História As máscaras nunca caem - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Personagens Fugaku Uchiha, Gaara do Deserto (Sabaku no Gaara), Hinata Hyuuga, Ino Yamanaka, Itachi Uchiha, Kakashi Hatake, Kiba Inuzuka, Minato "Yondaime" Namikaze, Naruto Uzumaki, Sakura Haruno, Sasuke Uchiha, Shikamaru Nara
Tags 707, Kibaxino, Mystic Messenger, Naruhina, Sasuhina, Sasukarin, Sasusaku, Sevenxmc
Exibições 43
Palavras 4.692
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Drama (Tragédia), Escolar, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


OI OI GALERA! TUDO BOM COM VOCÊS?

É o seguinte, eu sei que demorei para postar e que talvez eu deva um pedido de desculpas e satisfações a vocês e é isso que irei fazer aqui nessas notas.

Primeiramente, me desculpem pela demora. Eu poderia falar que fiquei sem tempo ou sem criatividade, mas no caso dessa fic, eu estaria mentindo, então vou jogar no ar mesmo e pronto, eu fiquei com preguiça de escrever e por isso preferi esperar um tempo (porque não acho que seria legal escrever algo só por escrever, vocês não acham?), agora minha vontade voltou, então acho que estarei postando em tempo menores do que dessa vez, ok?

Espero que gostem desse capítulo e comentem, ok? Não precisam ficar com medo de mim, sou chata, mas sou inofensiva.

Capítulo 7 - Sentimentos confusos?


Assim que terminamos de ver o filme, eu estava em prantos. Não importaria quantas vezes eu visse esse filme, eu choraria em todas e continuaria com o meu amor infinito pelo Robert Pattinson, que era um dos melhores atores que eu conhecia e realmente o admirava muito.

Sasuke continuou com a mesma cara de tédio do começo ao fim do filme e por um momento eu pensei que ele fosse duro como uma pedra ou não tivesse coração, mas acabei descobrindo que ele simplesmente nem prestou atenção no filme, de acordo com ele, nem um segundo sequer.

- Esse filme é uma merda – Ele disse fazendo careta – Eu faria um filme melhor.

- Cala a boca, Uchiha mais novo, esse filme é maravilhoso – Disse tentando secar as lágrimas que insistiam em continuar descendo – Você nunca conseguiria fazer algo tão lindo quando isso, seu insensível – Ele fez cara feia para mim.

- Você sabe que qualquer coisa que qualquer eu fizer – Ele passou a mão no meu cabelo, o colocando atrás da orelha, enquanto dava uma pausa. Nossos rostos estavam bem próximos, já que eu estava com muita preguiça de sair de cima do Uchiha – Eu consigo fazer melhor.

- Duvido muito disso, senhor faz-tudo – Disse o olhando e ainda esperando que minhas lágrimas parassem de cair.

- Agora sai de cima de mim, sua pesada – Ele disse me empurrando com facilidade para o outro lado do sofá.

Nos sentamos direito no sofá e o obriguei a aumentar a temperatura do ar-condicionado, que devia estar com 16 graus. Fiquei lá chorando enquanto ele tentava me consolar com o jeito Sasuke de ser, no caso,  me dando alguns tapinhas nas costas e dizendo que era só um filme e que o ator estava vivo, coisa que não ajudou muito, já que eu sabia disso.

Meu celular começou a tocar e eu tive que me forçar a parar de chorar. Sai meio desajeitada do sofá e fui andando até minha pequena bolsa que ficou em cima da cama, olhei quem era e estranhei ver uma ligação do Kyle, ele sempre mandava mensagens, mas nunca tinha ligado. Atendi um pouco preocupada.

- Diga – Falei esperando que estivesse tudo bem.

- Oi – Ele disse parecendo estar desanimado – Onde você está?

- Na casa do Uchiha, porque? – Perguntei agora ainda mais preocupada – Aconteceu alguma coisa? Quer que eu vá para ai? – Já peguei minha bolsa indo em direção a porta, o que deixou o Sasuke um pouco confuso.

- Não aconteceu nada, estou bem – Ele disse tentando me tranquilizar, então eu parei onde estava, voltando a ficar calma – Só liguei para dizer para você colocar no jornal da cidade, mas não é nada demais.

