História Are You (Un)Happy? - Imagine Jungkook - Capítulo 22


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Cho Seung Yeon, J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Bangtan Boys, Drama, Imagine, Jungkook, Luizinho, Romance
Exibições 447
Palavras 2.356
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


ME DESCULPEM O ATRASO

Eu não conseguia pensar em nada pra esse capítulo, foi um parto pra escrever ele, mas finalmente aqui está!

Aliás, eu também to atordoada com o novo capítulo de Amor Doce. TEM ATUALIZAÇÃO DO ARMIN E DO ALEXY, EU TO PIRANDOOOOOOOO.

Alguém aí joga? Meu nick é MorganaVondergeist, vamos ser ameguenhas. qq

Aproveitem!

Capítulo 22 - ... And I Like It.


[S/N On]

Eu continuava beijando meu melhor amigo.

Na verdade, isso não se prolongou por muito tempo; Quando o ar finalmente me faltou, me lembrando do que estava fazendo, empurrei levemente Luizinho e saí do braço do sofá, andando nervosamente pela sala.

— Ah, não. Não, não, não, não, não, não, Luizy, não, você não pode fazer isso comigo, não! Não, não, não!

— Eu... E-Eu... Ai, meu Deus, me desculpa, eu não... — Luizy também pareceu atordoado e passou a mão pelo cabelo. — É só que... Eu te beijei e... E você não recusou, eu pensei que você queria, e...

— Não, eu não queria! — Bati o pé no chão. Luizy ficou um tanto decepcionado.

— Não?

— Não! Não, quer dizer, sim! Não! Eu... Eu não sei! Ah, meu Deus... — Baguncei completamente meu cabelo. — É... É melhor eu ir.

— E-Eu... Também acho. — Luizinho respirou fundo algumas vezes, me levando até a porta. Como nós estávamos constrangidos demais, não nos abraçamos nem nada. Eu apenas murmurei um "tchau" e saí.

A primeira coisa que fiz quando cheguei em casa foi mandar uma mensagem para Sun-Hee pedindo para ela vir urgentemente. Como ela era bastante curiosa, não demorou muito até que ela aparecesse na minha porta. Quando a levei para meu quarto, me senti livre para contar tudo o que aconteceu. Ela surtou.

— POR. QUE. VOCÊ. FOI. EMBORA?! — Perguntou, já visivelmente alterada e boquiaberta. Balancei a cabeça negativamente.

— Luizy é meu melhor amigo, unnie, isso não podia ter acontecido! — Respirei fundo. — Eu... Eu só perdi a cabeça.

— Sério? Porque parecia mais que ele estava tentando tacar fogo em você, pelo que me contou. — Sun-Hee ergueu uma sobrancelha.

— Argh, eu sei... — Me sentei ao lado dela, apoiando meus cotovelos nos joelhos e o rosto das mãos. — Quando éramos crianças, ele sempre fazia esse tipo de coisa. Teve uma vez que ele encheu nosso esconderijo secreto de flores e perguntou se eu queria ser a esposa reserva dele se chegasse aos quarenta anos solteiro.

— Ninguém faz isso. — Ela disse.

— Exatamente. — Suspirei.

— Não, S/N. Ninguém faz isso mesmo. Pelo menos, o Yoongi-oppa nunca faria pra mim. — Sun-Hee sorriu, sonhadora, o que me fez ficar reflexiva. Ela tinha razão, ninguém faria isso. — Mas fazer o quê, meu lado "romântica incorrigível" deve ter se aflorado desde o início do meu namoro.

Assenti, pensativa.

— Até por que Jungkook já está saindo com outras garotas, e... — Ela deu com a língua nos dentes e parou assim que viu minha expressão de espanto, pigarreando.

— O que você disse?

— Não, eu não disse nada! — Ela tentou disfarçar, mas minha respiração já estava se descompassando. — Bom... O Namjoon-oppa o levou para uma casa de strip tease hoje mais cedo, e... Só o Namjoon-oppa voltou.

— Ah, não... — Me levantei, começando a andar pelo meu quarto. Meus olhos já ardiam. — Então quer dizer que o nível dele desceu tanto a ponto de pegar uma vadia qualquer?!

— S/N, pense só... Ele ainda esperou quase quatro meses pra fazer uma coisa dessas, você não acha que isso significa algo?

