História As Bodas em Rozan - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Saint Seiya
Personagens Dohko de Libra, Hyoga de Cisne, Ikki de Fênix, Jabu de Unicórnio, Kiki de Áries, Miho, Mu de Áries, Personagens Originais, Saori Kido (Athena), Seiya de Pégaso, Shiryu de Dragão (Shiryu de Libra), Shun de Andrômeda, Shunrei, Tokumaru Tatsumi
Tags Amizade, Casamento, China, Romance, Saint Seiya
Exibições 45
Palavras 1.936
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 12 ANOS
Gêneros: Comédia, Famí­lia, Festa, Fluffy, Romance e Novela
Avisos: Heterossexualidade
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Pessoal, mais um capítulo!
Não gosto muito de "datar" as minhas histórias, acho legal deixar que o leitor escolha a época que acha melhor, mas apenas para referência eu colocaria que esta minha linha de tempo estaria num gostoso hiato de batalhas entre Poseidon e Hades (Antes da Gigantomaquia, por exemplo).
Muito obrigada por acompanharem!!

Capítulo 3 - Aquela mesma velha rivalidade


_ Ikki!! Finalmente você atendeu esse telefone, já estava preocupado com você! Como vai? - Dizia Shun, que depois de ligar incontáveis vezes conseguiu que o irmão finalmente atendesse ao celular.

_Ora Shun, você sabe que se algo realmente ruim acontecesse comigo você saberia – respondeu Ikki, um tanto ríspido. - Mas o que é tão urgente assim que te deixou tão desesperado para falar comigo? Obviamente não é algo com Saori pois eu não senti o chamado dela....

_Irmão, é algo muito bom desta vez. Shiryu e Shunrei vão se casar, não é maravilhoso? - disse Shun, que só de pensar no casamento do seu amigo já se sentia um pouco emocionado.

_ Você me liga sem parar, desesperadamente, para falar de fofocas Shun?! - respondeu Ikki, bem mais ríspido agora – Sabe que eu não tenho tempo para essas coisas, passar bem.

_Calma Ikki, espera, por favor! - continuou Shun, sem demora. _Shiryu gostaria de que você estivesse presente, e sabe, fazem mais de seis meses que não nos vemos... Poxa Ikki seria muito bom ver você, sinto saudades! Aliás, Shiryu...

_Shun – disse Ikki, decidido a por um fim naquela conversa. - Fico muito feliz por Shiryu e pela menina, desejo do fundo do meu coração que eles sejam felizes, vou até me prontificar a mandar um presente mas esqueça, não há razão para que eu vá ao casamento. Você vai, represente nós dois e está tudo certo. Fico feliz que você também esteja bem e comigo não há com o que se preocupar. Passar bem irmão, adeus. - terminou Ikki, desligando a ligação e o telefone logo em seguida.

“Poxa o Ikki desligou, nem deixou eu me despedir... Mas vou mandar os detalhes pra ele por mensagem mesmo assim, a esperança é a última que morre.” pensava Shun deitado em sua cama se sentindo um pouco triste por não ter conseguido seu intento.

Ikki guardava o telefone em seu bolso, quando foi chamado por uma voz adolescente:

_Cavaleiro!!

_Hellen, como vai? Nossa parece que todas as vezes que a vejo você está cada dia maior – disse ele, sorrindo e abraçando a menina.

_Já estou com 14 anos, Ikki de Fênix – respondeu ela sorrindo. - Vamos entrando, hoje teremos sopa e está maravilhosa..... - continuou, puxando Ikki pelo braço para dentro de uma pequena casa.

Há cerca de 5 anos, antes de se envolver nas batalhas contra os Cavaleiros de Ouro no Santuário, Ikki se curava de suas feridas e restaurava sua armadura dento do vulcão da Ilha Kanon quando esta foi atacada por soldados a mando do mestre Ares. O avó de Hellen era o Ancião, o chefe de sua pequena aldeia quando foi morto na frente dela, devido ao confronto decorrente deste ataque. Naquela ocasião, Ikki havia lutado contra dois discípulos de Shaka, Ágora e Shiva e, depois de quase perder sua vida, conseguiu derrota-los. Hellen ficou órfã e desde então o Cavaleiro de Fênix sentindo-se responsável pelo ocorrido a visitava regularmente. A menina morava agora com uma senhora que se prontificara a cuidar dela.

Após a janta, Ikki e Hellen ficaram sozinhos sentados à mesa e conversavam.

Hellen lhe contava sobre alguns sonhos estranhos que andava tendo ultimamente mas Ikki parecia longe.

_Cavaleiro, está tudo bem? - perguntou ela.

