História Ariel - A história continua - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias Academia de Vampiros (Vampire Academy)
Tags Academia De Vampiros
Exibições 1
Palavras 7.957
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Escolar, Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção, Magia, Mistério, Romance e Novela, Saga, Sobrenatural, Suspense, Universo Alternativo
Avisos: Spoilers
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


E esse vai ser grande
Porque eu demorei pra achar
Decidi postar um pouco mais
Este capitulo esta bem explicadinho

Capítulo 7 - Laço de espirito



-Oi.-Diz o menino que sentou ao meu lado.Ele era bonito.Não bonitinho.Bonito mesmo.Ele tinha olhos azuis,mas cobertos com um tom prateado,e esse prateado ainda estava coberto de outra cor.Ele tinha cabelos negros,comparados aos meus-Eu sou o Peter.
-Oi.-Eu disse.-Eu sou a Ariel.
-De qual escola você é?-Ele me pergunta.
-Eu sou daqui da São Vladmir.-Eu digo a ele.
-Eu sou da...-Ele é interrompido,por quem?Pelo Rafael.
-Peter.-Diz ele.Em um tom de surpresa.-O que você esta fazendo aqui?
-Eu vim pro passeio.-Diz ele.-Eu gosto de esquiar.
-Quem é esse garoto?-Pergunto o Tómas,assim que nos encontra.
-Peter esse é o Tómas.Tómas esse é o Peter.-Eu digo,apontando de um pro outro.-E agora que acabaram as apresentações se sentem logo.
-Mas...-Ia dizendo o Tómas.Mas ele olhou nos meus olhos,mesmo sem eu usar compulsão ele concordou comigo e se sentou umas três cadeiras depois de mim.Com o Declan.Com o Declan?Deus.Essa é a prova de que tudo é possivel.Eu fiquei a viajem toda conversando com o Peter.Ele era bem legal.Eu usei algumas vezes meus poderes,dificultando a vida dos outros estudantes,depois nós riamos do que eu fazia.Quando nós decemos e chegamos ao aeroporto o professor Eric passou por nós.
-Ariel,você fica na última fileira da primeira classe.-Ele diz,olhando pra prancheta,da um sorriso de canto e continua.-Ao lado do Peter.
-Por que o Peter?-Pergunta o Tómas.
-Porque o pai dele reservou o passaporte dele na primeira classe um pouco depois do pai da Ariel.E como era o ultimo lugar,pronto.-Ele olhou pro Tómas.-Não tem porque você ficar com ciúmes.-Ele disse ao Tómas,depois olhou pro Peter.-Mentira.Você tem muitos motivos pra ficar com ciúmes.
-Valeu em.-Eu digo ao professor Eric.Ele entrega o passaporte do Peter e vai indo,ate acabarem todos.Então entramos no avião.Eu me sento na cadeira da janela.Porque eu gosto de ver o avião levantando voo.O Peter fica ao meu lado.Ai chega a aeromoça,com algumas bebidas.-Não quero.-Eu digo,assim que vejo as taças com champanhe.
-Qual é?-Diz o Peter.-Só uma vez não vai te matar.
-Não.-Eu repito.
-Por favor.-Fala o Peter.-Só agora.Eu não conto a ninguém.Você vai adorar.-Ele diz com tanta certeza que eu acredito nele.Eu pego um copo,assim como ele.Eu bebo devagar e não é que eu gostei.Eu bebo mais uns três ou quatro.Depois eu estou tonta.Não sei o que estou fazendo.Então eu durmo.E quando eu acordo eu dou de cara com o Tómas.
-O que aconteceu?-Ele me pergunta.Eu me levanto devagar,ai eu vejo que eu estava dormindo encostada no Peter.Cabecinha comece a pensar.
-Nada.-Eu disse a ele.Não acreditando em mim mesma.-Eu não sei.-Falei a ele.-Eu bebi champanhe.Algumas taças.Por que minha cabeça ta doendo?
-Porque você bebeu demais.-Diz o Peter.Que eu percebo agora que estava com a mão nas minhas costas.Eu tiro as mão deles de mim e ele continua.-Era só uma Ariel.Você literalmente apagou.-Ele diz.Ai quem entra?Quem?
Declan
-Uou.-Diz ele.Sorrindo.-Você tem muito com o que se preocupar Tómas.-Ele diz rindo.Piorando ainda mais a minha situação.-Perae.Quem é esse?
-Eu sou o Peter.-Diz o Peter.Apertando a mão do Declan.E por incrivel que pareça o Declan não reclamou com ele.Por enquanto.
-O que você esta fazendo com a minha irmã?-Pergunta o Declan.
-É o que eu quero saber.-Diz o Tómas.
-Ela bebeu demais e dormiu.-Diz o Peter.-Só isso minha gente.Calma.Vocês só pensam o pior das pessoas?
-Sim.-Respondo por eles.-De todas as pessoas a minha volta.
-Que pena.-Diz ele.-Porque o meu quarto fica ao lado do seu.
-Como você sabe?-Pergunto a ele.
-Porque enquanto a bela adormecida dormia o Eric me deu as minhas e as suas chaves.E pelo número do quarto e o andar.Estamos literalmente ao lado um do outro.-Disse o Peter.
-Não.-Disseram o Tómas e o Declan.
-Sim.-Diz o Peter.Sorrindo um pouco.E eu não sei porque mais o sorriso dele me sa vontade de sorrir também.Ai o avião balança,eu caio pra frente e o Tómas e o Declan-por sorte-não cairam.Conseguiram se sustetar segurando-se nas cadeiras.Eu abraço o Peter.
-Eu acho melhor você tomar cuidado Tómas.-Diz o Declan.-Ela morre de medo quando isso acontece.
-Isso é maldade.-Diz o Tómas.Mas antes de algum dos dois fazer qualquer coisa aparece o professor Eric.
-Voltem pros seus lugares.-Disse ele.Então olhou para mim e o Peter.-Eu avisei.-Ele disse ao Tómas.-Agora saiam daqui os dois.Vamos.Andem.-Ele disse,e os dois foram,com o professor Eric indo atras deles.
-Esse cara dá medo.-Disse o Peter.
-Sabe o que eu tenho medo?-Pergunto a ele e rapidamente me respondo.-Desse avião cair.Não gosto desse balanço!
-Estou percebendo.-Diz o Peter.-E se continuar assim,fico um pouco feliz com o seu medo de morrer com uma queda de avião.-Ele diz e eu percebo que ainda estou abraçada com ele,imediatamente eu solto ele,ai o avião balança denovo.
-AHHHH-Eu começo.Ai ele também me abraça.
-Não grita.-Ele me disse.-Se você gritar é mais capaz ainda da gente cair.
-Isso é maldade.-Eu disse a ele.-Minha situação já esta muito ruim só comigo abraçando você.Pode me soltar?
-Não.-Ele me diz.
-Por que?-Eu pergunto.
-Porque estamos aterissando.-Ele me diz.-E dessa parte quem tem medo sou eu.-Ele diz.Eu rio um pouco.Ai o aviao balança denovo.Quase que eu pulava.
-A gente vai morrer.-Eu disse a ele.-Eu ando muito de avião...eu gosto.Mas eu morro de medo.
-Eu também.-Ele me disse.-E pelo amor de Deus não piore a minha situação.E não fique nervosa.Porque se você me apertar mais forte eu vou quebrar como um palito.
-Você também.-Eu disse a ele.
-Culpa sua.-Ele me disse.Eu ri do desespero dele e ele do meu.Ate que pousamos,ai nos soltamos e descemos.Assim que saimos do avião o Tómas surguiu perto de mim,jogou o braço pelo meu ombro e foi andando comigo.Eu discretamente entrei na minhas mensagens mentais e falei com o Declan."Socorro.O Tómas vai me matar.Ou o Peter".Em alguns segundos o Declan aparece e eu suspirei de alivio.Ao menos hoje eu não morro.Quando entramos no hotel,eu entrei no quarto com o Declan e o Tómas.Com o aviso do professor Eric que eles deviam dormir no quarto deles,já que o lugar é bem protegido.Assim que entramos no quarto o Tómas jogou a mãe na testa.
