História As músicas que me guiaram - Capítulo 21


Escrita por: ~

Postado
Categorias Teen Wolf
Personagens Lydia Martin, Mieczyslaw “Stiles” Stilinski, Scott McCall
Tags Martinski, Sciles, Stydia, Sydia
Visualizações 335
Palavras 4.239
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Escolar, Famí­lia, Festa, Romance e Novela, Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Vocês, leitores lindos, pediram por capítulos maiores e por cenas Stydia.. então aqui está um capítulo grande cheiooo de cena Stydia!
Espero que gostem, porque me deliciei escrevendo cada palavra! E até que não demorei tanto, né??
Boa leitura!

Capítulo 21 - Palavras feias


Stiles esperava que Lydia fosse dizer qualquer coisa, menos aquilo. Ele estava tão despreparado que perdeu todo o fôlego e os olhos assumiram um brilho repleto de surpresa e felicidade.

— Você estava irritada comigo e é nisso que pensa? Que quer dar para mim?! — Stiles não se conteve, precisou provocar com a voz risonha. De seus rosto transbordava empolgação e ansiedade.

— Não fale assim! — Ela brigou com a cabeça baixa, ainda muito vermelha.

— O quê? Mas não é verdade? Você acabou de dizer que quer dar para mim.

Lydia fechou a expressão e seu rosto ficou ainda mais vermelho. O sorriso aumentou na boca de Stiles, se deliciando com o constrangimento e incômodo da melhor amiga.

— Prefere que eu diga como? Que você quer ser comida por mim?

Os lábios de Lydia abriram como se ela tivesse acabado de ouvir algo muito, muito imoral. Stiles gargalhou, jogando a cabeça para trás e quando ela tentou se afastar,  ele a espremeu ainda mais contra a porta.

— Não use essas palavras feias — Ela voltou a reclamar com a voz quase infantil demais.

— Por que, pequena? Você quer ser fodida por mim, não quer? Qual o problema de....

Revoltada, a Martin começou a estapear o peito do Stilinski. Mais uma vez, ele riu. Estava amando aquela situação, pois era adorável ver Lydia agindo daquele jeito imaturo e fofo.

— Você sabe que eu não gosto de...

— Palavrões. Eu sei! — Foi Stiles que completou a frase de Lydia, ainda risonho. — Mas sério, pequena.... Por que você pensou nisso enquanto estava brava? A gente ficou sem se falar por dois dias. — A curiosidade envolveu a voz de Stiles ao expor aquela dúvida.

— Porque isso me fez lembrar o quanto eu o amo e como é difícil ficar sem você — Ela murmurou parecendo mais tímida, a cabeça baixa e a voz trêmula — e como só brigamos por coisas idiotas e sempre acabamos voltando ao normal.

Lydia balançou os ombros, como se aquilo não fosse nada, porém Stiles sorria como se tivesse acabado de ouvir as palavras mais lindas do mundo.

— Se eu soubesse que só precisava arrumar briga ... —Zombou rindo para constranger mais a menina e logo depois acrescentou: — Eu também amo você, sereia e é por isso que — Ele fez uma pausa dramática no meio da frase e só falou após encostar a boca na orelha de Lydia — nós vamos foder muito, bem gostoso, várias vezes seguidas.

A menina arquejou e tentou empurrar o peito do amigo. Ele amava como ela parecia pequena e rendida toda vez em que estavam próximos. Sentia vontade de agarrá-la em seus braços e a fazer refém de cosquinhas e beijos.

Stiles estava encantado. Ainda sem acreditar no que a amiga tinha dito e ela estava distraída da vergonha por causa da provocação dele. O garoto se aproveitou disso para lhe dar um beijo roubado.

Lydia estremeceu quando foi pega desprevenida pelos lábios finos contra os seus. Sem nem pensar, abriu a boca, dando a passagem que o garoto queria para se embebedar da saliva conhecida.

O beijo foi calmo e intenso. Stiles, após poucos segundos, já tomou a liberdade para descer uma das mãos até o bumbum da menina. Ela resmungou contra seus lábios e ele, apertou com força as nádegas arrebitadas.

