História Artificial Love - Capítulo 18


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga
Tags Jikook, Namjin, Vhope, Yoonjin
Exibições 123
Palavras 3.502
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yaoi
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


OI..
TÔ BEM NÃO! BLOOD, SWEAT & TEARS TÁ MUITO LINDO!
E O JIN BEIJANDO A ESTÁTUA!! KYAAAA~

BOA LEITURA <3

Capítulo 18 - Capítulo 15 Praia e Coincidência


Eu estava com a minha camiseta azul marinho pendurada nos meus ombros, bermuda jeans meio curta desfiado. O vento que havia aqui não era nem muito forte, nem muito fraco, era um vento gostoso. Fui até a beira da água e molhei meus pés, notando que não estava tão fria quanto pensei que estaria quando sai de casa. Ainda assim, o céu estava meio nublado e o sol não aparecia há algum tempo.

De algum modo, Tae e Hoseok haviam conseguido me trazer para a praia com esse tempo.

Okay, para começar, acho que isso foi culpa do Yoongi. A noite com ele havia sido perfeita. O garoto conseguia ser lindo e romântico, ele conseguia me fazer querer ficar mais e mais perto dele, tudo era tão fácil quando estávamos juntos... nós passamos a noite tomando raspadinha e nos beijando, tanto na praça quanto no caminho para casa e eu nunca me cansava. Podia ficar ali por mais horas com ele, que eu nem me importaria. Eu não conseguia parar de pensar que tínhamos algo especial, não tinha com estar errado.

Eu cheguei em casa feliz, praticamente nas nuvens, até que fiquei preocupado com o que o que Namjoon iria dizer (já que ele e os meninos ainda deveriam estar em casa), mas não tanto. Nem precisava ter me importado, na verdade. Quando eu chegay, ele não estava na minha casa.

Jimin disse que ele saiu alguns minutos depois que sai, disse que ia ver uma amiga. Tradução: ele iria ver Karina e fazia questão de tentar me fazer ciúmes. Funcionou em parte, porque ele podia até ter saído para ficar com Karina, mas em compensação, eu também tinha o Yoongi. E man, por mais que Namjoon achasse que as coisas entre ele e Karina estivessem bem, não tinha como estar melhor que eu e Yoongi. Mas ainda assim, não queria ficar perto dele, então acho que foi culpa do Namjoon também.

Isso quer dizer que, na manhã seguinte, eu estava de ótimo humor e não ficar em casa. Não foi muito difícil me fazer sair. Quando Tae me ligou, até chegay a comentar que o dia não parecia muito bom para ir à praia, mas ele rebateu que não previsão do tempo dizia que faria sol mais tarde e isso foi o suficiente para me tirar de casa.

Acabamos vindo, Tae, Hoseok, Kookie (eu chamei ele depois da ligação do Tae) e eu, de carro (que Tae me obrigou a alugar ¬¬).

A praia ficava a pouco mais de uma hora de viagem e chegamos mais ou menos nove horas da manhã. Não tinha muita gente, mas também estava mais cheia do que pensei que estaria. Mais pessoas devem ter confiado na tia (ou seria tio?) da previsão do tempo.

Depois de escolhermos nosso lugar na areia, Tae foi arrumar as espreguiçadeiras e o guarda-sol, Kookie foi dar uma volta para ver o movimento, Hoseok começou a se alongar (sem motivo aparente) e eu vim dar uma olhadinha no mar. Estava bem animado, de verdade. Fazia tempo que não vinha à praia.

Voltei correndo para perto de Taehyung, que tinha acabado de deitar numa espreguiçadeira e sentei-me na espreguiçadeira ao lado da dele.

- O que deu em você para querer vir assim, de última hora? – questionei.

Tae riu de leve, olhando para Hoseok.

- Foi ideia do Hobi hyung. Ele me acordou hoje antes das seis reclamando que nunca viemos na praia juntos, que era uma afronta pessoal para ele... Então, achei que não tinha mal nenhum, mas não queria vir sozinho com ele.

Abaixei a voz e comentei:

- Isso porque você não consegue negar nada ao Hoseok. Aliás, - completei – ele também deve ter ficado bem animado com a ideia de te ver só de sunga.

Tae ainda estava de bermuda, mas estava sem camiseta, ele tinha um corpo lindo pra caramba. Hoseok não parava de olhá-lo.

Tae corou e riu de leve.

- Talvez. – respondeu – Mas e você e o Suga hyung? Como foi ontem?