-Qual é?-Ele disse.-Além de serem um ao lado do outro são interligados.
-Do que você esta falando?-Pergunta o Declan.O Tómas aponta para uma porta.
-Mantenha essa porta trancada.-Dizem os dois.-Pelo amor de Deus.
-Ok.-Eu digo a eles.-Agora tchau.Vão.Eu quero dormir.
-E o que é que tem isso?-Pergunta o Declan.
-Que eu vou durmir de pijama.-Eu digo.O Declan não intende e eu especifico.-O pijama violetta.
-Vamos Tómas.-Diz o Declan.Imediatamente.
-Por que?-Pergunta o Tómas.
-Porque esse pijama violetta é absurdamente curto.-Diz o Declan.
-Vão descansar.-Eu disse aos dois.Eu enganei direitinho o Declan.Eu abri minha mala e ajeitei as coisas no meu quarto.Coloquei o meu pijama rosa pink.Não era muito curto.Ele tinha uma camisa que parecia um top e o short era curto.Ate que a porta se abriu.E o Peter entrou.
-Oi.-Ele me disse.-Não vai dar uma volta por aqui?
-Não.-Eu disse a ele.-Não sei se você sabe,mas meu irmão e meu namorado não gostam muito de você.
-Por que?-Ele me pergunta.
-Porque você parece comigo.-Eu disse a ele.-E eu sou vida loka.
-Então somos dois.-Ele me disse.-Agora vamos festejar um pouco.
-Por que eu iria?-Pergunto a ele.
-Porque se você é mesmo parecida comigo,você gosta de se divertir.-Ele me disse,sorrindo.Eu sorri também.
-Esta bem.-Eu disse a ele.-Aonde vamos?
-Vamos descer a montanha.-Ele me disse.-Eu já acertei tudo.Fique pronta rápido.Temos que chegar em menos de uma hora.
-Ok.-Eu disse a ele.Indo pegar minhas roupas.-Qual roupa eu coloco?
-Uma pra proteger você do frio.-Ele disse.-Vamos logo.Ele se sentou na minha cama e ficou me encarando.
-Eu vou trocar de roupa.-Eu disse.
-Eu sei.-Ele me respondeu.-Estou esperando.
-Rá,rá.-Eu disse a ele.-Vou me trocar no banheiro.
Então eu escolhi uma roupa.Uma blusa bem quentinha e um casaco de pele.Junto com uma calsa jeans.Quando eu sai do banheiro o Peter fez uma cara de tristeza.
-Eu preferia o short.-Ele disse.
-Problema seu.-Eu disse a ele.-Com aquele short eu ia congelar.
-Verdade.-Ele disse.-Agora vamos logo.Eu quero esquiar.
-Você vai ter que me ensinar.-Eu disse a ele.-Porque eu não sei esquiar,ao menos não muito bem.
-Tudo bem.-Ele me disse.-Não é tão dificil.E nós temos um instrutor.
-Agora sim.-Eu disse a ele.-Ao menos eu não vou morrer.-Eu disse a ele.Ai nós começamos a rir e saimos.Quando subimos a montanha tinha um homem alto,aparentando trinta e poucos anos.Ele estava com uma prancheta na mão.
-Imagino que sejam a Ariel e o Peter.-Ele disse.Nós fizemos que sim com a cabeça.-Eu sou o Berg.Vou ensinar vocês a não morrerem enquanto descem.
-Eu sei esquiar.-Disse o Peter.-Ensine ela a não morrer.
-Certo garoto.-Disse o Berg.-Ariel.Você sabe alguma coisa sobre isso?
-Sim.-Eu disse.-Sei como me equilibrar.E consigo desviar das coisas,mas de uma montanha eu nunca desci!Só de lugares pequenos.
-Então por que vocês pediram um instrutor?-Ele perguntou.
-Eu achei que ela não soubesse.-Disse o Peter.-Mal ae.
-Ok.-Disse o Berg.Um pouco irritado.-Seus materiais para esqui estão ali.Os do seu namorado são os pretos e os seus são os vermelhos.
-Ele não é meu namorado.-Eu disse.
-Por que você acha isso?-Perguntou o Peter.
-Vocês combinam.-Disse ele.-E vocês estão de mãos dadas.
-Não es...-Fui cortada,porque eu soltei as mãos do Peter.Como eu não percebo quando eu me mexo em?O Berg sorriu e desceu com os esquis dele.Eu peguei os meus e me sentei para colocar e o Peter logo depois.Apesar de ter começado a colocar depois de mim ele acabou primeiro.E se levantou em segundos.Quando eu acabei ele me deu a mão pra me levantar.Eu segurei e ele me puxou.Mas eu não cai porque ele me segurou.
-Agora vamos descer?-Ele me perguntou.
-Vamos.-Eu disse a ele.-Você primeiro.
-Primeiro as damas.-Ele me disse.
-Não.-Eu disse a ele.
-Então vamos juntos.-Ele me disse.Eu fiz que sim com a cabeça.-Então no três.Um...dois...três.-Ele disse.Então nós começamos,e descemos a ladeira.Desviando de várias coisas que fingiamos ser obstaculos.Quando o último era um salto.Nós preparamos e pulamos juntos.O Peter caiu antes de mim,em pé.Só que eu não tive a mesma sorte.Cai em cima do Peter.Com o cabelo todo pra frente.Então eu levantei a cabeça e tirei os cabelos da frente.Para eu poder ver o Peter.Então nós começamos a rir,como dois abestalhados.Então nós levantamos.
-Agora aonde vamos?-Eu perguntei a ele.
-Estava esperando você perguntar.-Ele me disse.-Quer ir no restaurante?
-Eu não sei.-Eu disse a ele.-Tem bolo de chocolate?
-Claro que tem.-Ele me disse.-Difícil vai ser escolher qual você quer.
-Então vamos.-Eu disse a ele.-Estou doida pra comer chocolate.
-Eu esperava.-Ele me disse.Pegou minha mão e foi me levando.Quando nós chegamos,nós sentamos em uma mesa com duas cadeiras,uma de frente pra outra.Então imediatamente chegou um garçom.
-O que desejam?-Ele perguntou.
-O especial do dia.-Disse o Peter.-E de sobremesa duas fatias de bolo de chocolate.
-Sim senhor.-Disse o garçom,escrevendo no bloquinho-E vão beber o que?
-Vinho.-Disse o Peter.-Francês.
-Sim senhor.-Disse o garçom,ele escreveu mais no bloquinho e foi embora.Então eu me virei pro Peter.
-Vinho Peter?-Eu perguntei a ele.-Por que vinho?
-Porque vinho é fraco.-Ele me disse.-E é melhor você beber algo fraco.
-Eu...-Eu ia dizendo.-Eu odeio quando alguém esta certo e eu não!
-Aqui esta seu vinho senhor.-Disse o garçom.-Espero que goste.-Ele disse,servindo o vinho nas duas taças que estavam na mesa.-É aniversário?
-O que?-Eu e o Peter perguntamos.
-É aniversário de namoro de vocês?-Pergunta o garçom.Eu dou um gole no vinho e o Peter fica rindo.
-Vai com calma ae.-Diz o Peter.-Se não você não vai conseguir comer nada.
-E qual é o especial?-Pergunto ao garçom.
-O especial é de camarão.-Diz o garçom.-Em homenagem a um time que o dono do hotel patriocina e que ganhou.
-Eu amo camarão.-Dissemos eu e o Peter.
-Em quanto tempo fica pronto?-Perguntou o Peter ao garçom.
-Em uns cinco minutos.-Respondeu o garçom.-Na verdade acabou de ficar pronto.Vou pegar.Com sua licença.
