História Are You Ok, Princess? (Fanfic) - Capítulo 39


Escrita por: ~

Postado
Categorias Miraculous: Tales of Ladybug & Cat Noir (Miraculous Ladybug)
Personagens Adrien Agreste (Cat Noir), Alix Kubdel, Alya, André Bourgeois, Chloé Bourgeois, Félix, Gabriel Agreste, Hawk Moth, Marinette Dupain-Cheng (Ladybug), Mylène Haprèle, Nathalie Sancoeur, Nathanaël, Nino, Personagens Originais, Plagg, Sabine Cheng, Sabrina, Tikki, Tom Dupain
Tags Adrien, Adrinette, Chat Noir, Ladrien, Ladybug, Ladynoir, Marichat, Marinette
Visualizações 1.428
Palavras 5.443
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Escolar, Ficção, Hentai, Luta, Magia, Romance e Novela, Suspense, Visual Novel
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Oe~💕
SUAS LINDAS, ESTAMOS QUASE CHEGANDO A 900 FAVORITOOS!!! 💕💕
Holy Ladybug! Oh, my Chat Noir of the Heaven!
Obrigada, um beijo muito grande à todos vocês que ainda estão por aqui, por que me aguentar desde fevereiro ashuxezhwi

Enfim, algumas pessoas ainda devem lembrar de uma vez que falei sobre uma fanfic de Plakki que eu faria, em forma de humanos. A ideia ainda não foi descartada, e estou planejando fazer essa fanfic e postar depois que eu terminar "I'll Promisse You My Life", porque, cara, escrever quatro fanfics ao mesmo tempo seria suicídio. (~Pelo o menos para mim, que me sinto pressionada por mim mesma escrevendo só uma kkk)

COMO PROMETIDO PARA ALGUMAS DELÍCIAS DO CAP ANTERIOR, ESSE É BEEEEM MAIOR!!
Estou desculpada? :3

Sem mais delongas... O Capítulo!

Capítulo 39 - Veneno


"Aquelas três crianças corriam ao redor de um parque, todas com acessórios no corpo, rindo bastante.

- Capitã Ferrugem! Encontramos algo ao longe! - Dizia a menina de cabelos e olhos castanhos, enquanto abria o tapa olho e apontava com um guarda-chuva para alguma coisa brilhante ao longe.

- Permissão para virar à bom bordo, Capitã? - Respondeu um garoto, que parecia ser mais velho que as duas, os olhos azuis contrastando com os cabelos negros.

- Permissão concedida, Céu Negro! - Respondeu a garota ruiva, enquanto ria e corria em frente dos outros na direção do objeto.

Todos riam, se aproximando do ponto brilhante ao longe, fixado a uma raiz de árvore. As três crianças pegaram suas pequenas pás de plástico e cavaram ao redor.

- Uau! Veja, Merlin, parece uma joia! - Disse a garota morena.

- Concordo, Sammy. O que acha Hassam?

- Acho que ficaria legal como enfeite no mastro do navio.

Merlin segurou o objeto com um leve sorriso. Um relógio de ponteiro, de cor lavanda e violeta, como se fosse um pingente de um colar. Hassam encarou o objeto com indiferença.

- Hum. É bonito, mas não se parece com uma joia, Sammy. - Disse o moreno.

- Para mim, parece.

- Para mim também. - Disse a ruiva.

- Porque vocês são duas baixinhas que acham tudo bonito. - Falou Hassam, se preparando para receber pancada das garotinhas.

- Não deve desacatar a ordem da Capitã, Céu Negro! - Disse Sammy, cutucando-o com a ponta do guarda-chuva, causando cócegas.

O garoto caíra no chão, rindo e tentando impedir que o guarda-chuva o alcançasse, mas tudo em vão.

- Hahaha!! Pare, pare! Me rendo, é muito bonito!

As duas garotinhas riram, jogando-se contra o corpo de Hassam, fazendo-o soltar um gemido de dor.

- Que peso...! - Reclamou o moreno.

- Não reclame, marinheiro, é sua punição. - Disse Merlin, um sorriso no rosto.

As três crianças riram, até que as duas menores fizeram um rostinho triste.

- O-o que foi...? - Perguntou Hassam.

- Você vai fazer treze anos daqui a uma semana. - Disse Sammy, triste.

- Quando for para o ginásio vai esquecer de nós. - Disse Merlin, encarando o relógio lavanda e violeta, com um ar triste.

- Hey, sem desânimo. Mesmo porque eu entrei atrasado no colégio, ainda não vou para o ginásio.

As duas pequeninas se encararam entre si, logo sorrindo para o mais velho.

- Promete que não vai nos abandonar? - Perguntou Merlin.

- E como é que eu faço pra conseguir? - Perguntou sarcasticamente Hassam, fazendo as garotas reclamarem. - Eu estou brincando com vocês!

