História As Flores Daquele Ano - Capítulo 21


Escrita por: ~

Postado
Categorias Amor Doce, Originais
Personagens Alexy, Armin, Castiel, Dajan, Dakota, Kentin, Lysandre, Nathaniel, Personagens Originais
Tags Amor Doce, Castiel, Criaturas Mágicas, Ficção, Magia, Mundo Paralelo, Shoujo
Visualizações 36
Palavras 3.016
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Fantasia, Ficção, Ficção Científica, Luta, Magia, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Aqui esta mais um capítulo, espero que estejam gostando da história. Boa Leitura

Capítulo 21 - A Floresta das Fadas


Fanfic / Fanfiction As Flores Daquele Ano - Capítulo 21 - A Floresta das Fadas

Não me importava em estar descalça, andei até o final do rio o qual dava em uma cachoeira, quando vejo algo bebendo água perto da cachoeira. 
Desço tentando não ser vista pelas árvores, quando me solto no chão a criatura ainda estava ali, agora olhando para a água, vou chegando mais e mais perto, quando ele me vê, e eu vejo seus olhos. Pela única luz ser da lua, era difícil saber como a criatura era. 

-Aqui é a Floresta das Fadas não?- Pergunto me aproximando com cautela pelo lugar que não tinha árvores, ele continuou me observando, e quando cheguei mais perto pude ver pelo reflexo da luz em suas patas uma cicatriz.

-Eu sei que os da sua espécie não costumam falar com pessoas como eu. Mas achei que você iria falar com a pessoa que salvou você a alguns anos atrás. Dragon- Digo, agora a menos de meio metro de distância, seus olhos brilharam e ele começou a andar até mim, me sento no chão a beira do rio.

-Garotinha, achei que você não seria burra o suficiente para voltar aqui- Ele diz, e fica cara a cara comigo. Sorri pra ele.

-Meu nome é Lindsey. E senti saudades desde lugar, tanto que quando desejei desaparecer, acabei aqui- Digo e estendo a mão para tentar acariciar o animal a minha frente. Uma mistura de um puma negro e um cachorro de raça grande.

-Demorei um pouco para perceber que é você pois seu cheiro esta misturado. Mas consigo ver em seus olhos que a floresta te chamou pois você ainda é pura de coração e alma- Ele diz se sentando ao meu lado, nunca soube que espécie mágica ele era.

-Minha vida esta um caos Dragon, agora posso fazer conjuros, destruo tetos e sou amante de um garoto noivo. Nada esta certo desde que comecei esta semana- Falo e me jogo para trás podendo ver as estrelas no céu escuro.

-Pena ouvir isso de ti. Mas o que lhe trás aqui?- Pergunta Dragon.

-Não sei muito bem, mas este lugar é muito perfeito, parece que meus problemas são menores aqui dentro e grandes fora dessa floresta- Eu falo, ele se deita também e ficamos conversando um pouco sobre as coisas, falo que agora tenho 15 anos e ele 17, faz quase nove anos que eu o salvei de quando ele caiu na água e não conseguia sair. Contei tudo pra ele, até esta semana. 

-…E ontem eu matei uma Sombra. Dá para matar uma Sombra?- Pergunto, ele esta um pouco inquieto depois que comecei a falar das Sombras.

-Sim e não. Eles são feitos de energia, energia negativa. Você acabou com o mau ali, mas o mundo esta cheio dele- Ele falo sereno como se o problema não fosse esse.

-Então como acabar com eles?- Me sento para ouvir a resposta. Ele olha bem pra mim e suspira.

-Sinto que devo lhe contar, mas estaria quebrando uma regra milenar- Ele diz, logo vejo ele olhando para o fundo da floresta e sinto.

-Tem criaturas aqui- Observo, ele olha para mim surpreso e faz sim com a cabeça. 

-Tem sim. Você estava falando de sua chama azul. Posso ver?- Ele se levanta e eu faço o mesmo, estendo minha mão e uma chama aparece, logo sinto uma movimentação na floresta. E me viro para o outro lado do rio.