_Está sim, está tudo bem. Falei com meu irmão mais cedo e ele me contou que um amigo nosso vai se casar em breve – respondeu.

_Adoro casamentos! São tão românticos não é mesmo? - disse Hellen, descansando seu rosto em uma das mãos. _Além do mais, todos se vestem tão bem, a decoração sempre é tão bonita....

_Acho uma grande bobagem, para ser sincero – riu Ikki.

_Mas, você vai, não vai? - perguntou Hellen.

_Ora Hellen, mas claro que não, não tenho tempo para essas bobagens, como eu disse...

_Cavaleiro, se eu fosse você não perderia esta oportunidade de celebrar o amor entre os seus amigos. Eu quase não tenho amigos aqui na Ilha e se tivesse adoraria passar meu tempo com eles... Eu sei que você é durão, mas nunca sabemos quanto tempo essa época de paz pode durar e qualquer oportunidade que temos de sermos felizes devemos usar... As vezes é bom ter uma vida normal, sabia? Eu acho que seria bom se fosse e acho que a Esmeralda também acharia o mesmo. Quem sabe uma linda festa de casamento não deixaria você menos durão, heim? – disse Hellen, olhando Ikki nos olhos e rindo um pouquinho.

Eles conversavam muito em todas as visitas que Ikki fazia. Quando ela era mais nova, ele havia lhe contado sobre Esmeralda e as flores de que tanto gostava, falado de seu irmão Shun que era muito emotivo e ao qual ele amava muito, sobre os outros cavaleiros, sobre as estrelas e o poder do Cosmo entre outras coisas, poupando sempre os detalhes mais cruéis. Hellen era sempre uma boa ouvinte, prestava atenção fielmente em suas histórias mas ela estava crescendo e parecia que estava resolvida a dar palpites.

“Adolescentes...” pensou Ikki.

-------------------------------------

 

ALGUMA SEMANAS DEPOIS

 

 

_Vamos Miho, o motorista estará aqui em poucos minutos!!! - Chamava Eiri que juntamente com Hyoga e Jabu (que havia vindo de Gunma) estava no pátio do Orfanato, parada ao lado de algumas malas.

_Já vou, só estou me certificando que as duas voluntárias sabem onde todas as coisas estão e que as crianças ficarão bem – gritou Miho de dentro do prédio.

_ Foi uma ótima idéia sairmos enquanto as crianças estão nas aulas meu amor – dizia Hyoga – Imagina se elas estivessem aqui a Miho ia acabar não indo, já é a terceira vez que ela vai checar se tudo está bem – riu ele.

_Bem eu vou lá dentro buscar ela – disse Jabu, entrando no prédio.

 

Uma pequena van parou e estacionou no portão do Orfanato, e a porta se abriu, revelando seus ocupantes. Shun e Seiya desceram, cumprimentaram Hyoga e Eiri e os ajudaram a colocar todas as malas no compartimento traseiro.

_Oras mas cadê a Miho heim? Vamos acabar nos atrasando e prejudicando o vôo – dizia Seiya impaciente -Vou lá buscar ela...

_ Seiya... – dizia Hyoga que se calou ao perceber que o que iria dizer seria em vão já que o Pégaso já havia ido.

 

Seiya entrou apressado, procurando por Miho quando a viu na cozinha. Ela fechava as portas de um grande ármário e quando ele decidiu entrar para chamá-la viu Jabu que voltava de um outro cômodo trazendo uma pequena bolsa que entregou para ela. Após ela dizer alguma coisa, Jabu a abraçou e a beijou nos lábios. Ela sorriu e ambos começaram a se dirigir para a porta da cozinha quando viram Seiya alí, parado, os encarando.

_ Aí estão vocês, até que enfim achei – disse Seiya.

_ Ah, oi Seiya que bom que já chegaram! - disse Miho.

_Agora vamos logo, vocês estão nos atrasando... - respondeu Seiya.

_Olá Seiya. Desculpe, já estamos indo, estávamos apenas checando se a dispensa estava organizada e.. - dizia Jabu amigavelmente.

_E namorando, enquanto estávamos esperando por vocês lá fora – respondeu o Pégaso.

_ Ora, o que é isso Seiya, já pedimos desculpas, por acaso está com ciúmes? - disse Jabu, com um sorriso um tanto quanto malicioso.

_Ciúmes? De você? Mas claro que não, que idéia é essa Jabu? Só não quero que nos atrasemos. Vamos logo, tá bem?– disse Seiya, dando de costas.

 

Todos sairam do prédio e entraram na Van que saiu logo em seguida, rumo ao aeroporto.