Queria contar tudo nos mínimos detalhes, mas fiquei com medo do Hobi ouvir, então me contentei em dizer:

- Foi melhor que da primeira vez. – suspirei, então peguei minha camiseta que tinha deixado no chão e joguei na espreguiçadeira que estava, peguei meu celular e fones que estavam na bolsa que Tae havia trazido – Vou dar uma voltinha tá?

- Pensar hyung?

- Acho que estou feliz demais para pensar hoje. – brinquei – Mas relembrar...

Tae riu, escondendo a boca na mão e eu sai em seguida. Coloquei minha playlist favorita para tocar nos fones e voltei para a beira da água, seguindo à direita, sempre pisando perto o suficiente para que as ondas quebrassem em meus pés.

Minha mente estava dispersa, teimava em voltar para a noite de ontem. Eu e Yoongi. Meu Deus, eu definitivamente estava apaixonado por aquele garoto.

Mas acho que não havia como não estar. Ele parecia, não sei, ser perfeito. Racionalmente, eu sei que ele é, com aquelas manias de perfeccionismo e os caramba, aquele jeito meio fechado demais, mas ainda assim, eu não conseguia ver aquilo como defeito.

E era como se eu devesse achar o que sentia por ele errado – afinal, eu estava apaixonado por Namjoon antes – mas simplesmente não podia. Se tinha algo errado ali, era com o Nam. Gostar de alguém que finge que você não existe e depois, do nada, implica com você, além de pegar o par de outra pessoa, não me parece saudável. Gostar de alguém que te trata como uma princesa, sim.

Suspirei, satisfeito. Yoongi havia dito que, agora, “princesa” seria meu apelido. Eu respondi que eu não levava jeito para princesa, que princesas eram elegantes, graciosas e indefesas e eu não era nenhum dos três, mas ele me disse que eu sou, sim, a princesa dele. Porque segundo ele, uma princesa tem que ser linda, determinada e forte como eu.

Eu não sabia se ria ou chorava. Achei melhor beijá-lo.

Acabei dando um risinho sozinho, enquanto andava, ao lembrar de nós dois naquele chafariz, quando me apoiei no seu peito e – Pasmem! – ficamos jogando um jogo de corrida no celular dele. Eu mal prestava atenção, com Yoongi apoiando o queixo no topo da minha cabeça, com os braços ao meu redor, ficava difícil me concentrar. Ele reparou e brincou comigo, dizendo que eu era um péssimo motorista, mas respondi que eu era bom em outras coisas, corei e acabamos nos beijando novamente. Eu ainda me surpreendia com minha audácia, mas era tão fácil conversar com ele que quando percebi, as coisas já tinham saído.

E o beijo do Yoongi era tão bom... Ele era incrível, me fazia sentir coisas que eu nem sabia que podia. Quando ele me beijava, mordia de leve meu lábio, ou arrastava sua boca sobre a minha suavemente, eu sentia que estava derretendo. Eu amava o jeito que me olhava, que seu cabelo roçava na minha testa quando nos beijávamos, o modo como me abraçava.

O ruim é que tinha o Namjoon, que eu sabia que tinha que dar um jeito de esquecer, mas não conseguia. Às vezes, eu me pegava lembrando que ele ficou com a Karina e deu em cima de mim ao mesmo tempo, que a beijou no baile, que estava me tratando como uma pessoa invisível e eu odiava, do fundo do coração. Às vezes, eu lembrava dos nossos dias juntos antes dessa merda toda acontecer, de como Namjoon era sempre preocupado e até romântico comigo, como só de estar na sala ao lado da dele meu coração disparava e eu sentia um ímpeto de ir até onde ele estava, abraça-lo e pedir que tudo voltasse a ser assim.

E às vezes, eu me perguntava o que teria acontecido conosco se, ao invés de ficar com medo de beijá-lo no baile, eu simplesmente houvesse fechado os olhos e aceitado. Se eu e Namjoon houvéssemos nos beijado na pista de dança, ao invés de nos afastarmos e voltarmos para a mesa, como estaríamos agora? Será que ele teria terminado com a Karina? Será que eu teria ficado com o Yoongi? Não tinha certeza quanto à segunda pergunta, mas não havia dúvidas que a resposta terceira seria não. E, para falar a verdade, eu não tinha certeza se preferiria que as coisas acontecessem do outro jeito,

Eu não sabia como seria ter o Namjoon, mas sabia como era ter o Yoongi e não tinha certeza se ter ficado sem ele seria melhor.