-DESCULPA SE ESTOU ATRAPALHANDO A NOITE DE VOCÊS. JÁ ESTOU DE SAIDA- Meio que grito para o nada, e fecho minha mão. 

-Você é uma pessoa especial pelo visto- Ouço uma voz, parecida com uma mulher, vejo o Dragon fazendo uma reverência a parte escura da floresta, então faço o mesmo e me curvo.

-Não sou especial, só acabei aqui por acaso- Derrepente pude ver olhos no meio das árvores, mas não um par, vários, engoli seco.

-Nada é por acaso criança. Me disseram que você viria para chamar minha cria, Dragon- Eu me levantei e olhei confusa, me aproximei mais da beira do rio.

-Deve estar enganada, minha intenção nunca foi tirar o Dragon desse lugar lindo. Só estavamos conversando, só queria um lugar para achar a paz que preciso agora- Falo baixo, mas tenho a sensação que fui ouvida claramente. 

-Podem aparecer gente. Mãe, ela está achando que ficou louca de conversar com alguém que não pode ver- Olho para Dragon que esta ao meu lado.
Lindsey, onde você esta?
Não posso agora Castiel, estou em uma situação inusitada
Só me diz onde você esta
Estou na Floresta das Fadas
O QUE! VOCÊ NÃO PODE FICAR AI, É PERIGOSO
Cassy, tenho que ir. A gente se fala depois

Eu "desliguei" nossa conversa e me foquei nas criaturas que estavam se aproximando da luz, elas eram parecidas com Dragon, só que com cores diferentes e tamanhos diferentes, olhei para eles, tinham 20 deles.

-Vejo que alguém esta te procurando- A única que falava do grupo.

-Sim, esqueci que podem ler o que estou pensando as vezes. Quem são vocês?- Pergunto pisando na água, não parava de olhar para a qual o Dragon chamou de mãe, ela tinha 4 vezes o meu tamanho (e eu acha que o Dragon era grande tendo 1,60), sua pelagem era branca e seus olhos dourados.
-Você não sabe o que somos?- Pergunta Dragon e a dos olhos dourados ao mesmo tempo. Faço não com a cabeça e me viro para meu amigo.

-Você me pediu para nunca contar de você a dez anos atrás, e eu não tinha muitos livros para procurar o que você era. Então deixe pra lá, afinal não preciso saber o que vocês são para entender que são criaturas do bem- Falo sorrindo para o Dragon que me olha muito surpreso da margem do rio.

-Somos Guardiões. Protegemos aqueles que merecem. Mas de uns tempos para cá, as criaturas começaram a ficar cada vez mais corruptíveis, somente pessoas de bom caráter e senso de justiça podem pedir nossos serviços. Eu sou Luna, e esses são meus filhos- Olho para cada um de boca aberta, depois tento chegar mais perto, agora que já passei o rio e posso ver o Dragon vindo comigo.

-Entendi. Juro que guardarei segredo sobre o que vi esta noite, terei que ir a cedê do  Conselho Mágico, soube que um de vocês faz parte de lá- Falo e olho para os olhos dourados de Luna que por um segundo vejo um sentimento, saudade. 

-Não se preocupe, se a floresta te deixou achar este lugar duas vezes, todos aqui confiamos em você. Qual é seu nome criança?- Ela diz e se aproxima de mim.

-Lindsey. Por que toda vez que mostro o fogo que herdei de meu pai coisas como eu ser olhada estranho, os vampiros e conjuradores poderosos tenham medo de mim, por que acontece Luna?- Pergunto um pouco ressentida pelo que acontece, abro minha mão a minha frente e vejo uma pequena chama azul dançando com o vento. 