No aeroporto, o motorista os levou até a pista, onde um pequeno Jato os aguardava. Eles tiveram seus documentos conferidos e foram autorizados a entrar por uma aeromoça que estava parada ao pé da escada de acesso que levava ao avião.

Saori já estava lá dentro e recebeu a todos com abraços e sorrisos.

_Saori, muito bom vê-la novamente! Está muito bonita e vejo que está muito bem – disse Jabu fazendo uma pequena reverência para ela.

_Querido Jabu, fico muito feliz que esteja indo conosco. Eu não sabia que estava namorando com Miho, me alegra muito, vocês formam um lindo casal – respondeu Saori, enquanto Seiya sentado ao lado de Shun fazia uma careta.

_Seiya, isto já tá ficando meio infantil – sussurrou Shun – pra quê tanta implicância com ele, achei que tínhamos conversado sobre isso já, Jabu é nosso amigo e companheiro de luta, eu sei que vocês vivem competindo mas devemos deixar isso no passado não é mesmo? E além do mais...

_Tá bom Shun. Eu só estou meio bravo porque eles nos atrasaram – cortou Seiya.

_Claro.... - respondeu Shun, não comprando a explicação de seu amigo.

 

A aeromoça então fechou as portas da aeronave, e após falar com o piloto por um interfone deu os avisos usuais de segurança e verificou se todos estavam preparados para a decolagem.

------------------------------------------------

O voô decorria sem problemas.

Hyoga e Eiri passavam o tempo todo de mãos dadas, conversando baixinho ou compartilhando o mesmo fone, ouvindo músicas.

Shun lia revistas em quadrinho e jogava alguns jogos em seu celular.

Miho e Jabu dormiram metade do tempo com ela repousando a cabeça em seu ombro e na outra metade aproveitavam para trocar alguns beijinhos e conversar, afinal de contas o namoro que tínham era à distância e não era sempre que estavam juntos.

Seiya após um cochilo decidiu se levantar para beber água. Foi até a parte de trás do avião, onde ficava uma pequena área reservada para guardar e preparar alimentos.

Ele abriu uma pequena cortina de correr que isolava aquela parte, entrou e fechou a cortina novamente.

Saori que havia tido a mesma idéia, estava lá e disse:

_Estamos tendo um vôo bem tranquilo, ainda bem, odeio turbulências...

_Sim, está sendo bem calmo mesmo. Imagina, Saori, estamos indo ver o Shiryu se casar, quem diria não é mesmo? Depois de tudo que passamos... - disse Seiya, olhando pela pequena janela que havia naquela parte do avião.

_Realmente. Depois de tudo que passamos... eu creio que nunca poderei agradecer suficiente a você e aos outros por todo o sacrifício que fizeram por mim e por todas as pessoas deste mundo... apenas posso agradecer tentando fazer destes momentos especiais ainda mais especiais – disse ela, com um tom um pouco melancólico.

_Não precisa agradecer, Saori – disse Seiya, pegando em sua mão e a olhando nos olhos – Estou muito feliz por estar indo com você ao casamento. Err... bem, não com você mas junto com você, digo, no mesmo vôo, no seu vôo.... – Seiya falava atropelado, tentando concertar sua sentença que poderia ter dado alguma impressão errada.

_Também estou feliz por ir com você, Seiya – disse ela, deixando sua mão ficar por entre as mãos do Cavaleiro de Pégaso.

Eles ficaram assim por alguns segundos, mas parecia que o tempo tinha parado. Era muito bom sentir o toque de suas mãos.

Seiya estava abrindo a boca para dizer algo quando foi interrompido por Jabu, que abrindo a cortina rapidamente, fez muito barulho.

_Ah, oi pessoal, vim buscar água para a Miho. – disse ele que mesmo percebendo estar atrapalhando algo, não se sentia nada mal.

_Na geladeira – disse Seiya apontando para uma pequena geladeira que havia no canto, nada satisfeito com a interrupção - Vou me sentar, você vem, Saori?

_Sim, vou. Em breve chegaremos à China e eu preciso terminar de rever alguns documentos da Fundação, estou usando este tempo do vôo assim não precisarei trabalhar nessas coisas quando estivermos lá. Depois gostaria de por a conversa em dia Jabu, estou curiosa para saber como você tem passado.

_Claro Athena, eu gostaria muito.

“Claro Athena, eu gostaria muito... Mas que  puxa saco!” - pensou Seiya se dirigindo de volta para a  sua poltrona.


Notas Finais


Espero que tenham gostado, pessoal!
Desculpem algum erro de português que tenha passado desapercebido!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...