-Claro.-Dissemos eu e o Peter.Ele voltou com um prato grande com camarões e colocou no meu prato e no do Peter.Eu peguei o garfo e comecei a comer.O Peter fez o mesmo.E iamos comendo e bebendo vinho,comendo e bebendo vinho.Até que acabou e o garçom trouxe o bolo.Quase que eu morria ao ver o tanto de chocolate que tinha naquele bolo.Eu comi todo o bolo,como o Peter.Quando acabou ele chamou o garçom.
-Precisa de mais alguma coisa senhor?-Perguntou o garçom.
-Não.-Respondeu o Peter.-Eu vou pagar.Poderia trazer uma maquineta de cartão?
-Qual cartão?-Peguntou o garçom.
-Qualquer um.-Respondeu o Peter.-Menos o Visa.Esse tá com o meu pai.
-Credito?-Perguntou o garçom,com a maquineta na mão.
-Sim.-Disse o Peter.Ele colocou o cartão e a senha,depois deu uma nota de cem ao garçom e fomos embora.Eu mal conseguia me levantar.O Peter colocou minha mão por cima do ombro dele e me segurou pela cintura.-Você não se da bem com bebidas.
-Eu sei.-Eu disse a ele.-Culpa sua.
Ele começou a rir e fomos andando até o elevador.
-Você precisa mesmo me segurar pela cintura?-Pergunto a ele.
-Quer que eu coloque você no braço?-Ele me perguntou.
-Não.-Eu respondi.
-Então eu preciso sim segurar você pela cintura.-Ele me disse.-Não se preocupe,seu namorado super ciumento deve estar dormindo.E seu irmão super protetor também.
-Ele não é super protetor.-Eu disse a ele.-Ele é ciumento mesmo.
-Eu imaginava.-Ele me disse.O elevador abriu e o Declan estava saindo dele.Ele olhou para nós,depois olhou só pra mim,depois só pro Peter.
-Quero explicações.-Disse o Declan.-Agora.
-Digamos que eu não sou compativel com bebidas.-Eu disse a ele.-O mundo ta girando.
-Onde vocês foram?-Ele perguntou ao Peter.
-Esquiar.-Disse o Peter.-Depois fomos no restaurante.
-Ai meu Deus do céu.-Disse o Declan.Andando de um lado pro outro.-O que eu faço?
-Com o que?-Eu perguntei a ele.
-O Tómas,o papai,o Rafael,o Henrique e o Vitor estão lá no seu quarto.-Ele me disse.-E digamos que nenhum de nós vai com a cara dele.
-Ele é legal.-Eu disse ao Declan.Não adiantou muita coisa.
-Eu preciso do seu cerebro doido Ariel.-Disse o Declan.-Preciso que você bole uma de suas desculpas.
-Ok.-Eu disse a ele.-Deixa eu pensar.-Eu falei.Pensei um pouco e sorri.-Eles estão dentro do meu quarto?
-Não.-Respondeu o Declan.-Eles estão na porta do seu quarto.Seu quarto esta trancado!
-Então eu sei o que fazer.-Eu disse a ele.
-Porque seus olhos mudaram de cor?-Perguntou o Peter.
-Digamos simplesmente que quando eu faço coisas que minha mãe faria eles ficam jade,mas quando faço coisas que meu pai faria ficam esmeralda.
-Resumindo.-Disse o Declan.-Quando ela tem juizo são jade.Quando não são esmeralda.E como você pode imaginar a cor que fica mais tempo é a esmeralda.Agora me diga logo seu plano mirabolante de mente criminosa.
-Eu imagino que eles não tenham entrado no meu quarto ainda.Entraram?-Eu perguntei,o Declan fez que não.-Então nós vamos entrar pelo da menina do lado do Peter,ai passamos pelo do Peter,ai entramos no meu.E com entramos não inclui você Declan,esse entramos somos eu e o Peter.Declan você tem que ficar aqui em baixo por um tempo.Depois você sobe e diz que ligou pra mim e eu estava dormindo.Então é o que eu vou fingir estar fazendo.Vou fingir estar acordando.
-Nessas horas eu tenho orgulho da sua mente criminosa.-Disse o Declan.-Subam logo.
-Ok.-Dissemos eu e o Peter.Então entramos no elevador.Enquanto estava subindo ele olhou para mim.
-E se isso não der certo?-Ele me perguntou.
-Ai teremos serios problemas.-Eu disse a ele.-Mas nada muito grave.
-Que bom.-Ele me disse.-Meu pai esta por aqui de eu me metendo em problemas.Mas o que eu posso fazer?É um dom.
-Ótimo dom.-Eu disse a ele.-Agora vamos torcer pra essa menina não estar com raiva de nenhum de nós.Principalmente de mim.
-Cruze os dedos.-Ele me disse.Ai o elevador abriu.Fomos andando até o quarto da menina e batemos devagar na porta.Então ela abriu.Bela.
-Ariel?-Ela falou.-O que você esta fazendo aqui?Quem é esse?
-Você conhece ela?-Me perguntou o Peter.
-Sim.-Eu disse a ele.-Ela é meio que minha irmã.
-Então você é a princesa Ariel Ivashkov Dragomir.-Ele disse.-Meu Deus como eu não percebi?Eu pensei que pudessem existir mais meninas com esse nome.
-Ariel não é um nome comum e uma Ariel usuária de espirito também não.-Disse a Bela.-Como é que você não percebeu pelos olhos jade dela?Como os da mamãe.
-Chega de discussão.-Eu disse aos dois.-Bela precisamos da sua ajuda.
-Pra que?-Perguntou a Bela.
-Pra passarmos pela porta e irmos pro quarto do Peter,pra de lá passarmos pro meu.
-Por que?-Ela perguntou.
-Pare de fazer perguntas e me ajude.-Eu disse a ela.-Estou em serios problemas.
-Ok.-Disse a Bela.-Entrem.
-Valeu.-Eu disse a ela.Entrando com o Peter.Quando nós entramos eu me lembrei dos outros detalhes e disse a ela.-Bela.Não diga a ninguém que passamos por aqui.Todos pensam que eu estou dormindo.
-Vão logo.-Ela disse.Pegou uma chave,foi até a porta e então abriu a porta pro quarto do Peter.-Não vou dizer nada.Agora vão antes que percebam.-Ela disse a nós.Nós passamos pela porta e entramos no quarto do Peter.E então passamos direto,sem pegar chave nenhuma.
-Você não tranca não?-Eu perguntei a ele.
-Não.-Ele em disse.Abriu a porta e nós entramos.O Peter me soltou na cama e ia sair.
-Calma.-Eu disse.-O mundo esta girando pra mim.Você tem que destrancar a porta.
-Se eu destrancar vão me ver.-Ele me disse.
-Vão nada.-Eu disse a ele.-Não é possivel que estejam tentando até agora abrir a porta.
-Verdade.-Disse ele.Então ele foi até a porta e destrancou,então foi correndo até a outra porta,que dava pro quarto dele.-Vejo você mais tarde.Ariel.
-Veremos.-Eu disse a ele.Então a porta que ele estava fechou.Eu fechei os olhos instantaneamente.Então bateram mais vezes na porta.E eu gritei.-Entra.Agora esta aberto.-Eu falei.Então a porta abriu e entrou meu exercito.Tómas,Henrique,Vitor,Declan,Rafael e meu pai.
-O que você estava fazendo?-Perguntou o Vitor.
-Dormindo.-Eu respondi.Me espreguiçando.-Eu estava com problemas pra conseguir dormir,por isso eu tomei remedios pra conseguir.Então nada iria me acordar.Fiquem felizes por eu ter acordado agora.Eu poderia ter demorado bem mais.
-Ok.-Disseram todos.O Declan foi pra perto de mim e sentou do meu lado.
-Vá dormir maninha.-Ele me disse.Depois antes de sair de perto de mim ele sussurou.-Boa história.
-Por que você não estava conseguindo dormir?-Perguntou o meu pai.Ele nunca iria me deixar passar assim tão fácil.Salva pelo Declan.