Assim que ele disse isso,  pedi para o Sasuke colocar no jornal, onde o nome da notícia era “Sasuke arrumou uma nova namorada?”. Achei bastante cômico o fato de terem colocado uma legenda dessa, mas sabia que era só para chamar atenção.

- Se estiverem juntos, fico feliz pelos dois – Ele disse, coisa que me fez ficar um pouco magoada, já que era ele quem estava sempre ao meu lado e o ruivo devia saber bem que eu gosto bem mais e que não sinto nada pelo Uchiha – Agora tenho que desligar, tchau – Ele desligou no mesmo momento e eu decidi não tentar ligar novamente.

Deixei meu celular na cama e me sentei ao lado do Sasuke, que encarava a TV com seu olhar mortal que eu conhecia muito bem. Decidi parar de notar no ambiente e foquei toda a minha atenção na gigante TV na minha frente, onde vi a garotinha do presente conversando com o jornalista.

- Ela era a garota mais linda que eu já vi – Ela disse sorrindo e dando alguns pulinhos de tanta animação – Vim entregar um presente para o Sasuke, mas ele não viu, então ela pegou e entregou para ele – O enorme sorriso não saia do rosto da criança – E ele deu meu presente para ela, tipo, ele deu algo para a namorada dele, algo que eu comprei – Ela começou a dar mais pulinhos.

O jornalista falou mais algumas coisas e logo decidiu perguntar a outra pessoa o que ela achava sobre esse rumor de eu ser a namorada do Sasuke. Dessa vez, era uma adolescente, talvez um ou dois anos mais nova que a gente. Ela usava uma blusa com o símbolo dos Uchiha e tinha uma faixa escrito ‘#TeamSasuke’ nela.

- Olha, eu não posso negar que eles pareciam um casal, mas não acho que vai ser duradouro, nenhum namoro dele foi – Ela disse e começou a citar a várias namoradas e o tempo aproximado que ele ficou com cada uma e nenhuma delas passou de dois meses – Acho que esse não será diferente, ela é muito normalzinha para alguém como ele.

Ficava me perguntando como é que alguém que tem somente 17 anos já havia namorado tantas garotas na vida e porque nenhum deles durava. Fiquei me perguntando se talvez ele fosse sempre muito esnobe, o que poderia ter irritado todas as ex’s dele.

- Porque você não tem relacionamentos de longa data? É tão chato assim? Ou simplesmente é ruim de cama?  – Brinquei e ele me lançou um olhar de ódio, algo no qual eu já estava acostumada – O que? Às vezes esse é o seu defeito, senhor perfeito – Provoquei ainda mais.

- Você vai ver quem é ruim de cama – Ele disse e me puxou para um beijo.

Eu estava paralisada. Simplesmente não sabia o que fazer e nem como agir em uma situação assim. Seu beijo era mais intenso e selvagem do que todos os que o Kyle já havia me dado, mas ainda assim, era tão bom quanto, então não resisti e acabei retribuindo.

Não era como se eu estivesse traindo o Kyle, até porque, nós não tínhamos nada e ele mesmo disse que ficaria feliz se caso eu escolhesse ficar com o Sasuke, o que confirmava que ele também sabia disso.

Sasuke começou a desce sua mão que até então estava na minha cintura, indo para o meu quadril. Ele passou a mão para frente e tocou o botão da minha calça, o que me fez parar o beijo, assustada com sua ação, que não parou, mesmo com a minha.

- O que foi, Katherine? – Ele disse e me olhou, com um sorriso malicioso. Suas duas mão foram de encontro ao meu botão da calça e antes que eu pudesse dizer qualquer coisa, ele já estava aberto, dando visão ao Sasuke de um pedaço da minha calcinha bege - Tem medo de se apaixonar?

- D-do que você e-está falando? – Perguntei, provavelmente vermelha como um pimentão, não era para menos, já que estava extremamente constrangida – Você está louco? – Perguntei o empurrando para  longe de mim e me levantando o mais rápido possível – Não é porque fui legal com você hoje que estou a fim de te dar, pelo amor de Deus, né?

