História Are You (Un)Happy? - Imagine Jungkook - Capítulo 34


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Cho Seung Yeon, J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Bangtan Boys, Drama, Imagine, Jungkook, Luizinho, Romance
Exibições 187
Palavras 3.642
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


OI BRASEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEL

Aqui estou eu com o primeiro capítulo especial da Fanfic (fogos de artifício), TUDO BEM COM VOCÊS?

Comigo não. Vai ter show do BTS no Brasil e eu não sei como lidar. Tô desesperada. ;u;

Anyway, antes de começar, gostaria de dizer que sim, eu ainda não respondi os comentários anteriores, e há uma grande chance de eu não respondê-los (ISSO NÃO É UMA CERTEZA, EU POSSO RESPONDER ALGUNS OU TODOS ALGUM DIA! <3) simplesmente pelo fato de não conseguir pensar em nada pra responder. ;u; Mas eu quero que vocês saibam que eu já li e reli todos eles e agradeço a todos por tantos elogios e comentários! AYUH foi uma ótima fanfic e eu adorei escrevê-la pra vocês. <3

Agora, sem mais delongas, vamos para o capítulo! Não esqueçam de ler as notas finais!

Capítulo 34 - Capítulo Especial 1 - Congratulations!


[S/N On]

— Nossa, você está enorme. — Foi a primeira coisa que Yoongi disse ao nos ver na porta de seu apartamento, rindo baixo. Apenas revirei os olhos.

— Muito engraçado. Isso não é gordura, são as cabeças dos filhos do seu dongsaeng que fazem com que eu pareça que esteja na frente de um daqueles espelhos malucos em que a gente fica enorme!

— Ei, ei. Calma aí. — Yoongi continuou rindo. — Eu só queria aliviar a tensão, você parece tensa.

— São gêmeos, hyung. A tensão vem em dobro. — Jungkook deu de ombros. — Eu não a culpo, na verdade. Ela já quebrou duas costelas por causa da barriga de grávida.

— Meu Deus! — In exclamou. — E eu que me achava gorda quando estava grávida da Sun!

— Por falar nisso, aonde ela está? — Como se nada tivesse acontecido, abri um sorrisinho bobo. — Temos uma surpresa pra ela.

— Ela provavelmente já sabe, mas eu acho que ela vai gostar. — Jungkook também sorriu. In me ajudou a entrar e me colocou sentada no sofá, enquanto Yoongi foi buscar a filha no quarto. A menina já tinha quase três anos, mas ele não se confiava em deixá-la descer as escadas sozinha.

— Olha, Sun! O tio Biscoito e a tia S/N estão aqui! — In pegou a pequena no colo, que sorriu. Ela acenou para nós dois.

— Ei, Sun. Você sabia que hoje é o aniversário do Taekwon-oppa? — Revelei, batendo palmas. Sun-Hee abriu mais seu sorriso e olhou para a mãe.

— Ele vai vir?

— Não, ele tem que passar esse dia com a família, Sun. — In beijou a bochecha da filha.

— Mas tá acontecendo uma festa de aniversário agora na casa dele! — Jungkook disse, entusiasmado.

— Essa era a surpresa? — Yoongi, como sempre, estava com ciúmes de Sun-Hee. Jungkook riu e assentiu.

— Vamos ligar pra ele! — Sun-Hee ergueu os bracinhos e desceu do colo de In, indo direto para o telefone. In discou o número da casa de Taekwon e esperou que alguém atendesse, para então passar o telefone para a filha. Aparentemente, a primeira a atender foi Hwa-Min e ela fez o trabalho de passar para Taekwon.

"Alô?" A voz do pequeno ressoou pela linha. Sun-Hee sorriu.

— Oi, Taekwon-oppa!

"Sun-Hee! Hoje é meu aniversário! Canta parabéns pra mim?"

Sun-Hee pegou o controle da televisão e mudou para uma pasta num pen-drive que estava conectado, aonde o instrumental de "Parabéns pra você" começou a tocar. Ela pulou de alegria.

