História As Cartas do Professor Davie - Uma Vida em Berlim - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias David Bowie
Personagens David Bowie, Personagens Originais
Tags Berlim, David Bowie, David Jones, Drama, Drogas, Londres, Opressão, Violencia
Visualizações 7
Palavras 912
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Colegial, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Festa, Ficção, Hentai, Mistério, Musical (Songfic), Romance e Novela, Saga, Suspense, Violência, Visual Novel
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 8 - Cap. 4


Fanfic / Fanfiction As Cartas do Professor Davie - Uma Vida em Berlim - Capítulo 8 - Cap. 4

4.

Davie e eu descemos na estação de trem, e logo um rapaz loiro de cabelos até os ombros sorrir e se aproximou. Era bonito, e sorriu para nós dois, entregando duas passagens e apertando a mão de Davie. Em seguida, ele me deu um abraço, e eu sorri:

 - ora, David, se soubesse que ia trazer uma menina assim nem tinha dito pro Ziggy encontrar a gente.

 - ah, deixa aquele merda lá; - Davie riu. – ela era minha aluna, a gente preferiu fugir.

 - alguma coisa... entre vocês?

 - amizade, palhaço; - Davie riu. – você sabe que eu não sou tão irresponsável.

 - ah, claro, falou o drogado que bateu o carro no show do Iggy Pop. Aliás, o Iggy tá louco para te ver...

 - tá, depois a gente fala disso. Vai com a gente?

 - claro, néh? – ele riu. – qual o seu nome? – ele me olhou.

 - Pietra...

 - nome de pessoa importante, gostei; - ele sorriu. – eu sou Mick, Mick Ronson.

 - prazer... Davie, quando é que a gente vai?

 - agora, Pietra; - ele pegou em minha mão e fomos andando até perto do trem. – tem certeza disso?

 - tenho, claro. Eu ainda deixei um bilhete dizendo que ia para o Havaí.

 - garota esperta, despistou legal; - Mick riu. – não vamos mais falar disso lá, certo?

 - certo.

 

 

      Davie dormia tranquilamente enquanto eu e Mick conversávamos. Ele já era bastante meu amigo, e tinha vinte e dois anos. Eu tinha dezesseis, e mesmo assim conseguíamos conversar de igual para igual:

 - quem era esse tal de “Ziggy” que vocês estavam falando?

 - o Ziggy? é meu amigo, filho do Iggy. Ele é cantor.

 - ah... e ele tem quantos anos?

 - dezessete. Você tem...?

 - dezesseis.

 - ah. Ele é gente fina, você vai gostar do Ziggy. Já vamos chegar, mais alguns quilômetros e pronto!

 - como é Berlim?

 - você nunca esteve em Berlim?

 - não... como ela é?

 - é incrível! Se não fosse pelo... muro; - ele cochichou. – seria melhor ainda.

 - e o que tem esse... muro?

 - ele divide a cidade em dois. É bom nem chegar perto, pois tem muita vigilância.

 - ah... então tá. Mais alguma coisa que eu deveria saber?

 - na verdade, tem. Por mais que te ofereçam, não aceite qualquer droga que qualquer um te ofereça. As drogas de lá são barra-pesada, se usar sem estar acostumada vai ter uma overdose. O seu amigo aí já teve várias, pelo que sei.

 - verdade? – eu ri.

 - verdade; - Davie acordou e se ajeitou no banco. – uma vez eu cheirei tanto pó de uma vez que acordei do lado do muro, enquanto um militar me cutucava.

 - nossa... – eu ri. – e quem vai estar lá?

 - quem? – Mick pensou um pouco. – o Iggy, o Trevor, o Woody... o Ziggy, a Cínthia e o Lou.

 - nossa... quem são?

 - bem, o Trevor e o Woody tocam comigo e com o Ziggy, e a Cínthia e o Lou namoram e o Iggy... o Iggy é o solteirão que vira e mexe sai com o Mick Jagger.

 - O Mick Jagger? Dos rolling stones?

 - é, esse mesmo. Acho que metade das pessoas que frequentam a nossa casa já ficaram com o Mick. Não é mesmo, David? – sua ironia me fez rir, Davie corou.

 - é verdade, Davie? – eu ri, o olhando. – achei que gostava de mulheres...

 - eu gosto, mas naquele dia eu estava tão chapado que demorei a lembrar.

 - ahhhh, senhor Davie e suas drogas; - Mick riu, Davie corou. – esse aí bebia tanto que esquecia de tudo... o meu pai contou, viu?

 - ah, o Lou, X-9 como sempre! – Davie riu. – eu bebia mesmo, pegava todo mundo mesmo, o seu pai que era um merda e não fazia nada.

      Eu ri, e logo me escorei no banco, tomando meu refrigerante:

 - quer alguma coisa, Pietra? – Davie ajeitou uma mecha do meu cabelo.

 - não, estou bem. Obrigada.

      Eu me escorei no banco, cansada, e ele me entregou um documento:

 - o que é isso? – eu o olhei. – Pietra Newton?

 - identidade. Sabe como é...

 - ah, sim. você é...

 - David Bowie. É estranho, mas tá aí.

 - é bonito. Bowie. Parece nome de cantor.

 - o Mick disse isso; - ele riu. – de cantor não tenho nada...

 - mentiroso; - Mick riu. – esse aí se juntava com o Iggy e o Mick Jagger e ficavam virando noite no Hell.

 - Hell?

 - é um bar de Berlim; - Davie riu. – a gente ficava lá, depois se trancava no banheiro da casa do Iggy e ficava cheirando umas carreiras... a gente tinha uns trinta anos, eu acho.

 - faz um tempinho; - Mick riu. – você já um pouco velho, David.

 - ora, você é quem está cheirando à leite em pó, Mick. Como anda o seu pai?

 - o Lou? Ah, sempre naquela, faz show, some, fica doidão, faz show... o Iggy estava tentando parar com as carreiras.

 - e ficou quanto tempo sem?

 - menos de uma semana. É um viciado, mas é nosso amigo, fazer o que?

 - pois é... e o Ziggy, como está?

 - de boas, nem está cheirando pó. Disse que era “perigoso”.

 - esse tem juízo... espero que não fique igual ao pai, ou está ferrado.

 - ah, é.

      Eu larguei minha caneca de refrigerante, um pouco cansada, e o trem parou. Então, minha nova vida começava agora.

 


Notas Finais


Hehehehe, aqui as coisas começam a melhorar *-*
E, claro, os Easter Eggs começam a surgir <3 <3 <3 <3
Ahhhhh, me perdoem pelo atraso da postagem, gosto de postar entre a uma e duas da tarde, mas não deu hoje.
Beijos meus terráqueos <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...