História As novas Fadas - Nébula (Interativa) - Capítulo 1


Escrita por: ~

Exibições 74
Palavras 909
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Aventura, Colegial, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Ecchi, Famí­lia, Fantasia, Ficção, Lírica, Luta, Magia, Mecha, Mistério, Misticismo, Poesias, Romance e Novela, Saga, Sci-Fi, Seinen, Super Power, Survival, Suspense, Universo Alternativo, Violência, Yaoi, Yuri
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Sadomasoquismo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 1 - Eu prometo


Fanfic / Fanfiction As novas Fadas - Nébula (Interativa) - Capítulo 1 - Eu prometo

As chamas ainda creptavam com força, destruindo os restante das ruínas do que um dia fora chamada com tanto orgulho de guilda. As cinzas das pessoas que antes corriam desesperadas por ajuda, eram levadas calmamente com o vento, sendo arrastadas pelos ares como poeiras insignificantes.

Os gritos cessaram repentinamente, os passos exasperados não batiam mais sobre o chão, e a unica  coisa que era ouvida naquele lugar silencioso, era o choro, o choro da garota de cabelos negros - um pouco chamuscados - que se encontrava ajoelhada perante os corpos antes tão cheios de vida de seus amigos. Tudo acontecera tão rápido... em um momento os mesmos brincavam e zoavam uns aos outros e em outro lutavam sem chances de proteger aquilo e aqueles que amavam.

Fungou mais uma vez, não entendendo o porquê de ter sido ela a sobreviver, por que apenas  ela?! Nada mais fazia sentido em sua cabeça, pois estava ocupada demais tentando escolher apenas uma emoção para sentir naquele emaranhado de dores e sofrimento em que seu coração estava. Era como um labirinto... porém, mesmo correndo para pegar todos os caminhos, nunca encontrara a verdadeira saída para aquele inferno no qual estava. 

Sabia que sua única escapatoria para aquilo era a morte, porém descogitou esta opção no momento em que se lembrou de quais vidas foram tiradas, sacrificadas, para que a sua ainda estivesse ali, fluindo, mesmo que muito fraca.

Levantou-se, engoliu o choro com um olhar perdido e determinado sussurrou antes de começar a correr:

-Eu vou lhes vingar e salvar o que não pude salvar aqui... eu prometo. - Sua voz saiu embargada e rouca, enquanto seus lábios ainda tremiam por causa de todas as frustações e lembranças que circulavam sua mente. - Espero ter forças para salvá-lo também...

Assim que ouviu o ultimo estrondo, não muito longe da onde estava, pegou sua capa preta e com agilidade a pôs em si, tapando sua cabeça com o capuz, começando a correr em uma velocidade da qual para muitos, seria anormal... Mas afinal, o que era normal em seu mundo? Onde a magia existia...?

"existia" pois a maioria, ou melhor, todos os magos que antes faziam isto,  foram aniquilados, tirando ela, que foi protegida por seus amigos e ele, que os aniquilou sem dó ou piedade, cego pela raiva de anos acumulada.

Viu o portão brilhante fechando-se e apertou o passo, com seu colar em mãos, olhou uma unica vez para trás, para encarar pela ultima vez os corpos de seus queridos companheiros, mas o que encontra, era o que mais temia; Os olhos vermelhos encararam suas orbes âmbars intensamente enquanto corria até si.

Arregalou os olhos, pensando que não iria conseguir, quando subtamente caiu para detro do portal brilhante, vendo as mãos cheias de garras se fecharem a centimetros de seu rosto, desaparecendo em meio as brilhantes faíscas que se misturavam com as lágrimas que sairam de seus olhos, no ultimo instante em que viu a face deformada daquele que um dia amou...

***

 O garoto olhou para a figura adormecida no meio da grande cratera a qual tinha acabado de cair, curioso e analítico, observando cada detalhe de seu rosto um pouco machucado, mas ao mesmo tempo delicado, tanto que ficou com medo de lhe tocar e quebrá-la. Não imaginava que o que sua mãe havia lhe dito era verdade, que poderia encontrar de tudo quando saisse um pouco de casa. O mesmo sabia que o que a velha queria era mais que ele larga-se os video-games de lado, mas mesmo assim, não achou que fosse encontrar algo assim no meio de um acampamente em família.

Engoliu em seco ao ver o utensílio brilhando no peito da mulher encapuzada, percebendo que o que se encontrava ali eram mais do que um simples colar, eram chaves de ouro penduradas nele!

Sorriu de canto, pensando em quanto dinheiro poderia ganhar com aquilo, e lentamente aproximou sua mão do tesouro do qual havia achado, quando a mesma é parada no ar, seguradas pela pequena mão da mulher antes desacordada. tremeu por dentro ao perceber os olhos penetrantes dela, o fitando curiosa e ao mesmo tempo com raiva.

-Não toque. - falou sem nenhuma expressão em seu rosto, conseguindo por algum medo no garoto de 12 anos.

Então assim o fez, soltou as chaves rapidamente, caindo para trás. vendo-a levantar-se com alguma dificuldade, provavelmente ignorando o ocorrido, espreguiçando-se preguiçosamente e acabando por estralar algumas partes do corpo, forçando o garoto a fazer algumas caretas de agonia ao os ouvir.

-E quem é você? - perguntou sem olhá-lo.

-M-meu nome é Lucas... - respondeu em um fio de voz.

-Hmm...  Não roube mais coisas assim de estranhos... -  murmurou observando o local envolto de árvores. 

Olhou para o estranho relógio dourado em seu pulso e suspirou, o tapando novamente com sua capa. Lucas conseguiu perceber seu braço tremendo, cheio de queimauras antes de ser escondido, enquanto cambaleava para longe dele. Perguntou-se como a mesma ainda estava de pé com tantos ferimentos e aparentando estar tão fraca, e no impulso exclamou:

-Espera! 

-O que? - A garota apenas parou de andar.

-Qual o seu nome? - perguntou, curioso e estranhamente adimirado pela força dela.

A morena o analisou de cima a baixo, como se pudesse ver através de si por alguns longos segundos, até que começou a andar novamente, murmurando;

-Meu nome... é Helena Heartifilia. - E com estas ultimas palavras, desapareceu em meio a uma luz ofuscante.

 


Notas Finais


Okay gente, aqui vão as regras e requisições:

Ficha por jornal. (Envie pelos comentários ou por mensagem)

Personagens com aparencias REAIS.

Caprichem!

Todos temos defeitos, tanto quanto temos qualidades, não gostaria de nenhum personagem certinho demais.

Não reservo vagas! (7 vagas no total)

Se leu até aqui, escreva "Nakama" Como palavra chave.

Obrigadinha pela atenção ^^


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...