-Lindsey, a chama azul é símbolo de poder, as pessoas mais poderosas desse mundo fazem isso. Você tem um futuro brilhante, mas tem um peso em suas costas, por isso Dragon foi escolhido para te ajudar a aprender a desenvolver seus poderes- Ela diz e fica cara a cara comigo, olho no fundo de seus grandes olhos e vejo a confiança que precisava, o Dragon me empurra com seu corpo, sua cabeça bate em meus ombros.

-Nem a pessoa mais poderosa que já existiu nasceu sabendo Lindsey. Tenho certeza que vai conseguir cumprir sua tarefa em pouco tempo- Ela diz, olho para ela, não havia comentado nada sobre o que esta acontecendo com ela, parece que ela se comunica com entermediarios dos céus.  Derrepente sinto a presenças que conheço, um pouco mais distante da direção que eu apareci, me virei para os Guardiões. 

-Foi um prazer, prometo que trarei Dragon a salvo. E muito obrigada Luna por compartilhar um pouco de sua sabedoria comigo, prometo não decepcionar vocês- Falo, e me curvo, todos fazem o mesmo.

-Eu irei voltar quando não for mais necessário mãe, irei lhe deixar orgulhosa- Diz Dragon que faz uma pequena carícia na perna de sua mãe 

-Eu sei meu filho. Agora vão, vocês tem um trabalho a cumprir- Ela começa a… uivar!? Todos começam a uivar, sorri e saio correndo junto com Dragon pelo lugar que eu vim.

Depois de alguns minutos consigo sentir mais a presença de todos, quando paro e olho para o meu estado, estou suja e meu vestido esta manchado. 

-O que foi?- Dragon pergunta, as vezes esqueço que ele tem voz de um homem adulto.

-Vamos descer mais a trilha para eu tomar um banho no rio- Começo a correr de novo e nem ouço o que ele respondeu. Cheguei no rio e tirei meu vestido, a água estava fria, mas era fundo o suficiente para chegar a minha cintura. 
Cassy, relaxa, já estamos indo ai
Você esta bem? Alguma coisa te machucou?
Não, só estou tomando banho de rio
Banho de que?

Pergunta pra minha tia o que é, riquinho

Estendi as mãos e fiz minha bolsa aparecer, coloquei o vestido o qual estava em um plástico e peguei outro só que branco tomara que caia.

-Nossa, pensei que você tinha é morrido no rio- Diz Dragon se aproximando, saio totalmente do rio e coloco um All*Star.

-Muito engraçado, agora podemos ir, eles não estam longe- Começamos a correr em ziguezague pelas árvores. 

-Como é o lugar onde você mora?- O Guardião ao meu lado pergunta, olho para ele.

-É complicado, agora iremos a Rússia para falar sobre mim com o Conselho- Digo e suspiro pela lua que as vezes aparecia. Derrepente nós dois viramos para a esquerda e depois para a direita.
Chegamos

As folhagens se abriram para nós e conseguir ver as pessoas que ali estavam e sorri. Minhas primas, minha tia, a família Benevenuto, a Família Albuquerque e os vampiros da festa estavam ali.

-É bom ver todos vocês. Pessoal esse é Dragon, nos conhecemos a algum tempo e acabei encontrando ele por aqui- Digo, Dragon fica mais para frente para demonstrar proteção, enquanto todos dão um passo para trás, a não ser o Castiel, que vem até mim e me examina.

-O que aconteceu lá dentro? Como você estrou e como vocês sairam?- Ele pergunta me rondando, seguro seu corpo com uma mão em seu tórax.  

-Não posso dizer o que vi lá dentro, é contra as regras da floresta. Eu entrei quando desejei um lugar para achar o rumo que eu tinha perdido e sai pelo lugar onde sentia mais a presença de todos- Ele parece suspirar de alívio. 

-Você correu um grande risco em ir a um lugar como esse sozinha- O Sr. Kubari fala, mas não chega perto, olho para Dragon e ele se senta. O vampirão agora chega mais perto.

-Não foi a primeira vez que entrou nesta floresta, estou certo?- Ele pergunta analisando Dragon.