— Não, unnie, eu não acho! — Exclamei, já começando a soluçar. O pensamento de Jungkook estar com outra garota era como uma facada no meu peito. — Eu... Eu não sei... Argh, merda! Merda!

— S/N, calma... — Sun-Hee tentou se aproximar; por ser mais alta que eu, ela conseguiu me abraçar e me fazer acalmar. — Veja só, esse é outro sinal pra que você siga em frente também. E você conhece o Seungyeon, sabe que ele vai te fazer bem, vai cuidar de você...

— Mas eu quero o Kookie, unnie... — Solucei. — É esse o problema. Eu amo o Jungkook, sempre vou amar o Jungkook, e se eu ficar com o Luizy, vou sentir como se estivesse usando-o para esquecer algo que eu sei que é impossível.

— Bem... Você poderia tentar. Quem sabe você consegue? — Ela acariciou meu cabelo calmamente, me deixando chorar no ombro dela.

— Eu não sei... — Disse com falta de ar. Estava quase desidratada por ter chorado tanto.

— Tente, S/N. Isso não vai matar ninguém. 

 

[Jungkook On]

Já era tarde da noite quando cheguei no dormitório, acho que era 00:36, não sei dizer. Pra alguém que não estava acostumado a ficar acordado até tarde como eu, eu diria que estava bem disposto.

Por ter tido a audácia de tacar meu querido celular na parede, acabei não pegando o número da "Sunshine", mas eu sabia que Namjoon-hyung teria alguma forma de manter contato. Todos já estavam dormindo quando eu cheguei, o que me deu passe livre para tomar um banho rápido e ir me vestir para dormir. Depois do dia cheio, nunca havia sentido tanta falta da minha cama. 

O dia seguinte foi mais uma surpresa ainda.

— Estou feliz de vocês dois terem, ahn... "Se dado bem". — Namjoon-hyung deu uma piscadela pra mim, fazendo todos os outros membros rirem. Ri baixo.

— Não rolou nada ontem. — Acabei revelando. Todos ficaram boquiabertos. — É, não rolou nada.

— Então por que você demorou? — V-hyung perguntou, curioso.

— Bom... Na verdade quase rolou. Mas aí eu não quis mais. — Dei de ombros. — Ela perguntou o porquê e eu expliquei que tinha passado por um término difícil e não tinha nenhuma relação sexual há quase quatro meses. Ela aceitou, nós conversamos, ela disse que também tinha passado por um término ruim, por isso tinha virado stripper, e nós combinamos de sair de novo hoje à noite.

Todos ficaram boquiabertos com a história. Assenti, sorrindo.

— Aliás, o nome dela é Gabriela. Ela é canadense.

— U-... Uau. — Namjoon-hyung riu. — Nossa, Jungkookie. Meus parabéns.

— É, parabéns, Jungkook-ssi! — Hoseok-hyung exclamou, animado.

Todos os membros do Bangtan ficaram o café todo me parabenizando sobre minha "noite" com Sunshine, menos Jimin-hyung, que fazia questão de ficar fora da conversa com fones de ouvido. Ao terminar de comer, fui até ele.

— Hyung? — Me sentei ao seu lado, fazendo-o retirar um dos lados do fone. — O que você tem?

— Nada. Por quê?

— Bom... Você sempre foi a primeira pessoa a falar comigo depois de um fato raro desses acontecer... E agora você nem quer tocar no assunto. Está tudo bem?

— Ah... Sim, tudo bem. — Ele deu de ombros. Ergui uma sobrancelha, e ele retirou os fones de ouvido. — Certo. Não gostei disso, pronto.

— O que? — Ri, incrédulo. — Mas... Por que?

Jimin-hyung engoliu a seco, como se estivesse reprimindo algo, e voltou a ouvir sua música.

— Não é nada. Vai lá comemorar com eles. — Deu um sorrisinho, voltando sua atenção para seja lá o que estivesse tocando em seu fone. Resolvi nem argumentar, Jimin-hyung estava agindo estranho naqueles dias e eu já estava ficando assustado.

Pela primeira vez naqueles meses, eu me sentia finalmente feliz. Quer dizer, minha vida profissional estava ótima, mas a pessoal estava um saco. Pelo menos, até aquele momento. Sunshine havia conseguido tirar S/N da minha cabeça com apenas uma conversa. Apesar de me sentir um pouco desconfortável de sair com uma garota mais velha, aquilo não me importava no momento.

