História As aventuras de um Jovem - Capítulo 11


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Amor, Romance, Sexo
Exibições 110
Palavras 1.584
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Drama (Tragédia), Famí­lia, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Espero que gostem :)

Lembrem-se: Se encontrarem qualquer erro de ortografia, por favor me notifiquem

Curtam o Capítulo....

Capítulo 11 - Embalsamada e Mumificada


Embalsamada e Mumificada

Marquei uma reunião com a família de Jane para apresentar meu desejo de embalsamar o corpo da minha amada, segundo a tradição egípcia.
Contei toda a minha história com Jane e todos ali na sala ficaram emocionados e alguns choraram com a minha história. Eles concordaram em me ajudar a embalsamar a minha amada, que agora já estava na outra vida. Iríamos começar os preparativos quando o corpo chegasse no dia sehuinte, ou seja, eu teria que dormir com a família de Jane naquela noite. A princípio, eu não gostei muito da ideia, mas eles me prometeram total privacidade no meu quarto, então não pude deixar de aceitar. Era noite. Descobri que eles não tomavam café à noite, eles jantavam. Eu não estava acostumado com isso, mas eu não podia reclamar ou exigir que eu tomasse café, quando toda a família preferia jantar. Eles perguntavam constantemente se eu estava bem ou se queria alguma coisa. Eu reconhecia a boa-vontade deles e sua disposição em me ajudar a sair daquela situação, mas é chato toda hora ficar perguntando "Você tá bem?" "Quer alguma coisa?" poxa, eu prefiro ficar sozinho, mas eles parecem não entender isso. Eu não reclamava, mas tentava deixar claro que estava incomodado com aquela atitudr. Terminada a janta, eu fui dar uma volta pelo jardim da casa deles, que mais parecia uma floresta. Encontrei uma moça lá. Já a tinha viato antes, ela era prima da Jane. Era a que Jane mais amava. Todas as reuniões de família que eu e Jane íamos, elas duas escapavam pro jardim pra trocar segredos e fofocas. Eu nunca gostei muito daquilo, mas era divertido ver as duas se abraçando feito duas crianças qque se reencontram depois de tanto tempo sem se ver, e fugindo pro jardim deixando pra trás a frase "Vem que eu tenho que te contar uma coisa". Ela estava chorando e com razão. A minha perda com relação a Jane tinha sido muito grande, mas pra ela deve ter sido muito pior.
- Você lembra? - disse ela - Lembra de quando eu e Jane escapávamos pra cá pra fofocar?
- Mas é claro que lembro - falei sorrindo - ela saía te puxando pelo jardim afora e você que nem louca tentando acompanhar os passos dela - ela riu. Parecia que o que eu tinha falado havia alegrado ela.
- A única coisa estranha - continuei - É que depois de tanto tempo, eu ainda não sei o seu nome - Sério. Eu não sabia o nome dela. Só sabia que ela tinha 29 anos, era ruiva, olhos verdes-claros, um corpo de tirar o fôlego e era muito gata. PAREI.
- Melissa. Melissa Richmond - ela me respondeu.
- Nome legal - falei. Ela sorriu pra mim. Parecia estar melhor.
- Quer caminhar? - Ela perguntou. Eu respondi na maior educação, aceitando o pedido.
- Quero sim, madame - ela riu.
- Você é muito engraçado - disse ela - Agora eu sei por que a Jane te amava tanto. Você é uma figura!
- Não fala assim que eu me envergonho - falei com um sorriso bobo no rosto.
Andamos por todo o jardim, converaando sobre as coisas da vida, sobre passado e por tudo que sofremos. Ela era igualzinha a mim. Também sofreu quando o namorado a espancou, 3 anos atrás. Depois disso ela nunca mais namorou ninguém. Era uma história bem triste. Conversamos sobre o quanto o destino as vezes pode ser cruel. Era uma conversa saudável e ptoveitosa. Sem perceber rodeamos o jardim 6 vezes. Já era tarde. Decidimos ir pra cama. O dia seguinte seria corrido. No portão do jardim, eu me despedi dela com um abraço e um beijo no rosto, mas quando ia beijar o rosto dela ela desviou e o beijo pegou nos lábios. Ela retribuiu, mas logo se afastou:
- Me desculpa - dizia ela, sem olhar nos meus olhos - Você está de luto e eu...Desculpa, sério, eu não queria...
- Hey - falei puxando o rosto dela e fazendo ela olhar nos meus olhos - Não se preocupa. Tá tudo bem! Eu não te culpo por isso. Eu até gostei - falei sorrindo. Ela me disse:
- Sério? Mas não podemos seguir com isso. Não agora. Estamos de luto e...
- Hey! Você se preocupa demais - falei - Tá tudo bem, isso não foi nada, tá legal?
- Tudo bem - ela falou - Bem...Então boa noite!
- Boa noite - falei. Ela entrou na casa e eu voltei pro jardim. Sentei embaixo de uma árvore e despejei lágrimas de culpa na terra. Eu me sentia culpado. Eu estava de luto pela minha mulher, mas não conseguia parar de pensar naquele beijo. Eu sentia que não estava fazendo a coisa certa. Eu estava ali chorando e chorando quando ouvi passos. Olhei na direção do barulho e a vi. Não podia ser real. Era Jane! Não. Aquilo era mentira. Jane estava morta. Ela se aproximou de mim. Eu estava imóvel. Ela me beijou. Eu sebti o beijo, mas não conseguia acreditar.
- Oi, meu amor - disse ela - Sentiu saudade?
- Quem é você? - perguntei.
- Sou eu, Jane! Não me reconhece?
- Jane, minha mulher, ela está morta!
- Eu sei! Eu sou uma visão, Sammy! Eu vim do além!
- E o que você quer? Olha se está aqui pra levar a minha alma por ter beijado a Melissa, pode levar. Aquilo foi um impulso e nem foi culpa minha!
- Hey! Eu não estou aqui pra te punir, meu amor. Lembra quando eu estava viva e te disse que você ia achar alguém que tomasse o meu lugar?
- Não. A Melissa não pode substituir a Jane. Nunca! Jane é única
- Sammy, eu a preparei pra você. Ela não iria vir pro meu velório. Eu apareci pra ela do mesmo jeito que apareço pra você agora! Você acha que ela ia te beijar assim? Sem mais nem menos?
- Olha fantasma, eu...
- JANE! - ouvi aquela voz ecoar, como um trovão - MEU NOME É JANE!
- Ok, Jane, mas por quê iria querer que ela tomasse o seu lugar?
- Simples, meu amor! Porque eu me preocupo com você e com a sua vida futura - disse o fantasma - Você tem que aceitá-la - disse.
- Vou tentar - falei.
- Aproveite a chance - disse ela e desapareceu. Vi uma sombra e quando olhei, era Melissa.
- Falando sozinho? - Ela perguntou.
- Se eu te contasse não iria acreditar!
- Pois agora conte, que eu estou curiosa - disse ela.
- Jane apareceu pra mim - falei.
- Pra mim também - disse ela com um tom de quem acha que aquilo não pode ser mera coincidência - E disse que nós...
- É, ela me disse isso também. Você acredita nisso?
- Olha eu não sei direito, eu acho que acredito que temos que seguir nossas vidas. E se ela quis que nós ficássemos juntos, bom.....Por que não né?
Ao dizer isso ela se aproximou e selou nossos lábios num beijo apaixonado. Eu sempre amei o beijo da Jane, mas aquele beijo me fez delirar. Me fez pensar no que estava fazendo com a minha vida. Eu estava de luto e agora estava traindo a minha mulher com uma pessoa que eu nem conhecia direito. Será que eu estava fazendo certo. Retribuí o beijo dela. Fomos devagar com o beijo, sempre explorando o espaço na boca do outro. O ar foi se fazendo necessário, mas nós não queríamos parar. Quando já não aguentávamos mais, separamos os lábios.
- Nossa - ela disse - Que beijo!
- Eu adorei, mas acho melhor entrarmos antes que alguém nos pegue aqui - falei.
Entramos. Eu ainda não conseguia acreditar como eu vi o fantasma de Jane, mas se Eu e Meliissa vimos aquela visão e aceitamos, estava tudo bem.
Dormi feito uma pedra, e quando acordei no outro dia, todos só estavam me esperando. Eles queriam ver o esperado ritual de mumificação.
Preparamos tudo. Eu ia comandar o ritual. Pra você que não conhece muito da cultura egípcia e não sabe como funciona o ritual de mumificação, ele funciona assim:

1. O ambiente é aromatizado com incensos.
2. Partes internas do corpo, inclusive o cérebro são removidas. O coração permanece no corpo porque deve ser pesado por Anúbis, deus da morte. 3. Um sacerdote, que no caso sou eu, comanda o ritual da mumificação com a máscara de Anúbis no rosto. 4. O corpo é lavado com vinho da palma e coberto com sal.
5. Após 40 dias, os sacerdotes passam óleos perfumados sobre a pele e introduzem, no corpo do morto, ervas cheirosas que ajudam a  evitar a decomposição.
6. O fígado, o pulmão, o estômago e o intestino são colocados em pequenos jarros que funcionam como pequenos caixões(CANOPOS). Os órgãos acompanham o morto na viagem pós-morte.
7. Os sacerdotes enrolam o corpo com bandagens embebidas em resina.
8. Coloca-se amuletos perto do corpo porque eles trarão sorte no mundo pós-morte.
9. Depois de enfaixada,a múmia é colocada dentro do sarcófago.
Exatamente. Não era uma tarefa fácil. Durante 45 dias, eu me dediquei à mumificação da minha amada. Hoje completa-se o quadragésimo sexto dia. Eu terminei meu árduo ttabalho como sacerdote. Minha amada agora estava preservada. Era hora de cessar o luto e voltar a minha vida. E agora, Melissa estava nela. Minha vida iria melhorar. Finalmente...


Notas Finais


Espero que tenham gostado ;)

Nos vemos no próximo....


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...