História As ordens de Afrodite: A busca pelo amante - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Mitologia Grega, Os Heróis do Olimpo, Percy Jackson & os Olimpianos
Personagens Personagens Originais
Tags Ação, Heróis Do Olimpo, Mitologia, Olimpo, Percy Jackson
Exibições 9
Palavras 2.360
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Fantasia, Ficção, Luta, Romance e Novela, Saga, Shonen-Ai, Shoujo-Ai, Shounen
Avisos: Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Spoilers
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir culturas, crenças, tradições ou costumes.

Notas do Autor


Espero que vocês gostem, esse capitulo foi um muito difícil de se escrever mas ainda assim eu gostei do resultado. Nos vemos nas notas finais.

Capítulo 3 - Leon


Fanfic / Fanfiction As ordens de Afrodite: A busca pelo amante - Capítulo 3 - Leon

Leon Madilson 

Leon acordou sentindo a pior dor de cabeça de todos os tempos, aos poucos ele se lembrou do que havia ocorrido e então abriu os olhos. 

Ele estava na enfermaria do Acampamento, sua cama era simples com uma estrutura metálica e um colchão coberto por lençóis brancos, havia cortinas o separando do que provavelmente eram outros feridos.

Ele tentou se levantar para ver se via alguém mas algo o prendeu na cama. Em seus braços haviam duas pulseiras de um material macio que se ligavam em elásticos presos a cama, ao perceber isso as vozes na cabeça de Leon se revoltaram. 

Sério isso? Prenderam você e você vai deixar barato assim? 

—Calem a boca.- disse o filho de Lyssa para suas vozes enquanto ele se sentava na cama. Embora fosse uma boa tentativa as vozes continuavam falando. 

—Oi? Você disse alguma coisa?- disse uma voz assustada que vinha-se aproximando do outro lado da cortina, de repente um semideus colocou sua cabeça para fora da cortina vendo que Leon estava acordado. Ele tinha os olhos verdes e os cabelos loiros dourados, a pele era ligeiramente bronzeada. 

—Bem, eu acordei né? Então você já pode me soltar.- o filho de Lyssa disse para o semideus a sua frente. 

—Claro, mas antes preciso fazer os exames.- disse o semideus em resposta tirando o estetoscópio do pescoço e tentando posiciona-lo no peito de Leon com as mãos tremendo bastante. 

Viu? Primeiro eles te prendem agora estão com medo de você. Você não é querido no Acampamento.  Disseram as vozes mas Leon simplesmente as ignorou. 

—Você não vai para de tremer não?- disse Leon olhando para o semideus que olhou o filho de Lyssa tremendo e com pânico no rosto. 

—Meus deuses, deixe que eu cuido desse paciente vai checar os outros feridos.- disse uma autoritária voz que ressoou na enfermaria sendo seguida por um garoto que apareceu na cortina de Leon. Ele era mais baixo do que Leon, tinha os cabelos em um loiro escuro quase castanho e os olhos que pareciam mel, por cima de sua blusa do Acampamento ele usava um jaleco e atravessada em seu tronco havia uma bolsa como se fosse de um universitário. 

Iihh... Chegou o rei da cocada preta.  Soaram as vozes na cabeça de Leon, debochadas. 

—Desculpe por isso.- disse o semideus depois de expulsar o outro olhando o filho de Lyssa nos olhos. Diferente do outro semideus que tinha medo no olhar, este semideus que agora atendia Leon tinha um olhar focado e confiante.- Sou Lukas Reeze, soh um filho de Asclepio aqui no Acampamento. Você é Leon não? Que belo show você deu. 

Leon então olhou para o chão se lembrando do ocorrido. 

Nooó, se fosse eu não deixava hein? Ele tá te provocando. Disseram as vozes que sempre tinham mais força quando Leon tinha momentos de insegurança. 

—Muitas pessoas ficaram feridas?- perguntou Leon a Lukas com sua voz quase desaparecendo. 

—Não se preocupe ok?- disse o filho de Asclepio de forma reconfortante. 

—Alguém morreu?- perguntou Leon dessa vez olhando para o chão.

—Não, Angel chegou lá antes que alguma coisa acontecesse.- disse novamente Lukas. 

—Por falar nisso, como eu cheguei aqui?- Leon perguntou algo que já há algum tempo estava martelando em sua cabeça. 

—Você passou a noite lá com Angel e de manha você estava dormindo então Quiron te trouxe para cá onde você dormiu mais dois dias até agora que você acordou.- Lukas respondeu checando a respiração de Leon e como quem parece satisfeito piscou e esboçou um sorriso. 