-Ela dormiu muito no avião.-Disse o Declan.
-Nem me lembre disso.-Disse o Tómas.-Não gosto daquele garoto!
-Por que ele esta tentando roubar sua namorada?-Perguntou o Vitor.
-Vamos deixar ela descançar.-Disse o Declan.-Por favor.Eu já passo tempo demais com ela.
-Certo.-Disseram o Vitor e o Tómas.Então todos sairam.Eu me levantei cambaleando e fui pro banheiro.Coloquei a água no gelado.E quando eu digo gelado é gelado mesmo.Quando a água bateu em mim quase que eu pulava.Coloquei o shampoo e condicionador do hotel.Que era bem cheirosos.Tinham um cheirinho de rosas.Depois o sabonete.Com o mesmo cheiro.Quando acabei meu banho sai,de toalha.E coloquei uma calsa jeans e uma blusa do Declan.Porque eu gosto de roubar as blusas dele e elas ficam um vestido em mim.São bem confortaveis.Eu me deitei na minha cama.E então bateram na porta do meu quarto.Usei telecinese e destranquei.
-Oi.-Disse o Declan,entrando.Depois notou minha roupa.-Essa blusa é minha?
-É.-Eu disse a ele.-Agora me diga,por que você veio aqui?
-Ok.-Ele me disse.Então fechou a porta e se sentou na minha cama.-Eu vim pra dizer a você que a viajem vai demorar um pouco mais.Vamos chegar na escola no dia da festa.
-E...-Eu disse.
-E o papai achou melhor eu ficar perto de você.-Ele me disse.-Ele não gosta do Peter.
-E você gosta?-Eu perguntei a ele.
-Claro que não.-Ele me disse.-Mas acho engraçado ver o Tómas com ciúmes.
-Pobrezinho.-Eu disse a ele.Então me vinheram algumas ideias na cabeça.Tipo treinar meus poderes pra ver se eu consigo ler mentes.Porque naquele dia eu me deixer levar e esqueci.Então eu olhei pro Declan sorrindo.-Meu irmãozinho querido que eu amo tanto...
-O que você quer que eu faça?-Ele me perguntou.
-Eu quero que você deixe eu ler seus pensamentos.-Eu disse a ele.E comecei a me concentrar nele.Como eu fazia pra ver as auras.Puxando espirito,mas me concentrando nos pensamentos dele.
-Não.-Ele me respondeu-Mas é doida mesmo.
-Eu não sou doida.-Eu disse a ele.-Eu sou só uma simples psicopata.
-Eu não falei que você era doida.-Ele me disse,com um sorriso.-Eu pensei.
-Eu consegui.-Eu disse a ele.-Eu consegui ler seus pensamentos.Agora precisamos contar pro papai.-Eu disse a ele e fui andando até a porta.Ai eu cai.Mas por sorte meu irmãozinho é preparado e conseguiu me segurar.
-O que foi?-Ele me perguntou.
-Eu acho que é o espirito.-Eu disse a ele.-Cuidado comigo.
-O que a gente faz?-Ele me perguntou.Depois se auto respondeu.-O papai.
-Oi?-Eu perguntei.
-Vou ligar para ele.-O Declan disse.Me colocou na cama e ligou pro papai.Que chegou em questão de segundos.
-O que você esta sentindo Ariel?-Ele me perguntou.
-Eu não estou sentindo nada.-Eu disse a ele.-Eu simplesmente fiquei cansada...e papai.Você não sabe o que eu fiz.
-O que você fez?-Ele me perguntou.
-Eu li a mente do Declan.-Eu disse a ele.-Eu consegui ler a mente dele.E me cansei na mesma hora.
-Uau.-Ele me disse.-Realmente a mais poderosa de todos.Nem eu consigo fazer isso.Agora vou conseguir um fornecedor ou fornecedora Ariel.Você precisa de sangue.
-Ok.-Eu disse a ele.Mas de repente eu me senti bem.Muito bem.Então eu me levantei num pulo.-Estou melhor.
-Mas...você...tinha...ai meu Deus eu preciso falar com o Christian.-Disse o papai.
-Por que?-Eu perguntei a ele.
-Porque só ele pode descobrir o que esta acontecendo.-Disse o meu pai.-Vá dormir minha filha.Amanhã falo com você.-Me disse o meu pai.Depois voltou a atenção pro Declan.-Pode ficar com ela Declan.Eu falei com a Kirova e ela permitiu.
-Certo.-Disse o Declan.-Ela vai ficar segura comigo.
-Eu sei.-Disse o meu pai.E foi embora.Então a porta abriu.A da ligação entre o meu quarto e o quarto do Peter.
-Eu pensei que ele nunca iria embora...ops-Falou o Peter.Até perceber que o Declan estava lá.-Sorry.Depois eu volto.-Ele disse.Se virando para ir embora,mas o Declan pulou em cima dele e o prendeu contra a parede.Então os dois ficaram cara a cara,olho no olho.Ai aconteceu uma coisa improvavel.-Me solte.-Disse o Peter.E o Declan obedeceu.O que eu achei bem estranho.Então eu olhei a aura dele.Igual a da minha mãe.Dourado,outras cores,mas a maioria é dourado.
-Você é um usuário de espirito.-Eu disse.
-Não.-Ele me disse.-Qualquer moroi consegue usar compulsão!
-Eu vi sua aura.-Eu disse a ele.-Esta coberta de dourado.
-Então já eram minhas desculpas.-Ele disse.Jogando as mãos pro alto.-Vai deixar eu me explicar?-Ele me perguntou.Eu me levantei da minha cama,olhei para o Declan e usei compulsão.
-Deite aqui é durma.-Eu mandei.Ele se deitou na minha cama e dormiu instantaneamente.Então eu passei pelo Peter e sentei na cama dele.-Estou ouvindo.
-Eu sou um usuário de espirito,sim.-Ele me disse.-Só que eu não uso muito.E normalmente,não desconfiam de mim.E se desconfiarem eu uso compulsão e esquecem.Mas como você é mais poderosa que eu,eu não ia conseguir e acho que você guarda mais segredos que eu.-Ele me disse.Eu fiquei mexendo no meu cabelo.-Sabia.-Ele disse.-Você esta mexendo no cabelo.Quando as pessoas fazem isso,normalmente estão escondendo algo ou mentindo.
-Quando foi que você ficou tão inteligênte?-Eu perguntei a ele.
-Eu sempre fui inteligênte.-Respondeu ele.-E eu gosto de saber quando estão mentindo pra mim.E sabia que se alguém fizesse isso,seria mais poderoso que eu.Então é bom saber dessas coisas.
-Já que eu sou mais poderosa que você...o que me impede de usar compulsão em você e apagar sua memória?-Eu perguntei a ele.
-Porque eu sou seu amigo.-Ele me disse.-E ter alguém como você para conversar,da sua idade,ainda por cima,não é algo que temos a disposição.
-Verdade.-Eu disse a ele.-Então o que faremos?
-Vamos conversar.-Ele me disse.-Um grande segredo de cada um.Assim sabemos que nenhum de nós vai revelar nada.
-Ok.-Eu disse a ele.-Você começa.
-Tudo bem.-Ele me disse.-Eu uso muito o espirito,não pouco.Eu uso pra fazer coisas pequenas,qualquer coisa que eu tenha preguiça de fazer.Mas isso me dá sempre um efeito colateral.E como depois que você usou os seus poderes não teve nada,ficou claro que é mais poderosa que eu.-Ele me disse.De uma só vez,depois recuperou o folego.-Sua vez.
-Eu sou mais poderosa do que você imagina.-Eu disse a ele.-Posso controlar todos os elementos.E meus poderes no espirito são mais poderosos e vão mais longe.
-Mentira.-Ele me disse.
-Quer que eu prove?-Eu pergunto.
-Não é que eu não confie em você.-Ele me diz.-Mas eu queria muito ver.
