História Are You Ready? - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga, V
Tags Bts, Jikook, Jimin, Jungkook, Lemon, Namjin, Taegi, Yaoi
Exibições 155
Palavras 5.238
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Ecchi, Ficção, Fluffy, Hentai, Lemon, Mistério, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Boa Noiteeeeeeeeee e e e e e e e e e e e e e e e e e e e e e e e e e e e e e e e e e e e e e e
Catchau mano
Nunca sei o que falar, então obrigada a você que está lendo isso u-u
Boa leitura, perdoem os erros

Capítulo 3 - Disappointment


Fanfic / Fanfiction Are You Ready? - Capítulo 3 - Disappointment

– Jimiiiiiiiin. Jimin. JIMIN – acordou assustado com alguém gritando seu nome, era Bobby.

– Quié caralho, não se pode mais dormir em paz não? – Perguntou nervoso e sonolento ao mesmo tempo.

– Ih, a princesinha acordou de tpm? – Zombou o outro – Eu só queria saber se posso pegar um de seus remédios para dor de cabeça, acabamos esquecendo os nossos novamente – Dizia Bobby acanhado, estava com vergonha de toda vez esquecer os remédios e ter que os pedir a Jimin, este que ficava nervoso, pensava como que um bêbado que tem a consciência que vai ficar de ressaca não lembra que para curar ou mediar precisaria de remédios?! Inacreditável para si.

– Pode pegar – acabou cedendo como sempre fazia, ele já até tinha acostumado com isso e trazia a mais para os outros, era sempre a mesma coisa.

Se sentou em sua cama, bocejou e como contagio Bobby também bocejou, Jimin riu e voltou a sua atenção para o celular que agora estava em suas mãos, ele estava ansioso em saber se o mais novo tinha lhe chamado. Ele queria mesmo é ter lido um "chegou bem? ", "vamos nos encontrar amanhã novamente", "bom dia, desculpa não ter lhe chamado mais cedo" ou qualquer coisinha pois ele era assim, sempre preocupado mesmo que não conhecesse bem a pessoa, se tinha o número de alguém que acabou de sair com ele sempre perguntava ao menos se tinha chegado bem e essas coisas. Mas o que recebeu mesmo foi um vazio, nenhuma mensagem. Bufou irritado, qual era a do mais novo em fazer isso com si? Em seus pensamentos ele ficava brigando consigo sobre não ter roubado o celular do outro para mandar mensagem a si próprio assim teria o número de Jungkook e poderia lhe chamar, irritar ou o que quisesse fazer, e pensava também em como planejar a morte do outro. "Mas que saco". Cansou de se martirizar e levantou. Bobby já não estava mais ali, ele riu de sua própria distração que não lhe permitiu nem ver o outro deixando seu quarto.

Enquanto descia as escadas já pôde sentir o cheiro de panquecas e sabia que quem estava as fazendo era Jinhwan, era sempre ele. Chegou na cozinha e a conversa estava muito interessante, o que mais falava era ao silêncio, sua vontade era de gritar e fuder com a dor de cabeça que todos ali tinham, mas afetaria a sua então logo desistiu. Sentou-se em volta do balcão assim como todos que esperavam as famosas panquecas, e foi assim o café da manhã que foi servido as 12:00, era normal ser a essa hora porque V tinha uma fama ali, de sempre dar festas a tarde inteira quando chegavam, era uma festa de chegada e a outra de partida e o engraçado era que muitos iam e gostam de Tae, mas poucos gostavam de Jimin. Uma vez ele escutou que quem não gostava de si era por achá-lo muito atraente então tinham inveja de si, ele riu tanto disso pois para ele atraente mesmo era Tae com seu sorriso, Bobby com seu olhar, Hyuk com suas feições que eram realmente atraentes ou Jinhwan com seu rosto delicado, porém bem chamativo. Mas era aquilo né que algumas pessoas não conseguem enxergar em si o que os outros dizem, elas enxergam o que querem e Jimin era assim. Infelizmente.