-Esta certo, acabei aqui quando tinha 6 anos, e por acaso encontrando Dragon em apuros e o salvei- Digo e olho para a minha tia, ela sabe que foi o dia que eu fugi de casa para tentar me matar, depois deste dia acabamos mudando para o Brasil. O Castiel que estava ao meu lado segurando minha mão, e o Dragon do meu outro lado.

-Parece que o mundo da seu jeito de fazer tudo virar conhecidência- O pai do Nathaniel diz. Olho para o Sr.  Benevenuto e digo.

-Não existe conhecidências- Ele sorri pra mim. Olho para trás,  a floresta parece estar se encolhendo.
-Pelo que eu soube a gente vai direto para a cedê do Conselho Mágico- Meu guardião fala, todos ficam surpresos, inclusive o Sr. Albuquerque e sua família. 

-Vocês falam?- O líder pergunta. Ele olha confuso para mim, e eu olho para Dragon sorrindo. 

-Falamos, mas só quando aqueles que nos tem respeito estam por perto, como a Lindsey. Ela só apareceu e eu ofereci ajuda, aposto que ela não vai me tratar como sua propriedade depois de um tempo- E olha feio para o Sr. Albuquerque, que engoli seco. Parece que o Sr. Albuquerque esta criando inimigos variados ao longo do tempo. 

-Já esta bom, vamos entrando nos carros, que eu e minha sobrinha precisamos chegar no aeroporto. Você vai no carro conosco?- Pergunta minha tia normalmente para Dragon ele faz não com a cabeça. 

-Irei correndo seguindo o carro de vocês. E no aeroporto, posso diminuir meu tamanho para ficar como um cachorro de porte pequeno- Ele diz e se levanta, olha para o Castiel e para mim. Começamos a nos dirigir a estrada, somente eu e o Castiel ficamos um pouco mais para trás. 
Senti sua falta, achei que você fugiria daqui e nunca mais poderia te ver
Desculpa se estou sempre te dando esse medo de fugir sem você
E agora?
Eu não sei, acho que você precisa se focar nas escolas e no basquete, e eu em aprender todos os tipos de conjuros

Ele aperta um pouco minha mão e me dá um leve beijo no rosto, e analisa o anel de flor que ainda estava no mesmo lugar e do mesmo jeito que antes. Agora percebi o carro, é a limusine dos Benevenutos, todos estavam entrando lá inclusive os vampiros, o Dragon parou ao lado da porta, eu entrei e depois o Castiel, nos sentamos juntos comigo virada para a janela.

Todos estavam em silêncio, não sabiam como proceder, eles tinham me encontra e agora? Eu ia para a Rússia, e se eles dissesem não ou tentassem me matar de novo?

-Ninguém vai deixar isso acontecer- O Castiel me responde, só que em voz alta, todos olham para nós. 

-Então é verdade, você pode se comunicar apenas com o Sr. Castiel- O Dajan diz. Olhei para o Castiel que ficou um pouco veemelho de não conseguir assimilar a voz em minha cabeça.

-É, mas tem suas consequências, assim, o Castiel ouve os meus pensamentos e eu acabo ouvindo qualquer conversa ou mensagem que mandem para ele- Todos olham um pouco surpresos, principalmente o vampiro chefe.

-Então… Vocês não tem muita privacidade- Minhas primas falam, dou uma pequena risada.

-Bom, estamos tentando controlar, o Castiel só ouve o que eu pergunto a mim mesma, não tudo. Mas é inevitável eu ter um contato direto com as mensagens dele- Digo um pouco envergonhada. 

-Mas convenhamos que é desconfortável ouvir o que as garotas fala para ele. Principalmente pois descobrimos que mesmo estando longe, ainda conversamos normalmente- Eu olhava as vezes para dentro da limusine, mas preferia ficar olhando pela janela. 

-Vocês tem uma ligação interessante, como se fossem feitos para serem uma dupla- A Yui fala.