A Martin gostava muito daquele tipo de toque e por isso, tomou coragem para pegar a mão de Stiles que permanecia em sua cintura. Ele deixou o braço flácido, permitindo que Lydia o guiasse e teve a feliz recompensa de sentir os seios cobertos abaixo de suas mãos.

Stiles não aguentou. Disse um palavrão durante o beijo e daquela vez, Lydia não reclamou. Acariciou os seios da menina como sabia que ela ansiava. Seus dedos gentis trouxeram conforto a ela através do carinho por cima das camadas de roupa.

— Eu queria tanto que você andasse sem sutiã... — Ele acabou dizendo em meio ao beijo, a voz em uma reclamação baixa.

Ela não respondeu, ocupada ao retribuir o beijo gostoso, movendo os lábios com calma e permitindo que por algumas vezes, as línguas se encontrassem. A fricção e a saliva quente fazia os dois adolescentes desejarem muito mais do que beijos.

Para provocar e também pela curiosidade de um toque diferente, Stiles largou o bumbum de Lydia e agarrou sem muita delicadeza o braço direito da menina. Ela arfou pela força que foi segurada, mas não tentou impedir que ele guiasse sua mão.

Lydia ficou tão surpresa que até mesmo se desconcentrou do beijo quando Stiles fez com que ela segurasse o bumbum dele. Como se não bastasse, ele entrelaçou seus dedos e obrigou, logo em seguida, que a menina apertasse aquele local com vontade.

— Stiles! — Perplexa, ela acabou dizendo o nome do garoto.

— O que foi? Você nunca apertou minha bunda e eu queria saber como é!

— É q-que...

— Só eu passo a mão no seu corpo, pequena! Você não tem vontade de passar no meu?

Com os olhos meio arregalados, Lydia percebeu o incômodo que nunca imaginou nos olhos castanhos. Era óbvio que ele se sentia frustrado pela falta de atitude em tocar seu corpo.

Ele não tinha de fato reclamado, porém Lydia o conhecia e isso a fez se sentir desconfortável. Com certa dificuldade, se afastou alguns passos e disse a primeira coisa que veio a mente:

— Se a gente não descer logo, Scott vai acabar vindo aqui!

**

Era o primeiro dia de Stiles na escola de música e por consequência, primeiro dia em que estaria na mesma sala de aula que Lydia e Scott. Ele estava, oficialmente, adiantado e terminaria o colégio junto com os melhores amigos. 

Stiles chegou em seu típico horário: trinta minutos após a aula já ter começado. Entrou afobado na sala, fazendo barulho e de imediato procurou Lydia com os olhos.

Ela não estava no lugar habitual, mais a frente e ao lado de Derek. Estava sentada na última fileira, com uma cadeira ao lado vazia. O Stilinski franziu o rosto, mas ficou repleto de satisfação quando tímida, ela ergueu uma mão o chamando para sentar.

— Stilinski! Você chegou meia hora atrasado e agora vai ficar parado no meio da sala?! — A voz rude do professor não espantou o menino. Ele apenas ergueu uma sobrancelha e inclinou o corpo na direção do homem.

— Sou novo na turma, não vai fazer nenhuma apresentação? — Debochou com um sorriso tranquilo. Alguns alunos riram.

— Tenho certeza que todos já o conhecem pela sua má fama.

— Má fama? Achei que era conhecido por ser gênio da música e o mais sexy do colégio — Dessa vez sua voz estava menos provocativa, apenas...convencida.

Antes que o professor pensasse em tirar o garoto da sala, Stiles finalmente foi até Lydia. Sentou ao lado da menina, pegou uma de suas mãos e beijou rápido, em forma de cumprimento.

Lydia corou e sorriu.

— Desde quando você senta junto com os alunos rebeldes? — Perguntou baixinho, curioso.

— Só sentei aqui porque é seu primeiro dia — Lydia disse a meia verdade e logo depois acrescentou: — Sei que você odeia sentar na frente.