— Tá ouvindo, oppa?

"Sim!" Taekwon riu do outro lado da linha, animado. "Sun-Hee, vem aqui em casa!"

A pequena olhou para a mãe com um sorriso de orelha a orelha. In, que apoiava aquele "relacionamento", assentiu e falou para que ela respondesse algo.

"Ei, Sun! Você quer ir amanhã na Disneylândia comigo?"

Yoongi começou a prestar atenção na conversa com a sobrancelha erguida. In, novamente, incentivou a filha a responder.

— Oppa?

"Hum?"

— Você... Quer ir amanhã na Disneylândia comigo?

Jungkook prendeu o riso. Mas não era a exata pergunta que Taekwon havia feito?

"Sim, eu quero!"

— Então, isso é um encontro? — Yoongi disse, pensativo.

Após alguns acertos, Sun-Hee devolveu o telefone para In, que conversou mais um pouco com Hwa-Min e desligou. Ela deixou Sun-Hee comigo enquanto foi buscar uma roupa para trocar a filha, já que a pequena já estava de pijamas. Pijamas de vaquinha dado por mim, é claro.

— Ei, Sun. Quem você prefere: o appa ou o Taekwon-oppa? — Perguntei, batendo na mãozinha dela. Ela não hesitou em responder.

— Taekwon-oppa.

— E-Ela sempre escolhe a segunda opção! Veja só: — Yoongi tentou se defender. — Sun, quem você prefere: o tio Biscoito ou o appa?

Novamente, Sun-Hee não hesitou em responder.

— Tio Biscoito.

Yoongi fez uma carinha triste e abaixou a cabeça, cobrindo o rosto como se fosse chorar. Sun-Hee imediatamente foi ver o que estava acontecendo e, ao ver o pai triste, ela abraçou-o. Yoongi então levantou a cabeça e piscou para nós sem que ela visse, para que não soubesse que ele não estava triste de verdade.

Fiquei imaginando; logo, aquela cena poderia acontecer mais tarde, com Jungkook, nossos filhos e eu.

— Vamos, Sun-Hee?

[…]

— Nossa, você está enorme. — Taehyung coçou a nuca ao abrir a porta para nós. Bufei.

— EU SEI DISSO, TÁ?!

— Oppa, deixe-a em paz. — Hwa-Min, gentil como sempre, tocou no ombro do marido e nos deixou entrar. Ela trazia a pequena Taegeuk nas mãos, a bebê que nasceu na noite do meu casamento. Mesmo tendo passado apenas alguns meses - nove, para ser exata -, Hwa-Min já estava com uma cinturinha invejável, como se ela não tivesse ficado grávida quatro vezes com apenas um ano de diferença. — Você está ótima para quem está grávida de gêmeos, S/N. Vocês já deram nomes?

— Já sim. — Abri um sorrisinho. — Wonwoo e Mingyu.

— São lindos. — Hwa-Min nos levou até a sala de estar. — Podem ficar a vontade! Sun, você pode ir brincar com o Taekwon e com o Junseo. Você lembra do Junseo, não é? O filho do tio Hoseok!

— Ah, eu estou vendo. — Yoongi abriu um sorrisinho. — Aquele ali não é o seu namorado, filha?

Sun-Hee seguiu o olhar do pai até Taekwon, que realmente estava brincando com Junseo, mas também com mais outras três garotinhas, provavelmente suas amiguinhas do Jardim de Infância. A pequena então, do nada, desatou a chorar alto. Mas foi alto mesmo, até Taekwon ouviu.

— Quer parar de tentar acabar com o relacionamento da nossa filha?! — In bufou, irritada.

— Eu? O garoto é quem não se segura! — Yoongi se defendeu. In bufou novamente e consolou a pequena Sun-Hee.

— Por que você não vai conversar com o Tae-oppa, meu amor?

Sun-Hee, muito relutante e soluçando, acabou assentindo. Rimos baixo.