O pessoal costumava chegar as 13:00 e dessa vez não foi diferente, estavam até acostumados com isso, terminavam o café, arrumavam o som e a piscina, colocavam alguns tambores com bebida lá fora e abriam o portãozinho que dava para a praia pois era por ali que todos iam, e assim rolava a festa a tarde toda. Quando a galera começou a chegar, foram cumprimentando os garotos, pegando seus copos de bebida e se sentindo em casa para entrarem na piscina, entrarem na casa, colocar suas próprias músicas na playlist entre algumas outras coisas. Jimin se sentou na beira da piscina e dessa vez a festa para si seria diferente. Na verdade, a semana seria diferente, pensava ele. Após ter passado mal espiritualmente ontem na balada e conhecido alguém que gostou muito de conhecer, ele queria enxergar as coisas com outros olhos. Figurativamente. 

Começou primeiro a refletir como seria sua semana, o que iria fazer ali, ele não queria simplesmente ir nas festas, encher a cara, transar ou seja lá o que sempre fazia, por fim decidiu que o que lhe calhasse seria o certo a ser feito. Naquele dia em si iria apenas observar as pessoas e esperar dar 21 horas e iria caminhar até aquele mesmo local da praia onde encontrou Jungkook, ele queria mais daquela conversa atrativa para si. Ele amava Taehyung e suas ideias loucas, porém em uma semana que normalmente quase não havia diálogo entre eles, conhecer alguém que quebrasse isso justamente num momento em que era preciso foi como um surto de realidade para si. Aquela loucura toda de festas e bebidas era definitivamente o que ele menos queria e precisava.

Começou a observar os casais que realmente eram casais, com aliança ou todo esse negócio de compromisso. Que bonitos eram, alguns meninos não bebiam mas deixavam suas garotas beber, outros bebiam e suas garotas os deixavam beber; muitos tinham respeito um pelo outro, um ou dois passavam a mão pelo corpo como se quisesse mostrar para todos o que tinha para si, era nojento isso mas dava para se perceber que era momentâneo. Tão bonito quando iam num lugar mais afastado somente para trocar poucas carícias, ou também quando mesmo estando no meio de seus colegas trocavam beijinhos fofos e olhares significativos, era uma graça pensava Jimin. Depois, olhou os casais que na verdade só seriam casais por minutos, horas, dias ou até que o feriado acabasse. Asquerosos, pensava, pois, raramente eram trocas simplórias. Sempre eram amassos, beijos afoitos, mãos bobas que deveriam ser apenas deixadas para se fazer em lugares íntimos. Pois é, parando para pensar ele tinha nojo de si próprio por saber que quando estava embriagado tinha passado muitas vezes por isso que agora ele estava julgando. Era a vida dele, fazer o que. Pelo menos resolveu largar disso, com ele era ou 8 ou 80, na verdade estava mesmo para ou 0 ou 1000, porque ou ele não fazia somente pensava, ou ele tomava atitude e essa era para agora.

Por fim observou os solteiros dali. Gostava deles também, tomando suas bebidas, conversando, curtindo a música. Que ótimo poder simples curtir, não é?! E sabe o que ele pensou em fazer? Exatamente, curtir. A sua cama. Ele queria dormir mais, já estava cansado disso, ele precisava mesmo era dormir e também era uma desculpa para poder tirar o atrasado de seu sono para que a noite pudesse madrugar novamente com Jungkook enquanto V e os outros curtiriam na balada. Subiu para seu quarto sem esforço algum, programou seu celular para despertar as 20:30, deitou e logo capotou.

Acordou com o barulho do despertador e com muita preguiça pegou o celular para ver o que era, hora de levantar se arrumar e ir para a praia, pensou. Não tinha sonhado com nada assim como mais cedo, era normal para si isso acontecer. Levantou, tomou seu banho sem pressa alguma, saindo do banho optou por colocar uma bermuda jeans clara, chinelos, e uma camiseta branca sem estampa, bem largado e confortável para si. Tinha pensado na vergonha de mais cedo por ter chegado, dormido, acordado e passados alguns minutos da festa com a mesma roupa que foi para a balada. Mas também, quem se importava? Porque ele não e isso que lhe importava na realidade. Chegou na sala e não se surpreendeu em achar seus amigos dormindo espalhados pelos cantos novamente, e com dó de acorda-los escreveu um bilhete.