— Cadê o Scott?! — Perguntou após poucos segundos, roubando mais uma vez a atenção de Lydia.

— Deve estar se agarrando com alguém.

Ao responder, Lydia revirou os olhos de modo teatral. Stiles riu, concordou com a cabeça e murmurou algo como “meu garoto”. Depois, por fim, ele ficou em silêncio e tentou prestar atenção no professor.

Lydia permaneceu séria, olhando para frente, mas seus pensamentos estavam longes. Ela tinha sentado atrás com um objetivo, porém o nervosismo fazia suas mãos suarem e o corpo paralisar.

— Você entende essa matéria? — Stiles perguntou de repente, fazendo Lydia pular no lugar por causa do susto.

— É fácil — respondeu depois de muitos segundos, encarando os olhos castanhos.

— Fácil?! Como você chama isso de....

— Stiles, eu vou ensinar a você. Vai se dar bem nas provas! — O tranquilizou colocando uma mão sobre o joelho do melhor amigo.

Ele concordou com a cabeça e inquieto, voltou a olhar para frente. Já os olhos de Lydia se fixaram na mão sobre a perna do garoto. Bastava mover um pouco os dedos e ela conseguiria começar seu plano de se arriscar mais.

O que Stiles tinha dito a fez sentir a necessidade de vencer a vergonha. Era óbvio que ela desejava passar a mão pelo corpo do melhor amigo. Desejava muito mais do que isso, mas na maioria das vezes ela só travava. Não fazia nada.

— Que tédio! — Stiles percebeu, tarde demais, que falou mais alto do que deveria. Colocou uma mão sobre a boca, cobrindo e enfrentou o olhar assassino do professor.  — Eu estava falando sobre outra coisa entediante e não sobre sua aula!

O professor disse algo que Lydia não prestou atenção e então, os olhos castanhos conhecidos encararam a menina em um pedido mudo de socorro. Ele estava inquieto, começava a balançar as pernas de maneira ritmada e irritante.

— Não acaba nunca?!

— São três tempos seguidos — Ela respondeu bem baixinho, temerosa de atrapalhar o professor.

Stiles grunhiu de irritação e apoiou a cabeça na mesa a sua frente. Em outra situação, Lydia reclamaria e falaria para ele prestar atenção. No entanto, naquele dia, ela não disse nada pois também se sentia ansiosa e entediada.

De rompante, Stiles virou a cabeça ainda apoiada na mesa e lançou um sorriso safado para a menina. Nervosa, Lydia se perguntou se ele conseguia ler seus pensamentos e sabia o que estava tentando fazer.

Precisou de muito autocontrole para não tirar a mão direita que permanecia apoiada na perna do Stilinski, relaxada ali como um toque esquecido e despretensioso.

— Você podia me distrair para o tempo passar mais rápido — Foi a forma como ele falou que tornou a frase uma proposta indecente.

Logo depois, ele riu e ajeitou os braços sobre a madeira da mesa, decidido a tentar dormir e certo de que Lydia jamais daria atenção para sua provocação boba.

Demorou cerca de uma hora para Lydia decidir que a possibilidade do professor ou de qualquer outra pessoa perceber algo suspeito, eram pequenas. Então, só depois desse tempo que ela finalmente moveu a mão.

Os dedos que já estavam pesados pelo tempo em que permaneceram imóveis. Então, foi mais difícil do que o normal os mover com timidez por cima do jeans do menino. Respirando forte e mantendo os olhos no professor, Lydia arrasou a mão lentamente até o alto da coxa de Stiles.

O garoto que estava quase dormindo, se remexeu, inquieto com a proximidade do toque. Não imaginou que Lydia estivesse maldando aquilo, porém, ainda assim, seu corpo respondeu rápido ao carinho sutil que começou a receber.

A Martin esfregava os dedos contra o tecido grosso, sentindo a pele fina protestar contra o toque. Ia para cima e para baixo e depois, enquanto soltava o ar pela boca, criou ousadia para deixar a mão encontrar o interior das coxas do menino, invadindo entre suas pernas, roçando a lateral da mão na ereção que iniciava.

