História As brisas de uma primavera - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Chen, Kai, Sehun, Xiumin
Tags Abo, Baekyeol, Chanbaek, Exo, Sekai, Wolf, Xiuchen
Exibições 368
Palavras 2.734
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção, Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Shonen-Ai, Sobrenatural, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Adultério, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Boa noite pessoal, como estão? Quero agradecer pelos favoritos e os comentários <3.

Boa leitura.

Capítulo 3 - Capítulo 2


Fanfic / Fanfiction As brisas de uma primavera - Capítulo 3 - Capítulo 2

Jongdae estava apreensivo para saber onde Chanyeol poderia ter levado o ômega, principalmente por ter ligado pelo menos umas dez vezes para ver se o outro atendia, mas havia falhado miseravelmente. Sabia que o amigo nunca faria mal nem a uma mosca, porém não dava para duvidar de quão maligna sua mente era e ele adorava aprontar.

Talvez Baekhyun tivesse contatado Minseok... Jongdae nem ao menos percebeu quando já discava o número do alfa, mordendo os lábios em ansiedade para ouvir a voz do outro, mas não entendia muito bem o porquê de estar com o coração acelerado. No terceiro toque, pôde ouvir a voz do outro.

“Jongdae?” Ele perguntou.

“Sim, sou eu. Você tem notícias do Baekhyun?” Indagou ainda mordendo os lábios.

“Não, aconteceu algo?” Perguntou alterando o tom da voz.

“É que o Chan saiu com ele e ainda não voltou… Pensei que soubesse. Mas tudo bem.” Comentou ao dar um longo suspiro.

“O que? Por que só está me dizendo isso agora? Se acontecer algo ao meu amigo eu vou matar ele! Onde você está? Eu vou aí.” Minseok foi apressado ao falar e Jongdae teve que prestar atenção em cada frase dita, pois ele realmente parecia zangado.

“Eu estou no bloco de enfermagem.” Respondeu rapidamente.

“Sério? Você faz enfermagem?” Perguntou animado “Eu estou perto, eu faço Medicina.” Esboçou um sorriso enquanto caminhava rapidamente pelo corredor.

“Não acredito! Eu estarei te esperando na saída, ok?” Ao falar, recebeu uma confirmação de Minseok e desligou o telefone, indo para a saída e esperando o alfa. Teria que acalmá-lo antes que ele resolvesse fazer algo contra Chanyeol.

Mandou algumas mensagens para o amigo e sentiu alguém se aproximando, mas fingiu estar distraído o suficiente para dar um grito nada másculo, trazendo risada para ambos.

“O que o Baek fez dessa vez?” Minseok perguntou.

“Ele riscou a Lamborghini do Chan, e ele ganhou ela ontem… Isso acabou irritando ele.”

“Até eu me irritaria… O Baek também não coopera, mas eu me pergunto como ele está suportando isso, ele está triste com os acontecimentos da casa dele...” Deixou escapar e olhou de lado para Jongdae, que o encarou estranho “Ah… Onde você mora? Eu posso te dar uma carona.” Tentou desconversar, fazendo o garoto rir.

“Não precisa se não quiser. Eu posso pegar um táxi.” Falou sorrindo.

“Eu faço questão, só me dizer o lugar.” Comentou segurando a mão do rapaz e o fazendo segui-lo até o estacionamento.

Minseok tinha uma moto preta, o que fez Jongdae o encarar receoso, não costumava andar de moto e era totalmente estranho, principalmente no momento em que teve que por seus braços em volta da cintura do alfa – seu rosto estava completamente vermelho, por sorte escondeu nas costas do rapaz, que deu partida ao contar-lhe o seu endereço.

Morava na mesma casa que Chanyeol.

Isso havia feito Minseok estranhar a relação que eles deviam ter, pareciam mais que amigos, provavelmente irmãos? Queria que Baekhyun gostasse da cidade o suficiente para passarem mais tempo junto, mas ele era um completo caipira.

E bom, Sehun estava viajando com os pais, era aceitável o fato dele estar tão ausente.

 

 

Baekhyun agradeceu pela carona de Yifan e logo se viu em frente a empresa que sua mãe havia se tornado CEO. Suspirou pesadamente ao estar lá, não sabia nenhum endereço além dele e não podia pedir para o chinês - havia descoberto assim que ele praguejou em outra língua - levá-lo para o interior. Observou a fachada e quase deu um passo para trás ao ver a mulher sorrindo para um garoto pequeno prestes a sair da empresa. Ela respirou fundo e passou a prestar atenção em todos ali, Baekhyun estava atordoado, fazia o quê…? Um ano e meio que se negava a vê-la?