— E você. — In bateu no peito de Yoongi. — Se tentar algo contra qualquer demonstração de carinho do Tae e da Sun, eu te proíbo de assistir as reprises de Hello Baby!

— Mas, mas... — Yoongi fez um bico. — Tá bom...

Jungkook e eu fitamos o mais velho. Ele ergueu uma sobrancelha.

— O que foi?

— Hello Baby? — Jungkook riu. — Já fazem quantos anos que isso saiu?

— Não interessa, tá? — Yoongi bufou. — E-Eu... Eu gosto de crianças, e Hello Baby é um programa adorável.

— Já que você gosta tanto de crianças, aceita ter mais uma? — In deu um sorrisinho travesso. Jungkook e eu prendemos o riso, enquanto Yoongi ficava mais vermelho que o vestido de Sun-Hee.

— In! Já conversamos sobre isso!

— O que foi? — Ergui uma sobrancelha.

— Eu quero dar um irmãozinho para a Sun. Mas o sr. Simpatia aqui não quer. — In suspirou. — Min! Min, vem aqui. Você é mãe de quatro filhos, dê sua opinião.

A pobre Hwa-Min, que estava longe da conversa, foi puxada pela mais velha, que insistia e insistia. Yoongi apenas cruzou os braços.

— O que você acha sobre ter mais de um filho?

— Ah, é bom. — Hwa-Min sorriu gentilmente, como sempre. — Como vocês são pessoas ocupadas, um irmãozinho ou irmãzinha seria uma ótima companhia para a Sun.

In murmurou um "obrigada!", animada, e Yoongi suspirou.

— Um segundo filho vai dar trabalho.

— A Sun-Hee não deu trabalho! — In protestou.

— É óbvio, ela é minha filha! Tudo o que ela fazia era dormir! — Yoongi passou a mão pelo cabelo. — Mas um segundo filho? Ele iria herdar os seus genes, e você é sempre ligada nos 220. Nem pensar.

Aquela discussão se prolongou por um belo momento. Jungkook e eu saímos de fininho da cena, nos sentando num sofá bem longe do alvoroço da família Min, aonde podíamos ter uma boa visão das crianças.

— Está com fome? — Jungkook perguntou rente ao meu ouvido e eu assenti, sorrindo. Ele então inclinou-se para minha barriga e acariciou-a delicadamente. — E vocês, estão com fome?

Não demorou muito até um dos bebês chutar. Os olhos de Jungkook brilharam.

— Ele chutou!

— É por que ele já está ficando estressado de tanta fome! — Arregalei levemente meus olhos, fazendo Jungkook rir. Ele mesmo se prontificou a ir buscar algo para comer, me deixando sozinha no sofá. Dali, presenciei uma discussão de relacionamento mirim, aonde Sun-Hee era a protagonista.

Taekwon tentou falar com a garota quando a mesma se aproximou, mas como se não tivesse visto, Sun-Hee apenas ignorou-o e passou reto. Não pude deixar de dar uma risadinha da expressão confusa de Taekwon. Ele era igualzinho ao pai.

Foi quando senti um certo incômodo no lado esquerdo da minha barriga, como se os bebês tivessem combinado de chutar ao mesmo tempo. Jungkook, que chegou bem na hora, ainda conseguiu ver uma expressão de desconforto estampada no meu rosto.

— O que aconteceu? Está tudo bem?

— Ah, sim. — Abri um sorrisinho. — Só um pequeno desconforto. É normal.

— Você está com esse pequeno desconforto desde que saímos de casa. — Jungkook ergueu uma sobrancelha.

— É sério, está tudo bem. — Acariciei o rosto do garoto, que acabou suspirando e assentindo. Hwa-Min chamou todos para bater parabéns para Taekwon já com um isqueiro para acender as velinhas. Sun-Hee já tinha até esquecido que estava com raiva do menino e estava ao lado dele na hora do parabéns, quando Taehyung pegou-o no colo.

Outro incômodo que, na verdade, foi bem incômodo. Quase como uma pontada de dor. Abaixei a cabeça e mordi levemente o lábio inferior, quando Jungkook me abraçou de lado.