Foi ai que o Stilinski não suportou. Tencionou o corpo e levantou o tronco, se ajeitando na cadeira de maneira brusca. Olhou para a menina em busca de resposta, mas era tarde demais. Ele tinha a assustado o suficiente para fazer com que tirasse a mão de suas pernas.

— Você... você estava fazendo de proposito! — Afirmou surpreso, as pupilas dilatas de desejo.

— Esquece isso! — Ela ordenou frustrada pela tentativa derrotada.

Entrelaçou os próprios dedos e abaixou a cabeça, envergonhada demais para voltar a olhar na direção do amigo. Ela queria agradá-lo, surpreendê-lo, porém, só tinha conseguido se sentir estupida.

— Lydia? Você está chateada? — Percebeu horrorizado, o rosto preocupado. — Pequena, eu só me assustei! O que você fez foi...

Lydia não parecia nem ouvir o que ele dizia e por isso, Stiles a cutucou com delicadeza até forçá-la a olhar para ele. Assim que conseguiu a atenção da íris verde, ele gesticulou para calça, onde a ereção permanecia.

— Acha que se não tivesse gostado, eu estaria assim? — Perguntou bem baixo, garantido que ninguém mais ouvisse.

Ela desviou os olhos rápidos e respondeu:

— Você fica assim por qualquer coisa.

Stiles negou com a cabeça e inclinou todo o corpo na direção de sua pequena. Aproximou o rosto do dela, ficando bem mais perto do que poderia ser considerado apropriado para uma sala de aula.

— Só você me deixa assim, sereia. Ninguém mais me excita.

E lá estava o tipo de frase perfeita dita na hora certa que Stiles conseguia formular com perfeição e naturalidade. O tipo de fala capaz de fazer Lydia estremecer na hora, desconcertada.

**

Após o final das aulas, Stiles estava ansioso e não conseguia esconder. Por isso, assim que saiu do colégio, Lydia o seguiu em silêncio, fazendo a companhia que sabia que ele precisava.

— Você vai me levar até a escola de música?! — Apesar de ser obvio, teve a necessidade perguntar.

— Alguém precisar segurar sua mão na hora de atravessar a rua! E como seus pais não podem essa hora e Scott continua agarrando aquela aluna nova, eu sou a única responsável disponível.

Lydia falou tudo com a voz séria, como se dissesse algo importante. Stiles foi o primeiro a rir e depois, bateu com os ombros na menina com força o suficiente para tirá-la do lugar.

Ela riu também, no entanto, ironicamente, assim que foram atravessar a rua que dava para a escola de música, Lydia pegou a mão de Stiles em um instinto protetor e o puxou para si no momento em que julgou ser seguro de andar.

— Obrigado, mamãe — Ironizou assim que chegaram ao outro lado da rua, lançando um olhar maroto para a menina.

— Vai dar tudo certo! Tenho certeza que vai chegar em casa exausto e ligar para mim para falar como foi maravilhoso e que você é o melhor musico do lugar!

— Eu sempre sou o melhor músico — Respondeu meio rabugento, arrancando uma pequena risada de Lydia.

— E hoje não vai ser diferente — Garantiu segura do que falava.

Stiles pegou o celular do bolso e suspirou ao ver que estava quase quarenta minutos adiantado. Não estava acostumado a chegar cedo em lugar nenhum, nunca. Se apoiou na parede ao lado do enorme prédio em que estava escrito “Escola de música de Beacon Hills” e voltou a guardar o celular no bolso da calça.

— Não quero ser o primeiro a chegar!

Uma ideia brilhante passou pela mente de Lydia e de imediato, suas bochechas ficaram mais coradas que o natural.

Tímida, ela percebeu que queria muito mais do que apenas contrariar as palavras de Stiles, quando ele disse que ela nunca passava a mão em seu corpo. Era mais do aquilo. A menina de fato não estava suportando o desejo acumulado, preso dentro de si. Toda vez que via o melhor amigo tinha a necessidade de realizar seus sonhos eróticos mais constrangedores.