                  Pessoal, fui dar uma volta na praia, espero que se divirtam, não se preocupem comigo. Beijos parças.

Bem a cara de Bobby escrever assim e isso seria de euforia para os outros pois seria uma brincadeira interna que todos costumavam fazer -imitar Bobby nos avisos e bilhetes. Por fim saiu pelo portão que levava direto a praia e andou até mais ou menos onde lembrava de ter estado na noite anterior. Amaciou a areia e se sentou. Começou a noite olhando para o horizonte, e a brisa logo lhe veio. Seus pensamentos eram inquietantes e ele não sabia nem por onde começar a refletir. Acabou deixando seu coração lhe levar onde queria o que resultou dele parando nos olhos de Jungkook. Jimin era daqueles que se apaixonava rápido demais, mas para o "relacionamento" prosseguir, a pessoa por quem se apaixonou deveria lhe manter interessado, caso não fizesse isso, ele se apaixonaria por qualquer outro que aparecesse e o fizesse, famoso ditado "quem não dá assistência, perde pra concorrência" e ele sabia perfeitamente disso e era o que mais gostava de fazer nesses casos, ver até onde o outro iria por ele e pensava se Jungkook seria assim, e começou a pensar numa vida perfeita com ele.

Sua casa seria um sobrado, com a fachada em tons bege e marrom claro, feita de tijolos. Teriam 5 cômodos sendo estes a sala, cozinha, e 3 quartos, 1 para eles, os outros dois para os filhos que ele com certeza adotaria. O carro seria em estilo SUV, daqueles enormes pois achava-os confortáveis e bonitos. Teria um jardim com canteiros e plantaria lindas flores ali, faria um parquinho para suas crianças, e uma casinha para o cachorro que ficaria lá fora no calor. Dentro da casa ainda, teria o lugar para o cachorro e o gato que queria ter pois não achava legal deixá-los lá fora no frio.

Ele ficou imaginando inúmeras situações naquela casa, com seu "marido" na imaginação e suas crianças e animais. Passaram-se horas, Jimin já se encontrava deitado e nem tinha percebido, a imaginação lhe prendeu de um jeito que nem ligou para as horas e só despertou daquele sonho magnifico que tinha criado quando um clarão e um calor lhe incomodaram, o sol tinha nascido. Ele arregalou os olhos e procurou afoito por seu celular, 06:04 estava destacado na tela. Então desesperado olhou para os lados a procura de alguém em específico e não encontrou quem procurava. Em seu rosto automaticamente uma feição triste nasceu, ele se jogou na areia novamente, colocou o antebraço na altura dos olhos e deixou algumas pequenas lágrimas caírem, ele era muito sentimental e isso para ele tinha sido muito desagradável. Ele levantou e começou a correr em direção a casa, estava se segurando muito para não chorar, adentrou correndo e subiu para o banheiro que tinha em seu quarto, se trancou lá. Nem ligou se alguém tinha o visto daquele jeito, mas ninguém viu pois ainda não tinham chegado. Como ele não sabia se estava sozinho ou não, se despiu, ligou o chuveiro para aquecer o banheiro enquanto desde ter caído na realidade na praia não tirava uma única coisa do pensamento, sua antiga amiga. Correu pro quarto novamente e procurou ela em suas coisas e logo achou, correu para o banheiro, o trancou novamente e entrou debaixo do chuveiro, ele mesmo estando numa praia -onde uma onda de calor emanava-, sentia frio. Sentou no chão dali e começou a chorar.