— Ei, o que houve?

— Não foi nada. — Dei um sorrisinho. Jungkook revirou os olhos.

— Você está dizendo isso desde ontem, e hoje de manhã esse "nada" ficou mais intenso.

— Você não lembra que o médico disse que isso é normal? É o chamado "falso trabalho de parto". É só eu me distrair que passa. Ignorar, lembra? — Suspirei. — Eu já disse, está tudo bem. Se não estivesse, eu te avisaria. E o médico disse que eu saberia quando fosse a hora.

O mais velho suspirou antes de assentir. Com tudo resolvido, nós começamos a bater os parabéns.

"Saengil chukhahamnida

Saengil chukhahamnida

Sarangha-neun Kim Taekwon

Saengil chukhahamnida"

A pequena Sun-Hee deu um curto selinho no menino, ruborizando completamente. Esse pequeno ato fez com que todos os presentes sorrissem, inclusive eu, mesmo com aquele desconforto aumentando.

Assim que tudo acabou, imediatamente tratei de me sentar no sofá. Agora, uma dorzinha irritante tomava conta de parte do lado esquerdo da minha barriga.

— Há quanto tempo você está assim? — Taehyung, que foi chamado por Jungkook, se sentou ao meu lado e acariciou minha barriga.

— Desde ontem, mas hoje de manhã se intensificou. — Mordi o lábio inferior. — Os intervalos estão diminuindo, estão a cada cinco minutos agora.

— E se diminuírem mais, nos entitulamos "mamãe" e "papai", tá? — Jungkook beijou minha bochecha e se inclinou para meu ventre. — Ei, Wonwoo. Ei, Mingyu. Tudo bem aí? Parem de causar desconforto à sua mãe!

[…]

 

[Yoongi On]

— Eu só dizendo que você não precisa ir até Jeju-do pra ver aquelas estátuas que, SEGUNDO A HWA-MIN, ajudam na fertilidade. Tem uma estátua dessa em cada esquina!

— Mas eu quero ir num lugar especial! — In bufou, irritada.

— Ok, certo... In, você lembra como doeu quando a Sun-Hee nasceu? Você lembra da dor, certo? — Tentei novamente, tentando fazê-la desistir da ideia de ter outro filho.

— Não, eu não lembro não. — In cruzou os braços.

— DEIXA DE SER TEIMOSA!

— NÃO! VOCÊ NÃO VAI TIRAR ESSA IDEIA DA MINHA CABEÇA TÃO CEDO! — In também gritou. — Antes o Jungkook sair correndo e gritando igual a um louco do que eu desistir dessa ideia.

Foi quando começamos a ouvir, ao longe, um grito que foi se identificando. "Hyung!", "hyung!", "hyung!".

— Agora só falta você desistir da ideia. — Cruzei os braços.

— Hyung! — Jungkook foi até onde nós estávamos, na cozinha, e parou ofegante. O peito subia e descia por debaixo da camisa e ele tinha um leve brilho de transpiração no rosto. — H-Hyung... Eu... Hyung...

— Ei, se acalma. — Ergui uma sobrancelha. — O que houve?

— Eu... A S/N... Ai, espera um pouco... — O mais novo colocou a mão no peito, apoiando-se nos próprios joelhos para respirar. Ele demorou tanto para falar que S/N veio se segurando pela parede, o rosto contorcido.

— O que aconteceu? — In perguntou, preocupada. Foi então que o olhar de todos nós desceu pelas pernas da garota, aonde um liquido transparente escorria.

— Meu. Deus. — Meu coração quase parou. A bolsa dela havia rompido?!

S/N sentiu uma contração e começou a gritar, apertando a mão de Jungkook. O garoto, desesperado, também começou a gritar, o que levou In a gritar e, logo, até eu.

— Ok! Ok! Calma! — Bati o pé no chão. — Ok, e-eu tô no controle aqui. Jungkook, vai avisar o Taehyung e a Hwa-Min que a In e eu iremos levar a S/N para o quarto. Rápido!