À noite, quando me arrumava para encontrar Sunshine numa praça próxima, Jin-hyung veio até mim sorridente.

— Uau. Você parece o dono de uma empresa com mais classe de toda Seul. — Ele ajeitou meu cabelo. — Você está animado?

— Nem tanto. Vamos apenas conversar, hyung. — Dei de ombros.

— Certo... — Ele riu. — Divirta-se, pequena criança.

Sorri, assentindo, ajeitando minha jaqueta. Saí do meu quarto, deixando Jin-hyung sozinho ali, mas parei assim que ouvi uma conversa paralela no quarto de Yoongi-hyung, junto com Sun-Hee noona. Não cheguei a ouvir toda a conversa, mas ouvi uma parte que foi como se uma garra se gravasse no meu peito e tentasse arrancar meu coração à força.

"... Ele simplesmente a beijou, Seungyeon beijou S/N sem mais nem menos."

Parei. E toda a dor voltou.

Meus olhos imediatamente marejaram, mas eu me recusei a chorar. No momento, eu não queria mais saber de nada, não queria mais sair, só queria poder ficar no meu quarto sozinho. E foi o que fiz; saí correndo em direção ao meu quarto, e ali fiquei. Com uma das minhas próprias almofadas, comecei a abafar gritos de ódio e de dor que eu havia guardado há muito tempo. Gritei, gritei até a garganta arranhar e os gritos se transformarem em soluços de choro. Eu amava uma pessoa que agora já não era mais minha. E agora eu estava sofrendo por essa pessoa.

[…]

 

— Ei, Jungkook, o que está fazendo aqui? Você não deveria estar com a Gabriela? — Jimin-hyung perguntou ao me ver passando de fininho pela sala de jantar, aonde ele comia um lanche noturno junto à Jin-hyung. Suspirei.

— Ah é, eu... Cancelei. — Dei de ombros, com o sorriso mais falso de toda a minha vida.

— O que? — Jin-hyung franziu as sobrancelhas. — Mas você estava todo animado há quase uma hora atrás...

— Eu só cancelei, hyung. — Disse, cortando-o. — Só... Me deixem sozinho por um momento, sim?

Pedi. Naquele momento, eu queria ficar completamente absorto nos meus pensamentos, sozinho.

Ao passar pela sala, me deparei com uma cena não muito comum: Yoongi-hyung tocava Endless Love, do filme chinês O Mito. Ele nem havia visto o filme; ouviu a música e se interessou em aprendê-la logo. Ele tocava concentradamente no piano, com Sun-Hee noona ao seu lado o observando intensamente. Vez ou outra ele também olhava para ela e sorria, como eu nunca havia visto ele sorrir antes. Em um momento, Sun-Hee noona encostou a cabeça no ombro de Yoongi-hyung e soltava alguns suspiros.

Talvez fosse daquilo que eu sentisse falta. De ter alguém ao meu lado me olhando daquela forma, daquela forma que eu adorava. Ter alguém sorrindo, um sorriso maravilhoso, de alegria.

— Viu como é simples? — Yoongi-hyung terminou de tocar, olhando para Sun-Hee noona. — Aprendeu?

— Ah... Aham, aprendi sim. — Ela fez uma careta, assentindo. — Prestei bastante atenção apenas no piano, nem percebi que você estava do meu lado.

— É claro... — Yoongi-hyung sorriu e beijou a namorada. — É bom saber disso.

Balancei a cabeça negativamente, com um sorriso triste, subindo para meu quarto. Mas eu sabia que não ficaria sozinho por muito tempo; não demorou muito até Jimin-hyung ir até meu quarto com uma bandeja de comida.

— Jungkookie? — Ele entrou. Eu havia esquecido de trancar a porta. — Veja, eu trouxe pão de cebola, pizza...

— Não gosto de pão de cebola. — Dei de ombros. Jimin-hyung ficou me encarando com a sobrancelha arqueada. — Que foi?

— É sua comida favorita. — Ele disse. Engoli a seco. — O que tá acontecendo, Jungkookie?

— Eu posso ter parado de gostar, e...

— Não é disso que eu estou falando e você sabe disso. — Jimin-hyung me interrompeu, sério, e logo repetiu: — O que está acontecendo, Jungkook?

Suspirei.