-Talvez, mas tem coisas que não sabemos como lidar ainda. Como por exemplo, e agora, sabem que estamos juntos, o que vão fazer? O Sr. Benevenuto não pode cancelar o casamento assim e dúvido que o Castiel aceite entrar no altar com a Julie- Faço uma careta espontânea, Nathaniel se segura para não rir junto com os vampiros.

-É verdade que aquela garota é insuportável. O que vocês querem fazer?- Um dos vampiros pergunta. Dou um sorriso pra ele.

-Não simples, mas o importante é que o Castiel sabe o fazer se alguma coisa acontecer, por isso ele esta assim calado a viagem inteira- Falo e dou um empurram com meu ombro nele. Ficaram discutindo um pouco de como vão resolver o problema do casamento, enquanto eu e o Castiel ficamos juntinhos, olhando pela janela. Ele colocou a mão na minha cocha e beijou minha cabeça, começou a cantar bem baixinho só para que eu ouvisse e uma sensação gelada em meu rosto senti novamente,  acabei pegando no sono.

-Lindsey, estamos no aeroporto- Ouço alguém dizer,  me mexo um pouco e me espreguiço, fazendo minhas mãos baterem no teto do carro. Abro os olhos e vejo que todos estam me olhando.

-O que foi?- Pergunto, eles olham para alguém ao meu lado que acabou dormindo também. Ninguém queria acordar o Castiel, sorri pra mim mesma.

-Tomate, o tomate, pessoa que fica com puta mal humor de manhã...- Eu estava falando e cutucando a bochecha dele, até ele tentar pegar meu braço e não conseguiu, ele abre os olhos.

-Quase consegui- Ele diz, e dá aquele sorriso sarcástico que aprendi que amo.

-Um quase pode levar a sua morte, você tem que melhorar mais- Digo, ele se ajeita, e faz careta, eu faço de volta.

-Você já enfiou uma faca nele?- Pergunta Dajan, alguns olham surpresos. 

-Não, os pais dele me matariam se eu fissese isso- Digo imitando uma faco com meu dedo e passado por minha garganta, as pessoas no carro sorriram.

-Até parece que você conseguiria fazer isso!-Ele sorriu pra mim.

-Não duvide de mim tomatinho- Mostro a língua pra ele.

-Tábua de passar roupa- Ele diz.

-Tomatinho- Eu digo.

-Louca- Ele diz.

-Idiota- Eu rebato, percebo que estamos praticamente tirando risadas daqueles que estam conosco aqui. O carro parou.

-Vamos crianças, precisamos pegar um vôo- Diz minha tia sorrindo, saimos todos do carro e pude ver Dragon sentado perto da porta. Começo a me despedir de todo mundo, inclusive minhas primas e quando vou me despedir do Sr. Vladimir, ele diz que irá conosco.

-Thaul Cassy pimentinha- Digo pulando para brincar com seu cabelo. Ele me pega pela cintura. E cola nossas testas.

-Thaul pequena- Ele diz e nos beijamos, eu me separo primeiro, e dou meu melhor sorriso pra ele. Depois saio para ajudar minha tia com as passagens. 
Promete que vai voltar pra mim?
Prometo

Eu subi com minha tia e o Dragon que agora tinha a altura de um Maltês adulto, os vampiros seguiam a gente, quando embarcamos percebi que estávamos na classe premium, olhei para minha tia.

-O Sr. Vladimir disse que não iria embarcar na classe econômica. Então pagou para todos nós- Ela diz fazendo a poltrona dela ficar 100% inclinada. 

O avião começou a se mexer, olhei pelo vidro e pude ver o sol nascendo, olhei para o relógio digital da poltrona e vi que eram 5:00 da manhã já. Agora só falta chegar a Rússia. 


Notas Finais


Amanhã terá novamente outro capítulo. Espero que tenham gostado e até a próxima. Bye Bye ^°^


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...