História Artifício Estelar - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias A Cidade das Sombras
Tags Aventura, Emoção, Ficição Cinetifica, Romance
Exibições 4
Palavras 1.475
Terminada Não
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 4 - Revelação


Fanfic / Fanfiction Artifício Estelar - Capítulo 4 - Revelação

- Olha só esse acampamento! – Disse Jordan para Thomas – Kate construiu sozinha, enquanto todos nós juntos conseguimos no máximo, juntar alguns troncos e uma fogueira.

Jordan estava certo. A parte de fora era incrível, haviam limpado todo o mato em excesso e construíram bancos de madeira, uma proteção para o fogo de madeira, o que deixava parecido com um forno a lenha, e tinha uma árvore bem no meio do acampamento cheia de frutos.

- Não são venenosos, pode comer – Disse Morcego – A propósito, aquilo é só uma tenda, não preserva o som do lado de dentro – Disse sorrindo satisfeito enquanto comia um punhado das frutinhas.

- O que quer dizer?

- Beijou mesmo ela? – Morcego pareceu entretido –Admito que duvidava de você no aspecto de O cara pegador.

- Calado.

- Não esquenta, cara – Era Jordan se aproximando enquanto mexia bem entretido em seus dispositivos. – Não liga pra ele. Ele só está com inveja. – Disse em tom provocador.

- O que? – Disse Morcego rapidamente – Eu e Kate? Não quero nada com ela... Não que ela não seja atraente, ela é muito atraente... Mas não faz o meu tipo.

- Garotas mais inteligentes e mais corajosas que você ti assustam? – Perguntou Jordan.

- Na verdade – Thomas gargalhou – Ele prefere as loiras.

Morcego pareceu que ia soltar fogo por todos os buracos naquele momento.

- Oi pessoal – Alexis, a garota de cabelos cacheados, estava segurando uma cesta de frutas coloridas, diferentes das que estavam na árvore – Querem algumas? – Ela ergueu o recipiente com as mãos para oferecer aos rapazes, mas foi surpreendia por uma adaga que veio voando do nada até atravessar a cesta, jogando-a para o lado.

- O que você pensa que ia fazer? Comeu algum? – Kate estava caminhando para perto deles.

- Não, são venenosas por acaso? – Disse Alexis.

- É claro que são, só podem comer os frutos vermelhos, especialmente os desta árvore- ela apontou –Temos certeza de que estes não são nocivos à saúde.

- Eu não sabia.

- Tudo bem Kate – Era Thomas –Alexis não sabia e além do mais ninguém se machucou.

- Eu sei, não estou brigando com ela.

- Sei disso – Disse Thomas encarando-a fixamente – Só quis dizer pra pegar mais leve, você está mal por algum outro motivo, não pode sair por aí descontando nas pessoas. Poderia ser menos...

- Thomas... – Kate estava tão perplexa com ele falando daquele jeito. E por mais que ela soubesse que era o Thomas, não admitiria ninguém falando assim com ela. Porque essa era ela, marrenta, irônica e dona da razão. – Bem, sinto muito se não correspondo ás suas expectativas, é que a minha prioridade é corresponder primeiro ás minhas.

Ela saiu pisando forte na grama suja, deixando para trás uma gotinha de culpa e arrependimento nos ombros de Thomas. Nenhum dos dois sabia o que estava acontecendo, porque Kate estava mais fria que o normal, ou porque Thomas estava mudando de líder para garoto birrento.

A única coisa que deviam está investigando era o desaparecimento de Lindy, e por mais que Thomas se importasse com ela, ele sabia que estava quase se entregando para Kate.

 

Foi bom ter saído de lá, pensou ela. Relaxar um pouco longe de todos, longe de Thomas. Kate estava sentada na beira de um penhasco com os joelhos dobrados e as mãos envolvendo-os. Estava quase anoitecendo, e ela sabia que não podia ficar lá até muito tempo, mas uma parte maior nela, chamada orgulho, não a deixava voltar.

- Já ouvi dizer, que não pode mudar um homem, seria melhor mudar de homem, da menos trabalho – Morcego estava se aproximando dela segurando uma lança.

Ela o encarou.

- Mas já que esta não é uma opção, então pensa bem, se você é afim dele, não tente modifica-lo – Continuou ele - Resumindo, quem ti ama não ti modifica, ti completa.

– Uau.

– O que? Posso ser sensível ás vezes.

Ele sentou ao lado dela.

- Esse “uau” foi pelo fato de você achar que eu estou afim  dele – Disse Kate.

- Se não estivesse, não ligaria para o que ele pensa, então não estaria aqui sozinha.

- Esse é o problema – Kate estava tensa – Eu... Pensei que gostasse dele, mas percebi que estava errada, quando ele me beijou, eu pensei está... Talvez até apaixonada, mas agora, eu tenho absoluta certeza de que eu nunca o veria de outra forma, se não como amigo.