Suspirei, afastando esses pensamentos. Não queria quebrar a cabeça com o modo que as coisas poderiam ter acontecido. O que eu precisava fazer era dar o meu melhor com a situação que eu tinha agora.

Troquei a playlist por uma só com músicas de “NOT BAD” – perfeita para me alegrar (avá ¬¬) – continuei andando, cantarolando no ritmo das músicas. Ocasionalmente eu acabava dando uma rebolada ou uma girada enquanto andava e quando comecei a cantar Boombayah (BLACKPINK) alto demais, uns garotos ficaram me olhando meio que tipo “DAFUCK, aquela besha tá tendo um orgasmo?!”.

Quando chegay ao fim da praia dei meia volta e decidi voltar para onde o pessoal estava – eu ainda corria o risco de Tae ter se preocupado e estar querendo me matar. Aumentei o volume dos fones e tratei de me concentrar nas músicas, para não ficar pensando besteiras e sorrindo/fazendo cara feia/tarada sozinho. Mas eu estava reparando no movimento do lugar – vai que dou de cara com o menino biscoito? – por isso que notei umas pessoas dentro de um carro preto. O motorista me era familiar, mas não consegui ver direito por causa do vidro do carro, então deixei para lá.

Ele estava andando normalmente, até frear bruscamente e o carro de trás quase bater. Não dei importância e continuei andando e enfiando meus dedos dos pés na areia molhada, até reparar que o carro buzinava sem parar e o som era alto o suficiente para eu conseguir ouvir. Fiz cara feia e aumentei mais o volume dos fones, mudando para um “tuts tuts” selvagem, Very Good (BLOCK B, AMO ESSA MÚSICA <3 ) e quando olhei de novo o carro havia estacionado e o motorista estava saindo.

Yoongi estava na praia.

Encarei-o, perplexo, enquanto descia de carro, notava que o vi e acenava para mim. Parecia que algo havia me acertado com força no peito, mas não era uma sensação ruim. Yoongi estava aqui. My Gosh, Yoongi estava mesmo aqui e estava vindo na minha direção!

Fiquei praticamente elétrico e estático ao mesmo tempo, não sabia bem como agir, mas estava bobo de felicidade – e vergonha! Estava pensando nele até pouco tempo atrás! Acenei de volta e cruzei os braços atrás de mim, me inclinando para frente e para trás, pensando que era incrível eu vê-lo aqui – quais as chances dele ter me encontrado assim?

E Yoongi estava tão lindo... de bermuda cáqui, camiseta preta e chinelo, estava informal, mas ainda assim lindo! Observei enquanto se aproximava, decidindo se devia cumprimentá-lo com um abraço ou um beijo, quando de repente me dei conta de uma coisa: estava sem camiseta e aquela bermuda curta.

Olhei para mim mesmo, quase em pânico. Eu estava praticamente pelado. E Yoongi estava vindo!

Cruzei os braços na frente do corpo, por instinto e senti meu rosto esquentar. Principalmente quando notei que Yoongi estava me olhando disfarçadamente, mas por fim, descruzei os braços e mantive ao lado do corpo, mesmo estando tenso. Aquilo era uma praia afinal. As pessoas ficam assim mesmo. Sem neura de eu estar gordinho, ou com minha pele quase transparente...

- Hey Jinie! – Yoongi disse, quando estava perto o suficiente para eu poder ouvir – Tudo bem?

- Tudo sim Yoongi. – sorri – E você?

- Melhor agora. – ele respondeu, passando a mão pelo cabelo e sorrindo.

Ficamos nos encarando por uns instantes, sem saber o que fazer em seguida e foi aí que reparei: ele também estava sem graça. Não conseguia me olhar direito, sempre acabava desviando o olhar e corando. Isso meio que me deu coragem e cara... ele ficava tão fofo com vergonha!

Adiantei-me e envolvi seu pescoço com os braços, rindo de leve.

- Agora sim. – sussurrei – Oi, Yoongi!

Ele não me abraçou de volta imediatamente, só ficou lá, duro, por alguns segundos (achei que estava abraçando uma estátua ¬¬), antes de pousar suas mãos na base da minha costa, hesitante. Ele envolveu minha cintura com os braços e pousou cabeça na curva do meu pescoço, a boca quase tocando minha pele. Afastei-me, depressa e percebi que Yoongi notou. Estava com um sorrisinho muito presunçoso.

Acabei cruzando os braços de novo e ele sorriu, comentando:

- Não sabia que viria aqui hoje.