-Ok.-Eu disse a ele.E me concentrei na água.No que eu queria que ela fizesse.Então ela veio da pia do banheiro e começou a rodear ele.O queixo dele quase que atingia ao chão.-Agora acredita em mim?
-Completamente.-Ele me respondeu.-Agora somos tipo melhores amigos?
-Acho que sim.-Eu respondi.-Pena que você vai voltar pra sua escola.
-Talvez eu não volte.-Ele me disse.-Se eu falar com meu pai,capaz dele me mudar de escola.Ele sempre me quiz na S    ão Vladmir,então não sera tão dificil.Se eu falar que virei amigo da filha da rainha então...capaz dele aumentar minha mesada.
-Serio isso?-Perguntei a ele.-Eu não sei me sinto feliz ou triste por você ir pra minha escola.-Eu disse a ele.-A...o Tómas também sabe sob os poderes super demais.
-Você contou a ele?-Ele me perguntou.
-Mais ou menos.-Eu respondi a ele.-Ele entrou no meu quarto enquanto eu controlava a água.
-Você tem que apagar a mémoria dele.-Me disse o Peter.-Qualquer moroi competente tira a verdade dele.
-Eu não vou apagar a mémoria dele.-Eu disse ao Peter.-Eu...confio nele.
-Confia mesmo?-Me perguntou o Peter.-Olhe nos meus olhos e me diga que você confia nele.-Ele mandou.Eu olhei para ele.Então desviei o olhar.-Tá vendo.-Ele disse.Triunfante.-Você não confia absolutamente nele.
-Eu...confio...-Eu disse a ele.
-Ganhei.-Ele me disse.-Agora amanhã você vai apagar a mémoria dele.
-Perae,eu não concordei com nada.-Eu disse a ele.
-Fala serio.-Ele me disse.-Se não foi você quem contou,ele não tem mesmo o direito de saber.Então apague.
-Ok.-Eu disse a ele,desistindo.-Amanhã eu apago a mémoria dele.
-Eu gosto de ganhar.-Ele disse.
-E eu odeio perder.-Eu disse a ele.-Sinceramente,somos parecidos.
-Concordo.-Ele me disse.Então eu voltei pro meu quarto e quando vi o Declan dormindo me lembrei que eu tinha usado compulsão.Então eu voltei pro quarto do Peter.
-Que foi?-Ele me perguntou.
-Eu apaguei ele com espirito.-Eu disse a ele.-E o meu é o mais forte de todos.Então ele vai dormir até amanhã.
-Como assim é o mais forte de todos?-Ele me perguntou.Eu me sentei na cama.
-Sente-se,vai demorar.-Eu disse a ele.Ele se sentou,frente a mim e eu contei toda a história.Sobre a mais poderosa de todos.E quando  eu acabei ele estava rindo.
-Amei essa história.-Ele disse.-A mais poderosa de todos...isso deve ser perigoso.
-E é.-Eu disse a ele.-É bom você me considerar um perigo.
-Adoro perigo.-Ele me disse.-Agora precisamos dormir para amanhã.Até porque temos pouco tempo pra dormir.
-Eu não vou conseguir dormir.-Eu disse a ele.-E se eu não vou dormir.Você também não vai.Porque eu não vou deixar.Nem que eu fique conversando com você a noite toda.
-Sobre o que você quer conversar?-Ele me perguntou.Eu pensei um pouco,mas antes de eu decidir ele decidiu falar sobre nossos poderes.E foi sobre isso que conversamos o resto da noite.Quando ficou de manhã combinamos de descer pra tomar café em dez minutos.Então eu voltei pro meu quarto,tomei meu banho,troquei de roupa e fui acordar o Declan.
-Acorda bela adormecida.-Eu disse a ele.-Já esta de manhã.-Eu disse,puxando ele pela mão.Ele levantou num instante,então se trocou em um piscar de olhos,ai nos descemos as escadas.Quando chegamos lá em baixo,o Tómas estava esperando a gente.Então entramos no restaurante e nos sentamos em uma mesa pra quatro pessoas.Eu sentei em uma cadeira que dava pra ver a entrada/saida do restaurante,o Tómas sentou de frente pra mim e o Declan do nosso lado.E a cadeira que sobrou logo foi ocupada,quando o Peter desceu as escadas e foi andando até onde estavamos.Se sentou de frente pro Declan e do meu lado e do Tómas.Eu segurei um sorriso.
-O que você esta fazendo aqui?-Perguntou o Tómas.
-Eu vou comer e conversar com a minha amiga.-Ele disse.Apontando pra mim.-Vocês não podem controlar a vida dela.
-Mas eu posso controlar quem ela pode ou não ver.-Disse o Declan e o Tómas abriu um largo sorriso.-Então tome cuidado.
-Duvido você conseguir me impedir de falar com quem eu quero.-Eu disse ao Declan.
-É um desafio?-Ele me perguntou.
-Parem.-Disse o Peter.Depois olhou pro Declan.-Pare.-Ele disse,usando compulsão.O Declan se acalmou,imediatamente.O Peter podia não ser poderoso como eu,mas a compulsão dele era forte.Depois ele pareceu lembrar de alguma coisa.-Declan,eu e a Ariel vamos esquiar.Pegue os esquis dela.-Ele mandou.Ainda usando compulsão.O Declan se levantou e foi.Então pela cabeça ele me enviou uma mensagem.
-Lembra de apagar a memória dele?-Ele me perguntou.
-Lembro.Mas,agora?-Eu respondi.
-Sim.-Me respondeu ele.-E logo,porque o Declan não vai demorar.
Saindo da minha conversa mental eu concentrei no Tómas e comecei a usar compulsão.Uma moderada,não pouca,mas também não muita.Sei que ele consegue superar pouca.
-Tómas.Você nunca entrou no meu quarto daquela noite e você não sabe o quanto de poder eu tenho.-Eu disse a ele.
-Simplesmente mande ele esquecer isso.-Disse o Peter.Eu respirei fundo e voltei pro Tómas.
-Esqueça tudo o que você ouviu no meu quarto e qualquer coisa que tenha haver com isso.-Eu mandei.O Tómas fez que sim com a cabeça.E o Declan voltou.Com meus esquis.-Pode levar de volta.-Eu disse a ele.-Não vamos mais esquiar.-Eu falei.O Declan ficou visivelmente bravo,mas voltou com os esquis para o meu quarto.Eu e o Peter rimos.O Tómas não entendeu nada.Então o garçom apareceu...o mesmo garçom de ontem.
-O que desejam?-Ele perguntou,depois lembrou de nós.-Querem camarões e bolo de chocolate denovo?
-Sim.-Dissemos eu e o Peter.
-Perae...vocês vinheram aqui ontem?-Perguntou o Tómas.
-Sim.-Nós dissemos.E incrivelmente,bolamos a mesma desculpa.-Não controlamos nossa fome.Na hora que ela bate,é hora de ir comer.Então nos encontramos e jantamos juntos.
-A...ok.-Disse o Tómas,ainda desconfiado.O garçom chegou um pouco depois com os camarões.O Declan chegou e eu e o Peter começamos a comer.Pareciamos animais.
-Vocês poderiam ser irmãos.-Disse o Declan.-Gêmeos ainda mais.
-Por que você diz isso?-Perguntamos Eu e o Peter.O Declan apontou com as mãos para nós.
-Olá crianças.-Disse o meu pai,chegando.Depois ele olhou pra mim e pro Peter.-Você é um filho perdido?
-Que eu saiba não.-Disse o Peter.Então nós comemos.Eu,o Peter e o papai.Quando acabou chegou o bolo de chocolate.Que nós devoramos em segundos.Quando acabou eu dei a desculpa que ia treinar o espirito com o papai e todos se separaram.Depois o Peter nós encontrou.
-O que ele está fazendo aqui?-Perguntou o papai.
-Ele também é usuário de espirito.-Eu digo a ele.-E ele sabe de tudo.
-Como ele sabe de tudo?-Perguntou o meu pai.