- Você é um bobo. - Disse Sammy.

- Um idiota. - Falou Merlin, fazendo-o rir.

- Um bobidiota! - Disse Sammy, rindo.

- A Merlin ainda vai te levar para o mal caminho, ensinando essas palavras...

- Você que vai, é mais velho. - Disse Merlin, fazendo Hassam gargalhar.

- Prova, então.

- O quê?

- Que só porque sou mais velho vou fazer seus pais arrancarem os cabelos no futuro.

- Ah, sei lá. Algum dia eu provo.

- Quando você conseguir alguma prova contra mim, eu já estarei adulto, mwahahaha!!

- I-di-o-ta! - Disse Merlin, rindo, empurrando-o no momentos em que ele tentara ficar sentado.

- Ai, chega a ser hilário você tentando me derrubar... - Respondeu o moreno, ainda rindo.

- Super relogiozinho no peito! - Gritou Sammy, jogando o relógio em Hassam.

- Ai! Doeu, sabe?

- Era a intenção! - Respondeu a moreninha, rindo.

- Suas baixinhas!

- Seu bobidiota!"

O sueco encarava Merlin do alto, sua roupa o fazia flutuar no céu como se fosse feita de imãs invisíveis.

- C-Chronos...? O c-colar era...

- Um Miraculous. - Ele respondeu, ainda sério. -  E eu descobri isso anos depois que encontramos ele naquele parque.

- Isso...

- Eu a desafio, Beez. - Hassam disse, se aproximando da ruiva. - Se você ganhar, eu darei à você o Miraculous. Diga a palavra, e eu saberei que meu desafio fora aceito.

Merlin, ainda paralisada, sentiu seus olhos marejarem e em frente a si ele desapareceu.

Merlin respirou fundo. Sua maior preocupação não era o novo Miraculous, nem mesmo seu problema com Hassam.

Sua maior preocupação era sobre o que aconteceria entre Nathanael e ela.

*     *     *

Merlin não voltara para a sala de aula depois, deixando Nathanael preocupado. Seus olhos procuravam qualquer movimento ao redor, para ter certeza de que ela entraria na sala a qualquer momento.

Entretanto, não foi o que aconteceu.

A aula terminou sem nenhum vestígio da ruiva. Nathanael estava nervoso, o que seria da relação dos dois agora, depois do que acontecera? Ele não sabia a quem recorrer.

Saiu da escola em direção de sua casa, com sua mente trabalhando a mil para criar uma solução. Ele precisava fazer algo.

- Nathanael, já chegou?

- Olá, mãe... - Disse o ruivo, sentando no sofá, logo soltando um suspiro.

- Ih, eu conheço essa reação. - A mulher respondeu, sentando-se ao lado do filho. - O que anda te incomodando?

- Está tão na cara assim?

- Na verdade, um pouco. O que aconteceu?

- Tem a ver com a Merlin. Eu não sei, mãe... Está tudo tão confuso.

- Confusa sou eu, agora.

- E-ela... Me beijou. Mas não parecia ser por ela. Parecia... Forçado.

"Seja lá o que eu faça agora, por favor, finja ser o mais natural possível."

- Forçado, você diz?

- Eu não sei, mãe... - A mulher apenas acariciou as madeixas ruivas do filho. - Eu acho que... Eu tenho que falar com ela.

- Concordo com você. - A mãe de Nathanael beijou a testa do filho, logo levantando-se e indo até a cozinha. - Mas você deve esperar. Ela deve estar com a cabeça a mil, assim como você agora. E nada melhor do que comer algo para manter a mente saudável, não?

- Só a senhora, mãe... Tudo bem. Eu vou falar com ela mais tarde.

- Se vocês realmente são amigos de verdade, vão se perdoar. Ou até mesmo ter algo a mais.

- M-mãe...

- Estou brincando. Venha, vamos almoçar.

*     *     *

- M-Merlin, se continuar assim...

- Eu consigo, Harppie. De mim ele não ganha. Hah!

Merlin, ao chegar em casa, começou com seu treino por várias horas. Suas mãos já estavam doloridas de tanto acertar o travesseiro preso na parede, e ela estava cansada demais para dizer algo.

- Merlin, pense um pouco... Acha que isso vai resolver seu problema com o Nathanael?

Merlin acertou um último golpe, apoiando-se no travesseiro, colocando sua testa sobre. As lágrimas ainda estavam ali, teimando para saírem. Mas ela não faria isso. Nunca fora uma garota de chorar e não era agora que ela seria.

- Eu primeiro preciso dar meu jeito para que Hassam não possa fazer nada contra nós.

- "Nós"?

- S-sim, nós... E-eu não tenho dúvidas de que ele irá tentar alguma coisa para pegar meu Miraculous.