Pensava em o quanto tinha sido burro, seu pensamento tentava lhe falar que isso era idiotice, que tinha sido só uma noite que ele não tinha ido lá, ele poderia tentar as outras ainda, porém seu coração queria chorar por tudo o que imaginou. Ele se odiava por sempre fazer isso, criar expectativas em cima de alguém e depois se decepcionar. Não lembrava quantas vezes ele fez isso, ainda mais consigo mesmo, criar expectativa de conseguir algo, mas não conseguir fazer. Ele não conseguia mudar isso. Seu coração lhe falava todas as coisas que ultimamente lhe magoaram, como as notas que mesmo boas ele não atingiu o que queria, como no trabalho que mesmo recebendo elogios ainda achava que podia melhorar e que nem tudo estava perfeito, como nas amizades que na verdade só tinha uma que uma época se afastou, mas mesmo a dois anos tendo de volta Tae do seu lado, ele ainda se sentia como sempre se sentiu. Dois anos, essa na verdade era a contagem para muitas coisas que deixou para trás e uma delas era essa lâmina e sua mania de se cortar sempre que algo lhe machucava sentimentalmente. Mas o estranho para si é que sabia que teria uma recaída, e ao invés de joga-la fora, ele guardava-a consigo por onde fosse e mesmo sem fazer a dois anos, ele se sentiu com vontade.

Agora, tudo que nesses dois anos tinha se acumulado ele chorava, chorava por tudo, todas as pequenas e grandes coisas que lhe deixou em vontade de estar novamente nesse estado, deixou que tudo lhe invadisse novamente agora tendo liberdade para chorar. E foi depois de lembrar de tudo, se cortou pela primeira vez em muito tempo, fez um, dois, dez, quinze, vinte e outros tantos cortes em seus braços. Era um corte para cada merda lembrada, para cada mísera lembrança que não conseguia apagar. Os cortes eram fundos, para que a dor sentimental sumisse e a física logo lhe tomasse o lugar. ISSO É ERRADO JIMIN, PARE, VOCÊ NÃO DEVE FAZER ISSO, NÃO PRECISA. POR FAVOR LIGUE PARA TAE, LHE DESEPEJE TUDO, UM DASABAFO PODE MELHORAR VOCÊ MAIS DO QUE ESSES CORTES ARDENTES ESTÃO FAZENDO. Gritava sua mente, mas ele era bobo, e seguia seu coração como todos muitas vezes lhe disseram para fazer e a última coisa que lembrou de ser dita pelo seu coração é que nem mensagem ele tinha recebido ainda.
                                                    X

Jungkook quando acordou naquele dia, quer dizer, naquela tarde quase noite e não sabia ainda o que fazer, mas de uma coisa ele tinha certeza, Jimin provavelmente estava esperando sua mensagem e provavelmente que aparecesse novamente no mesmo local. Ele queria muito rir em sarcasmo de como era inteligente quando ao passar a noite na praia deu de cara com o que tinha imaginado, a cabeleira laranja deitada na areia. Ele não queria alimentar as expectativas do outro e decidiu ir para uma balada. Não falo que ele se preocupou ou coisa do tipo porque ele nem lembrava da existência de Jimin.                                                 
                                                    X

Jimin continuou naquilo até apagar e dessa vez sonhou. 

Ele sonhou com um sorriso de coelho que lhe atormentou na madrugada, ele buscava esse sorriso em todos que passavam por si, ele corria por ruas e ruas, todas cheias de pessoas, mas nenhuma sorria, e mesmo as que sorriam não era aquele que procurava até que ele encontrou, sorrindo e caminhando em uma direção. Jimin parou para ver onde aquele sorriso que somente se alargava mais ainda ia, e sorriu também ao perceber que era na sua direção. Quando os sorrisos se encontravam a cor diante de si ficava como o lindo azul que amava e misturava-se com o vermelho que o outro gostava. Depois tudo se apagava e começava novamente, o sonho ficou nesse looping.

Como se sua mente tivesse se cansado de ficar naquilo, fez com que Jimin acordasse. Ele estranhou de primeira pois estava deitado na sua cama, coberto e não sentia mais frio. Ele sorriu e se aconchegou ali, mas logo parou ao sentir uma leve ardência em seus dois braços e então ele lembrou de tudo que fez. Sentou desesperado na cama, jogou a coberta para qualquer lado e olhou seus braços, eles estavam enfaixados e dava para se ver algumas gotas vermelhas.