-Eu contei.-Eu disse a ele.-Ter alguém da sua idade pra conversar não é ruim.Ainda mais alguém que tem os seus poderes.
-Você sabe que os poderes dele não são nem um décimo do seu não é?-Perguntou meu pai.
-Eu sei.-Eu disse a ele.-Mas ele também é usuario de espirito.
-E vocês tem algum plano?-Perguntou meu pai.Eu olhei para ele na hora.
-Como você sabe?-Eu pergunto a ele.
-Eu conheço minha filha.-Ele me disse.-Você não deixaria um amigo,ainda mais que entenda você.E ele parece ser legal.-Disse meu pai,com um pequeno sorriso.Eu,ele e o Peter fomos andando até o quarto em que ele estava.Quando chegamos lá,eu me joguei na cama do papai,que era maior que a minha e bem mais macia.E o Peter se senta na cama,depois cai deitado.
-Tem certeza que você não é um filho perdido?-Pergunta o meu pai.-Você parece muito comigo.E podia ser uma sósia dela.-Ele disse,apontando pra mim.Então o Peter se levantou.Eu fiquei deitada e estiquei as mãos.O Peter e meu pai trocaram olhares,depois o Peter tomou a iniciativa,pegou minha mão e me levantou.Quando eu me ajeitei na cama,agora sentada.Comecei a fazer o que faço de melhor.Perguntar.
-O que vamos fazer?-Perguntei ao meu pai.Ele olhou pro Peter e deu um sorriso malicioso.
-Compulsão.-Ele disse.-Com outro usuario de espirito.-Ele disse,ainda sorrindo.O Peter não intendeu no começo,depois ele arregalou os olhos.
-Eu?-Perguntou o Peter.
-Sim.-Disse o meu pai.-Eu tenho que ver quanto espirito ela usa pra controlar você.Ordens do Ozero.
-Certo.-Dissemos nós dois.Então o Peter sentou de frente pra mim.
-Não olhe pra ela.-Disse meu pai.-Queremos ver se ela consegue usar compulsão sem olhar nos olhos,sabemos que ela consegue manter,mas não iniciar.
-Ok.-Eu e o Peter dissemos.Então ele fica encarando meu pai e eu tento usar compulsão.Primeiro o que eu usei para controlar minha mãe.Pensei em algo bobo.
-Peter.-Eu disse.-Eu quero que você me diga seu nome e sobrenome.-Ele não fala nada e continua encarando o papai.Percebo que falhei e uso mais compulsão ainda.-Peter.Me diga seu nome e sobrenome.-Eu mando,ele abre a boca,depois fecha e não me diz nada.Agora deu raiva.Usei mais compulsão,bem mais.-Peter,seu nome e sobrenome,me diga.Agora.
-Meu nome é....-Ele foi falando,depois parou.-Vai ter que se esforçar mais.
-Peter.-Eu disse.Então reuni ainda mais espirito.
-Não tanto Ariel.-Disse meu pai.Tarde demais.
-Me diga seu nome e seu sobrenome Peter.-Eu mandei.Usando muita,muita compulsão mesmo.Pro meu pai reclamar então.
-Meu nome é Peter Dashkov.-Ele me disse.-Sou o filho do herdeiro dos Dashkov.
-Por que demorou tanto pra falar isso?-Perguntei a ele,usando compulsão.
-Porque meu meio que tio fez algo horrivel a sua mãe.-Ele disse.Eu parei a compulsão.Ele respirou profundamente.
-Eu confio em você.-Eu disse a ele.-Por isso não vou usar compulsão,mas só se você falar a verdade.-Eu disse a ele.
-Eu nunca menti.-Ele me disse.-Você nunca perguntou meu sobrenome.
-Estão desviando do assunto.-Disse meu pai.-Ai....crianças,mesmo que eu pense que não,ainda são crianças.-Ele se sentou em uma cadeira perto de nós.-O tio-avô dele,Vitor Dashkov,sequestou sua mãe,porque ele tinha uma doença que iria mata-ló,então ele obrigou a Lissa a cura-ló.
-Exatamente.-Disse o Peter.-Isso não é normal.
-Muita calma nessa hora.-Eu disse.-Não foi você.
-Gostei.-Disse o meu pai do nada.-As duas estão brilhando e o dourado esta com várias outras cores,todas as outras cores.-Ele disse,espantado,e eu estou me perguntando ate agora o que ele quiz dizer com isso.-Eu acho que sei o que fazer.
-O que?-Perguntamos eu e o Peter,em uma só voz.
-Calma.-Disse o meu pai.-É uma coisa que eu e a Lissa faziamos para relaxar o espirito.Ele faz vocês se sentirem pra baixo,e nem precisa dizer que não usou espirito.Eu sei se usaram ou não.-Ele disse antes de algué o interromper,o que nem passou pela minha mente,pela primeira vez na minha vida.-Agora façam tudo o que eu mandar.Mesmo que achem estranho.
-Okay.-Dissemos eu e o Peter.Desconfiados.
-Primeiro,fiquem um de frente pro outro,de mãos dadas.-Ele disse.Antes de eu falar alguma coisa ele continuou.-Só obedeçam.-Ele mandou.Nós demos as mãos e esperamos o resto.Então ele continuou.-Agora olhem um pro outro,um nos olhos do outro.-Ele mandou,e nós obedecemos.-Agora foquem um no outro,prestem atenção nisso,se concentrem.Como se só existissem vocês dois no mundo,uma conexão entre os dois.-Disse o meu pai.-Uma conexão que vocês conseguem controlar.Que precisa de confiança.
-Certo.-Nós dissemos.Então nos concentramos um no outro,calma,nada mais existe no mundo.Olho no olho.E fomos nos acalmando.
-Incrivel.-Disse o meu pai.Então ele abriu a porta e de repente o Christian entrou.
-Quando ele chegou?-Eu perguntei.
-Agorinha.-O Christian disse.-Tudo que eu fiz foi guardar minhas coisas.Agora preciso saber o que aconteceu.
-É ele.-Disse o meu pai.
-É ele o que?-Eu perguntei.Eu estava confusa,mas os dois não,só eu e o Peter.
-Ele esta ligado a você.-Disse o Christian.-Alguém que você confie e que confie em você.
-Eu esperava que fosse o Declan...-Disse o meu pai.-...ou o Vitor.Eu até que fui com a cara daquele garoto.
-Expliquem direito.-Eu falei.O Christian respirou fundo,fechou a porta e trancou.Então nos encarou.
-Tinhamos uma teoria que,quando você crescesse um pouco mais,se ligaria a uma pessoa,mesmo sem ela ter morrido e você a trazido de volta a vida.Por isso,precisavamos deixar você perto de seus amigos.-Foi explicando o Christian.-E essa ligação é desconhecida,não sabemos o que vocês conseguirão fazer.Achamos que sera algo parecido com o laço.
-Ele é outro usuário de espirito.-Disse o meu pai.
-Isso deixa as coisas mais interessantes.-Disse o Christian.-Isso pode significar que eles tenham um laço ainda mais forte.
-Ele não estuda na São Vladmir.-Disse o meu pai.O Christian colocou a mão na cabeça.Meu pai sorriu.-Não se preocupe Ozero,ele vai se transferir.
-Isso facilitou a minha vida.-Disse o Christian.-E parece que essa pessoa que você se ligara,quer dizer se ligou,vai ser tipo uma proteção.Essa pessoa teria que ser alguém em que você confie e alguém que confie em você.
-Estou me sentindo feliz e chocado.-Disse o Peter.
-Agora precisamos manter vocês dois juntos.-Disse o Christian.-Os dois estudando na São Vladmir sera um ótimo jeito.Vou dar um jeito de ficarem proximos um do outro.
-E com eu,ele quer dizer a Lissa.-Disse meu pai.
-Eu não sou rei!-Disse o Christian.-E eu não posso fazer tudo.
-Agora eu quero saber como você descobriu isso.-Falei ao meu pai.