“Baekhyun?” Ela aumentou o tom de sua voz, o que fez o ômega voltar a si. Ele simplesmente começou a andar o mais rápido que pôde enquanto ouvia-a chamar. Parou por um momento, se vendo completamente perdido – estava sentindo-se triste por tudo que estava acontecendo.

Sua mãe se casando novamente, seus tios se mudando e agora ter que servir a um alfa.

Estava completamente atordoado, tanto que se encostou em uma loja qualquer e pegou seu celular – ligaria para Minseok vir pegá-lo, já que não queria pedir para seu tio vir do interior apenas para buscá-lo, sabia que ele devia estar ocupado aquele horário e tudo que Baekhyun menos queria era dar trabalho para seus tios.

Discou o número do amigo e em menos de três toques e pôde ouvir a voz do alfa, que estava preocupado consigo. Avisou onde estava – informara que era perto da empresa onde sua mãe trabalhava. Minseok pediu para o ômega não mover um dedo sequer, que logo estaria lá para buscá-lo.

 

Baekhyun sentava no sofá da casa do amigo, enquanto o via tirando o casaco e se aproximar sem ao menos dizer uma palavra – tentou desviar os olhos do amigo, mas era uma tarefa difícil, principalmente por ter a sensação de como Minseok pudesse ler todas suas preocupações.

“Está anoitecendo, não comemos nada… Irei fazer a janta.” Foi direto ao falar e o ômega apenas afirmou com a cabeça “Fique a vontade.” Disse antes de partir em direção a cozinha, Baekhyun suspirou e foi em direção ao banheiro, onde lavou seu rosto diversas vezes, pegando o celular – iria mandar uma mensagem para seus tios.

Não vou conseguir voltar para casa hoje, amanhã eu ligo para vocês. Ok?

Assim que enviou a mensagem, suspirou pesadamente e guardou o celular no bolso da calça. Fechou a porta do banheiro e se deixou ficar encostado na parede fria, encolhendo seu corpo – sorriu de lado pelo fato de que sua mãe estava mais linda do que antes, ela parecia mais feliz, principalmente ao estar andando com aquela criança. Queria saber se era algum tipo de afilhado que ela passou a amar, já que havia abandonado o filho com os tios.

Tantas lembranças ecoavam por sua mente, o que fazia o garoto derramar algumas lágrimas, mas não queria estar daquela forma, porém era praticamente impossível. Principalmente ao sentir Minseok lhe envolvendo em um abraço quente, puxando-o para abraçá-lo, Baekhyun retribuiu o carinho e passou a chorar com vontade, sem se importar pelos soluços que saíram involuntariamente.

“O que houve?” Perguntou preocupado, principalmente por não saber o porque o amigo estava chorando “Está doendo em algum lugar?” Indagou soltando o amigo do abraço e visualizando seu corpo inteiro “Foi o Chanyeol, não foi? Eu vou matar aquele cretino!!”

“Não é nada disso…” Murmurou “Eu posso passar a noite aqui?” Perguntou em um tom baixo.

“Você ainda pergunta? É claro que pode. Vamos lavar esse rosto e ir jantar?” Falou ajudando o amigo se levantar e enquanto ele lavava o rosto, pegou uma toalha de rosto limpa e lhe entregou. Assim que viu que ele estava um pouco melhor, o segurou pela mão e o guiou até a cozinha, por sorte o molho branco não havia queimado.

“O cheiro está bom.” Baekhyun riu fraco, pelo menos Minseok não havia lhe feito tantas perguntas, o pressionando para contar porque estava chorando “Estou com tanta fome.”

“Imagino... Como foi lá com o Chanyeol? Ele te fez algo?” Perguntou enquanto cortava algumas verduras e Baekhyun engoliu o seco pelo modo que ele cortava o pepino, imaginou quão estrago ele faria com alguém segurando uma faca. Odiava pepinos, mas não falou nada para o amigo.

“Ele me levou em uma oficina para ver o quão caro ficaria para reparar o arranhado.” Murmurou cabisbaixo “Eu estou com medo do que ele irá aprontar, sei que não terei sossego por um bom tempo.” Caiu sobre a mesa.

“Por que não pede para sua mãe pagar?” Minseok indagou da boca para fora, fazendo o ômega revirar os olhos.

“Eu prefiro sofrer as consequências do que pedir algo a ela.” Bateu a mão na mesa, não queria chorar novamente por causa disso.