- Eu jurava que você tinha se referido ao Nath. - Respondeu a kwami, com um sorriso malicioso.

- E-ele é só meu a-amigo.

- Porque você deseja que ele seja.

- Como assim?

- Merlin, eu vejo sua relação com ele. A única coisa que você tem é medo. Medo de falar sobre seus sentimentos, até mesmo comigo.

- E-eu não tenho medo disso.

- Então por que está sempre na defensiva quando o assunto é você e seus sentimentos?

Merlin parou, respirando fundo.

- Porque... Eu nunca tinha sentido isso. Essa sensação de felicidade por nada... De só estar ao lado de quem te faz feliz... Eu não sei, Harppie. Tentei me impedir de fazer parte disso... Mas... Não dá. Nath é muito importante para mim.

Harppie sorriu, para confortar a ruiva e abraçou o rosto da garota, levemente.

- Sem tristeza, garota. - Disse Harppie. - Como você mesma diz, "allonz-y", não?

Merlin sorriu, colocando uma das mãos sobre a pequenina amarela.

- Sim... Allonz-y. Mas não é totalmente minha essa frase, você sabe.

- Você me fez assistir com você desde a primeira temporada até a nona.

- Mas tenho certeza de que você gostou de Doctor Who. - Harppie riu e Merlin apenas sorriu, tristemente. - Afinal, como eu vou me redimir com ele? E-eu o beijei e fugi, sem explicações. Ele deve me achar maluca.

- Você pode explicar mais tarde. Agora descanse. Eu falarei com os outros para que saibam que você não se sente muito bem.

- Mas eu...

- Merlin. Nem almoçar direito você fez. Coma algo e vá deitar, você precisa disso.

A ruiva não desacatou a ordem da kwami. Suspirou e desceu as escadas, indo até a cozinha. Ao chegar, olhou ao redor, ainda pensando no que Hassam lhe dissera. Ela poderia dizer a qualquer hora, em qualquer lugar, e seu desafio seria aceito.

- Hassam... Guld hav*.

Ela caminhou até a geladeira e pegou um pouco de comida que sua irmã deixara. A ruiva colocou no microondas e depois foi se sentar. Sentiu algo por baixo da mesa. Olhou, olhou e não viu nada.

Quando voltou, seus olhos capturaram um papel que aparecera misteriosamente em cima de sua mesa. Merlin abriu-o, lendo as poucas palavras escritas.

Ela aceitara o desafio.

*     *     *

Quase todos os heróis estavam treinando na casa do Mestre Fu. Danielle e Marinette lutavam enquanto que Jahed e Adrien faziam o mesmo.

- A chave para o alcance total da energia de vocês é mostrar uma que seja forte o bastante para fazer com que ela seja liberada. Não pensem, apenas façam.

Todos assentiram, continuando a treinar. Wayzz se aproximou do Mestre Fu, fazendo o homem encará-lo.

- Alguém está na porta, Mestre. - Disse o kwami verde.

- Talvez seja Merlin.

Os dois se dirigiram à porta, mas quando o mestre abriu, vira apenas Nathanael, que parecia nervoso.

- Boa tarde, meu rapaz.

- Boa tarde... Eu queria falar com a Merlin.

- Para falar a verdade, a Merlin não veio ao treino hoje.

- O quê?

- Ela não apareceu.

- Ah... T-tudo bem, obrigado.

- Mas afinal, o que aconteceu?

- Muita coisa, Mestre, eu prometo que assim que encontrá-la eu direi tudo.

O Mestre apenas sorriu.

- Boa sorte com sua garota.

Nathanael corou, assentindo.

- O-obrigado.

E o ruivo saiu da vista do Mestre, indo em outra direção.

Mestre Fu voltou para o local de treinamento. Os quatro tomavam alguns copos de água, até verem o Mestre se aproximando.

- Quem era? - Perguntou Danielle, enquanto jogava os cabelos para cima, fazendo um coque.

- Nathanael. Procurava por Merlin.

- O que acham que aconteceu? - Perguntou Adrien.

- Meio difícil de se ter certeza. - Falou Jahed, retirando o moleton que utilizava, enxugando o rosto. - Merlin parece estar cheia de problemas agora.

- É, nem fale. - Disse Marinette. - Ela falou que um antigo amigo dela apareceu e desde então ela vem agindo estranho. Provavelmente alguma coisa nada boa vem acontecendo.

- Estou captando uma mensagem de Harppie. - Disse Tikki. - Ela falou que Merlin não está se sentindo bem, por isso não apareceu hoje.

- Estou preocupada. - Falou Danielle. - Será que não deveríamos vê-la?

- Concordo. - Disse Mestre Fu. - Quem sabe ela não precisa de apoio agora?

Todos concordaram.

- O treino de hoje termina mais cedo para visitarem Merlin.