- Nem eu. – rebati, encolhendo os ombros – Tae me ligou hoje às seis da manhã para me convidar. Fazia tempo que eu não vinha na praia, sabe? Aí a gente veio.

- Ah, Taehyung está aqui também?

Ele olhou em volta, procurando por ele e eu neguei com a cabeça.

- Está, mas não aqui. Viemos eu, ele, Hoseok e Kookie, nós estamos lá perto das quadras de vôlei do outro lado da praia.

A expressão de Yoongi passou de curiosa e feliz para surpresa e em seguida chateada. Encarei-o, sem entender e ele suspirou.

- Princesa, tenho que te avisar uma coisa...

- Diga lá... – eu disse, com um sorriso de orelha a orelha.

Yoongi passou a mão pelos cabelos de novo – ele ficava tão lindo fazendo aquilo – e por fim disse nervoso:

- Eu não vim exatamente para a praia hoje, eu vim mais trazer o Jimin e outras duas pessoas. Ele ficou me enchendo o saco a semana toda porque queria carona para vir e como minha mãe tem carro, eu pedi emprestado e decidi trazê-lo, mas ele convidou o Namjoon e a Karina para virem juntos.

Me sorriso congelou no rosto na hora.

- Como é que é?

- Se eu soubesse nem teria concordado. – Yoongi confessou, com raiva – Ao que parece, Jiminie disse para eles que eu iria emprestar o carro da mãe e eu só soube que eles iam quando apareceram acompanhando o Jimin lá em casa hoje de manhã. Eu não podia simplesmente quebrar a minha promessa. Sinto muito, mesmo.

Olhei em direção ao carro e vi Jimin, no banco do carona, nos olhando.

Encarei o chão por alguns segundos, perplexo. Namjoon estava lá, com Karina. Uma ponta de raiva subiu pelo meu peito, não dava pra acreditar naquilo. Tá, claro que dava, afinal os dois estavam um nojinho de tão grudados ultimamente, mas tipo, sei lá!

Respirei fundo, engolindo os sentimentos ruins. Não precisava me preocupar com isso. Namjoon que fizesse o que quisesse da vida de merda dele, eu estava muito bem, obrigado.

- Bom pelo menos eles vão ficar por aqui mesmo né? – perguntei, esperançoso.

Yoongi fez que não com a cabeça, franzindo a testa de leve.

- Karina e Jimin disseram que queriam ficar da quadra de vôlei, para jogar mais tarde.

Ah, se ferrar né?

Eu não iria simplesmente sair de onde estava só porque Karina e Namjoon iam ficar lá também. E eu sou orgulhoso demais pra isso. Mas ficar olhando a cara deles o dia todo, não era exatamente a minha prioridade agora.

Respirei fundo e olhei para o Yoongi, mordendo o lábio inferior.

- Tudo bem. Obrigado por avisar. Você vai ficar com a gente?

- Na verdade só vim trazer eles, não pretendia ficar... – confessou.

- Ah não! – reclamei, verdadeiramente chateado – Você vai me deixar sozinho, Yoongi?

Ele me encarou em dúvida por alguns segundos e corei sob seu olhar. Por fim, perguntou:

- Você... quer fazer ciúmes no Namjoon?

Corei violentamente, me surpreendendo com a linha de raciocínio dele. Honestamente, aquilo nem tinha passado pela minha cabeça. Eu não gostava desse negócio de ciúmes, na verdade, me sentia estranho quando estava no mesmo lugar que os dois juntos. Meio sem saber o que fazer. E mesmo que soubesse fazer ciúmes em alguém, Namjoon não iria sentir ciúmes de mim. Ele estava com Karina, que era mais bonita, sexy e sabia o que fazer para virar a cabeça de um garoto.

- Eu não quero fazer ciúmes em ninguém. – confessei, ficando mais vermelho ainda. Não devia ter que discutir sobre Namjoon com Yoongi. Nunca tínhamos tocado no nome dele depois daquela noite no baile, era até estranho falar sobre aquilo agora – Eu só... queria que você ficasse aqui, comigo. Porque você faz as coisas complicadas parecerem simples. E eu passei a manhã toda pensando em você e sei que isso é constrangedor, mas você é provavelmente o cara mais legal que conheço e mesmo que você estivesse sozinho só para, sei lá... catar latinhas, eu ia querer que ficasse comigo.