Ele pareceu confuso. Talvez fosse raro encontrar alguém que negasse isso a ele, já que ele é tão popular com as garotas, mas eu não sou uma das cadelinhas dele e não iria me entregar para ele assim, na verdade, não iria, eu gostava do Kyle e agora, não conseguia parar de pensar em como ele reagiria se soubesse disso.

Logo veio na minha cabeça as palavras dele. “Se estiverem juntos, fico feliz pelos dois”. Só de pensar nisso já me me fez cerrar os punhos. Será que ele não conseguia ver que era dele que eu gostava e que se fosse para escolher alguém, seria ele? Eu não podia culpa-lo, já que até antes do Sasuke me beijar, nem eu sabia o quanto já havia me apegado a ele e o quanto eu o queria.

Antes que eu pudesse ter ciência das minhas ações, já estava ligando para o Kyle. Não podia negar que esse beijo do Sasuke mexeu comigo de alguma maneira, mas não podia confundir isso com a maneira que o Kyle mexe comigo, eram jeitos diferentes, eu realmente gostava do Kyle e sobre o Sasuke, eu não sabia o que era.

- Alô? – Ele atendeu com a voz baixa.

- Kyle, você pode vir me buscar aqui na casa do Uchiha? – Perguntei e notei que o Sasuke havia arqueado a sobrancelha, ainda confuso, mas preferiu não atrapalhar minha ligação – Tipo, agora, você está ocupado?

- N-não, eu posso ir ai – Ele disse um pouco mais alto do que quando atendeu – Aconteceu alguma coisa? O Sasuke fez alguma coisa? – Ele parecia agora estar apressado e mesmo que eu me sentisse um pouco mal por fazê-lo sair do conforto da sua casa, ficava feliz em saber que ainda assim, ele viria me buscar.

- Ele não fez nada – Disse e olhei para o Sasuke, que já havia voltado a sua comum expressão – Eu só quero ir embora mesmo, acho que já deu minha hora de ficar aqui.

- Chego em dez minutos, Katherine – Ele disse e desligou.

Guardei meu celular no bolso da calça e notei que ela ainda estava aberta. A fechei o mais rápido que pude e fiquei pensando no acontecido. Sasuke não parecia do tipo que beijava qualquer uma, visto a maneira que trata suas fãs na escola, mas não poderia julga-lo por suas ações lá, eu não o conhecia bem e mesmo que ele tenha sido legal comigo, ele ainda era o incógnita.

Decidi sair do quarto dele para esperar o Kyle lá embaixo, mas antes que eu saísse, fui impedido por sua enorme mão, que segurou o meu pulso. Me virei surpresa com aquilo, já não estava com raiva do Uchiha, na verdade, não acho que estivesse com raiva dele em momento algum.

- Você ainda vai no evento, né? – Ele perguntou e eu o olhei.

Seus olhos mostravam a pressa em saber a resposta e ele tinha uma expressão um tanto preocupada. Não conseguia entender porque que de tantas garotas, ele foi me escolher.

- Já te fiz comprar o vestido – Disse e ele me soltou, parecendo mais tranquilo.

Era estranho, mas apesar de todas as brigas e do seu jeito infantil e esnobe, eu não conseguia odia-lo e até gostava de ficar com ele, quando ele não estava sendo um babaca, claro.

- Pensei que estivesse com raiva de mim – Ele disse e se sentou no sofá, desviando o olhar por alguns segundos – Estava com medo de ter que chamar alguma daquelas garotas da escola – Ele fez careta e eu ri.

- Não estou – Disse calma – Só não quero mais do que amizade com você – Ele me olhou e assentiu, como se concordasse com o que eu havia dito – E acho que você devia dar uma chance para uma delas, alguma deve ser legal.

- Nem fodendo, eu já tentei e me arrependi bastante – Ele disse e se ajeitou de um jeito mais largado no sofá – Porque você tinha que ser diferente? – Ele me encarou como se tentasse ver minha alma com seus olhos ônix. No começo, pensei que ele estivesse apenas brincando, mas depois vi que ele falava sério.

- Porque ser igual é chato – Eu disse sentindo meu celular vibrar, provavelmente, o Kyle tinha chegado – E acho que devia dar uma chance a algumas delas, pelo jeito, elas gostam mesmo de você.