- O senhor vem com a gente? - Perguntou Adrien.

- Tenho coisas a resolver. Digam à ela que também estou preocupado e me chamem se precisarem.

Todos concordaram, colocando roupas de frio e saíram da casa de Mestre Fu, indo em direção da casa da ruiva.

- Mestre... - Começou hesitantemente Wayzz.

- Sim. Você também sente? A energia do Miraculous Tempo... O Água e Fogo também parecem estar acordando.

- Por que todos estão reaparecendo?

- Por que sabem que o Yin-Yang viverá a maior batalha de suas vidas. Adrien e Marinette são as almas de Hyun que agora se encontraram novamente. O Yin-Yang está completo.

- Então quer dizer que estamos protegidos do mal agora.

- Não exatamente... Não até Hyun literalmente "nascer" de verdade.

*     *     *

- Que frio...

- Vem aqui, Dani. - Respondeu o indiano, abraçando Danielle enquanto caminhava. - Ninguém mandou você nascer em um país quente.

- Ninguém mandou você aprender a parecer tão simpático quanto um brasileiro, Jahed... -Rebateu a morena, tocando o nariz do maior.

- Essa relação de vocês dois... - Riu Marinette.

- Ele que começou, você viu.

- Ninguém mandou você ser filha da minha professora de biologia. - Provocou Jahed.

Danielle fechou a cara, mas logo riu, empurrando o garoto.

- E ninguém mandou você se apaixonar por ela, cabeção.

- O meu coração mandou. E ele nunca se engana sobre o que eu devo fazer.

- Já posso escrever o livro. - Disse Adrien, fazendo o casal rir, vermelho.

- Sério que sua mãe é professora dele? - Perguntou Marinette.

- Coincidência? - Riu Danielle.

- Yǒushí wǒ xiǎng, mìngyùn xuǎnzéle wǒmen de yèwǎn. - Falou Jahed, fazendo Danielle dar um tapa leve em seu ombro.

Adrien apenas riu.

- Me agonia quando ele começa a falar em árabe. - Falou Danielle.

- Se ele tivesse falado em árabe. - Respondeu Adrien. - Foi em chinês.

- Mais uma? Você é o quê, o Google Tradutor? - Disse Danielle fazendo todos rirem.

- Desculpe, Dani, alguém tinha que entender a referência aqui. - Falou Jahed, indicando para Adrien com o dedo.

- O que ele disse, Adrien? - Perguntou Marinette, enquanto ria.

- "Às vezes eu penso que o destino nos escolheu aquela noite." - Danielle riu, empurrando o indiano. - Engraçado como essa frase soa parecida com outras pessoas. Não é verdade, Mari?

Marinette apenas riu, envergonhada.

- Parece que todos nós temos muita história. - Disse Jahed.

Continuaram caminhando até chegarem em frente da casa das irmãs suecas. Tocaram a campainha e esperaram, até verem Ziara abrir a porta.

- Oi, Ziara. Viemos ver a Merlin, soubemos que ela está mal. - Disse Marinette.

- Sim, ela estava mal. Na verdade, ela saiu não tem muito tempo, disse que precisava respirar ar fresco.

- Poxa... - Resmungou Danielle.

- Eu não ficaria admirada, muita coisa aconteceu com ela desde hoje de manhã. Nathanael também veio procurá-la não faz muito tempo, mas ela já estava fora.

- Sabe quando ela volta? - Perguntou Jahed.

- Não... Nem o celular ela levou. - Todos resolveram desistir, até Ziara retirar um papel do bolso, entregando ao grupo. - Encontrei isso sobre a mesa, um pouco depois que ela foi embora.

Adrien pegou o papel, lendo em voz alta.

- "Torre Eiffel, seis da tarde." Assinado, Hassam.

- Tem mais alguma coisa escrita atrás. - Disse Danielle.

- Está em sueco. - Disse Ziara. - Está escrito "Leva-se tempo para entender o tempo, mas ele sempre tem boas intenções."

- O que acham que quer dizer? -   Perguntou Danielle.

- Não faço ideia. - Respondeu Ziara. - Mas se forem atrás dela, talvez entendam alguma coisa.

Todos assentiram.

- Obrigada, Ziara. - Disse Marinette. - Vamos, pessoal. E não se preocupe, traremos Merlin do jeitinho que ela sempre é de volta.

Ziara sorriu, acenando para todos, que fizeram de volta, se encaminhando para um lugar mais longe.

- Ai, ai, Merlin. - Murmurou a loira. - Um dia você vai entender que nunca estará sozinha.

O grupo atravessou a rua, parando próximo a uma árvore que estava coberta de neve.

- Acho que, nesse caso, ir como heróis pode ser uma boa. - Disse Danielle, sorrindo.

Todos se encararam entre si, sorrindo.