“Entendo… Mas qualquer coisa, você me avisa. Eu fui na casa dele hoje, na realidade fui levar Jongdae, ele me convidou para entrar, é bem organizada.” Contou para o amigo que sorriu de modo malicioso.

“Vejo que gostou do amigo daquele poste, ele até que é charmoso... Mas cuidado, viu?” Falou “Ele pode ser igual o Chanyeol.”

“Eu acho que o Jongdae é uma pessoa boa, ele ficou preocupado por você também.” Defendeu o rapaz “Ele faz enfermagem, temos os mesmos gostos” Riu ao dizer, fazendo Baekhyun abrir o máximo que pode a boca e fechá-la em seguida.

“Você está gostando dele?” Aumentou o tom da voz ao falar.

“Que? Não!!! Está doido, é? Eu não conheço ele nem á um dia.” Se defendeu desesperado, tirando uma risada escandalosa do amigo.

“Ah claro, ‘to vendo pela sua reação.” Baekhyun ergueu os braços em forma de rendição, vendo o amigo revirar os olhos e voltar a prestar atenção em sua comida.

Ele passou mais dez minutos cozinhando, até começar a colocar os pratos na mesa e os copos, pegando algumas laranjas que havia em sua geladeira para fazer um suco natural. O que Baekhyun mais gostava no amigo, era o modo saudável em que ele vivia, sempre evitando coisas gordurosas ou que faziam mal para sua saúde, tinha que seguir o exemplo do hyung.

 

 

Estava um belo dia lá fora, principalmente para Chanyeol que sorria a cada cinco segundos, o amigo havia chegado a cogitar que ele estivesse se drogando. Mas claro, Chanyeol não se drogaria, mas era estranho o fato dele ter acordado plena seis horas da manhã, feito o café e em seguida organizou ainda mais a casa, uma coisa que não fazia á um bom tempo.

Sua faculdade começava apenas as nove horas, isso que fez Jongdae estranhar o bom humor, já que a Chanyeol odiava a faculdade que fazia - administração, mas era obrigado por causa das empresas do pai.

“Bom, eu não irei almoçar com você hoje, ok?” Chanyeol comentou enquanto estacionava seu carro com o maior zelo do mundo. Quis rir da expressão confusa que Jongdae havia feito, desde quando almoçava sozinho?

“O que está aprontando? Você está de muito bom humor.” Jongdae falou de uma vez por toda, fazendo o amigo gargalhar alto - ok, ele realmente havia ficado louco - “Deixa eu ir embora antes de você me contagiar.” Falou antes de sair da Lamborghini.

Desligou seu carro, respirou fundo e saiu do carro. Estava ansioso para aquele dia e olha que nem ao menos sabia o motivo, ou até sabia… Enquanto caminhava para dentro do seu bloco, tirou o celular do bolso e discou um número tão pouco conhecido, mas não havia recebido nenhum retorno, bufou incrédulo.

Não vai me atender?

Mandou uma mensagem para Baekhyun enquanto caminhava até a sua sala e foi direto para o fundo, seu humor estava indo embora totalmente – pensou em pegar leve com o garoto, mas ele não estava cooperando.

Quem é?

Recebeu a mensagem do ômega – revirou os olhos e riu sôfrego, – quer dizer que ele havia apagado seu número?

Aqui é Park Chanyeol, só queria dizer que você terá alguns trabalhos para hoje, eu irei buscar você no seu bloco para almoçarmos, caso você fuja… Sabe o que irá acontecer? Eu terei que ir na sua casa, pedir dinheiro para seus pais, até porque não posso sair no prejuízo, não é?

Deu um sorriso sarcástico, depois dessa mensagem não tinha como aquele ômega fugir de si, até porque não era um louco. Desligou seu celular por um momento e começou a prestar atenção na aula – apesar de não parecer, era bem inteligente e que era praticamente obrigado a tirar notas altas, já que quando se formasse, teria que assumir a empresa do seu pai.

 

 

 

Baekhyun havia acordado um pouco mais tarde do que o normal, a cama de Minseok era realmente aconchegante, não que gostasse de ficar vegetando na cama, mas estar ali estava fazendo repensar sobre tudo que gostava e não gostava. Mas quando sentiu seu celular vibrar abaixo de si, se levantou num pulo, principalmente ao ver que era sua tia ligando.

“Bom dia, tia.” Tentou falar com a sua melhor voz, tentando não demonstrar que ainda estava deitado.

“Bom dia, querido.” Ela respondeu “Como está? Dormiu bem?” Ela indagou curiosa.