— Eu estou enlouquecendo... — Segurei minha cabeça nas mãos. — Eu prometi pra mim mesmo que não sofreria mais pela S/N... E parece que isso só me fez sofrer por ela ainda mais. Por que eu estou sentindo isso?

— Talvez por que você ainda a ame. — Ele deu de ombros. Bufei. — Jungkook, você precisa conversar com alguém sobre isso...

— Eu não a amo. — O interrompi. — E eu não preciso conversar com ninguém. Eu só ainda não a esqueci, por que o que ela fez comigo não é algo que se esqueça facilmente. Eu tô bem.

— Sabe, às vezes, depois de uma situação dessas, as pessoas costumam conversar com alguém próximo...

— Eu já disse que tô bem! — Me levantei, fazendo Jimin-hyung dar um leve pulo de susto. — Sabe, talvez eu só queria mesmo é ficar sozinho. Lembra que eu pedi isso? Mas você sempre tem que ficar se metendo, sempre! SEMPRE! Tudo o que eu quero é esvaziar a minha cabeça e finalmente poder viver em paz!

Agora, Jimin-hyung não me olhava mais gentilmente. Ele me encarava triste, decepcionado. Seus olhos marejaram. Imediatamente me senti mal por ele.

— Hyung...

Eu só queria ajudar. Desculpa. — Ele abaixou a cabeça.

— Você vive me pedindo desculpas, hyung... Por quê?

— Eu... — Ele parou pra pensar. Parecia assustado. — Eu só me sinto culpado...

— Mas por quê? — Franzi as sobrancelhas. — Você nunca faz algo de errado. Pelo menos não querendo.

— Você fica triste quando eu faço esse tipo de coisa. Quando “me meto” na sua vida.

— Hyung. — O chamei, sério. — Você tem algo pra me contar?

Jimin-hyung respirou fundo, abaixando o olhar. Ficou olhando pro chão por uns dez segundos, até respirar fundo e olhar para mim novamente.

— Não. Não tem nada, eu só estou pensativo com algo que eu fiz. — Ele deu de ombros. — Não precisa se preocupar.

Suspirei, mas assenti. Jimin-hyung era como Sun-Hee noona: Não conseguia guardar um segredo por muito tempo. Eu saberia se fosse importante, ele me contaria.

— Então... — Mordi o lábio inferior. — Você quer comer comigo?

Jimin-hyung ergueu o olhar para mim e sorriu, me fazendo sorrir também.

 

[S/N On]

Mesmo não me sentindo segura para ir no dormitório do UNIQ sozinha, eu tive que ir. Luizy e eu precisávamos conversar sobre aquele beijo e logo, para proteger a amizade.

Assim que a porta foi aberta para mim por um dos meninos, Wenhan, todos eles vieram correndo para me abraçar, menos Luizinho. Quer dizer, ele sorriu e ficou animado com a minha chegada, mas não fez nada mais além disso.

— S/N! Que bom que você veio! — Sungjoo disse, animado. — O que está fazendo aqui?

— Nós sentimos sua falta, você nunca mais deu notícias para nós, além do Seungyeon, é claro. — Yixuan deu um sorrisinho, levantando levemente as maçãs do rosto. Sorri, meio sem jeito.

— É, ahm... Luizy? — Chamei Luizinho, que nos observava quieto. — Nós precisamos conversar.

Todos os membros do UNIQ se entreolharam, e Yibo e Wenhan foram os primeiros a sair da sala sem nem mesmo eu pedir. Logo depois, Yixuan saiu e por último, Sungjoo.

— Não, nós não precisamos conversar. — Luizy disse, entredentes, com um sorriso forçado no rosto.

— Precisamos sim. — Franzi as sobrancelhas.

— Não, não precisamos. — Ele arregalou levemente os olhos. Suspirei.

— Precisamos falar sobre ontem. — Disse, fazendo-o suspirar também.

— Olha... Aquilo foi um erro, tudo bem? Me desculpa. Eu não queria fazer aquilo, não queria mesmo. — Ele abaixou o olhar. — Mas eu estava com tanta vontade de te beijar naquele momento... Eu sei que eu não deveria ter te forçado, é só que...

— Luizy, não...

Luizinho então respirou fundo e ergueu o olhar para mim, dando um sorrisinho triste.

— Eu te amo você, S/N. 


Notas Finais


Já tá ficando todo mundo é louco nessa fanfic. E agora? #TeamLuizy ou #TeamJungkook? ;-;

Saranghae!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...