História As Cartas do Professor Davie - Uma Vida em Berlim - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias David Bowie
Personagens David Bowie, Personagens Originais
Tags Berlim, David Bowie, David Jones, Drama, Drogas, Londres, Opressão, Violencia
Visualizações 27
Palavras 912
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Colegial, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Festa, Ficção, Hentai, Mistério, Musical (Songfic), Romance e Novela, Saga, Suspense, Violência, Visual Novel
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 8 - Cap. 4


Fanfic / Fanfiction As Cartas do Professor Davie - Uma Vida em Berlim - Capítulo 8 - Cap. 4

4.

Davie e eu descemos na estação de trem, e logo um rapaz loiro de cabelos até os ombros sorrir e se aproximou. Era bonito, e sorriu para nós dois, entregando duas passagens e apertando a mão de Davie. Em seguida, ele me deu um abraço, e eu sorri:

 - ora, David, se soubesse que ia trazer uma menina assim nem tinha dito pro Ziggy encontrar a gente.

 - ah, deixa aquele merda lá; - Davie riu. – ela era minha aluna, a gente preferiu fugir.

 - alguma coisa... entre vocês?

 - amizade, palhaço; - Davie riu. – você sabe que eu não sou tão irresponsável.

 - ah, claro, falou o drogado que bateu o carro no show do Iggy Pop. Aliás, o Iggy tá louco para te ver...

 - tá, depois a gente fala disso. Vai com a gente?

 - claro, néh? – ele riu. – qual o seu nome? – ele me olhou.

 - Pietra...

 - nome de pessoa importante, gostei; - ele sorriu. – eu sou Mick, Mick Ronson.

 - prazer... Davie, quando é que a gente vai?

 - agora, Pietra; - ele pegou em minha mão e fomos andando até perto do trem. – tem certeza disso?

 - tenho, claro. Eu ainda deixei um bilhete dizendo que ia para o Havaí.

 - garota esperta, despistou legal; - Mick riu. – não vamos mais falar disso lá, certo?

 - certo.

 

 

      Davie dormia tranquilamente enquanto eu e Mick conversávamos. Ele já era bastante meu amigo, e tinha vinte e dois anos. Eu tinha dezesseis, e mesmo assim conseguíamos conversar de igual para igual:

 - quem era esse tal de “Ziggy” que vocês estavam falando?

 - o Ziggy? é meu amigo, filho do Iggy. Ele é cantor.

 - ah... e ele tem quantos anos?

 - dezessete. Você tem...?

 - dezesseis.

 - ah. Ele é gente fina, você vai gostar do Ziggy. Já vamos chegar, mais alguns quilômetros e pronto!

 - como é Berlim?

 - você nunca esteve em Berlim?

 - não... como ela é?

 - é incrível! Se não fosse pelo... muro; - ele cochichou. – seria melhor ainda.

 - e o que tem esse... muro?

 - ele divide a cidade em dois. É bom nem chegar perto, pois tem muita vigilância.

 - ah... então tá. Mais alguma coisa que eu deveria saber?

 - na verdade, tem. Por mais que te ofereçam, não aceite qualquer droga que qualquer um te ofereça. As drogas de lá são barra-pesada, se usar sem estar acostumada vai ter uma overdose. O seu amigo aí já teve várias, pelo que sei.

 - verdade? – eu ri.

 - verdade; - Davie acordou e se ajeitou no banco. – uma vez eu cheirei tanto pó de uma vez que acordei do lado do muro, enquanto um militar me cutucava.

 - nossa... – eu ri. – e quem vai estar lá?

 - quem? – Mick pensou um pouco. – o Iggy, o Trevor, o Woody... o Ziggy, a Cínthia e o Lou.

 - nossa... quem são?

 - bem, o Trevor e o Woody tocam comigo e com o Ziggy, e a Cínthia e o Lou namoram e o Iggy... o Iggy é o solteirão que vira e mexe sai com o Mick Jagger.

 - O Mick Jagger? Dos rolling stones?

 - é, esse mesmo. Acho que metade das pessoas que frequentam a nossa casa já ficaram com o Mick. Não é mesmo, David? – sua ironia me fez rir, Davie corou.

 - é verdade, Davie? – eu ri, o olhando. – achei que gostava de mulheres...

 - eu gosto, mas naquele dia eu estava tão chapado que demorei a lembrar.

 - ahhhh, senhor Davie e suas drogas; - Mick riu, Davie corou. – esse aí bebia tanto que esquecia de tudo... o meu pai contou, viu?

 - ah, o Lou, X-9 como sempre! – Davie riu. – eu bebia mesmo, pegava todo mundo mesmo, o seu pai que era um merda e não fazia nada.

      Eu ri, e logo me escorei no banco, tomando meu refrigerante:

 - quer alguma coisa, Pietra? – Davie ajeitou uma mecha do meu cabelo.

 - não, estou bem. Obrigada.

      Eu me escorei no banco, cansada, e ele me entregou um documento:

 - o que é isso? – eu o olhei. – Pietra Newton?

 - identidade. Sabe como é...

 - ah, sim. você é...

 - David Bowie. É estranho, mas tá aí.

 - é bonito. Bowie. Parece nome de cantor.

 - o Mick disse isso; - ele riu. – de cantor não tenho nada...

 - mentiroso; - Mick riu. – esse aí se juntava com o Iggy e o Mick Jagger e ficavam virando noite no Hell.

 - Hell?

 - é um bar de Berlim; - Davie riu. – a gente ficava lá, depois se trancava no banheiro da casa do Iggy e ficava cheirando umas carreiras... a gente tinha uns trinta anos, eu acho.

 - faz um tempinho; - Mick riu. – você já um pouco velho, David.

 - ora, você é quem está cheirando à leite em pó, Mick. Como anda o seu pai?

 - o Lou? Ah, sempre naquela, faz show, some, fica doidão, faz show... o Iggy estava tentando parar com as carreiras.

 - e ficou quanto tempo sem?

 - menos de uma semana. É um viciado, mas é nosso amigo, fazer o que?

 - pois é... e o Ziggy, como está?

 - de boas, nem está cheirando pó. Disse que era “perigoso”.

 - esse tem juízo... espero que não fique igual ao pai, ou está ferrado.

 - ah, é.

      Eu larguei minha caneca de refrigerante, um pouco cansada, e o trem parou. Então, minha nova vida começava agora.

 


Notas Finais


Hehehehe, aqui as coisas começam a melhorar *-*
E, claro, os Easter Eggs começam a surgir <3 <3 <3 <3
Ahhhhh, me perdoem pelo atraso da postagem, gosto de postar entre a uma e duas da tarde, mas não deu hoje.
Beijos meus terráqueos <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...