“Eu estou bem, dormi sim. Eu consegui fazer meu trabalho, e a senhora?” Respondeu sorridente, tinha que passar confiança para ela, por mais que não gostasse de mentir para ela.

“Dormi sim, apenas senti sua falta. Você vem hoje para casa?” Ela perguntou, Baekhyun apenas suspirou e deu seu melhor sorriso, como se ela fosse vê-lo.

“Mas é claro, até parece que vou deixar a minha princesa.” Baekhyun fez aegyo ao falar com a tia “Eu realmente não posso ficar muito tempo longe, quase não consegui dormir de tanta saudades.” Continuou e sentiu-se um pouco melhor ao ouvir a risada de sua tia do outro lado da linha.

“Mas é galanteador mesmo, hein?” Ela comentou “Bom, tenha uma boa aula. Eu te espero em casa mais tarde.” Ela disse antes de Baekhyun se despedir dela. Assim que encerrou a ligação, correu para o banheiro, pois se ficasse mais um pouco na cama, iria se atrasar para sua primeira aula.

Tomou um banho rápido e quando saiu encontrou Minseok separando um par de roupas para si, agradeceu o amigo e se vestiu o mais rápido que pode, indo tomar café com o mesmo.

“Melhor cozinheiro que eu conheço?” Baekhyun comentou enquanto levava um pouco de sopa de arroz na boca.

“E sua tia?” Perguntou bebendo um gole de água, fazendo Baekhyun se engasgar por um momento, mas não tinha como responder aquela pergunta, ninguém chegava aos pés de sua tia.

Terminaram o desjejum e partiram em rumo para a faculdade, enquanto Baekhyun sentia o celular vibrar em seu bolso, mas pouco se importou e apenas se aconchegou mais nas costas do amigo – Minseok era um alfa quentinho.

Assim que chegaram na faculdade, se despediram e Baekhyun foi para o seu bloco, sentindo o celular vibrar novamente, desta vez foi ver quem era, revirou os olhos por um momento havia esquecido da existência de Chanyeol. Ignorou-lhe, porém ele não deixou sossegado por um bom tempo.

Assim que sentou-se na mesa, viu sua mensagem, resolveu fingir que nem ao menos sabia quem era, mas a mensagem que ele mandou em seguida fez gelar até o…

“Ele não pode ir perturbar os meus tios…” Murmurou baixinho, ele estava pegando em seu ponto fraco, revirou os olhos e deixou quieto, já que a aula iria começar.

Havia feito todos os deveres e pedido desculpas para o professor por ter saído ontem sem ao menos avisar, mas ele disse que entendia, só não sabia que desculpa Jongdae havia inventado para ele. Porém isso não era o problema agora, nada conseguia tirar o fato que Chanyeol viria de encontro consigo para almoçar, não queria que ninguém mais visse que estava andando – sendo obrigado – com ele. O dia não estava de brincadeira consigo, porque mal piscou e já era horário do almoço, parecia que quando estava prestes acontecer desgraças o tempo passa voando, mas quando realmente precisa passar… Demorava uma eternidade.

Seus passos se tornaram lentos ao sair da sala, não tinha como Chanyeol saber qual bloco estudava, mesmo Jongdae poderia muito bem lhe contar… Mordeu os lábios receoso enquanto caminhava igual uma tartaruga para saída, se bem que poderia ir pela saída dos fundos… Sorriu ladino.

Eu sou um gênio.

Pensou enquanto mudava seu rumo, indo para o outro lado do seu bloco, não iria almoçar no refeitório, mandaria uma mensagem para Minseok trazer-lhe algumas guloseimas e comeriam juntos até dar o horário de ir embora. Dessa vez não ficaria até muito tarde na cidade, já que pediria para o seu tio vir-lhe buscar.

Assim que abriu a porta da saída, sorriu ao ver que o caminho estava livre, mas para Baekhyun nada era como um conto de fadas, poucos segundos depois sentiu um braço passar por seu pescoço, lhe puxando para mais perto, estava prestes a gritar ao ver Chanyeol sorrindo para si.

Mas como… Praguejou mentalmente, ainda mais por ele estar sorrindo de orelha a orelha para si – revirou os olhos, não podia achar aquela peste bonita.

“Você é tão previsível…” Murmurou apertando Baekhyun ainda mais em seus braços “Está pronto para almoçar comigo?” Perguntou enquanto levava o garoto em direção ao refeitório – ainda abraçados. –  Ele estava perplexo.

 


Notas Finais


E ai pessoal, o que acharam? Comentem comigo e divulguem a fanfic pro seus amigos haha.

meu twitter é: @theCaah_2pm


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...