-Eu descobri quando olhei suas auras.-Disse meu pai.-Estavam em perfeita sintonia,exatamente iguais,o dourado que indica o usuario de espirito,mas esse dourado cerca as outras cores e tinham as mesmas quantidades de todas as cores,exeto o dourado que tem mais,e estavam todas brilhando,mas ainda assim,o dourado da Ariel é maior.
-Então agora temos um laço?-Perguntou o Peter.-Legal.
-Temos que falar com o Declan.-Eu disse.-Ao menos uma parte da história vou contar a ele,e com uma parte da história quero dizer eu ser absurdamente poderosa e o laço,mas não vou contar do controle sobre todos os elementos.
-Entendi.-Disse o Christian.-Agora vou dar uma noticia que me pediram pra dar:Vocês vão voltar mais cedo pra escola.E eu tenho que falar logo com a Lissa.
-Já falei.-Disse o meu pai.O Christian olhou pra ele e ele respondeu antes do Christian perguntar.-Conversa mental.Lembra?
-Ah é.-Disse o Christian.-Tinha me esquecido desse detalhe.O que ela respondeu?
-Ela já esta se movimentando para conseguir a transferência do Peter.-Disse o meu pai.Orgulhoso.
-Ótimo.-Eu disse.-E como vão explicar o meu novo irmão?
-Ele não vai ser seu novo irmão.-Disse o Christian.Sorrindo,aqueles sorrisos meus.Eu nunca notei como o Christian parecia assustador.Parecia muito comigo,mesmo sem parecer.Coisa mais estranha!
-E ele vai ser o que?-Perguntei.
-Seu novo namorado.-Disse o Christian.
-Gostei desse laço.-Disse o Peter.
-E o Tómas?-Eu perguntei ao Christian,mas quem respondeu foi o papai.
-Você não gosta dele mesmo.-Disse o meu pai,dando ombros.-É melhor para de dar falsas esperanças ao garoto.
-E qual sera a convincente história?-Perguntou o Peter.
-Coisa normal de adolêscente.-Disse o Christian.-Conheceu alguem que gostou mais e ponto.
-Não vamos enganar todo mundo assim.-Eu disse.-O Declan e o Vitor não vão cair nessa.
-É verdade.-Disse meu pai.-Eles podem não ser cientistas,mas não são idiotas.
-Perae.-Eu disse.-Vamos contar pra eles.Eu posso mentir pro resto do mundo,mas o Declan e o Vitor não.
-Por que?-Perguntou o Christian.
-Porque eles confiam em mim.-Eu disse,me lembrando de tudo o que aconteceu,desde que eu me conheço por gente.-Eles sabem como eu sou,mas confiam em mim.
-E você não quer mentir pra eles.-Completou meu pai.-Porque você só se sentira melhor quando falar a verdade aos dois.
-Exatamente.-Eu disse.
-Entendo.-Disse o meu pai.
-Perae.Quando nós partimos?-Eu pergunto ao Christian.
-Amanhã.-Ele me respondeu.Mexendo no celular.-Estou comprando nossas passagens e mandando mensagem pro pai do Peter,estou dizendo que ele virou amigo da princesa Ariel e ela quer que ele vá pra São Vladmir.
-E o que ele respondeu?-Eu e meu pai perguntamos.
-Ele aceitou.-Disse o Christian,sorrindo.-Cuidado com ela,ela é pirada.
-Ele disse isso?-Eu perguntei.
-Não.-Disse o Christian.-Esse aviso é meu.Essa menina é doida.Cuidado com ela,quando o olho dela ficar esmeralda e começar a brilhar,corra.
-Eu duvido que ele corra.-Eu disse.-Capaz dele me ajudar.
-Que legal.-Disse o meu pai.-Já não bastava uma criaturinha doida pra eu cuidar.
-Você não vai cuidar deles.-Disse o Christian.-Eu vou.Finalmente.
-Em outras palavras...-Eu disse-...vamos fazer alguns textes.
-Por ai.-Disse o Christian.
-Agora é melhor descermos.-Eu disse.-Vão desconfiar se ficarmos muito tempo conversando.-
-Gostei.-Disse o Christian.
-Que foi?-Perguntei.
-Seus olhos.-Ele disse.-Estão jade...iguais aos da Lissa.
-Am...obrigada.-Eu disse a ele.Então começamos a descer as escadas.Quando chegamos lá em baixo,por sorte só estavam o Vitor e o Declan na portaria do hotel.Então eu fui até eles e os chamei pro meu quarto,onde o meu pai,o Christian e o Peter estavam esperando.Quando chegamos lá eu mandei os dois sentarem.Se sentaram em cadeiras,perto da minha cama.Eu sentei de frente pra eles e contei toda história,meus poderes malucos e o laço maluco.Quase que eles caiam pra trás.
-Você não confia em mim?-Perguntaram o Declan e o Vitor.Depois se encararam e voltaram a atenção pra mim,quando eu comecei a falar.
-Eu acho que eu precisava de alguém com meu jeito.-Eu disse.
-De mente criminosa?-Perguntou o Declan.
-Quase isso.-Eu disse.
-Agora o que faremos?-Perguntou o Vitor.
-Vocês vão ter que cuidar dos dois.-Disse o Christian.-Porque eles precisam estar juntos.E vamos deixar eles algumas vezes separados,para vermos se o Peter consegue saber onde esta a Ariel.
-Quem vai ficar com a Ariel e quem vai ficar com o Peter?-Perguntou o meu pai.
-O Declan fica com o Peter e o Vitor com a Ariel.-Disse o Christian.
-Não.-Eu disse.-Eu não quero que o Declan mate o Peter,nem o Vitor.Melhor ele ficar com o Henrique e o Rafael.
-E como vamos cuidar da Bela?-Pergunta o papai.
-Não vamos.-Diz o Christian.O povo todo ficou surpreso com essa.-Nós não pretendiamos cuidar dela,os guardiões eram pra vijiar você.Tinham dois com a Bela pro caso de seu laço ser com ela.Depois pensamos que a Bela não seria capaz de proteger você,por isso uma longe da outra.Foi a ultima coisa que o Adrian soube...manter uma longe da outra.
-Então eu sou mais importante que a Bela?-Pergunto ao Christian.-Eu sou mais importante que a sua filha?
-Não é tão fácil assim.-Disse o Christian.-A Bela sempre esteve bem cuidada,mas quem precisa de mais cuidados é você.
-Por que?-Eu pergunto.Quase me afogando nas minhas lágrimas.
-Porque ele ama mais você.-Me disse o papai,simplesmente.-Você é a filha que ele não teve...mas a que ele sempre quiz ter,que ele não pode cuidar,nem ver crescer.Você não se lembra?Ele ia ver você de mês em mês,se não de semana em semana.
-É verdade.-Admitiu o Christian.-Eu vi você nascer,eu vi como você parecia com a Lissa,eu fui a primeira pessoa a segurar você no braço e fui a primeira pessoa que recebeu um sorriso.E eu queria cuidar de você,queria ficar com você...você ficou com a gente,um ano mais ou menos.Mas seus olhos ficavam quase sempre uma mistura das duas cores ou esmeralda...e....as vezes você ficava com os meus olhos,exatamente iguais aos meus.
-Como?-Eu pergunto.
-Você gostou dele,no molmento em que você nasceu.-Disse meu pai.-E como ele ficou com você mais do que qualquer um nesse seu primeiro ano de vida,você imitou uma coisa em que você gostava nele...ainda não sabemos porque os olhos.
-Porque eu me sentia segura.-Eu disse,tão baixo que fico surpresa que tenham escutado.Então o Christian me abraçou,essa foi a primeira vez que vi ele abraçando alguém assim de verdade.Ele podia ser mais aberto do que a mamãe com a Bela,mas nenhum dos dois era muito...pais,digamos.Eu fico feliz que eu tenha um...segundo pai...acho.Então ele me soltou,olhou nos meus olhos e sorriu,sorriu mesmo,seus olhos estavam brilhando e ele ficou piscando pra conter as lágrimas.-O que foi?