— A gente pode aproveitar o tempo que falta para suas aulas. — Ela sugeriu baixinho, se aproximando de Stiles.

Ele ergueu as sobrancelhas, ao mesmo tempo satisfeito e incrédulo. Um meio sorriso torto se apossou dos lábios finos e logo as mãos foram até a cintura de Lydia, a puxando para um abraço colante.

— O que tem com você hoje, garota? — Sua expressão era safada, a voz era brincalhona. — Sei que sou gostoso, mas você não está conseguindo se controlar!

— Quer que eu pare? — Em vez de apenas corar como de costume, Lydia soltou a provocação com a voz surpreendentemente sexy.

— Não! Por favor, eu imploro que continue descontrolada.

Ela sorriu em uma mistura perfeita de sensualidade e timidez e tomou a iniciativa de começar o beijo, levando as mãos a nuca de Stiles. Ele apertou suas ancas e inclinou a coluna para deixar suas alturas semelhantes.

A menina suspirou alto e mordeu os lábios de Stiles. Uma, duas, três vezes. Passou a puxar o lábio inferior do Stilinski com força, sem a mínima intenção de ser delicada, saciando parte da vontade de devorar o melhor amigo.

Os lábios cheios tomavam total controle e Stiles cedia sem nem pensar, se excitando rápido com aquele beijo gostoso. Gostava de estar sendo espremido na parede por Lydia e gostava ainda mais da forma como o desejo dela estava transbordando.

Em algum momento, o barulho de movimentação de pessoas se tornou mais constante e eles perceberam, com tristeza, que precisavam parar de se beijar em um lugar tão público.

Quando as bocas se separaram, Lydia vislumbrou os lábios de Stiles extremamente inchados e vermelhos, além do cabelo desarrumado. Não tinha como tentar esconder que ele tinha acabado de beijar alguém.

— Já está na hora... — Ele disse desorientado e rouco, os olhos meio perdidos encarando a hora exibida no celular. — Preciso ir.

Ela concordou com a cabeça e olhou para os lados, vendo a movimentação de alunos que entravam no prédio. Eles tinham perdido a noção do tempo e do lugar em que estavam.

— Não esquece de me ligar quando chegar em casa — Pediu já tímida, se afastando dele.

— Lydia! — O grito surgiu quando a Martin já estava do outro lado da rua. Ela virou em direção ao garoto ainda parado na frente do edifício. — Eu amo você!

O coração da menina disparou com o berro que qualquer pessoa poderia ouvir. Sorriu e sabia que aquilo bastava como resposta. Stiles já sabia o quanto ela também o amava.

**

Na opinião de Lydia, chegava a ser ridículo. Stiles só tinha tido uma semana de aula na escola de música, era o único moleque de quinze anos, perdido no meio de várias pessoas mais velhas e mesmo assim, já tinha feito amizades.

As pessoas tinham gostado dele o suficiente para o chamar para uma maldita festa. E claro que ele não só tinha aceitado o convite, como obrigou que a melhor amiga fosse com ele.

— Já disse que você está linda?

A menina olhou para o próprio corpo. Usava uma saia curta e ajustada ao corpo, com uma blusa um pouco mais larga cheia de detalhes em brilho. Nos pés, um sapato pesado com um salto discreto.

— Obrigada.

Mesmo com o elogio, ela continuou meio mal humorada, o rosto sério. Stiles riu baixo e segurou a mão da garota enquanto entravam na casa onde acontecia a festa. Deixou os dedos entrelaçados.

Muitas pessoas vieram cumprimentá-los com enormes sorrisos no rosto. As garotas, Stiles abraçava e beijava o rosto como se as conhecesse há muito tempo e os garotos, ele dava toques de mão e soltava piadas que os fazia sorrir.

