História Artificial Love (Sulay) - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Lay, Suho
Tags Exo, Lay, Menção Kristao, Menção Xiuchen, Starlotus2017, Suho, Sulay
Visualizações 201
Palavras 1.753
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Ficção, Ficção Científica, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Slash, Universo Alternativo, Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Perguntaram de que dia/com que frequência os capítulos vão sair. Minha meta é post semanal, provavelmente aos sábados que é quando tenho uma folguinha da faculdade. Espero que estejam gostando, obrigada aos favoritos e aos comentários, amo ler e receber o carinho de vocês. ♡♡♡

Capítulo 4 - Cozinheiro Particular.


Segunda-feira chegou em um piscar de olhos e seria meu primeiro dia de trabalho depois da chegada de Yixing. Embora soubesse que provavelmente ele iria se virar muito bem sem minha presença, estava preocupado. Um final de semana havia sido o bastante para me aproximar, o via sorrindo com mais frequência e até criara intimidade o bastante para rir quando eu fazia alguma besteira, o que era frequente.

“Qualquer coisa é só me ligar, ok?” se aproximou segurando meu blazer fazendo menção de me ajudar a vesti-lo, claro que permiti. “Você se preocupa demais... Vai ficar tudo bem”. O fiz anotar meu número e tive que sorrir quando o vi prendendo o pequeno papel com um imã na geladeira.

Deixei a casa de carro e podia ver Yixing acenando em despedida do portão. Imaginava o que meus vizinhos pensariam ao ver aquele homem estranho na minha casa, provavelmente inventariam toneladas de histórias e fofocas.

O transito estava estagnado e me distraí mexendo no rádio, estava pegando a mania de Yixing de cortar as músicas na metade para procurar outras. Aquele congestionamento me atrasou e muito, quando finalmente coloquei os pés dentro da empresa tentei chegar rápido até minha sala, mas foi impedido pela voz mecânica e fria da recepcionista.

“Senhor Kim, o senhor Wu o está esperando em sua sala.” A android de cabelos crespos fortemente presos em um coque tinha e expressão dura e imaculada, agradeci com medo e mudei minha rota para ir até os elevadores, com os dedos tremendo em ansiedade pressionei o número 25.

A mudança de altura me provocava uma vertigem absurda e muita ânsia de vomito, mais do que o normal por estar com medo do que me esperava naquela sala. Agradeci quando finalmente as portas do elevador se abriram, se não estivesse atrasado e não fosse um andar tão distante do térreo com certeza teria optado pelas escadas.

A porta da sala de Yifan estava aberta e não precisei bater já que seus olhos estavam fixos na entrada e um sorriso surgiu em seus lábios quando me viu ali.

“Que demora, JunMyeon. O android está te distraindo tanto assim para perder o horário?” quando vinha com esse papo mole sabia que despejaria uma bomba sobre meus ombros. “Como ele está?”

“Se adaptando bem rápido...” me indicou a cadeira para que me sentasse e assim fiz. “Quase não preciso intervir.” O sorriso que exibia era de satisfação.

“Não esperava menos. Essa versão foi produzida para ser quase independente no quesito de aprendizado e adaptação. Deve ser capaz de buscar o conhecimento por si mesmo, até porque nem todos os proprietários de um Artificial Mate tem tempo para estar tão presente de forma que auxilia em seu aprendizado.” A pausa foi longa e apenas me deixou mais curioso. “Mas você, para estar de olho nele e observar cada detalhe de seu desenvolvimento deve passar mais tempo ao seu lado, certo?” Por um momento me atrevi a ter esperança que ganharia alguns dias de folga. “E nesse seu cargo cuidando de arquivos isso não será possível...” Estava tão perto de ganhar um tempo a mais longe daquela empresa, até que a frase seguinte acabou com essa esperança. “Por isso vou te mudar de cargo, não será permanente, claro, pois sei que almeja mais que isso. Não se preocupe, seu salário e carga horária continuaram os mesmos!”

“O-O que exatamente irei fazer? E como isso me dará mais tempo com Yixing?” o brilho em seus olhos me assustava e sabia que estava adorando me ver curioso e desesperado daquela forma. “Bom, Jongdae precisa de mais um ajudante. Apesar de ser um gênio, é totalmente desorganizado com a papelada. O android que tem em sua posse já está encarregado de auxilia-lo na parte física, manutenção e atualização de outros androids, essas coisas. Precisa de alguém organizado e confiável para cuidar da parte burocrática e você é perfeito para isso”.

“E Yixing...?” já estava assustado o bastante com aquelas informações, mas sabia que podia piorar. “Bom, quero que o traga quando vier trabalhar. Pretendemos colocar essa nova versão em diversos departamentos da nossa empresa, principalmente nos cargos mais próximos a manutenção e criação de nossos androids. A porcentagem de prováveis erros na criação de novas versões será reduzida a quase zero com máquinas inteligentes e competentes nessas funções. Você não é o único testando essa versão agora, claro. Outros funcionários estão na posse de androids configurados das mais diversas maneiras para exercer as mais diversas funções”.

Não estava surpreso com aquela informação, era óbvio que os testariam em diferentes condições com diferentes proprietários, ou naquele caso, patrões.

“Jongdae passa a maior parte do tempo no subsolo, pode ser meio parado, mas é um trabalho muito importante e estou confiando em você”. Percebeu a careta que fiz, não chegava a ter claustrofobia, mas ficava muito desconfortável quando estava no subsolo. “Ele também sai do prédio algumas vezes para coletar Artificial Mates para manutenção, atualização ou descarte. Não deixe que ele dirija, é um péssimo motorista”.

