História As Crônicas de Lwellyn - Capítulo 17


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Rpg
Visualizações 10
Palavras 1.123
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Luta, Magia, Mistério, Misticismo, Romance e Novela, Sobrenatural, Violência
Avisos: Álcool, Canibalismo, Drogas, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Finalmente saiu, perdoe minha demora, mas eu precisava mesmo polir uma boa parte da história, além de ganhar mais EXP e algumas outras Skills pra uper minha escrita, espero que goste!

Capítulo 17 - Duelo de Titãs


Aproveitando a brecha, cravei minha espada o mais fundo que pude no tentáculo escamoso da criatura, que para minha surpresa, era muito mais duro que o esperado.

De qualquer modo, a criatura levantou o tentáculo com grande velocidade pela água, tanta que eu quase não consegui me segurar, e me levantou até a superfície, onde me trouxe contra seu rosto.

Os quatro olhos amarelos, pupilas finas como as de um gato, todos fixos em sua presa, no caso, em mim. Me agarrei ainda mais firme na espada, pisquei lentamente e no momento de escuridão da minha visão eu pensei. Assim que abri meus olhos novamente, inspirei profundamente, e somente então agi.

Minha espada cravada até o cabo no tentáculo mais grosso que uma casa, para o Kraken, aquele ferimento não era pior que uma agulhada, mas ainda assim, o fez sangrar, mesmo que pouco, o sangue de lagosta escorria. Me balancei no cabo da espada e me lancei para cima do tentáculo, não sem antes arrancar a minha espada junto comigo.

Ainda enquanto eu estava no ar, o monstro virou seu tentáculo para o lado das ventosas azuladas, e foi lá que eu pousei, instintivamente eu corri, me jogando para o lado para me esquivar de um outro tentáculo que me esmagaria se eu ficasse parado.

Então me vi caindo em direção a água, e o monstro, rugindo na minha frente, estendeu então seu braço humanoide para tentar me agarrar, mas esse braço foi repelido por um fortíssimo ataque, uma chama negra que explodiu em contato com a mão do Kraken e a repeliu de mim.

Aproveitei o instante para retirar o colar com a runa de vento que Ruzev havia feito e o sobrecarregar com mana, assim o explodindo e me lançando contra o ventre da criatura. Cravei minha lâmina com força e me segurei juntando energias, quando num grito, me lancei pelo ar com a força de um raio que havia lançado ao mar.

Eu estava cara a cara com o monstro, novamente seus quatro olhos se fixaram em mim, eu podia ver a fúria bestial em sua alma. E então, numa jogada inesperada, o Kraken abriu seu bico grotesco, e de dentro de sua garganta eu pude ver uma luz vindo.

Não pude pensar em nada a não ser conjurar um escudo de luz e tentar me defender de alguma forma. E justamente após o conjurar, segurando minha espada a frente com as duas mãos, foi o momento em que eu descobri que a criatura era muito mais inteligente que uma simples besta.

Havia pensado que ela dispararia alguma magia, algum tipo de chama, como os dragões, mas fui enganado por isso, e só notei que havia sido enganado quando levei um tapa de sua outra mão de três garras. O Kraken me distraiu para atacar pelo meu ponto sego.

Fui lançado com força contra a água da praia, caindo de costas contra ela, e em tal velocidade que bati ainda com força na areia do fundo.

Mas isso não me impediria, me impulsionei até a superfície, onde a enorme sombra criada por sua mão ameaçava a minha existência. Numa jogada de sorte, usei magia de vento, uma que eu não sabia quase nada sobre, para me impulsionar com uma enorme velocidade para fora da água.

O lugar onde a bizarra mistura de criaturas conhecida como Kraken atingiu, gerou uma enorme onda, mesmo sendo um local raso da praia, e a força de seu impacto foi suficiente para lançar árvores da ilhota por metros apenas com a pressão do vento.

Mesma pressão que, me lançara para longe, e eu estaria de fato fora de combate se não pelo vampiro Nathanael, que se lançou na minha direção com vento, me agarrando no ar, e pousando firmemente na agora dizimada praia da ilha.

- Quer dizer que o grande paladino me deve sua vida agora, hm? – Um sorriso cruzou sua face enquanto sua sobrancelha permanecia levantada

Girei minha espada na mão, me preparando para voltar a batalha, e falei, ignorando seu comentário:

- Essa... coisa, não é o que eu pensei – A criatura se aproximava – Ela tem pensamento tático, interessantemente, isso significa que não podemos simplesmente ataca-la sem um pensamento superior.

- Não teremos que superá-la em força então – Nathanael leu minha mente.

- Mas vencer através da inteligência – Completei

Ele acenou com a cabeça, e num piscar de olhos, se lançou na direção do monstro novamente, levantando uma grande quantidade de areia.

Eu apenas observei por uns instantes enquanto ele viajava pelo ar, e antes de chegar na criatura, ele conjurou uma ilusão, se multiplicando em vários de si mesmo que passaram a entrelaçar seus caminhos. Confuso, o Kraken sacudiu um de seus tentáculos tentando acertar algo, mas falhou em acertar o verdadeiro. Então, com raiva, ele finalmente mostrou novamente o que fingiu fazer contra mim.

Colossais chamas azuis emergiram, engolindo e ofuscando a maior parte da luz que o próprio sol mandava de tão brilhante. As chamas viajaram através do ar para atingir... nada

Preciso dizer, por mais que Nathanael fosse liso, ele de fato era inteligente.

Fez com que a própria criatura se distraísse, usando seu ataque demorado contra ela mesma. Agora com o pequeno bico negro aberto, exibia seu interior macio, do qual Nathanael teve certeza de utilizar.

Subindo como um verdadeiro demônio pelo peito da criatura estava o verdadeiro. O vampiro pulou então direto para dentro do bico, por onde vapor saia de dentro da criatura.

Enquanto no ar, ele estendeu a mão esquerda, aberta a sua frente, enquanto a direita segurava o cajado. Suas pernas próximas ao corpo davam a impressão de que ele estava agachado no ar.

Então eu percebi que uma escuridão sinistra passou a circula-lo como um raio, cada vez mais potente e mais escura. Num piscar de olhos, dezenas e mais dezenas de runas se materializavam a frente dele, círculos de mana negros, flutuando no ar, e girando com suas inscrições.

E numa velocidade ainda mais assustadora, Nathanael disparou toda a energia que acumulara através das runas, gerando uma gama de raios negros, circulando em torno de um central, enorme, que adentrava o bico do Kraken.

O mesmo tentou se defender usando suas chamas novamente, e um verdadeiro espetáculo de luzes e sons emergiu quando ambas magias colidiram.

Nathanael preso no ar pela pura força bruta da magia que conjurou, e seus raios negros competiam contra o esmagador calor das chamas do monstro. Era tanta energia em um só lugar que ao se chocarem as magias, as nuvens nos céus foram aniquiladas, e a pressão exercida foi tão grande que fez uma parte do oceano afundar enquanto estavam disputando força.

Era assustador presenciar aquele duelo de titãs, duelo que eu precisava encerrar.


Notas Finais


"Nossa, vai ser mais uma daquelas lutar de dois capítulos?" Sei lá véi, sei lá se vai ser só dois :v


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...