História Arma final de Atena - Capítulo 17


Escrita por: ~

Postado
Categorias Percy Jackson & os Olimpianos
Personagens Artemis, Atena, Percy Jackson
Visualizações 111
Palavras 1.574
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Ecchi, Luta, Romance e Novela, Shounen
Avisos: Nudez
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olá pessoal, depois de um tempinho estamos aqui denovo trazendo mais um capítulo pra vocês, então espero que curtam.

Capítulo 17 - Impact


Ao mesmo tempo em que acontecia a queda de Phoebe, as caçadoras seguiam com Ártemis em busca de sua próxima presa, quando a deusa subitamente parou, com os olhos arregalados. Uma forte dor se espalhava em seu peito enquanto que, inconscientemente, ela sentia o vínculo com sua serva sendo quebrado e ,a essência da garota, desaparecendo do mundo dos vivos.

Descanse em paz… minha guerreira — Pensou com lágrimas nos olhos, surpreendendo as demais que lhe seguiam.

— Está tudo bem… minha Senhora? — Perguntou Michelle, uma das mais antigas da caçada.

— Meninas… Phoebe caiu em batalha… ela está sendo levada para o Hades — Disse com pesar, enquanto levantava o braço direito aos céus, ato para demonstrar que independente de onde a caçadora esteja, a caçada sempre estará com ela.

O baque foi pesado nas garotas, que viam Phoebe como uma irmã mais velha, visto o tempo que ela estava como Vice Tenente, ao lado de Zoe. Em muitos casos, era ela que sustentava o emocional das mais novas, sempre às confortando quando as mesmas tinham seus pesadelos, provenientes de seus traumas.

    Em um local distante, no entanto, um ser parecia bastante contente com o ocorrido. O Deus da Guerra, Ares, observava com um sorriso no rosto a expressão modificada de Percy, que sempre teve uma feição calma. No entanto, no momento que viu sua companheira sendo atacada, todo seu amor foi transformado em um ódio sem nenhum controle.

— É assim mesmo Percy… é este sentimento que você deve ter… — Sussurrou de forma sádica ao olhar o sofrimento estampado no rosto do semideus. — Você tem o potencial para ser o maior guerreiro semideus de todos… então espero que me divirta ainda mais… criança —

    Após o fechar de olhos de Phoebe, toda a moral dos dois semideuses caiu por terra. Percy, que nunca havia tido perdas, se sentia desolado e sem nenhuma vontade de fazer nada a não ser chorar ao lado do corpo da “irmã”. Zoe, por outro lado, tentava se manter impassível mas, de todas as caçadoras, Phoebe foi quem mais ela se deixou afeiçoar e assistir a cena de sua morte era demais para que a menina conhecida como Coração de Gelo pudesse aguentar.

    No entanto, não havia tempo para que pudessem desperdiçar lamentando a morte da garota, pois não sabiam quanto tempo Atena sobreviveria nas condições em que estava e ainda não tinham nenhuma confirmação de onde encontrá-la, junto com o pretor.

— Vamos Percy… temos que terminar a missão — Disse Zoe com uma voz fria.

— Me desculpe Zoe… — Disse o garoto chorando, surpreendendo a maior. — Ela morreu para me proteger… se eu não tivesse sido tão fraco… ela não precisaria ter se sacrificado. —

O garoto, com seus olhos fechados, não percebeu a aproximação da garota, que o levantou pelo colarinho, com os olhos faiscando.

— Entenda uma coisa Percy… essa foi a escolha de Phoebe então não ouse diminuir o feito dela dizendo que foi fraqueza sua… — Disse firme. — Ela foi uma heroína que deu a vida para salvar a sua… então a honre protegendo aquilo que ela não pode mais proteger… isso inclui a você mesmo… — O pequeno sorriu triste.

— Entendo… então farei isso… — A maior somente sorriu, mas por um momento, estranhou o olhar frio que se apresentava no rosto do menino. — Eu preciso ficar mais forte… para proteger aquilo que eu amo… e destruir aqueles que os ameaçam…

    Zoe, acabou por deixar passar um detalhe bastante importante. Os olhos de Percy, por mais que tivessem diversas cores, em nenhum momento haviam demonstrado uma porção vermelha sangue, como detinham agora.

    Cada uma das cores correspondiam a bênção de um dos deuses olimpianos, que o reconheciam como semideus, transferindo uma pequena porção de seu domínio e de suas características. Por ser um Campeão de Atena, ele possuía muito mais dela do que de qualquer outro, no entanto, com o aumento de bênçãos, é inevitável que suas características conflitem, deixando-o instável.

    Os dois estavam bastante debilitados e dificilmente conseguiriam aguentar uma luta caso algum monstro aparecesse para os desafiar, mas maior que qualquer dor física, o emocional do grupo estava abalado e, então, como robôs programados, eles seguiram de forma mecânica até onde estaria o trem, querendo terminar a missão o mais rápido possível.

    Por sorte, não houve nenhum acontecimento marcante na viagem até Roma, de forma que, mesmo sem conseguir fechar os olhos por nenhum momento, eles puderam descansar de forma prévia.

Parece que a morte dela o afetou mais do que até mesmo a mim… mesmo com tão pouco tempo de convívio… o quanto ela significou para você… Percy? — Pensava Zoe, enquanto fitava o garoto, que seguia sem dizer nenhuma palavra, desde o momento em que voltaram a se direcionar a Roma.