“Ele tem um android, não? Por que ele não dirige?” percebi minha intromissão tarde demais e pedi desculpas, Yifan apenas negou com a cabeça e sorriu. “Ele não admite que dirige mal e diz que não quer sobrecarregar uma criação sua com uma tarefa tão insignificante. É completamente protetor com ele, diria que até apaixonado...”

“Entendi... Quando começo?” já ia me erguendo na cadeira e ele me imitou para dar a volta na mesa e depositar as mãos sobre meus ombros. “Você é um anjo. Começa amanhã, Jongdae estará te esperando na recepção para leva-lo a nova sala. Não esqueça o Artifical Mate.”

Odiava aquele arquivo, mas odiava ainda mais o subsolo. O medo do que me esperava naquele novo espaço de trabalho começava a me incomodar.

 

Conforme organizava as toneladas de papeis, o tempo passava voando e pela primeira vez o expediente havia chegado ao fim sem que percebesse. Me despedi de meus colegas de trabalho e fui para o estacionamento. Caía uma chuva torrencial e até chegar onde havia estacionado o carro já estava ensopado.

“Pelo menos o transito está normal.” Resmungava para o vento, meu corpo estava tremendo dos pés a cabeça e implorando por um banho quente.

As luzes de minha casa estavam acesas e não evitei um suspiro aliviado, estava tudo bem com ele afinal. O cheiro de comida invadiu minhas narinas e segui aquele aroma delicioso até encontrar Yixing cozinhando, ao me ver, sorriu.

“Olá. Deduzi que chegaria nesse horário e resolvi fazer o jantar.” Parei ao seu lado e ele pegou uma pequena porção de carne com uma colher e assoprou antes de levar a meus lábios. Tentei disfarçar a timidez por conta daquele ato, mas minhas bochechas coradas acabaram por me trair. Quando experimentei a comida que me oferecia tive que gemer em aprovação, estava divina e lembrava muito a comida da minha mãe. “Se te deixasse cozinhar iria acabar morrendo de fome!”

“Ei! Olha como fala da minha comida!” ele ria e apertou uma das minhas bochechas com delicadeza. “Para, é fofo. O que achou da comida?”

“Está maravilhosa! Obrigado, você tem razão... Se continuasse fazendo minha própria comida acabaria intoxicado ou desnutrido.” Seus dedos alinharam meus fios de cabelo molhados pela chuva e apontou em direção ao banheiro com a colher que usara para me servir segundo antes. “Toma um banho enquanto eu termino aqui, vai acabar ficando gripado.”

 

Não ousei desobedecer, a água quente relaxou meu corpo por completo. O shampoo de morango preencheu o banheiro com seu perfume e tentei ao máximo ser rápido ali já que minha barriga implorava por mais daquela comida deliciosa.

Já devidamente vestido com meu pijama de coelhinho e os cabelos penteados me sentei à mesa ao lado de Yixing. Ele havia tido o capricho de servir meu prato e não demorei a começar a comer. Tinha tanta coisa gostosa, nem lembrava de ter tanta comida sem queimar na minha geladeira.

“Como você fez tudo isso?” ele estava sentado com o rosto apoiado em uma das mãos e me observando comer tudo com um sorrisinho. “Bom, usei seu computador para procurar receitas. Espero que não se importe... É que realmente fiquei preocupado com seus hábitos alimentares, sua comida é bem... É...”

“Horrível” falamos ao mesmo tempo o que ocasionou em uma sessão de risadas. “Se quiser posso sempre cozinhar para você, o que importa é que se alimente bem, sim?” Obviamente concordei com aquilo, sua comida era deliciosa.

Já havia acabado de comer e o ajudei a lavar a louça, tinha espuma para todo lado e vez ou outra nossas mãos se tocavam, o que ocasionava em um surto de vergonha por minha parte e um surtinho de risadas por parte de Yixing.

“Xing... Me mudaram de cargo e meu chefe pediu para que o levasse comigo para o trabalho. Para que passarmos mais tempo juntos.” terminava de enxaguar as louças enquanto ele as secava, seus olhos brilharam e um sorriso doce moldou seus lábios. “Sério? Parece divertido! É chato quando você não está aqui... E o que você vai fazer nesse novo trabalho?”

“Bom, ajudar o chefe responsável pela criação dos androids, aparentemente ele é bem desorganizado com a parte burocrática... Parece interessante, mas vamos ficar no subsolo e quando tive que ir lá te ver pela primeira vez pensei que fosse desmaiar”.

“Oh, você me viu ainda na capsula de inativação? Somos quase íntimos então.” Novamente estava mais vermelho que um pimentão, aquilo sempre fazia Yixing rir. “Você fica com vergonha muito fácil, sabia? É fofo, só me deixa com mais vontade de provocar novamente...” a ultima frase foi dita em sussurro e quando pedi para que repetisse acabou desconversando. “Quando começamos?”

“Amanhã, então é melhor não dormirmos muito tarde...” conferi o relógio de parede da cozinha. “Ainda é cedo... Quer assistir algum filme? Você escolhe.”

Ele concordou e fomos para a sala, o sofá era grande o bastante para os dois ficarem confortáveis e Yixing optou por um desenho animado, adorava aquele desenho, mas meu corpo estava tão cansado que mal percebi quando adormeci. Um leve tremor me fez despertar, meu corpo estava longe do chão e demorei para perceber que estava sendo levado para a cama. Yixing me levava no colo e não percebeu que havia despertado, então decidi manter assim voltando a fechar os olhos e tentando ao máximo segurar o sorriso que insistia em tomar meus lábios.

Por fim acabei adormecendo novamente antes de chegar a cama, sabia que estava em boas mãos naquele momento.

 


Notas Finais




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...