O mais novo beijou a bochecha da esposa e saiu correndo, enquanto In segurava S/N pelos braços. Ela tinha a respiração pesada e tentava controlá-la, andando a passos lentos. Foi quando tratei de pegá-la no colo para subir as escadas até o quarto.

[…]

— Por que ninguém levou ela pro hospital?! — Hwa-Min passava um pequeno pano na testa de S/N, que soltava baixos gemidos de dor.

— Agora é tarde, o bebê tá coroando. — S/N mordeu o lábio inferior.

— Cadê o Taehyung? — Perguntei, sem saber o que fazer.

— Ele e os outros oppas vão levar as crianças para passear. A maioria aqui é filho do Tae-oppa, então não foi um problema. — Hwa-Min deu de ombros.

— Espera, a Sun-Hee foi?!

— Sim, eu a autorizei. — In ergueu uma sobrancelha, falando ao telefone. Eu resolvi nem questionar.

— Lá vem mais uma... — S/N mordeu o lábio inferior e abaixou a cabeça, ofegante. Jungkook foi para seu lado e segurou sua mão.

— Amor, quando você sentir dor, é só apertar a minha mã-... — Ele nem teve tempo de terminar de falar. Uma contração atingiu S/N em cheio e ela gritou alto e esganiçado, apertando a mão do maknae com tanta força que eu pensei que fosse partir ao meio. Jungkook também gritou, quase chorando. — T-Tá, tá! Ahm... E s-se eu fizer um chá pra você?

S/N puxou-o pela gola da camisa.

— E SE EU QUEBRAR A SUA CABEÇA?!

— Hyung, socorro... — O maknae choramingou e se escondeu atrás das minhas costas, soluçando.

— Qual o intervalo das contrações? — In perguntou, aflita.

— Trinta segundos! — S/N gritou.

— Trinta segundos, doutor. — In informou ao telefone. — Ah... A-Ah, Deus... Tá, obrigada, oppa.

— O que ele disse? — Perguntei, erguendo uma sobrancelha.

— Não dá mais tempo de ir pro hospital.

— Q-Quem... — S/N reprimiu um grito de dor. — Quem vai fazer o parto?

— Ahm... A Hwa-Min! — Apontei para a mais nova, que ficou boquiaberta.

— Por que eu?!

— Porque você já foi mãe quatro vezes. — Cruzei os braços.

— Sim, mas não fui eu quem fez meus partos. — Hwa-Min suspirou e limpou novamente a testa de S/N. — A In-unnie faz!

— Eu?! Eu não! — In deu alguns passos para trás.

— Tanto faz, alguém só tire essas coisas de dentro de mim! — S/N gritou com a voz quase rouca, pressionando o ventre. Hwa-Min segurou suas mãos delicadamente.

— In, vamos! Fazer o parto deve ser mais fácil do que ter um bebê.

— É... Ahm, tá, pode ser, mas... Eu nunca fiz um parto antes! Eu vou ligar pra um médico, eles podem vir buscar a S/N. Já volto! — A safada da minha esposa saiu correndo do quarto.

—  Yoongi, então você vai ter que fazer o parto. — Hwa-Min ordenou. Quase me engasguei. — Você recheia o peru de Natal todo ano, é a mesma coisa só que ao contrário! Jungkook, me ajude a dar apoio para a S/N. A dor dela é em dobro.

— Nós temos que ligar para um especialista! — Peguei meu celular e comecei a digitar o primeiro número que veio à minha cabeça, trêmulo. — Tá, ahm...

"Hyung?" A voz de Namjoon ressoou do outro lado da linha. Coloquei no viva-voz.

— Nam, a S/N está tendo os bebês! O que eu faço?!

"Leva ela pra um hospital, ué!"

— Não dá mais tempo! — Bati o pé no chão, impaciente. Namjoon respirou fundo.

"E por que você ligou pra mim? Eu não sou médico!"

— Porque você é um gênio. Dã. Você sabe de tudo. — Eu estava praticamente implorando. — Nam, por favor!