Ele riu, mas diferente das outras vezes, essa foi em deboche. Eu poderia ficar com raiva disso, mas tive a impressão que essa risada não foi diretamente para mim.

- E mesmo elas sendo ruins com você, ainda assim as defende – Ele disse e se levantou – Meu irmão tinha razão, você é bastante peculiar, Katherine Thompson – Ele disse e umideceu os lábios, coisa que eu tinha que admitir ser bastante sexy.

- Acho que o Kyle chegou – Disse vendo a mensagem dele no meu celular – Você não devia ser tão frio, a vida é melhor do que isso.

- Talvez – Ele disse e estendeu a mão para mim, então coloquei a minha por cima, recebendo um beijo demorado nela – Nos vemos amanhã, Thompson? – Ele perguntou e eu assenti, então, muito de repente, recebi um selinho do Uchiha – Eu não vou desistir de você.

Eu me afastei a andei até a porta, a abrindo, antes de me virar para o olhar. Ele estava com as mãos no bolso da calça me olhando com os seus olhos escuros e eu me perguntava o que ele pensava e porque tão de repente, ele estava tão vidrado em mim.

- Você nem parece mais o garoto grosso de sempre, Uchiha, parece que está perdendo a sua personalidade – Brinquei com um enorme sorriso no rosto e ele deu um sorriso sem mostrar os dentes, ainda parado no mesmo lugar – É isso mesmo?

- Você quem pensa, senhorita – Ele disse – E você ainda não me disse seu nome.

- Talvez outro dia eu diga – Disse e sai, indo a passos rápidos da porta de saída, onde o Kyle me esperava.

O Uchiha era realmente bastante misterioso e tinha que admitir que eu queria desvendar esse mistério que ele carrega com ele. Mas tinha medo de acabar me confundindo com tudo isso.

- Está tudo bem? – Kyle disse apagando o cigarro no cinzeiro cheio de outros cigarros que havia no seu carro. Era bem diferente do carro do Sasuke, tão luxuoso quanto, algo irrelevante ao meu ver, mas enquanto o do Sasuke tinha um cheiro adocicado maravilhoso, diria que ele próprio acabou passando seu cheiro ao carro, o do Kyle tinha cheiro dos seus cigarro de menta, nos quais, mesmo odiando, aprendi a amar.

- Estou bem, só fiquei com vontade de te ver – Disse e vi um enorme sorriso surgir no seu delicado rosto. Apesar de tudo, eu realmente gostava dele e antes mesmo de perceber, ele já havia se tornado tão importante e precioso para mim.

Ele passou seus dedos no meu rosto e me deu um beijo na testa. Eu amava quando ele fazia isso, eu sentia como se realmente fosse importante para ele e eu queria acreditar que era, assim como ele é para mim.

- O que quer fazer? – Ele perguntou me olhando nos olhos. Seus olhos amarelados eram tão lindos que por mim, eu ficaria os olhando para sempre, sem nunca me cansar.

- Pode escolher, só queria passar um tempo com você – Disse e ele sorriu.

- Podemos ir ao parque de diversões e depois, se você quiser – Ele deu uma pausa e coçou a nuca, desviando o olhar meu por um único segundo – P-podemos ir para a minha casa, jogar vídeo-game ou ficar assistindo tv, sei lá.

Eu sorri com a sua proposta. Parecia divertido fazer tudo isso, então não tinha porque negar. Assenti e ele sorriu, dando partida no carro.

- Na minha antiga cidade, tinha ótimos parques, talvez um dia eu te leve para conhecer algum – Disse e ele me olhou por um segundo antes de voltar sua atenção no trânsito que estava fluindo apesar de estar cheio – Talvez nas férias eu vá para lá, se quiser vir comigo, lá em casa tem um quarto de visitas e acho que meu pai iria te adorar, claro, se você não ficar fumando, ele não gosta muito e nem eu – Fiz careta.

- Como eu vou ficar sem meus preciosos cigarros? – Ele falou em tom de brincadeira, mas no fundo, eu sabia que ele falava sério.

- Tem coisas mais divertidas para se fazer, sabia? – Disse – Não gosto quando você fuma, não gosto de ver você destruindo a sua vida assim – Eu não gostava de ficar pegando no pé dele por isso, mas minha sinceridade não me deixava ficar calada o vendo fazer isso.

