - Comentou. 

-Você entendeu o que eu quis dizer, e pare de mudar de assunto!

-Eu... - Ele não queria falar, dava para perceber em seu olhar.

-Nevra! - Disse em voz alta.

-Bom, é complicado.

-Fale logo, você sabe que eu... - Fui cortada.

-Alajéa. - Sim mas... Pera como? Alajéa? Ela sempre foi tão gentil comigo, sempre se mostrou minha amiga! Que cobra! Por que ela faria isso? Assim, tão de repente.

-Sério? Quer dizer, bom, a muito tempo? 

-Não. - O encarei. - Sim, talvez, ela fala mal de todo mundo, não leve a mal. Um conselho, ela pode ser gentil, amigável e divertida, mas é uma péssima confidente.

O que ele estava tentando fazer afinal? Limpar a barra dela? Eu nunca pensei que os comentários maldosos viessem dela, talvez Mitista que não vai muito com a minha cara, porém Alajéa, eu jamais teria adivinhado. 

-Não fique enfurecida com ela. 

-Não irei. - Menti. - Obrigada. 

-Por ser leal, ou por sussurrar no seu ouvido?

-Retiro o que disse. - Rimos. - Por acaso eu preciso ajudar? 

-Não, na verdade, é até melhor ficar aqui e deixar eles cuidarem das coisas, e eu aprecio muito a sua companhia.

-Eu também Nevra. - Ficamos ali por um tempo, conversando sobre coisas aleatórias, realmente, era muito bom passar um tempo com Nevra, ele sempre será um grande amigo para mim, como um irmão que eu nunca tive. 

Mais tarde, enquanto Valkyon e Nevra faziam algum petisco para a noite, Ezarel parecia quieto, e peguei o tal me fitando em alguns momentos, odiava aquilo com todo meu coração, fazia eu me arrepiar. Será que ele estava bravo comigo porque não falei com ele? Não sei, eu estava tão empolgada com a viajem que nem acabei notando, fui em direção a ele, que, de acordo com meu ato suspirou.

-Você está bravo comigo? - Perguntei receosa. 

-Não, eu nunca ficaria bravo com você, aliás, isso traz rugas. - Observei atentamente as suas unhas, ele possuia unhas maiores que as minhas, e batia elas na borda da caixa, fazendo um som muito agoniante. - O que veio fazer aqui, senhorita?

-Conversar com você! - Disse sorrindo. 

-Bom. - Ele deu uma pausa, olhou para baixo e voltou para mim, com um sorriso sarcástico. - Por que você não vai conversar com o Nevra? 

Por uma fração de segundos, meu coração desmoronou, ele estava nervoso por causa do tempo que eu havia passado com Nevra? Sério? Eu sei muito bem o nome disso, mas não queria dizer para que toda a graça da história se perdesse, mas, era impossível me segurar! Ezarel estava com ciúmes de mim, e por essa eu não esperava! O que eu falaria agora? Eu podia jogar na cara dele, ou fingir que não estava entendendo nada, mas eu fiquei sem reação.

-Não faz essa cara. - Ele riu. - Eu gosto muito de você, Núbia, sinto muito que não posso deixar isso tão claro como deveria. - O mesmo caminhou em direção a tenda, e se virou para mim. - Boa noite. - Então, eu fiquei lá, remoendo meus pensamentos para ter certeza que aquilo não era um sonho.
 


Notas Finais


Gostaram? Viram a nova capa para a fanfic? Eu particularmente gostei, achei um amor! :3
Bom, eu pretendo colocar mais um ou dois capítulos fora os dois últimos, então, se vocês gostaram desse, favoritem para aguardar o próximo! E também, diga o que vocês acharam nos comentários, estou aberta a sugestões também <3 Até a próxima leitores! Beijão sz

Love Spirit - Nevra ---> https://spiritfanfics.com/historia/love-spirit--nevra-6750652
Meu perfil caso queira me adicionar ---> https://spiritfanfics.com/perfil/s2myladys2


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...