História Appa (Jikook) - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga, V
Tags Jikook
Exibições 956
Palavras 995
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Lemon, Romance e Novela, Yaoi
Avisos: Adultério, Bissexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Desculpem a demora
Eu tive uns probleminhas e estava no hospital, mas agora tá tudo certo

Capítulo 8 - 7


Fanfic / Fanfiction Appa (Jikook) - Capítulo 8 - 7

– Pode me explicar? – Permanece em pé, observando-o raivoso.

– N-Nós... – Jimin engole em seco. Foi pego no flagra, não há desculpas cabíveis. 

– Primeiramente, por que estavam aqui sozinhos?

– Omma precisou sair e eu não queria ficar sozinho. 

– Eu disse que não queria ambos aqui. 

– Mas a omma deixou... – Fala um tanto baixo, porém suficiente para ser ouvido pelo maior. 

– O que?! – Cerra os olhos. – Não importa, deve me obedecer! – Altera-se, gritando e assustando seu pequeno. – Jimin, você nunca havia me desobedecido. Por que agora e com ele? Eu avisei que esse garoto é uma má influência! 

– Por que isso lhe irrita tanto? É tão complicado aceitar a ideia de que estou crescendo? – Agora é a vez do menor exaltar-se. 

– É, talvez seja complicado, sim. Talvez eu não queira ver você se esfregando com outros garotos, muito menos tão cedo. Eu comecei a me relacionar com garotas na sua idade e, então, você nasceu. – Prossegue elevando seu tom de voz.

– Eu fui um erro? – Os olhos do garoto já mostram-se marejados, na tentativa de segurar o choro.

– Não, é claro que não! Não foi isso que quis dizer. – Apressa-se para abraçar seu filho. – Você foi uma gravidez não planejada, mas jamais foi um erro. É minha maior alegria e a pessoa que mais amo no mundo. Infelizmente esse amor torna-me um pouco possessivo. Eu não quero presenciar cenas como a de hoje. Não quero sequer saber de outras pessoas tocando seu corpo, te beijando e tirando sua pureza tão linda. É ainda mais difícil por serem garotos, eles não são delicados como meninas. Sua inocência é a melhor parte em você, não deixe que a tirem assim. Sinceramente, se eu pudesse, te proibiria de manter relações com quem quer que seja, mesmo algo banal como um beijo, mas não posso. Peço que me respeite. O que mais me irritou foi o fato de ter me desobedecido. Sou seu appa, não sou obrigado a ver tais coisas. Não te privarei de nada, apenas faça longe de mim e longe de casa. Ah, não dê tanta confiança para esse Taehyung, não é coisa boa. Digo isso para o seu bem.  – Abraça-o novamente e levanta-se. – Está tudo certo, levante-se e seque os olhos. Não vou mandar ele embora mas não quero vocês aqui. Quando sua omma chegar, teremos uma conversa. – Jimin corre para a sala sem dizer uma palavra. 

Jungkook segue-o e decide ficar junto aos dois até sua esposa chegar. 

(...)

– Meninos! – Hye cumprimenta-os com animação, mas os mesmos permanecem tristonhos e cabisbaixos. – O que aconteceu?

– Precisamos conversar. – Jeon levanta-se, encarando-a com um olhar fulminante.

Direcionam-se para seu quarto.

– O que fez com eles?

– Nada, somente conversei com o Jimin. Por que deixou que trouxesse Taehyung e que ficassem sozinhos?

– Qual o problema nisso? 

– O problema é que eu já havia dito não. Está tirando minha autoridade!

– Faça me o favor! Tenho tanta autoridade quanto você. Aliás, tenho mais.

– Eu o criei mais que você! Ele vai me obedecer e eu não quero saber de você tentando me contrariar.

– O que está havendo? Ele está crescendo. 

– Ele tem apenas onze anos, não deveria estar fazendo as coisas que eu vi. Não é porque cometemos o erro que ele também deve.

– Erro? Jungkook, você mais do que ninguém sabe que para isso não existe idade. Ele já deu seu primeiro beijo, se acha que está pronto para iniciar uma vida sexual, deixe-o. Não se iguale à seus pais.

– Não compare-me à eles! Estou tentando conservar nosso filho. Se você é uma omma desnaturada, eu não sou.

– Agora passou dos limites! – De falas mais altas modificam-se para gritos. – Desnaturado é você! Eu estou deixando que ele viva a vida, coisa que nós não tivemos a chance de fazer.

– Nós tivemos e não soubemos aproveitar. Jimin não será assim. Ele não vai entrar nesse mundo tão cedo, independente do que diga. 

– Você está sendo ridículo!

– Fale o que quiser, está decidido. Não vou permitir que esse garoto corrompa meu pequeno.

– O que há de tão errado com Taehyung? É um garoto tão gentil! 

– Não importa, só não quero ambos tão próximos. Quanto a você... – Aproxima-se da mulher. – Não tente ir contra minha palavra. Sei o que é melhor pra ele. 

– Está bem, Jeon. Depois não reclame se esse carinho todo que ele tem por você acabar-se.

– Não me importo, estou o cuidando. – Sai, deixando a mulher estática. Se questiona sobre o que está havendo com seu marido. Sempre deu tudo para sua preciosidade. Por que agir dessa maneira, agora?

O jovem appa passa por Jimin, na intenção de sair de casa, mas o mesmo o segura por um de seus braços.

– Appa... – Suspira. – Tae já foi. Podemos conversar melhor?

– Okay. – Senta-se, seguido pelo outro. 

– Está bravo comigo?

– Sim. 

– Não fique, por favor! – Abraça-o. – Me perdoe! Prometo não repetir.

– Por que me desobedeceu? Não consigo entender. O que ele tem de especial? 

– Ele? Nada, mas, para mim, não faz sentido esse seu ódio por ele. Taehyung é legal e atencioso comigo. 

– Em alguma ocasião já menti para você?

– Nunca.

– Então, por que não pode confiar no que digo sobre ele?

– Porque nós passamos boa parte do dia juntos e nunca mostrou-se alguém ruim. Você é a pessoa em quem mais confio, appa, mas é questão de convivência.

– Se confiasse tanto em mim, afastaria-se dele.

– Eu não quero isso, ele é meu amigo. Também não quero meu príncipe bravo e distante. O que eu faço?

– Olha... – Bufa. – Também não quero estar assim com você, mas aquilo me irritou. Somente não o traga mais aqui, quando eu não estiver. Combinado? – Estende a mão para o menor, que aperta-a alegremente.

– Combinado. – Sorri. – Agora, desmanche essa carranca feia e dê um sorriso. – Jeon mantém-se sério. – Vamos, appa! Se eu te der um beijinho, você sorri? – Recebe um aceno positivo como resposta e, então, o faz. O maior sorri instantaneamente.

Eles nunca lhe terão como eu tenho. Eles nunca te tocarão como eu tocarei. Você pertence à mim.


Notas Finais


Olha o senhor João mandando aquele spoiler


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...