Lydia também era gentil. Sorria e correspondia a todos desconhecidos que vinham até ela. Quase todos ali pareciam ser músicos e como esperado em uma festa de pessoas envolvidas com a música, o som que gritava das caixas de som era da melhor qualidade.

— Viu? Não está ruim! — Stiles sussurrou no ouvido dela, sorrindo ao ver como a expressão da menina estava tranquila.

— A música é boa e tem comida....

— Então vamos comer e dançar!

Ela sorriu, satisfeita. Stiles não se importava com a falta de habilidade com dança. Sempre que chegava em um lugar com música, perguntava se a menina queria dançar pois sabia o quanto ela amava.

— Stiles, vem aqui com sua namorada! — O grito grave por cima da música impediu que os amigos conseguissem cumprir seus planos.

— Eles acham que você é minha namorada — Stiles observou divertido enquanto arrastava a menina pelo meio das pessoas até onde o garoto chamava.

Lydia precisou de alguns segundos para lembrar do nome do menino. Olhou para o cabelo claro e os olhos expressivos até finalmente, o nome “Isaac” vir a sua cabeça. Tinha sido um dos primeiros a cumprimentá-los na festa.

— Verdade ou desafio, jogo clássico que todo novato precisa participar! — Ele disse rápido, sorrindo e ao ver o olhar de dúvida de Stiles, acrescentou: — Na próxima festa, eu juro que vai ser opcional, mas precisa participar pelo menos uma vez!

Stiles apertou a mão de Lydia e a olhou com uma expressão infantil e pedinte. Ela estreitou os olhos, porém, não via como fugir da situação. Por isso, apenas suspirou, derrotada.

— Fique tranquila, Lydia! A gente não incentiva traição. — Foi dessa forma que Isaac interpretou o incômodo da Martin.

Ela franziu o rosto, sem entender e então Isaac gritou para os jovens que já se uniram em uma roda, sentados no chão:

— Atenção, gente! Stiles namora, ok? Então nada de desafio pedindo para ele ficar com outra garota! — Lydia corou. Stiles gostou daquilo. — Qualquer desafio sexy para esses dois, só pode ser para um fazer no outro!

— Você vai dizer que nós não somos...

— Eu não sei você, pequena, mas prefiro que ninguém desafie a você se esfregar em algum garoto — Stiles interrompeu a Lydia com aquela fala, erguendo as sobrancelhas — Você quer arriscar que alguém peça para eu beijar alguém? Ou fazer coisa pior?

— Não! — Ela respondeu rápido demais e muito alto, estremecendo com a possibilidade.

Stiles riu. Amava os ciúmes da menina.

— Então vamos ser namorados por uma noite — Zombou baixinho, a arrastando até a roda e sentando no chão.

Ficaram um do lado do outro, as mãos ainda entrelaçadas apoiadas sobre a perna de Stiles. Lydia tinha que admitir que se divertiu vendo as primeiras rodas do jogo.

As pessoas eram divertidas, faziam os desafios e pediam as verdades mais engraçadas ou estranhas o possível. Todos ali pareciam já se conhecer há um bom tempo.

Teve desafio para cantar com água na boca, outro para beijar a pessoa mais feia da roda e alguns envolvendo bebida alcoólica. Nada parecia constrangedor demais e como Isaac tinha falado, os poucos casais presentes não eram desafiados a nada sexy que não fosse dirigido ao namorado ou namorada.

A menina pensou que o tempo passaria rápido e que não aconteceria nada para ficar nervosa, até é claro, a garrafa apontar para si e para o tal Isaac, que sorriu de imediato.

— Verdade ou desafio? — Ele perguntou animado, sorrindo.

— Desafio.

Óbvio que Lydia não pensou antes de responder, ela apenas disse de uma vez. O sorriso de Isaac aumentou enquanto pensava no que desafiar. Os amigos dele começaram a gritar coisas como “não pode pegar leve com os novatos”, “não pode ser nada fácil demais”.