- Tikki, me transforme!

- Plagg, me transforme!

- Kiell, me transforme!

- Rizz, me transforme!

*     *     *

Merlin chegou ao topo da Torre Eiffel, respirando fundo. Abraçou-se por conta do frio, olhando por mais tempo o sobretudo marrom que usava sobre seu casaco branco. Ela não havia devolvido a roupa para Nathanael, mas ainda não cogitava a ideia, não depois de passar horas imaginando qual seria a reação do ruivo se fosse falar com ele normalmente depois daquilo.

A ruiva recostou-se sobre o batente, olhando para aquela imensidão da cidade luz. Suspirou, recostando seu rosto sobre os braços na grade. Ela sentia o cheiro de Nathanael ainda impregnado no sobretudo, fazendo-a se sentir levemente triste.

"- Está vendo? Conseguiu!

- É, eu consegui! O que foi que eu disse?

- "Eu sou um ruivo muito chato". Ah!

- Boba!"

- Nath... Eu... Acho que eu te...

- Todos no elevador? Essa será a última partida.

Merlin escondeu-se, até ouvir o elevador descendo. Era quase seis horas, ela esperava que Hassam aparecesse logo para terminarem logo com isso.

Ela tinha que fazer ele pagar pelo que fez.

- Chegou cedo. - Ouviu dizerem atrás de si.

Merlin não precisava virar-se para saber quem é. A única pessoa que tinha esse tom de voz irônico desde criança era ele. Hassam.

- Estou preparada.

- Estou vendo que está.

O garoto deu dois passos à frente, ficando Merlin de um lado e Hassam do outro. Gill e Harppie surgiram, olhando um para o outro. E em meio àquela conexão, a kwami abelha descobriu a história.

O mal entendido.

- Comecemos, então? - Se pronunciou Hassam. - Não esqueça dos requeridos.

- Você brincou com a pessoa errada, Hassam. - Disse Merlin. - Não pense que vai ser fácil.

- Não estou pensando.

O silêncio pairou pelo ar enquanto o pôr-do-sol se formava ao longe.

- Gill. Me transforme.

- Harppie, me transforme.

Os dois se transformaram ao mesmo tempo, começando a flutuar sobre a ponta arredondada da torre.

O desafio começara.

Beez lançou-se contra Chronos atirando as flechas rapidamente, fazendo um círculo de fumaça ao redor dele. A garota moveu as mãos para atingi-lo, sem sucesso. A ruiva se moveu para fora da fumaça, vendo Chronos ao longe

- Só isso? Minha vez.

Chronos aproximou-se em uma super velocidade, fazendo com que Merlin não o visse e recebesse um dos socos próximo de seu ombro, baixando um pouco sua área de ataque.

A ruiva se recompôs, atirando uma flecha corda e circundando Chronos, impedindo que ele pudesse se mover sem que ela fosse junto.

E foi exatamente o que ele fez.

Moveu-se rapidamente e com maestria, fazendo Beez se sentir tonta, mas sem perder seu foco. Ela precisava impedí-lo, não importava o que fosse.

Chronos acabou por ser atingido rapidamente quando tentou dar uma volta arriscada, sem sucesso. Beez atingiu-o nas costas, fazendo-o avançar contra ela, o que também fora bloqueado.

Beez chegou perto de Chronos, atingindo seu nariz, fazendo com que sangue escorresse por ele.

E Hassam apenas riu.

- Quebrar meu nariz não é o bastante para me derrotar.

- Estou só aquecendo.

E Merlin seguiu com uma sequência de socos e chutes, pegando-o desprevenido. Chronos voou para trás, saindo da área de ataque de Beez, logo indo contra ela em uma rápida velocidade, atingindo-a no quadril com o esbarrar.

Ela arqueou-se, sentindo a dor latente atingir seu corpo. Mas ela precisava aguentar. Não perderia para ele em momento algum.

A ruiva subiu, lançando uma flecha que continha fogo e, logo depois soltou uma com um gás inflamável, fazendo uma explosão no céu escuro de Paris.

Sem saber que em uma janela aberta do outro lado da cidade, um certo ruivo observava tudo.

- M-Merlin...

- Aaargh!

Novamente Chronos havia conseguido fugir de sua área de ataque.

- Surpresa?

- N-não vai ganhar de mim.

Chronos a atingiria, se não fosse por uma parede que magicamente apareceu entre os dois.

- Beez!

- P-pessoal!

O grupo todo se aproximou, voltando-se contra Chronos, que mantinha uma das sobrancelhas para cima.

- Vamos te ajudar, Beez. - Disse Pavonis.

- Pessoal, olha...

- Não se preocupa, esse cara vai aprender a não se meter com a gente. - Disse Chat Noir.

- Gente, eu...

- Isso mesmo!