Taehyung estava atrás da porta somente esperando o outro acordar para poder entrar naquele cômodo e abraçar seu amigo. Ele ainda tinha as imagens de todas as vezes que encontrava seu amigo naquele estado e a dessa manhã não lhe escapava. 

Tae e os garotos chegaram sete e pouca da manhã e ele logo foi procurar seu amigo que tinha saído. Ele estava preocupado com o outro e queria saber se ele estava bem, subiu as escadas quase caindo por estar bêbado e encontrou a porta do amigo aberta, e espiou para dentro e não encontrou nada, mas mesmo que seus sentidos estivessem meio loucos, escutou um barulho de chuveiro, ele ia ignora-lo pois não sabia se era sua imaginação ou se era verdade, mas ao escutar alguns soluços logo se viu correndo para aquele lugar, ele sabia o que era, sabia direitinho o que aquele soluço significava. Abriu a porta com força e encontrou o que já sabia que iria encontrar, Jimin fraco, desacordado e com sangue escorrendo de seus braços. Ele odiava isso no amigo, mas não o culpava, ele entendia tudo que o amigo sentia, só não achava que ele precisava disso. Tinha ficado feliz quando Jimin lhe disse que não faria mais aquilo e tinha se passados dois anos, ele sabia disso porque Jimin lhe prometeu parar se entrasse na faculdade e conseguisse um emprego e ele conseguiu os dois, porém agora estava ele ali quebrando a promessa. Mas Tae não se importou se a promessa fora quebrada ou não, ele tinha que ajudar seu amigo naquele momento. 

Desligou o chuveiro, pegou a caixa de primeiros socorros do pequeno armário que tinha ali e começou a cuidar dos cortes que Jimin tinha feito em si. Depois o secou, colocou um pijama que o outro tinha trazido, um listrado de azul e branco, depois o deitou na cama e o cobriu. Saiu do quarto para preparar um lanche ao outro.

Jimin se sentiu culpado agora por ter quebrado uma promessa que lembrava de ter feito ao seu único amigo, e o que foi a primeira coisa que pensou em fazer? Se cortar por ter magoado seu amigo que lhe ajudou mesmo ele tendo quebrado algo de importante para ambos, e quando decidiu levantar para realizar o ato que tinha em pensamento, a porta foi aberta e revelou um Taehyung de feições preocupadas parado ali com uma bandeja de frutas e iogurte na mão. Jimin sorriu e sentiu algumas lagrimas escorrerem, ele estava feliz por ter um anjo do seu lado. Ele era grato por seu amigo ser tão bom com si e Tae se sentia do mesmo jeito pois quando precisava o outro estava lá.

Jimin voltou a se sentar e V se sentou do lado dele lhe entregando a bandeja. Encostaram na parede, e Jimin começou a comer as frutas.

– Está melhor? – Tae perguntou preocupado e começou a fazer cafuné nele.

– Sim, obrigado por mais uma vez. Me desculpe por ter quebrado a promessa – Ele pediu verdadeiramente e o outro enxergou isso.

– Claro que desculpo, as vezes a gente se sente sobrecarregado mesmo – dito isso, sorriu para o amigo que lhe encarava atento. Depois começou a rir de como o outro estava fofo com iogurte em volta da boca, às vezes, ele pensava, que Jimin parecia uma criança, não mais que si, porém parecia.

Resolveu levantar e descer para a cozinha e preparar um almoço de verdade por que já eram três da tarde, e também era uma desculpa para deixar o amigo sozinho assim ele poderia refletir o que o levou a fazer isso. 

– Vou ir preparar um almoço para nós. Os meninos saíram, estamos a sós então pode falar o que quiser. Assim que terminar, desça para podermos fazer uma competição no videogame.

– Ok Tae, prometo que será rápido – ele respondeu sorrindo vendo o outro sair do quarto.