Morcego pareceu confuso.

- É sério? Não sente nada por ele?

- Não, nunca senti. Mas não fale para ele, prometa, não quero que ele pense que já houve a possibilidade de eu gostar dele mais que amigo.

- Por que eu contaria? Não somos amigos, ele me irrita e eu não o suporto, mas... Confesso que fiquei surpreso, realmente achei que rolasse alguma coisa entre vocês.

- Não, seria estranho pensar em nós como um casal – Disse Kate – A propósito, tem razão, não é bom ficar aqui, vamos?

Kate levantou e olhou para morcego, ele acenou com a cabeça e Kate saiu.

 

Morcego ficou para trás, ela imaginou que ele iria em seguida, então não esperou. Quando estava voltando para o acampamento sentiu algo estranho. Uma presença talvez. Ouviu um som de alguém chamando-a tão discretamente que ela quase ignorou. Tirou a conclusão de que tinha alguém lá a observando, o som continuou e Kate pensou ter ouvido alguém fazer um som com a boca, tipo um assobio. Foi aí que Kate percebeu. Uma garota estava saído de trás de uma árvore, estava usando um vestido branco e o cabelo amarrado em duas fitas brancas cintilantes, igual aos sapatos. A garotinha estava segurando uma mecha do cabelo loiro como se estivesse nervosa.

- Oi – Disse Kate – Não vou machucar você, qual o seu nome?

Mas Kate só conseguia realmente pensar em como aquela garotinha estava ali, ou por que.

- Você é a miga do Thomas? – A garota ia se aproximando cautelosamente de Kate.

- Sim, você conhece ele? – Kate estendeu a mão para que a garota a pegasse.

- Eu conheço sua amiga, a garota loira de olhos verdes. Eu quero falar com Thomas, é o namorado dela.

- C-como...? Ela disse isso, a garota loira, quero dizer?

- Pode me levar até ele, por favor?

 

Kate seguiu caminho até o acampamento com a garota ao seu lado. Por mais que ela tentasse, a garota não falava nada, a única informação que conseguiu era que Lindy a havia mandado e que ela estava temporariamente bem... Temporariamente.

- Chegamos – Disse Kate.

- Você mora aqui? -  A garota estava realmente impressionada, ou horrorizada.

- Kate – Era Jordan – Por acaso essas frutinhas causam alucinações? Porque eu realmente acho que estou vendo uma garotinha do seu lado e eu não me lembro de termos trazido ela.

- Não – Respondeu – Lindy a mandou.

Murmurinhos encheram o local, estavam todos os escolhidos lá, já tinham feito suas tarefas e até Morcego estava voltando do turno de vigia.

- O que? – Jordan olhou para a garota rapidamente – Kate, sabe onde ela está?

- Não, mas ela sabe. Preciso falar com o Thomas e tem que ser agora.

- Bem, claro. Está na barraca.

 

- Thomas – Kate entrou ainda segurando a mão da garota.

Ele estava deitado sem a camisa, alguém tinha refeito o curativo nas suas costas. A grama no chão não ajudava no conforto, mas logo ele levantou quando a viu.

- Kate – Disse apoiando as mãos no joelho para ficar de pé –Precisamos conversar, eu realmente sinto muito por tudo que eu disse hoje, eu só agi daquela forma porquê...

Algo pareceu alarmar o garoto. Ele desviou os olhos de Kate e os abaixou para encarar a garotinha.

- Amiga nova? – Disse para Kate.

- Lindy a mandou.

- Lindy? Como assim? E espera aí... Essa garota já estava aqui, antes de nós chegarmos? - Thomas estava perturbado com todos esses acontecimentos e agora isto. Ele mal conseguia raciocinar.

- Eu não sei, ela não disse nada, disse que só ia falar se fosse com você, porque você é namorado da Lindy.

- Como é que é?

- Foi o que ela disse pra essa garotinha.

Thomas ajoelhou para que ficasse da mesma altura que a menina.

- Olá, eu sou Thomas, você pode me dizer como é o seu nome?

- Stella.

- É um lindo nome sabia? Então, onde está Lindy? Você sabe, não é?

Ela assentiu com a cabeça.

- Está no laboratório. Eles a levaram. Vão matá-la.

- Quem a levou? – Thomas olhou para Kate e em seguida voltou a encarar a menina.

- Os sobreviventes terrestres, ora.

- Como assim? – Kate perguntou – Como pode ser possível existirem sobreviventes?

- Algumas pessoas e alguns soldados se esconderam durante a guerra – Disse Stella. Sobreviveram em abrigos subterrâneos e em câmaras de titânio e diamantes.

Thomas apertou os olhos.

- Espera ai... Guerra?


Notas Finais


Desculpem a demora! Eu fiquei sem tempo de escrever, mas vou continuar... Obrigada!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...