- Gente! Dessa vez, vocês não poderão participar.

- Mas... Por quê?

- Essa é uma briga entre mim e ele. Eu preciso ganhar esse desafio. Mas sozinha.

Todos se entreolharam e pararam de imediato.

- Vamos deixar, mas se notarmos que você esteja em apuros, não vamos conter esforços. - Disse Volpine.

Beez sorriu. Todos desceram, ficando no alto da torre, observando tudo.

Os dois mantiveram uma batalha, socos, chutes, poderes, e tudo o mais que pudessem utilizar.

Beez jogou contra ele algumas flechas semelhantes a lanças, as quais Chronos as parou apenas com um movimento com as mãos, rodopiando-as e fazendo-as pegarem fogo.

- Atrito com oxigênio... Causa isso. - E ele atirou as flechas pegando fogo, que foram desviadas.

- Essa sua dança infinita não vai funcionar, Hassam!

- Pelo contrário... Ela funcionará muito bem.

Chronos pareceu se dividir em seis, todos se movendo em movimentos cronometrados um após o outro, parecia algo de outro mundo.

Todos lançaram um círculo preto e violeta sobre Beez, que desviou, mantendo-se afastada dos clones.

O que a ruiva não esperava é que mais alguém fosse aparecer em meio a tudo isso.

- M-Merlin!

Beez desconcertou-se, olhando para o lado, vendo Nathanael correr em direção à grade de proteção da torre, como se tentasse dizer algo.

- Nath, saia daqui!

Uma das bolas de energia, que fora mandada para longe, agora voltava com uma super-velocidade, e para a preocupação de Merlin, na direção de Nathanael.

Tudo acontecera muito rápido.

A bola de energia empurrou Nathanael, até a grade se romper e ele ser lançado em queda livre, desacordado.

- NATH! NÃO!!

Beez deixou a luta e lançou-se no ar, para impedir que Nathanael caísse no chão, e conseguiu chegar a tempo, antes que o ruivo atingisse o solo.

- N-Nath...? F-fala comigo...! Seu... Seu grande idiota...!

A raiva de Merlin se manifestara com força. As lágrimas da heroína desciam quentes por seu rosto, pingando sobre o garoto em seus braços, machucado e desacordado.

Uma aura forte tomara conta de seu corpo, fazendo-o brilhar fortemente em amarelo. A garota sobrevoou até chegar próxima à Chronos, logo levantando o rosto e encarando-o. Seus olhos estavam totalmente brancos.

- Você vai pagar... PAGAR!!

O grupo que tentara impedir todo o acontecimento se entreolhou. Aquilo estava fugindo do controle.

- Saia de perto do Nathanael... Não encoste um único dedo nele!!

A aura exalava raiva, a garota mostrava toda a raiva interior acumulada nesse momento, causando um leve distúrbio no flutuar de Hassam que, na verdade, não parecia tão surpreso com suposta transformação de Merlin.

Beez colocou Nathanael deitado sobre o chão da cabine alta da torre Eiffel, virando-se para Chronos, com um rosto irritado.

- Agora... É minha vez.

Merlin se movia tão rapidamente que ninguém conseguia acompanhar. Seus socos e chutes eram velozes, nem mesmo Hassam parecia entender de onde tanta força saíra dela, de uma hora para outra. Em uma de suas mãos, um brilho mais forte se deu. A garota atingiu Chronos no rosto, e lançou-o no chão, fazendo-o cair em queda livre até o chão, quebrando e fazendo um círculo de impacto gigante ao redor.

Chronos se moveu, até Beez Poegar e pisar sobre seu peito, impedindo que ele pudesse levantar.

E então, magicamente, o brilho amarelado ao redor dela sumiu. A ruiva abriu os olhos, logo demonstrando que eles voltaram a ser as grandes orbes castanhas de sempre.

- Isso é pelo que fez com o Nath. Nem. Mesmo. Toque. Nele.

- Beez! Você ganhou!

Marinette desceu, parando ao lado da ruiva, que deu um sorriso triste.

- Nath ainda está desacordado.

- Não se preocupe, Volpine providenciou que ele fosse logo para o hospital. Ele falou que ele estava em estado grave, mas não corre risco de morrer.

Merlin suspirou. Felizmente, não eram notícias ruins.

- O que fazemos com ele? - Disse Chat Noir, aparecendo logo em seguida. - Porque Akuma, ele não é.

- Nada. Não faremos nada.

- Nada?

- Nada.

Beez se afastou, respirando fundo. Aquela sensação que dominara seu corpo ainda parecia levemente incendiada dentro do seu peito.

Volpine e Pavonis pousaram próximos à todos.

- Nathanael foi levado à UTI. - Disse Pavonis. - Local errado na hora errada.

Merlin sorriu vagamente. Sentira-se aliviada ao ouvir isso.