Ele ficou em silêncio por alguns segundos.

— Hyung, você já deve ter lido algo sobre isso! Você lê sobre tudo! — Jungkook gritou de onde estava. S/N então soltou outro grito de dor e eu pude imaginar a cena de Namjoon afastando o celular do ouvido. Ri baixo.

"Eu já li sobre isso, mas eu não sou um médico!" Ele suspirou. "Ok, ahm... Se ela for uma mãe primigesta, isso pode demorar um pouco. Em alguns casos, são quase uma hora e meia pra cada centímetro da dilatação."

— Uma hora e meia?! E quantos centímetros são?! — S/N praticamente gemeu de dor.

"Dez."

— Você disse que isso só aconteceria se ela fosse uma mãe primitiva! — Jungkook comentou, curioso.

"Eu não disse primitiva, eu disse primigesta! Significa que ela é mãe de primeira viagem." Namjoon suspirou. "Por isso eu disse que seria melhor levá-la para um hospital! Lá, eles usam um hormônio chamado ocitocina em soro endovenoso, que ajuda a intensificar as contrações, o rompimento da bolsa, quando ela ainda está integra, e a analgesia, que pode ajudar no relaxamento do colo, resultando em maior dilatação. Com isso o tempo de trabalho de parto pode cair até pela metade."

— Namjoon, fale a nossa língua! — Eu já estava ficando impaciente. Namjoon bufou.

"Hyung, apenas verifique se a cabeça dos dois bebês estão viradas para o colo. Se os dois estiverem de cabeça pra baixo, vai ser tudo muito mais fácil. Isso acontece com 50% das gravidez de gêmeos, é só tatear a barriga de S/N ou verificar pela... Por aquele lugar por onde os bebês saem. Eu preciso ir agora, Taehyung tá se enrolando com as crianças. Boa sorte!"

E desligou. Ah, maldito.

— Tá, ahm... — Me ajoelhei à frente de S/N, levantando seu lençol. Juro que vi o bebê piscar pra mim. — Hwa-Min, palavras de motivação. Jungkook, ajude-a.

— Ok. — Hwa-Min sorriu gentilmente, acariciando o rosto da amiga. — Eu já senti essa dor quatro vezes, sei como está nervosa e assustada, ainda mais por ser mãe de primeira viagem. Mas lembre-se de que todos nós estamos aqui para te ajudar e te fazer se sentir bem, se sentir segura e aconchegada. Lembre-se de que todos nós amamos você.

— E eu, principalmente. — Jungkook também sorriu, beijando a testa suada da esposa ofegante. — Você vai ser a mãe dos meus filhos. O mínimo que eu posso fazer é retribuir todo o amor e força que você me deu com meu carinho e atenção. E não se preocupe, pode apertar a minha mão quando sentir dor. Eu aguento, isso não é nada comparado com o que você está sentindo.

— Certo, S/N, agora olhe para o oppa. — Chamei a atenção dela, olhando-a nos olhos. — Quando eu contar até três, você vai empurrar com toda a força que tiver, tá? Tudo bem?

Devagar, a mais nova assentiu. Com seu consentimento, me concentrei no que estava fazendo.

— 1, 2... 3! — Como eu já estava vendo a cabeça do bebê, assim que ela começou a empurrar, ficou mais fácil pra mim. — Você está indo bem, continue!

Ela soltou um grito aguçado e rouco, os vizinhos deveriam estar pensando que estávamos a torturando.

Pouco a pouco, o corpo do bebê foi ficando visível até que, finalmente, segurei a criança por inteiro nos meus braços, chorando alto e compulsivamente. Não era a toa aquilo ter doído tanto; ele era um menino robusto, forte. Entreguei-o para Jungkook para que ele pudesse arranjar alguma forma de aquecê-lo.

— Won... Wonwoo. — S/N deu um sorriso mínimo. Não deu nem tempo de verificar se o segundo bebê estava na posição correta, S/N começou a sentir contrações novamente. Só que, dessa vez, não eram tão dolorosas quanto antes, pelo menos ela não gritava alto.

