História Aqueles Olhos - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Block B, Zico
Personagens Zico
Tags Block B, Dean, Zico
Visualizações 29
Palavras 1.162
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi querida leitora/querido leitor, esse é meu primeiro trabalho no universo Kpop/Khiphop. Já escrevi algumas outras long fics e imagines, mas por problemas na conta e no computador, eu acabei perdendo tudo.
Enfim, espero que gostem.
XOXO

Capítulo 2 - Capítulo 1


Fanfic / Fanfiction Aqueles Olhos - Capítulo 2 - Capítulo 1

Já era madrugada quando terminei de desfazer a última mala, nunca mais eu mudo de país. Eu já deveria estar dormindo porém, o sono não vem, decidi tomar um banho.  Felizmente, durante a reforma do apartamento, pedi para que trocassem o chuveiro, antes era uma daqueles de pia, agora é um no estilo ocidental. Enquanto tomava meu banho, me peguei pensando sobre os garotos que vi essa tarde. 

*Flashback* 

Eu estava no lobby do prédio levando apenas uma mochila e uma malinha, as outras coisas tinham sido despachadas antes e já haviam sido deixadas no apartamento. O elevador estava levando um século para chegar e eu estava começando a me irritar, quando a porta se abriu saíram quatro caras de lá, todos de boné e máscara, eles me encararam por um momento, pareciam surpresos, depois e cumprimentaram e saíram, eu os cumprimentei de volta. Achei aquela situação toda muito estranha, tive a sensação de que conhecia eles de algum lugar, podia jurar que um deles era o Zico. 

*Flashback* 

Ri dos meus pensamentos absurdos, tá que eu sou fã dele, mas não sou iludida ao ponto de pensar que o universo ia me colocar para morar no mesmo prédio que ele ou que algum dos amigos dele. Sério, com a sorte que eu tenho é mais fácil eu ser vizinha de um psicopata, do de alguém ligado a ele. Terminei meu banho e fui dormir. 

Acordei com o barulho do despertador, precisava me arrumar, pois iria almoçar com uma velha amiga que se mudou para cá há aproximadamente um ano, ela veio trabalhar para Mnet e desde então não nós vemos. Fizemos jornalismo juntas, só que ao invés de moda, ela fez cinema e agora trabalha como produtora. Nos encontramos em uma cafeteria, sei que devia ser uma almoço, mas o  jet lag estava me matando então teve que ser uma cafeteria mesmo. 

— Carrie, eu acho que estou enlouquecendo. 

— Mais? 

— É sério! Eu acho que o Zico saindo do elevador do meu prédio ontem. 

— Pode ser verdade mesmo, sei que o Dean mora em um prédio por ali. Já tive mandar fazer uma entrega na casa dele. 

— Amiga, era para você falar que não tem a menor possibilidade disso acontecer. Não alimenta minhas paranoias pelo amor de Deus, né? 

— A tá, então só porque você é louca, eu vou virar mentirosa? — Ela perguntou rindo. 

Passamos toda a tarde juntas e parte da noite, depois de sair do café fomos dar uma volta pela cidade e comprar algumas coisas para casa, algumas roupas e maquiagens.  Cheguei ao prédio já era por vota de sete horas. Comecei a trabalhar em um artigo que estava escrevendo antes da mudança,  sobre a relação entre a moda e o cinema, e como um influencia o outro. Fui interrompida por uma gritaria vindo corredor, esperei alguns minutos e o barulho não passava, então fui até a porta vero eu se tratava. Para minha surpresa havia uma mulher batendo na porta ao lado, chorando e gritando algo sobre ter sido usada quando pensavam que eles iam se casar, que era um absurdo ele ter aceitado se casar com outra. Parecia cena de dorama. A porta da frente foi aberta e de lá saíram os quatro rapazes que estavam no elevador ontem a noite, eles olharam para mim, estavam de novo de máscara, depois quase todos voltaram sua atenção à moça que berrava e esmurrava a porta. Um deles ficou me olhando por um certo tempo, não sei exato o quanto, provavelmente menos de um minuto, que pareceu se tornar muito mais logo assim que foquei nos intensos olhos que me fitavam de cima abaixo. Depois de um momento e uma intensa troca de olhares, ele voltou sua atenção aos amigos que tentavam acalmar a moça e para a porta que se abria. 

— Eu não acredito que você ainda teve coragem de aparecer aqui. — Um homem saiu gritando. — Eu já falei que não quero mais nada com  você, que foi uma diversão, eu vou me casar com  um mulher descente, muito diferente de você.  Se você não for embora agora, chamarei a polícia. — Ele a segurava pelos braços e a sacudia, todos os meninos interferiram, então  homem a largou e voltou para seu apartamento. 

A garota chorava ainda mais enquanto os quatro se entreolhavam sem saber o que fazer, eu me aproximei e a abracei. Os meninos se sentaram na parede em frente a nós, eles ainda pareciam não saber o que fazer, decidiram tirar suas mascaras até porque não tinha o que pudesse ser feito, ela precisava chorar até se sentir um pouco mais forte. E para minha sorte, ou azar, o garoto que me fitava hoje mais cedo, aquele que os olhos iguais aos do Zico e tão intensos quanto, era de fato ele. O mesmo sentou-se bem na minha frente e começou a me encarar. A cada minuto que passava a garota se acalmava mais um pouco e a agradecia mentalmente por isso. Eu podia sentir os olhos dele em mim, podia sentir a velocidade com que os olhos dele percorriam meu corpo, eu usava uma calça jeans superskini de cintura alta com alguns rasgos e um cropped preto de renda colado. Ambos deixam as curvas do meu corpo ainda mais acentuadas, o que só me fazia erubescer cada vez mais. Eu sentia meu rosto ficando mais vermelho a cada minuto, a cada vez que eu sentia o olhar dele em mim. A cada vez que nossos olhos de encontravam, eu travava uma batalha interna para tentar desviar dos olhos dele e quando eu conseguia desviar outra batalha começava. Era como se meus olhos não pudessem ficar longe dos dele. Me senti tomada por uma estranha sensação de que ele sabia ser a razão do meu enrubescer, essa sensação se fez certeza quando surgiu um sorriso no  canto de sua boca, me deixando ainda mais vermelha. 

Depois de um longo tempo a garota, que parecia mais tranquila, levantou se desculpando pelo transtorno e agradecendo por termos ficado ali, ela disse que já estava melhor e que precisava ir para casa. Nos despedimos dela e seguimos para nossos apartamentos sem trocar uma  palavra. Fechei a porta atrás de mim e me encostei na mesma, meu corpo parecia estar mole, fui descendo até sentar no chão, enquanto me dava conta de era mesmo ele ali, ele, o Dean, o Crush e o Penomeco. 

Nunca pensei que o encontraria assim, sempre sonhava em vê-lo um dia um show e já achava isso meio impossível, não que eu  seja pessimista, só não gosto de ficar me iludindo. Olhei o relógio e percebi que já se passava da meia noite, resolvi que não pensaria mais naquilo por agora. Liguei para Carrie e pedi o telefone de alguma pizzaria que fizesse entrega. Após fazer meu pedido fui tomar um banho. Depois de comer fui assistir Grey's Anatomy no Netflix, acabei pegando no sono no meio do episódio. Acordei com batidas na minha porta...


Notas Finais


Espero que tenham gostado. Estou louca ara saber o que acharam, se gostaram, se preciso melhor em algo, se errei alguma coisa. Deixem comentários!!
XOXO


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...