Enquanto comia pensava no que fazer. Ele certamente iria tentar de novo e prometeu a si mesmo que se Jungkook não fosse ele não faria aquilo novamente, e iria fingir que nada aconteceu e sorriria no outro dia. Quando terminou de comer, desceu e deixou a louça na pia, ele ficaria sem lavar a louça até que seus cortes não lhe incomodassem mais. Tae estava de olho no arroz pois costumava deixar queimar se não ficasse do lado. Tinha feito hambúrguer com ovo e queijo derretido. Desligou o arroz e serviu ele e Jimin. Comeram em silêncio, não por estarem com dificuldade de conversar, mas porque era uma hora sagrada, a hora da comida. Terminaram de comer e se jogaram no sofá para esperar 30 minutos e poderem brincar de algo que provavelmente seria dança no Kinect.

– O que vamos assistir? – Perguntou Tae enquanto procurava algo no Netflix.

– Vamos ver American Horror Story, estou no 10º episódio da segunda temporada, coloca aí vai – Pediu para o amigo que colocou o que lhe foi pedido. Assistiram o episódio inteiro e começaram a discutir depois enquanto colocavam o jogo.

– Mas o que? Tipo, você está num manicômio e de repente um musical começa – Os dois riam da cena que tinha uma música chamada The Name Game onde uma das personagens começa a imaginar uma "festa" no local em que estavam.

– Fora a música que rima tudo e na verdade não tem sentido algum né – comentou Tae dessa vez fazendo os dois rirem mais

– Seria bem nossa cara fazer algo parecido – Jimin disse pensativo em como seria. O outro parou o que estava fazendo para imaginar também, os dois se olharam e começaram a rir.

– Vamos fazer então – V falou animado.

– Hoje não Tae, estou sem criatividade, mas com certeza vamos fazer.

Por fim começaram a jogar, rir das fotos que eram tiradas automaticamente no jogo, comemoravam quando ganhavam e jogavam na cara do outro quando este perdia. Foi uma tarde bem cansativa e divertida. Pararam de Jogar quando os meninos voltaram e logo ficou um silêncio desconfortável pois os meninos sabiam que algo tinha acontecido, porém não eram amigos íntimos de Jimin, e não sabiam como agir e sendo assim ao invés de tentarem algo para pelo menos se amigarem mais decidiram subir e se arrumar para a próxima balada. Já eram oito da noite.

– Tudo bem Jiminnie, eles só não sabem como agir, mas não sabem de nada – Tae quis confortar o amigo.

– Eu sei Tae, – ele disse suspirando – É que também não sei o que fazer, então não tem problema. - Disse por fim sorrindo minimamente para o amigo.

– Tudo bem eu ir para a balada né? – O outro perguntou. – Não que eu não queira ficar com você, se quiser que eu fique eu fico, ok?

– Que isso, imagina mano, pode ir sim, eu vou ir para a praia um pouco, mas nada com que se preocupar ok? Não vou fazer nada de novo. – Disse prometendo ao seu amigo. Tae ainda lembrava do que aconteceu outra vez.

"Mas Tae, eu só quero nadar um pouco, me refrescar" Jimin dizia pra Tae. Ele tinha se cortado de novo recentemente, e sempre vivia tentando se matar. Ele não tinha coragem suficiente mas queria ter e por isso sempre tentava. "Está certo Park Jimin, mas se eu vir algo estranho pode esquecer que existo" Jimin pulou de alegria, mas na verdade ele queria mesmo morrer e dessa vez iria se afogar. Saiu correndo para a água e para enganar o amigo, nadava para lá e para cá, pulava as ondas e sempre dava tchau para provar que estava bem e o outro achando que realmente era bobeira se preocupar parou de olhar o outro na água e este quando percebeu foi mais profundo onde seus pés não alcançavam a areia e deixou seu corpo ser levado.