Fui surpreendida quando ele pegou minha mão e a segurou assim que paramos em um sinal. Eu o olhei e ele estava me olhando, seus olhos mostravam o quanto ele parecia triste e por um momento eu me repreendi por ser a causa disso, mas novamente fui pega de surpresa quando ele me puxou em um abraço. Era um abraço apertado e ele parecia realmente precisar daquilo, então o abracei de volta tentando mostrar segurança a ele.

- Obrigado por ficar do meu lado – Ele disse com a voz abafada, por estar com o rosto no meu pescoço – Me desculpe por ser assim, faço você se preocupar e...

- Está tudo bem – Eu o cortei, pois notei o quanto estava sendo difícil para ele dizer tudo aquilo – Está tudo bem mesmo, você é a melhor pessoa que eu já conheci e sempre estarei ao seu lado, me preocupando e tentando cuidar de você – Ele me apertou ainda mais.

- Você é tão importante para mim, Katherine – Ele disse e se soltou do abraço, secando as lágrimas e voltando a prestar atenção na rua, onde o sinal estava prestes a abrir – Tenho medo que você se canse de mim e também vá embora.

Eu não sabia o que dizer. Não sabia de quem ele falava com aquele ‘também’, mas notei que era uma pessoa importante para ele.

- Eu não vou – Disse e ele sorriu, sem tirar os olhos da pista.

Logo veio a minha mente as palavras do Uchiha mais novo. 

“Eu não vou desistir de você”

Eu tentava realmente entender porque de uma hora para a outra ele começou a ser tão legal comigo e me perguntava aonde ele queria chegar com tudo aquilo. Para uma pessoa desconfiada como eu, era difícil acreditar que ele simplesmente decidiu que seria legal por bondade, então minha mente paranóica criou várias desculpas para aquele comportamento, como ele só quer me separar do Kyle ou quer me usar e depois jogar fora. Isso me fazia pensar que ele era um canalha, entretanto, outra parte de mim, mais necessariamente a que dominava, acreditava que ele não estava querendo nada do que minha parte paranóica pensou.

Eu mesma me sentia mal por pensar tanto no Sasuke depois de ligar para o Kyle e dizer que queria passar um tempo com ele. A verdade, era que aquelas palavras realmente mexeram comigo, mesmo sendo só uma simples frase. Eu supus que talvez tivesse ficado mexida com o que o Itachi me disse e aquilo acabou me pegando de surpresa, afinal, era impossível que eu sentisse algo a mais pelo Uchiha, não era?

Logo meus pensamento foram interrompidos por um forte cheiro de cigarro, me fazendo tossir um pouco. Olhei o causador daquele cheiro e vi o ruivo gentil com aquele objeto, que eu não gosto nada, na boca. Me repreendi ao comparar aquilo com o cheiro que o Sasuke deixava em seu carro. Eu tinha que parar de pensar nele, tinha que colocar na minha cabeça que antes desse dia divertido, nós só brigávamos e ele sempre fora bem idiota comigo, mas não conseguia. Maldito, Sasuke! Porque ele não continuou sendo filho da puta comigo?

Comecei a pensar no que o Itachi tinha dito sobre o Sasuke, toda aquela história de brigar porque ele gosta de mim e porque simplesmente se tornou parte do dia-a-dia dele, quando ele disse, achei bastante estranho isso acontecer, mas agora, será que isso não acaba se aplicando a mim também? Não, não, não e não, não se aplica, não gosto do Sasuke, só fui gentil pelo Itachi, nada mais, é muita loucura descobrir que começou a gostar de alguém que antes pensava odiar, está fora de cogitação gostar dele.

- Chegamos - Fui tirada do meu louco e sem sentido pensamento pela voz do Kyle.

Sai do carro e vi que ele ainda fumava, talvez meus pensamentos tenham durado menos do que pareceu ou ele está no segundo, já que tem essa mania horrível de fumar dois seguidos, odeio quando ele faz isso.

- Nossa – Disse olhando aquele parque enorme bem na minha frente – Esse parque é incrível – Eu olhava como se fosse uma criança, mas não podia negar, aquele lugar parecia realmente incrível.