— Minha mãe nos alertou sobre Rômulo… o fundador de Roma… podemos começar perguntando para os moradores se não há algum tipo de construção em sua memória… — A garota somente concordou com a cabeça, afinal era a única dica que tinham para encontrar Atena e o pretor.
    Enquanto caminhavam, notaram que o clima parecia bastante tenso na cidade, pois era quase como se os moradores sentissem a guerra que estava para acontecer, mesmo ela se situando ao longe e de forma secreta. Alguns dos cidadãos até mesmo se recusaram a conversar com os semideuses, ignorando-os enquanto pediam informação.

— Com licença… gostaria de saber se há alguma construção em homenagem a Rômulo… — Perguntou Zoe, para uma mulher com aparentes 23 anos, de forma educada, afinal estavam no coração do território inimigo, não podiam chamar atenção de forma desnecessária.

— Naturalmente… afinal ele é o criador de nossa cidade… ela é a Cabana de Rômulo e dizem que foi por aqui que começou Roma... — Respondeu simpática.

    Após mais alguns momentos de conversa, a jovem passou as coordenadas para que os semideuses pudessem seguir em direção ao local. As esperanças cresceram exponencialmente quando viram o tamanho da construção.

— Só pode ser aqui… — Afirmou Zoe.

— Realmente… no entanto aqui é um local bastante visitado… então deve ter algum tipo de entrada secreta que os mortais não conseguiriam entrar… — Observou Percy.

A procura por alguma passagem secreta, no entanto, não os estava levando a nenhum lugar. É natural que estivesse bem escondido, mas depois de algumas horas, tanto Zoe quanto Percy, se frustravam por não conseguir nenhum resultado.

— Parece que essa Cabana foi projetada pelo próprio Dédalo… não é bacana? — Uma moça de possíveis 18 anos, contava animada para seu namorado.

Dédalo? O mesmo inventor do labirinto? — Se questionava Zoe. — Ei Percy… se o que ela diz for verdade tem grandes chances de ter um Delta escondido em alguma parte da Cabana…

— E por que você diz isso? — Perguntou confuso, por não conhecer a história do arquiteto.

— Dédalo foi um construtor extremamente famoso na Antiguidade e já passei pela experiência de adentrar no Labirinto… que é a invenção mais famosa dele… e suas passagens são sempre com um pequeno Delta… — Lhe explicou o raciocínio.

— Entendo… então faria sentido ter algum por aqui também… —

    Ao procurar por uma passagem secreta sem ao menos saber qual seria o ativador, era como tentar encontrar uma agulha em um milharal, mas ao ter a estrutura em mente, o trabalho reduziria substancialmente.

Quando o sol começava a dar lugar para a Lua e as esperanças do grupo sumindo, Percy, encontra em meio aos escombros um pequeno brilhante, escondido em meio a poeira acumulada pelo decorrer dos anos. Seu peito se encheu ao ver o símbolo de Dédalo em sua frente, após tanto tempo perdido em sua procura.

No entanto, após os dois se reunirem em frente à entrada, uma constatação caiu sobre eles. Em todos os sonhos, Atena estava acorrentada a uma parede, havia uma voz desconhecida ao fundo e o pretor estava sentado sobre um trono, de forma imponente.

— Zoe… há uma grande chance de o Pretor não estar sendo preso… então pode ser uma emboscada… — Afirmou o pequeno.

— Sim… mas não podemos simplesmente ignorá-la agora…senão a morte de Phoebe será em vão… — O garoto somente concordou com a resposta da caçadora.

— Antes de entrarmos quero que me prometa algo… — Começou o semideus, chamando a atenção da maior. — Se realmente for uma emboscada… quero que fuja mesmo que tenha que me deixar pra trás… me prometa Zoe… —

    No momento em que terminou de falar, um forte tapa estalou em seu rosto e ele, surpreso, virou para olhar o rosto da garota que tinha uma expressão furiosa no rosto.

— Não entenda errado Percy… eu disse para você que vivesse e protegesse aquilo que Phoebe queria proteger… mas eu também fiz uma promessa a ela… eu disse que protegeria a caçada e que também te protegeria… então não pense que vou te deixar pra trás para que morra… senão nunca poderei olhar no rosto da Phoebe... —

— Entendo… você é uma pessoa realmente gentil… Zoe — Disse com um sorriso verdadeiro, que arrancou a expressão dura no rosto da mais velha, que até mesmo deixou um pequeno sorriso acompanhar o do pequeno. — Mas deixe que eu fique na linha de frente… tenho contas a acertar com Roma… — Disse novamente com uma frieza não característica em seu rosto.

— Tudo bem… seja a linha de frente e garanto que vou derrubar nossos inimigos… — Disse Zoe.

Com um sorriso cúmplice os companheiros, pela primeira vez, conseguiram confiar suas vidas nas mãos um do outro, na possível batalha final. Com um sorriso de ambos os lados, eles esticaram o punho direito e tocaram levemente um no outro, consolidando sua parceira.


Notas Finais


E esse é o capítulo 17, não deve ter ficado muito grande, então peço desculpas por isso, mas o próximo capítulo vai ter um impacto grande na história então preferi não começar nesse para terminar no próximo, enfim, se gostaram comenta ai, eu fico bem feliz de ler os comentários e sempre procuro ver se tem algum para responder. Abraços e até o próximo


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...