Tae só se deu conta de que algo estava errado quando tinha passado uns dez minutos e seu amigo não tinha saído da água, ele conhecia Jimin e sabia que ele nadava no máximo dez minutos porque sempre se cansava de ficar sozinho e ia busca-lo para nadarem junto e como naquele dia ele não tinha ido lhe buscar ele estranhou. Levantou a cabeça e pôs-se a procurar o outro e não o achava nem na água e nem na areia em sua volta. Desesperado correu em procura de ajuda e mais ou menos oito minutos depois o bote salva-vidas trouxe alguém desmaiado e Taehyung reconheceu o amigo de imediato, correu de encontro ao corpo que estava gelado e quase não tinha pulso, o salva-vidas fez respiração boca a boca e bateu alguns vezes no peito de Jimin que soltou água pela boca e começou a tossir e respirar."

– Jimin, eu falo sério, não vou te enterrar ainda, então por favor, esteja aqui quando eu voltar, entendido? – V não somente pediu, mas mandou em Jimin, que assentiu e subiu para vestir algo que desse para sair, algo que não fosse um pijama. E Taehyung foi se arrumar para a balada.
                                                    X

E lá estava Jimin, deitado na areia, cochilando. Jungkook que resolveu andar novamente por ali viu uma cabeleira alaranjada conhecida para si. Ele não se sentia culpado por nada pois não sabia o que tinha acontecido com o ruivo, sentia apenas um pingo de culpa por ser tão filho da puta ao ponto de dizer que iria mandar uma mensagem a um ser tão maravilhoso como Jimin e não a ter mandado. Dessa vez - diferente da noite anterior em que tinha visto a mesma cena - sentiu uma vontade de ir até aquele ser humaninho dorminhoco. Achou sua oitava maravilha, tirou seu celular do bolso e capturou uma foto de um Jimin completamente fofo dormindo com os cabelos bagunçados. Parecia tão bem que ele decidiu não o acordar, por fim abaixou do lado do alaranjado e deixou um pequeno selinho em sua bochecha e por fim e sua boca. Jimin nem reagiu, estava sereno enquanto dormia e Jungkook resolveu sair dali antes que o outro acordasse, porém parou quando viu bandagens nos braços dele. Abriu-as com cuidado e viu a quantidade de cortes que tinha ali. Se segurou muito para não deixar algo vir à tona naquele momento e decidiu lembrar-se da noite em que dividiram pensamentos e coisas pessoais, talvez Jimin tivesse falado algo que o comprometesse ou ao menos se seu braço tinha algum corte e decidiu enfim que não tinha visto e nem percebido nada que entregasse o outro. Então amarrou de volta o curativo e deixou pequenos selares em cima deles para que curasse rápido e saiu dali antes que o menor lhe percebesse ou até mesmo antes que resolvesse se apegar de vez aquela criatura fofa.
                                                    X

Jimin acordou horas depois e ficou sentado vendo o nascer do sol. Dessa vez não conseguiu pensar em nada, apenas ficou com seus fones de ouvido e prestando atenção em tudo em sua volta, o céu, as estrelas, as cores, árvores, areia, barraquinhas, pedras, prédios, casas, tudo que estava ao alcance de seus olhos ele observava e refletia algo sobre, como a cor das casas, a arquitetura delas, o tamanho das árvores, o formato delas, as estrelas e a distância da terra até uma delas, ele pensava em qualquer coisas para não imaginar nada com Jungkook, ou não imaginar nada que o fizesse criar expectativas. 

Taehyung antes de sair, disse que voltava entre as 05:30 e 06:30, e já eram 06:00, como na noite anterior, Jungkook não apareceu, e não mandou mensagem. Decepcionado pela segunda vez ele se levantou e começou a ir em direção a casa. Nem reparou no perfume que tinha perto de si e um pouco em seus braços e bandagens, rosto e boca. Não lembrava nem de ter cochilado.