-Seus olhos.-Ele disse.-Estão exatamente iguais aos meus.
-Eu tenho que me acostumar com isso.Eu tenho que me acostumar com isso.-Disse o meu pai pra ele mesmo andando de um lado pro outro.Depois ele parou.-Bem,eu não podia ficar com ela pra sempre.
-Nós sabiamos disso.-Disse o Christian.-Agora eu posso finalmente cuidar de mi princesa.
-mi princesa.-Eu repeti.-Era assim que você me chamava.
-Exatamente.-Disse o Christian.-Foi como eu lhe chamei um pouco depois de sua mãe lhe dar seu nome.
-Nós.-Corrigiu meu pai.Depois olhou pra mim.-Nós demos o mesmo apelido a você.Na mesma hora.
-Podemos acabar a discurssão familiar.-Disse o Declan.Os olhos dele estavam brilhando,assim como os do Vitor.
-Vocês estão emocionados.-Eu disse.-Estão quase chorando.
-Você já esta chorando.-Disse o Vitor.-Deixa nossas vidas.
-Parem.-Disse o Peter,já chorando.-Ao menos sabemos que as emoções dela passam pra mim.Agora parem,por favor.
-Ah.-Eu disse.Então fui pra perto dele e ele me abraçou.Eu abracei ele de volta.
-Eu sei que você queria um abraço.-Ele disse.-Não pergunte como,eu só...sei.
-Ótimo.-Disse o Christian.-E você tem que voltar pra corte Adrian.
-O que?-Perguntou meu pai.-Por que?
-Porque a Lissa quer alguém para ajuda-lá.-Disse o Christian.-Não podia ser a Sonya,ela quer alguém que pense diferente dela,alguém criativo.
-Pare de me descrever.-Disse o meu pai.-Eu vou.-Ele disse,depois foi pra perto do Christian e tocou no ombro dele.-Cuide bem da nossa princesa.
-Cuidarei dela.-Disse o Christian.-Manterei ela segura.
-Nós manteremos.-Disse o Peter.
-Todos nós.-Disse o Declan e o Vitor,na mesma hora.Mas eles não se encararam,riram um para o outro.Então foi um abraço em grupo.Depois descemos e fomos em um lugar que o meu pai conhecia,ele só mandou a gente colocar roupas de banho,eu coloquei um biquini vermelho.
-Serio.-Disse o Declan.-Você não podia usar um maio?
-Não.-Respondemos eu e o Peter,como um.
-Saia da minha cabeça.-Eu disse ao Peter.
-Culpa sua.-Ele me disse.-Agora entra logo nessa piscina.
-Por que?-Pergunto a ele.
-Sou seu "namorado".-Ele disse.-Tenho que agir como tal.E concordo com o Declan.Iria fazer você morrer usar um maio?-Ele perguntou.Depois se alto respondeu.-Iria.
-Exatamente.-Eu disse a ele.Passamos o resto do dia nessa piscina.Todo mundo brincando,se divertindo.De noite quando eu fui pro meu quarto dormir,eu tive um pesadelo.Eu estava na escola,só eu.Então eu fui andando até o meu quarto e a Bela estava lá,sangrando,sem vida e quem a matou...fui eu.Então apareceram várias pessoas,mortas,todas as pessoas que eu  amava , papai , mamãe , Christian , Declan , Vitor , Tómas,Peter...todos mortos,por culpa minha.E então todos falaram ao mesmo tempo:a culpa é sua Ariel.Tudo isso é culpa sua.E ficaram repetindo,várias vezes.Então eu acordei,com o Peter ao meu lado,me abraçando.
-Calma Ariel.-Ele me disse.-Vai ficar tudo bem.Tudo vai ficar bem.Você não fez nada.
-Eu matei todos Peter.-Eu disse a ele,segurando as lágrimas.-Eu matei todos.
-Não.-Ele me disse.-Você não matou,eu estou aqui,estou vivo.Todos estão vivos.Calma.
-Ok.-Eu disse a ele.Mas foi como um sussuro.Eu falei muito baixo.Depois de um tempo eu me acalmei e ele me soltou.
-Então esse é um dos seus medos?-Ele me perguntou.-Você matar todos que ama.
-Sim.-Eu respondi a ele.-Mas é a primeira vez que eu tenho pesadelos com isso.
-Sua sorte é que eu acordei antes de você.-Ele me disse.-Acordei na primeira vez que eles falaram.
-Aposto que não durmo mais.-Eu disse a ele.
-Então somos dois.-Ele me disse.-Quer jogar dama?
-Não.-Eu disse a ele.-Acabei de ter um pesadelo.Eu acho que vou ficar aqui,sofrendo por isso,depois eu vou jogar dama.
-Seria uma ótima distração.-Me disse ele.-Pra nós dois.
-Ok.-Eu disse a ele,baixinho.Então ficamos jogando dama,eu olhei a hora no meu celular,eram 2 horas da tarde,madrugada para nós.E fomos jogando damas,até ficar "de dia".Iriamos partir de 9 horas.Eu fui começar a me arrumar de umas 5 horas.Acabei de 8 horas,assim que eu desci eu encontrei o Peter,com o Christian.E ele estava contando.
-3,2,1 chegou.-Estava dizendo o Peter,no chegou eu estava do lado dele.O Christian sorriu.
-Incrivel.-O Christian disse.-Já consegue localiza-lá.Isso é ótimo.
-Gente,eu tõ aqui.-Eu falei pros dois.-Me expliquem.
-Eu queria saber se ele conseguia saber onde você estava.-Disse o Christian.-E ele falou que podia até dizer quando você ia chegar.Eu duvidei,então ele começou a contar do 49.E em 49 segundos você chegou.
-Uau.-Eu disse.-Eu consigo fazer isso?
-Não.-Disse o Christian.-Bem,talvez consiga,mas vai demorar.
-Que bom.-Eu disse,cruzando os braços.
-Vamos gente.-Disse o professor Eric,que eu percebi agora que estava na porta do hotel.-Sorte que o aeroporto é só 30 minutos daqui.-Ele foi recolhendo as chaves dos quartos,depois entregou as passagens do avião.Quando entramos no avião,por incrivel que pareça,ficamos eu e o Peter no mesmo lugar.Eu pulei logo pra cadeira perto da janela.Se ele fosse puxar as coisas de mim,capaz de puxar minha vontade de olhar o avião decolar.
-Eu não ia sentar ai.-Ele disse,lendo minha mente.
-Eu queria privacidade.-Eu disse a ele.-Sai da minha mente.
-Felizmente ainda não aprendi a controlar isso direito.-Ele disse.
-É bom aprender a controlar logo.-Eu disse a ele.-Odeio você poder ver meus pensamentos.
-Não minta pra mim.-Ele disse.-Eu sei que você só odeia não poder fazer isso também.
-Tá começando a ser verdade.-Eu disse a ele.-É irritante você saber tanto quanto eu da minha vida,se não mais.
-Agora temos que ver uma coisa.-Ele me disse.-Por eu ser um usuário de espirito,pode ser que eu consiga imitar sua energia,quando você usar muito espirito,eu posso também,e vou ter as mesmas coisas que você.Não vai mais parecer que minha cabeça esta explodindo.
-E os elementos?-Eu pergunto a ele,baixinho.
-Ai o Christian acha que só você consegue,infelizmente.Eu queria tacar fogo nas pessoas.-Ele disse,fazendo um movimento com a mão.Nós dois rimos e ficamos brincando de advinhar,ele tinha que saber o que eu estava pensando.Ele acertou tudo,números,nomes,animais,palavras,frases...tudo que eu pensava ele acertava.Depois a gente deitou e dormiu.


Notas Finais


E ae
Quem gosta do Peter Dashkov?
Como querem a história dele?
Se acham ele legal,esperem pelos outros!!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...