- Gostou? - Kyle perguntou dando uma longa tragada no seu cigarro e soltando a fumaça lentamente, enquanto me observava, provavelmente achando graça da maneira que eu assenti sem tirar os olhos daqueles lindos e coloridos brinquedos – Então tem que ver lá dentro.

Ele segurou minha mão e só ai eu tirei meus olhos de lá e os foquei no garoto ao meu lado. Era ele em que eu pensava quando precisava de algo, ele sempre estava lá, disponível para me ajudar, era como o meu porto seguro e eu me sentia mal por não conseguir fazer por ele o que ele faz por mim. Era dele que eu gostava.

- Não pode parar de fumar um segundo? – Disse ao vê-lo colocando o cigarro novamente na boca.

- Posso – Ele disse com o cigarro na boca e logo o tirou jogando a fumaça na minha cara, uma coisa que ele faz muito – Só não quero.

Depois dessa resposta, devo ter feito o maior bico do mundo. Eu definitivamente não devia ter 17 anos, mas sim 7. 

- Mas agora vou abrir uma exceção, porque uma garota muito importante para mim não gosta que eu fume – Ele disse e jogou o cigarro em um cinzeiro que eu nem havia reparado ter ali. Suas palavras me deram um leve frio na barriga e um sorriso surgiu em meu rosto – Agora vamos, garota manhosa – Ele entrelaçou nossos dedos e me puxou para dentro do parque.

Entramos no parque e fomos para a bilheteria que estava praticamente vazia, provavelmente pelo horário que era. Tivemos uma pequena discussão sobre quem paga o meu ingresso e no fim eu ganhei, já que sou cabeça-dura o bastante para não deixá-lo pagar para mim.

- MEU DEUS! VAMOS FAZER UM ENCONTRO DUPLO E DEPOIS VAMOS VIVER EM UM POLIAMOR, SEM CIÚMES DE NENHUMA PARTE, TUDO BEM PARA VOCÊS? – Ouvi uma voz conhecida dizer e logo senti a Amanda me abraçar com força.

- Olha, por mim, está ótimo – Brinquei rindo dela e logo vi o moreno, que até hoje não sei o nome vir em nossa direção, com suas mãos no bolso da calça e um sorriso discreto no rosto.

Eles eram um casal bem estranho. A Amanda era bastante escandalosa e louca, enquanto o moreno era quieto e sempre ficava na dele, apesar de ser o braço direto do líder do time de basquete, que era uma espécie de Sasuke 2 em relação a quantidade de meninas atrás dele.

- Eu topo tudo – Ele disse parando ao lado da loira doida – E à propósito, sou Dean, acho que não fomos apresentados e seria estranho estar em um poliamor no qual eu não sei o nome de todo mundo – Mas depois que resolvermos isso, é só escolher onde vamos morar.

- Sou Katherine e podemos morar debaixo da ponte porque meu pai não me apoiaria nisso – Disse e ele deu uma baixa risada.

- Acho que prefiro que a Katherine fosse só minha – Ouvi a voz do Kyle dizer e senti seu braço passar pela minha cintura, o vendo ficar ao meu lado - Sou muito ciumento e não gosto que toquem na minha mulher, hein? – Ele disse sério e soltou uma gargalhada – Sempre pensei em um poliamor comigo e outras muitas mulheres, mas olha, sou aberto a outros tipos de experiências, gato – Ele brincou novamente fazendo uma voz afeminada e piscando para o Dean, fazendo todos nós rimos.

- Acho melhor deixarmos a ideia do poliamor de lado – Amanda disse abraçando o Dean – Não quero que roubem meu homem, mas o encontro duplo ainda está de pé e eu topo e só o meu voto importa, então está decidido que vai ter.

Amanda começou a nos puxar para o interior do parque, me fazendo notar que aquilo era grande demais para se ver só em um fim de tarde. Entramos na fila de uma montanha-russa que me deu um nó no estômago só que olhar, aquilo com certeza não foi feito por alguém pensava em diversão, talvez em tortura, dor, pavor ou coisas do gênero.

- Acho que prefiro ficar só olhando - Disse tentando sair lentamente daquela fila.