— Sabe, nessa única semana que Stiles teve de aula, só uma coisa se destacou mais que o talento dele...  — Assim que começou a falar, muitas pessoas riram. Aparentemente, todos sabiam do que Isaac falava, menos Lydia. O próprio Stiles ria, já sabendo o que ele ia dizer — A quantidade de besteiras que ele fala!

Gargalhadas explodiram. Lydia abaixou a cabeça. Existia um mínimo sorriso nos lábios grossos, porém estava completamente vermelha de vergonha.

— Então, considerando como esse garoto fala sobre sexo, não pode me julgar por imaginar que vocês são um casal bem quente. — A voz de Isaac se tornou maliciosa. Pessoas assobiaram e soltaram gritinhos de brincadeira, animados. — Faz um dança bem sexy, provocativa, pro Stiles no meio da roda.

Os lábios de Lydia se abriram quando o desafio finalmente foi revelado. A bagunça na roda aumentou, muitas pessoas falando ao mesmo tempo, rindo, animados com o desafio.

Ela olhou para Stiles, perdida, em busca de apoio. O menino a encarou com preocupação e não com malícia.

— Sereia, eu posso dizer que você não se sente confortável.

Foram aquelas palavras cuidadosas que fizeram Lydia ter coragem. Notou como o garoto já estava disposto a livrá-la daquele desafio. Era óbvio que ele se preocupava com seu bem estar e que também, considerava impossível que ela fosse fazer aquilo.

O desafio parecia sexy demais, ousado demais para Lydia Martin. Era justamente por isso que ela precisava cumprir. Respirou fundo, negou com a cabeça e entendeu que aquela era uma oportunidade perfeita para mostrar a Stiles de que ela era capaz de coisas improváveis.

— Eu vou dançar! — Apesar do nervosismo, sua voz saiu segura.

— J-jura? — Ele parecia incrédulo, até mesmo assustado. — Você nunca dançou para mim, nem mesmo em casa.

— Eu sei.

Lydia levantou do chão, as pernas trêmulas. Mais pessoas gritaram em comemoração. Isaac levantou também e correu até pegar uma cadeira de madeira. A colocou bem no meio da roda e chamou Stiles para sentar.

— Lydia... — O Stilinski tentou falar após ficar de pé.

— Eu estou excitada, Stiles! — Ela confessou sem filtros, expondo o desespero que explodia em seu corpo de um jeito insuportável. — É por isso que eu quero dançar.

Foi a vez de Stiles abrir a boca e arregalar os olhos. Quase que automaticamente, se jogou no banco no meio da roda e segurou firme nas pernas da cadeira, tentando se controlar.

— Você vai me matar de tesão  — Ele disse em uma constatação perplexa. Era inacreditável como nos últimos dias era a menina que estava tomando tantas atitudes.

Primeiro dizendo que estava pronta para o sexo, depois passando a mão em suas pernas durante a aula, depois o beijando diversas vezes do jeito mais gostoso possível e ali, naquele momento, se preparando para lhe proporcionar uma dança sexy no meio de várias pessoas que ela nem conhecia.

Lydia respirou fundo e ficou bem de frente para Stiles. Ele estava sentado com as pernas bem separadas, os olhos pareciam mais escuros pelo desejo visível que transbordava de si.

A Martin focou na visão do menino que amava e na música que tocava. As batidas não eram lentas demais, nem muito rápidas, eram perfeitas. Fechou os olhos, contou até três e respirou fundo.

Para ignorar as pessoas que a olhavam com expectativa, bastava se concentrar o suficiente em Stiles. Ela queria se sentir mais sexy, mais corajosa e por isso, começou a mover o corpo.


Notas Finais


Então... gostaram?
Muita pessoa já comentou dizendo que estava ansioso para ver a Lydia tendo mais atitude, então espero que tenham aproveitado! Vão ver a Martin em mais cenas assim... hahaha
Quem está animado para ver essa dança?? Prometo que vai ser muito sexy e cheia descrição de detalhes!
Eeee o grande momento está bem perto, a primeira vez Stydia! Se tiverem qualquer ideia, não deixem de falar seja por comentário ou por mensagem!
Beijinhos e até logo.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...