- Merlin Halla-Nälkäinen.

A ruiva estremeceu ao ouvir seu nome completo ser dito pelo garoto.

- Ferrugem. - Ele falou de novo, chamando a atenção de Beez.

Merlin virou-se em sua direção. Os olhos azuis de Hassam estavam mais brilhantes do que antes.

- Antes que eu lhe entregue o Miraculous, eu preciso falar com você. Não como Chronos, ou Hassam... Mas como aquele idiota que sempre fazia besteira.

Merlin o encarou profundamente. Ela sabia que no fundo, ainda tinha aquele sentimento de amizade por ele. E mesmo após toda essa situação, mesmo nervosa e irritada... Hassam ainda foi seu amigo por muitos anos, algo que nunca mudaria.

Hassam esticou sua mão na direção de Merlin, que hesitou mas segurou, sendo os dois transportados para uma espécie de portal brilhante azul. A ruiva olhou ao redor, sem entender.

- P-por que... Estou aqui?

- Porque eu precisava conversar com você. Não só eu, na verdade...

- C-como assim?

- Eu também precisava.

Merlin virou-se, vendo uma garota de cabelos e olhos castanhos tão familiar quanto qualquer outra pessoa que ela pudesse conhecer.

- S-Sammy...

- Olá, Merlin... - A garota riu levemente. - Desculpe. Eu precisava falar com você de alguma forma, mas o tapado do Hassam prefere fazer tudo ao contrário do que eu pedi.

- Eu gosto da emoção. - Ele disse, sem ligar muito. Sammy deu um tapa em seu braço. - Ai.

- E-eu... Pensei que nunca mais a veria.

- Bom... Estou aqui, não? - Sammy se aproximou, abraçando a amiga.

Merlin ainda estava assustada com tudo, e as lágrimas desceram por seu rosto.

- Escuta, Merlin... Nós não chegamos a ser sinceros com você. - Disse Sammy, fazendo a ruiva levantar o rosto.

- O quê? O que quis dizer?

- Sobre tudo que veio a acontecer naquele tempo. - Falou Hassam.

- Acontece que... A filha que tive nunca foi de Hassam.

- O quê? Mas... Mas você me disse que...

- Eu sei o que eu disse. Eu não quis te alarmar, por causa de seu pai. Você estava triste com a morte dele, então decidimos não colocar mais problemas em cima de você.

- O problema foi que você interpretou tudo um tanto errado, ferrugem. - Disse Hassam, se aproximando. - Sim, é verdade que Sammy e eu realmente tivemos algo, mas não chegou a acontecer nada durante os meses que estivemos juntos. Nada, me refiro ao registro de gravidez.

Merlin parecia entender menos ainda a história. Culpara tanto Hassam para descobrir anos mais tarde o que havia acontecido e se sentir culpada.

- M-mas se o bebê não era de Hassam...

- É do Tulio.

- E-eu... Interpretei errado tantos anos...

- Eu tinha pedido que Hassam não dissesse nada para você sobre a história do Tulio, o problema é que não contei que estive com ele, e você interpretou que Hassam tivesse feito besteira. Como eu pedi que ele não dissesse nada de mim, a coisa se agravou um pouco.

- Um pouco? Ela quase me acerta com um fêmur. - Sammy o encarou, fazendo ele se calar.

- Me desculpem, de verdade... Eu não queria que as coisas tivesse chegado a esse ponto. Eu só...

- Ah, tudo bem. A culpa é mais nossa por não se explicar.

Os três se abraçaram, fazendo Merlin rir em meio às lágrimas. Ela sentia que já havia chorado o suficiente para se acalmar.

Sammy estendeu um papel para Merlin, com um sorriso.

- Espero manter contato, "capitã". - Disse a morena, fazendo Merlin rir.

- Eu farei, não se preocupe. Obrigada, Sammy. E desculpe, Hassam.

- Não ligue, ser ameaçado por um fêmur, super normal para mim. - Disse, com sarcásmo.

- Bobo. - Falou Sammy, rindo.

- Idiota, isso sim.

- Pensei que eu era o bobidiota, mas se quiserem separar de novo, à vontade.

- Então... Eu tenho que ir. A Merlinzinha pode acordar a qualquer momento. - Sammy falou, sorrindo.

- Não me diga que...

- Sim, exatamente. - Ela sorriu. - Até mais Merlin, Hassam.

Sammy acenou, logo desaparecendo em frente aos olhos dos dois.

- Agora é sua vez de voltar, ferrugem.

Merlin suspirou, sorrindo.

- Fiquei feliz de ver Sammy mais uma vez.

- A história foi esclarecida agora. Enfim, minhas missões acabaram, não tenho mais o que fazer por aqui.

- O que quer dizer?