Falei essa última parte rápido, constrangido e olhando para a areia, mas era verdade. Além disso, eu iria ter Kookie e Tae comigo e seria legal o apoio deles contra o Namjoon e tals, mas com eles eu sentia como se precisasse odiar Namjoon. Com Yoongi não. Com ele, eu podia simplesmente... esquecer.

Quando ergui os olhos, notei que Yoongi sorria, orgulhoso, para mim. Estava a ponto de perguntar o por que daquela cara – ou sair correndo de vergonha – quando ele suspirou, satisfeito e anunciou:

- Nesse caso, acho que vou te dar uma carona.

E, do nada, se inclinou, passou o braço pela minha cintura e pela parte de trás dos meus joelhos e me pendurou no ombro dele. Como um saco de batatas.

Fiquei estático de susto, sem saber se brigava ou ria. Meu Deus, ele me pegou no colo! E eu só estava com aquela bermuda meio curta!

Comecei a me retorcer e socar suas costas, mas sem conseguir parar de rir.

- Me solta Yoongi! – reclamei – Eu sei andar!

- Aham, eu também. – riu de volta – Por que não fica quietinho e aproveita o tratamento VIP?

- Tratamento VIP uma ova! – eu disse, sem parar de “socar” sua costa – Eu tenho medo de medo de altura, seu bobo!

- Nossa! E está tão alto! – revidou.

Parei um pouco de me remexer quando minha bunda bateu na bochecha do Yoongi – incrível como consegui essa façanha. Pensei em tentar alguma manobra para ele me soltar, mas com certeza isso derrubaria nós dois e provavelmente nos machucaríamos. Ainda assim, eu não ia parar sem lutar.

- Se você me deixar cair, eu te mato, me ouviu fantasminha?? – ameacei.

- Sim, claro, mate um fantasminha. – ele riu.

Fiquei em silêncio por alguns segundos, pensando em como responder aquilo, então disse:

- Se você me deixar cair, eu rabisco seus desenhos.

Eu ri e ele também.

- Você não faria isso.

- Me tente. – cantarolei.

- Mais do que você me tenta?

Depois dessa, resmunguei sobre como pessoas ficavam falando coisas de duplo sentido com a cabeça a centímetros da minha bunda e cruzei os braços. No entanto, eu estava feliz.

Yoongi só me colocou no chão na calçada, comentando, modesto:

- Nem cansei.

- Cansou sim, só está se fazendo de forte – revidei, mostrando a língua – Foi muita audácia sua.

Ele riu e colocou as mãos na minha costa, me guiando em direção ao carro que ele estava dirigindo. Quando chegamos, o banco do carona estava vazio, Jimin foi para trás em algum momento. Não me importei nem um pouco – isso significava que não teria de me sentar junto com Karina e Namjoon no banco de trás. Respirei fundo rapidamente e abri a porta, sem deixar que Yoongi fizesse isso por mim.

- Você devia me deixar ser um cavalheiro. – ele reclamou.

- Mas eu sei abrir a porta. – ri.

Yoongi revirou os olhos, dando a volta no carro. Me sentei e virei para trás, decidido a ser educado. Namjoon estava no canto atrás do motorista, Karina no meio e Jimin atrás de mim. Vê-los juntos enviou um choque pelo meu corpo, mas não foi tão forte quanto pensei que seria e eu ainda estava meio rindo do Yoongi, então foi fácil demais não fazer cara de assassino.

- Oi, bom dia gente! – sorri.

Os três responderam bom dia, alguns mais felizes que outros – né Jimin? Então Yoongi sentou no banco do motorista e colocou o cinto, reclamando:

- Sabe andar, sabe abrir a porta do carro... tem algo que você não saiba fazer?

Me virei para frente, fingindo pensar no assunto:

- Eu não sei desenhar, não sei andar de skate... – dei de ombros.

- Amém. – Yoongi sorriu – Agora coloca o cinto.

Olhei torto para ele. Eu estava sem blusa, ia ficar todo marcado se colocasse o cinto.

- Tá falando sério?

- Hyung você é muito chato. – Jimin riu.

- Você também Jimin, cadê o cinto? – reclamou.

Revirei os olhos e cruzei os braços.

- Não vou colocar o cinto Yoongi.

- Vai logo. – Karina reclamou.

- Concordo com ela. – ri, sem acreditar direito no que falei.

Foi a vez do Yoongi me olhar torto, mas acabou ligando o carro e saindo.

- Você vai ver depois.

Joguei beijinhos para ele e fomos embora.


 


Notas Finais


UANI MANI MANI~
Espero que tenha gostado BEIJOS DE PURPURINA~ BYE~


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...