Namjoon havia dito que em 50% das gravidez de gêmeos, os dois bebês estavam de cabeça para baixo. E, por sorte, S/N fazia parte desses 50%.

— S/N, novamente, empurre com força, ok? — Pedi calmamente. — Eu já consigo ver o Mingyu.

Ela assentiu, fazendo o que eu pedi, apertando a mão de Jungkook e Hwa-Min, soltando um gemido alto de dor. Mas dessa vez, o sofrimento durou pouco e logo deu lugar a uma expressão de alívio e felicidade; não demorou muito até Mingyu também já chorar em cima de mim, me fazendo dar um sorrisinho.

— S/N... Eu te apresento à seus dois filhos.

[…]

— Appa, por que a unnie está dormindo? — Sun-Hee coçou a nuca, analisando S/N descansar tranquilamente em cima da cama. Ela realmente estava cansada; depois de ter amamentado os bebês pela primeira vez, ela imediatamente caiu no sono.

— Porque ela estava com sono. E você também deveria estar, já está tarde. — Peguei minha filha no colo, beijando sua bochecha.

— Olha... Você quer ver? — Jungkook ajoelhou-se perto de Taekwon, de Taemin e de Taeyoun. O último, o mais novo dos meninos, quase deu um tapa sem querer no recém-nascido apenas por curiosidade, mas os reflexos de Jungkook foram mais rápidos. Ele sorriu. — Esse aqui é o Wonwoo. Ele é o mais velho e o mais grandão.

— E esse aqui é o Mingyu. — Hwa-Min veio com o segundo bebê no colo; eles realmente eram iguaizinhos. Taehyung apertou mais a pequena Taegeuk em seu colo.

— O médico disse para levarmos a S/N e os bebês para o hospital pra que possam fazer alguns exames, ver se está tudo bem e se tudo ocorreu certo. Mingyu e Wonwoo precisam visitar os pediatras, também. — In retirou o telefone do ouvido e sorriu, tranquilizadora. Assentimos. — Irão mandar uma ambulância.

— Isso é ótimo. Mas por enquanto, é melhor sairmos daqui e deixá-la descansar. — Sugeri, ajeitando Sun-Hee no colo. Todos os outros concordaram, menos Jungkook, que queria cuidar da esposa. Seria melhor, na verdade.

Em uma fila única, fomos saindo pouco a pouco, comigo sendo o último. Mas, antes de fechar a porta atrás de mim, pude ver Jungkook colocar os dois bebês ao lado da mãe e beijar-lhe a bochecha, sussurrando um "obrigado" antes de começar a fazer carinho no cabelo da mulher e também acabar deitando ao seu lado. 


Notas Finais


Aqui vai a lista de alguns personagens! <3

1 - Kim Taekwon (filho do Tae): http://galerie.nautiljon.com/05/50/leo_william_recipon_432905.jpg
2 - Min Sun-Hee (filha do Suga): http://66.media.tumblr.com/tumblr_mafuw2ZYK41rgiwhyo1_500.png
3 - Kim Taegeuk (filha do Tae): https://s-media-cache-ak0.pinimg.com/736x/cb/37/16/cb371671a3b3521c31a8b1b7cb63f45c.jpg
4 - Jung Junseo (filho do Hoseokão): https://s-media-cache-ak0.pinimg.com/736x/cb/37/16/cb371671a3b3521c31a8b1b7cb63f45c.jpg
5 - Kim Taemin (filho do Tae, de novo): https://s-media-cache-ak0.pinimg.com/236x/f1/4c/d0/f14cd0d69693a6c7e61a0df45e09e986.jpg
6 - Kim Taeyoun (filho do... Ah, vocês já sabem): https://s-media-cache-ak0.pinimg.com/564x/cf/5f/55/cf5f55615d05e2421bc04ad637d2c67d.jpg

E sim, o nome dos gêmeos da personagem principal são nomes de dois integrantes do Seventeen. Me processem. u-u


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...