- De jeito nenhum, você vai com a gente, ao lado do meu homem – Amanda disse e me puxou para a fila – Imagina se outra menina sentar ao lado dele, outra menina linda, maravilhosa e solteira sentasse ao lado dele, ai quando chegar naquelas partes que dão frio na barriga e “sem querer” ela pega na mão dele e ele por ser uma cavalheiro gentil, retribui o aperto de mão e isso acaba dando início a uma conversa, que logo se torna algo a mais e você o perde para sempre porque não foi em uma simples e divertida montanha-russa – Ela terminou de dizer e eu tive uma crise de risos.

- Relaxa, amiga – Disse tentando conter minha risada, que estava alta o suficiente para chamar a atenção de algumas pessoas – Isso não vai acontecer, mesmo sendo algo muito comum, né? – Disse ironicamente em um tom brincalhão.

- Nunca se sabe, gata, deixa esse ruivo gostoso – Ela disse e deu um sorriso para o Dean que fez uma cara de reprovação – Andando solto por ai, que um dia você o perde – Eu sabia que o que ela disse não aconteceria, mas aquilo era algo que eu tinha medo, principalmente por ele sempre deixar claro que tudo em sua vida é temporário.

- Vem comigo, por favor – Ele disse e me olhou com seus olhos amarelados em meus olhos, então assenti e suspirei, eu não conseguia negar nada aquele olhar, ele sabia e usou isso contra mim. Idiota!

Logo, para a minha infelicidade, chegou nossa vez e para piorar tudo, fomos colocados nas primeiras cadeiras, onde ouvi as pessoas atrás de nós na fila comentarem que eu onde tem a maior emoção, tudo o que eu menos queria. 

Minha respiração estava descompassada e minha expressão apavorada não saia do meu rosto. Eu estava desesperada e queria a todo o custo sair dali antes daquele brinquedo começar, porém, antes que eu pudesse gritar ou pedir para que me tirasse dali, o carrinho começou a andar pelo trilhos.

Fechei os olhos, mas o desespero ainda tomava conta de mim. Eu só queria sair daquele brinquedo e nunca mais voltar, eu queria que ele parasse para que eu corresse para bem longe dele, mas nada disso acontecia. A placa informava que ele tinha uma duração de dois minutos e eu tinha a certeza de que seriam os dois minutos mais demorados da minha vida e graças a isso, lágrimas começaram a escorrer pelo meu rosto.

- Katherine? – Ouvi a voz do Kyle – Você está bem? – Ele disse e eu neguei, deixando que as lágrimas cairem e logo sendo vistas pelo ruivo – Está acabando, me desculpe por te pedir para vir, me desculpe mesmo – Senti sua quente mão tocar na minha e a apertei com toda a força que eu tive no momento, sem conseguir dizer nada.

Depois de um tempo, senti o brinquedo parar e o sinto se soltar. Tudo o que eu consegui fazer foi me levantar e sair de perto daquilo o mais rápido possível, deixando meus amigos para trás.

Me encolhi em um canto, me sentindo fraca por não me livrar desse medo e me forcei a parar de chorar, não queria que a Amanda e, talvez, o Dean se preocupassem e não queria preocupar ainda mais o Kyle. Todos só queriam que eu me divertisse e eu não consegui, fiquei com medo e estraguei a diversão do ruivo gentil.

- Podia ter me dito que tinha medo – Ouvi a voz de Kyle e notei que ele estava em pé ao meu lado – E podia ter nos esperado também, foi difícil te encontrar aqui – Senti sua mão tocar minhas costas e em seguida, me vi envolvida no seu abraço quente e reconfortante.

- Eu beijei o Sasuke – Por algum motivo que nem eu mesma sabia, eu o contei. Talvez no meu subconsciente, eu queria contar, só não sabia qual seria o momento bom para isso e nem que reação ele teria.

O vi se levantar e dar dois passos para trás, parecendo surpreso com aquilo. Mesmo que ele tenha dito que ficaria feliz se eu estivesse com o Sasuke, aquilo foi realmente inesperado por ele.


Notas Finais


Então, o que acharam?
Sério, galera, comentem, porque senão irei caçar os fantasmas, hein?
Estou de olho
Beijos dessa otaku confusa dessa vida


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...