- Eu tinha duas missões a serem feitas. Uma era ajudar Sammy e você, e a outra era entregar  Miraculous Tempo para um dos portadores da caixa Yin-Yang. Agora que não tenho mais o que fazer... Eu irei para a outra dimensão.

- O quê? A dimensão... Mística?

- Sim. Todos os anos em que cuidei do Miraculous me fez saber exatamente o que fazer com o tempo. E absorver uma parte da energia temporal, mas isso é o de menos. Precisam de alguém que proteja o manto temporal.

- Então... Isso é um Adeus?

- Provavelmente um "até logo". Ninguém consegue se livrar de mim tão cedo.

- Ah, Hassam, só uma pergunta antes... Como você tinha tanta certeza de que eu iria aceitar o seu desafio?

- Eu controlo o tempo. Eu vi o seu futuro. E dos seus amigos também.

Um silêncio tomou o lugar. Merlin pigarreou.

- Tenho direito à spoilers? - Ela disse, com um sorriso.

- Nah um spoilerzinho não faz mal à ninguém. - Hassam baixou o corpo, falando baixo. - Não deixe os mestres do tempo souberem.

Ela assentiu com a cabeça.

- Sabe, muitas coisas no tempo não podem ser mudadas, e outras têm de acontecer. Sabe aquele beijo que você "deu" no Nathanael?

Merlin, mesmo vermelha, assentiu. Hassam riu e continuou falando, fazendo-a entender os propósitos.

O tempo nunca é como pensamos.

- Pelo visto... Eu terei um bom futuro.

- Terá, mesmo.

- De qualquer forma, o Doctor estava certo quando dizia que o tempo não era linear, nem de causa para efeito. Ele é só uma grande bola de um barato muito doido de espaço-tempo coisado.

- Na verdade, é bem pior que isso. Semelhante a um novelo de lã. E eu acho que está na sua hora, ferrugem.

Hassam sorriu, retirando do pescoço o colar com o Miraculous e entregando para Merlin. No mesmo momento, o vasto azul infinito que estava ao seu redor fora se quebrando, remontando novamente o cenário da praça da torre Eiffel.

- Até logo. - Disse Hassam, desaparecendo.

- Merlin?

Quando a garota notou, todos estavam ao seu redor, preocupados. Eles ainda estavam com as roupas de super-herói, mas ela estava vestida normalmente.

- Ele fugiu, Merlin! - Disse Danielle.

- Não... Ele não fugiu. - Merlin baixou o rosto, olhando para o Miraculous do Tempo. - Digamos que quem cuida do tempo agora é ele.

- Você conseguiu o Miraculous Tempo!

- Consegui... Vamos entregar ao Mestre, então.

- Assumimos daqui, Merlin. - Disse Marinette. - Tem alguém que precisa muito de você agora, que está no hospital.

Merlin assentiu, lembrando-se do acidente com Nathanael. A culpa fora sua, se ele não soubesse de sua identidade, talvez não tivesse literalmente se jogado contra o perigo.

- Encontramos isso lá em cima. - Começou Jahed. - Acho que é seu.

Merlib encarou a mão do indiano, vendo o sobretudo de Nathanael. Ela sorriu, pegando e colocando-o no corpo.

- Obrigada.

Ela ainda não cogitava a ideia de devolver. Mas agora era por um novo motivo. Sorriu e acenou para todos, que foram na direção da casa de Mestre Fu.

Merlin suspirou, caminhando em direção do hospital.

Com as palavras de Hassam ainda rodando por sua cabeça.

"Sabe, muitas coisas no tempo não podem ser mudadas, e outras têm de acontecer. Sabe aquele beijo que você "deu" no Nathanael? O que fiz para acontecer foi necessário. Acredite em mim, se vocês não tivessem feito isso, a relação de vocês não passaria de amizade, e se isso acontecesse, muitas coisas, tanto no futuro quanto no passado seriam afetadas. O tempo é como um quarto bagunçado, você arruma e pensa que ele ficará assim para sempre, mas depois de dois dias, tudo está emaranhado de novo, igual que antes. Depois de hoje, espere mais dele e verá o quão longe chegarão. E tudo dependeu desse simples beijo trocado entre vocês."


Notas Finais


Guld hav* = "Ouro do Mar", como eu não expliquei no capítulo, esse era o nome do "navio" das brincadeiras deles quando crianças.

Preparem-se! Próximo capitulo haverá chegadas, e cada vez mais estamos perto do final de nossa história. Espero que tenham paciência comigo haha!

Kissus, usem memes, não usem drogas e
HOW COULD THIS HAPPEN TO MEEE? I'VE MADEE MY MISTAAAKES, GOT NO WHERE TO RUUN, THE NIGHT GOES OON
ok, parei com Simple Plan :v
Quem leu até aqui, coloque "Jooj Intergaláctico" no início do seu comentário e.e


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...