História As Cartas do Professor Davie - Uma Vida em Berlim - Capítulo 9


Escrita por: ~

Postado
Categorias David Bowie
Personagens David Bowie, Personagens Originais
Tags Berlim, David Bowie, David Jones, Drama, Drogas, Londres, Opressão, Violencia
Visualizações 23
Palavras 601
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Colegial, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Festa, Ficção, Hentai, Mistério, Musical (Songfic), Romance e Novela, Saga, Suspense, Violência, Visual Novel
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 9 - Cap. 5


Fanfic / Fanfiction As Cartas do Professor Davie - Uma Vida em Berlim - Capítulo 9 - Cap. 5

5.

Era um apartamento grande, com três sofás na sala e uma pilha de homens sentados, conversando. Reconheci Mick Jagger, Lou Reed e Iggy Pop, que conversavam com mais dois rapazes, um moreno e um loiro. Num canto, sentado num banquinho, um rapaz ruivo um pouco mais velho do que eu, lendo um livro que reconheci como The Man Who Fell To Earth:

 - hey, seus merdas; - Mick riu, entrando. – cheguei com as nossas visitas! O David veio!

      Davie entrou na frente, e eu entrei um pouco depois, ficando atrás dele e logo ele cochichou no meu ouvido:

 - procure não usar nada que não conheça; - ele sorriu. – e, não ligue se eles não te tratarem como uma dama, não costumam ter visitas.

 - ah, tudo bem.

      Eu fiquei quietinha no meu canto, enquanto Davie cumprimentava os amigos, que pareciam ter uns quarenta anos. Eu corei, olhando nada, e logo o rapaz ruivo veio até mim, com um sorriso no rosto:

 - oi, eu sou o Ziggy; - ele sorriu. – você é Pietra, não?

 - sim... prazer.

 - o prazer é meu, Pietra. Não liga para eles, são assim mesmo... o David é o mais tranquilo deles. Vai fazer alguma coisa?

 - não, eu não sou daqui... vim de Londres.

 - ah, eu já fui lá, uma vez. Quer dar uma volta?

 - não sei, o Davie...

 - ele está entretido com os caras, nem vai ligar. Quer ir?

 - quero...

 

 

      Ziggy e eu andávamos por Berlim. Era tudo tão diferente, tão... novo. Era minha vida nova.

 - você mora aqui a muito tempo?

 - eu cresci aqui. Esse muro é meio ruim, mas... a gente aprende a conviver.

 - e porque ele está aí?

 - bem, é que eles dividiram Berlim... mas, fora isso, é bem de boa.

 - hm... e o que você faz?

 - eu? Eu fico mais no meu quarto, ou lendo... de vez em quando um show.

 - rock?

 - é... o meu pai canta, mas não gosto muito. Ele é muito louco.

 - ah, é; - eu ri. – mas é normal... eu acho.

 - ah, é. porque veio para cá?

 - eu fugi de casa, com o Davie... eu perdi meus pais.

 - ah, me desculpe, não quis tocar no assunto; - ele corou. Seus olhos eram como os de Davie. – eu perdi minha mãe a um tempo, mas não cresci com ela. Era a irmã do Davie...

 - é?

 - é, ela teve um caso com o meu pai, aí ele me criou. Depois ela teve outro casamento, e tal, mas... ele é meu tio.

 - que louco... será que eles estão bem?

 - ah, estão; - ele olhou o relógio no pulso. – é quatro e meia, eles estão cheirando umas carreiras... quando voltarmos, já vão estar bem.

 - hm... onde vamos?

 - pensei em te levar para um lugar... gosta de hambúrguer?

 - gosto...

 - vou te levar para uma lanchonete legal... tudo bem?

 - tudo, claro; - eu estava andando devagar. Ele era mais alto. – é que você anda rápido...

 - ah, me desculpa; - ele riu, uma risada gostosa, e diminuiu os passos. – melhor?

 - melhor... Ziggy, você gosta de ler?

 - gosto... porque?

 - eu trouxe uns livros... já leu 2001, uma odisseia no espaço?

 - estou louco para ler... já leu?

 - não, trouxe para começar aqui. Quer ler comigo, depois?

 - claro; - ele sorriu. – eu já terminei The Man Who Fell To Earth... já leu, né?

 - já, claro. Dr. Bryce manda saudações do bar.

 - acho que vamos nos dar bem; - ele riu.

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...