Após chegar da praia, encontrou Tae lhe esperando no portão, eles entraram sem dizer nada, principalmente pelo outro estar bêbado, seguiram cada um para o seu quarto e dormiram. Os meninos acordaram a tarde e foram para alguma festa e deixaram Jimin dormindo. Chegaram para se arrumar para outra balada e encontraram Jimin preparado para ir dar sua volta novamente. Não lhe foi dito nada pois ele sabia que teria que voltar na mesma hora que voltou antes e assim cada um prosseguiu com o que iria fazer.
Era sempre assim na verdade, quase não trocavam palavras quando iam para lá, eram tão ocupados em se arrumar, cochilar e festejar que mal dialogavam pois era nítido o que tinham que fazer que era se arrumar e sair, dormir e se arrumar, sair e dormir. Comiam quando tinham fome, e bebiam sempre. Era essa a semana, mas dessa vez com uma pessoa a menos. Jimin mudou nessa vez, ele sabia na verdade que Jungkook não iria vê-lo mais, porém ele estava gostando de ficar sozinho na praia ou deitado e jogando do que ir beber e se esfregar em qualquer um, ele estava gostando de verdade, sem falsas emoções ou sensações dessa vez. Ele agradecia a Jungkook que mesmo sem lhe contatar (parecia até aquelas transas de uma noite só em que a mulher, vulgo Jimin, ficava esperançosa que o homem, vulgo Jungkook, ligasse depois, mas no fundo sabia que não ia rolar), tinha lhe aberto a mente para o que realmente precisava, pelo menos ele pensava assim.

Para ele, o que precisava era de liberdade, seu próprio espaço, e se livrar de festas logo numa época que era de costume. Foi como sair da casa de seus pais, ele ganhou independência daquilo. Mas assim como pensou naquele primeiro dia, ele precisava mesmo era de um amor, mas esperemos que ele perceba isso.

Jimin ficou a noite inteira disperso, andando de lá para cá, hora molhava os pés na água gelada, as vezes saia cantando alto as músicas que escutava, outras vezes dançava, mas sempre que sentava - toda vez sem nenhuma exceção - ele sentia o olhar de alguém sobre si, porém não via ninguém quando olhava em volta de si, e logo apagava esse pensamento, não queria imaginar que era Jungkook ali mesmo que não tivesse o vendo. 

Já do outro lado da rua, num dos apartamentos rolava uma festa particular, essa em que Jungkook estava, e depois de uma hora ter ido na sacada respirar um pouco, avistou a cabeleira laranja saltitando na areia, ele riu com a cena e toda hora voltava ali pra ver o menor e sempre ria de como ele se encontrava, parecia estar dançando, outra vez parecia estar cantando, depois estava sentado, e ria mais ainda quando o outro percebia estar sendo observado e ficava virando sua cabeça pra lá e pra cá procurando seu admirador secreto. Ele se praguejava por estar observando a pessoa que menos deveria se preocupar, ele iria se arrepender muito depois, sabia disso, mas era mais forte que si. 

Quando voltava para dentro do apartamento, encontrava várias meninas e meninos, alguns pelados se comendo ali mesmo e outros com roupa, mas ainda assim se comendo com as mãos, e é claro que ele participava daquilo.

Depois de horas ali, Jimin voltou para casa e assim como no dia anterior, encontrou Tae ali lhe esperando.

Tudo, exatamente tudo aconteceu como no dia anterior, desde a chegada de manhã em casa assim como a saída de noite de casa. Como foi dito, a rotina dali era sempre a mesma, e Jimin nem se importava com aquilo, ainda mais agora em que se encontrava sentado na areia que se sentou nos últimos dias. Dessa vez ele passara o tempo jogando no celular, ele precisava quebrar todos os recordes se não nunca iria sair dali. É, ele gostava de impor esses desafios a si. Tosco? Talvez, mas ele era feliz.

Jungkook dessa vez não estava mais ali, ele estava no avião voltando para sua casa. Seus pais sempre faziam com que ele voltasse logo para chegar em casa no sábado e poder passar um pouco do feriado com a família. Ele imaginava o que Jimin estava fazendo naquele momento.


Notas Finais


Espero que estejam ansiosos como estou
Podem comentar ou fazer o que quiserem :3
Beijos, até o próximo
E eu tenho que aprender e lembrar o que tenho que falar aqui e-e
<3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...