—Bem, você não teve nada de mais, acho que isso já aconteceu antes não é?- perguntou Lukas recebendo como resposta um aceno de cabeça.- Pois bem você já pode ir.- completou o filho de Asclepio retirando as pulseiras dos braços de Leon. 

—Obrigado.- disse Leon saindo pela porta da enfermaria. 

Andando em direção ao seu chalé o filho de Lyssa percebeu que as pessoas pareciam se afastar dele quando ele passava, quase como se fosse uma distância de segurança. 

Leon apressou o passo e logo estava em seu chalé. O chalé de Lyssa era uma casa comum por fora, com as paredes brancas e as portas e janelas vermelhas, mas lá dentro tinha alguma aura magnífica que fazia com que todas as vozes se calassem, nem mesmo um risco de voz podia ser ouvida na cabeça de Leon. Então ele suspirou agradecido adentrando mais no chalé. 

O chalé por dentro também continha as paredes brancas e qualquer detalhe em vermelho, o que incluía o chão. Haviam poucas camas e elas eram todas dispersas de forma aleatória sendo que Leon por ser o único filho de Lyssa no Acampamento escolheu para si uma na parede. 

Assim que chegou Leon tomou um banho rápido e vestiu a roupa do Acampamento e depois se deitou na sua cama esperando o tempo passar, ele adorava fazer isso, ter seus pensamentos vazios sem a intromissão das vozes. Teria sido ótimo passar o resto do dia assim se não fosse a fome. Calmamente Leon se levantou e foi em busca da porta, ao abri-la e sair para fora da construção as vozes voltaram a falar. 

Você quer nos matar de tédio? Deixando a gente tanto tempo assim parado? Perguntou uma das vozes. 

—Na verdade sim e infelizmente isso não é possível.- disse o filho de Lyssa respondendo as vozes. 

Aos poucos e devagar ele foi para o refeitório. Chegando lá ele se sentou em uma mesa que não tinha ninguém e imaginou um hambúrguer que rapidamente apareceu em seu prato. Enquanto mastigava ele percebeu que as pessoas que passavam a frente de sua mesa sempre diminuíam o passo e cochichavam algo como se algum movimento brusco fosse acordar o monstro que Leon era. O filho de Lyssa percebeu essa situação mas embora se sentisse mal, percebeu que em nada mudava em sua vida. Ele não tinha amigos antes, agora a grande diferença é que as pessoas não trombariam mais nele. 

Ele continuava a comer e observar o ambiente. Às vezes ele ouvia um ou outro pensamento mas nada que fosse muito significativo. Ele então começou a se distrair conversando com as vozes, o único lado positivo da existência delas era que Leon nunca perdia alguém para conversar. 

Quando terminou de comer Leon foi voltando para a lagoa de canoagem, era um dos únicos lugares do Acampamento que ele se permitia ir  já que ele não queria acordar Amon e no lago as vozes pareciam se calar quando ele tocava a água. 

Ele foi andando e as pessoas continuavam mantendo distância, era quase como se Leon fosse um vírus super contagioso. Quando ele chegou mais perto do lago viu que Angel estava lá com seus amigos e na mesma hora ele tentou dar meia volta, mas aquela menina o viu. 

—Vem cá Leon.- disse Mary com a voz carregada de charme, Leon não sentiu nenhuma vontade de obedecê-la, como filho de Lyssa ele tinha uma certa imunidade a ataques mentais, o que incluía o charme. Mesmo assim Leon foi até eles, se não fosse, ele seria perseguido então era mais fácil escolher a opção que envolvia menor esforço. 

—Leon. Nós não sabíamos que você já tinha acordado senão iriamos lá te ver.- disse a filha de Afrodite, ao lado dela com a mão na cintura de Mary estava Mat que tinha um imenso curativo no braço e andava quase como um robô. Naquele momento Leon sentiu culpa. Não que fosse realmente culpa dele, mas ele tinha que ter controlado Amon melhor. Do lado de Mat estavam Angel e Jonas. 

—Ah sim, acordei mais cedo hoje, mas acho que já vou voltar para o meu chalé, estou meio cansado.- Leon disse tentando se livrar daquela situação. Ele sabia que aquelas pessoas não gostavam dele, o que ele podia fazer cada um com sua opinião. 

—Ah mas não vai mesmo.- disse Jonas com uma voz carregada de ódio. 

—Nós temos uma conta pra acertar com você.- disse Mat que tentava se mover mas ainda parecia um robô se mexendo. 

—Por favor, vocês não se lembram do que houve há poucos dias atras não?- disse Leon. 

—Sim nos lembramos. Mas dessa vez temos uma arma secreta.- disse Mary fazendo uma pausa dramática e em seguida apontando para Angel.- Você nunca machucaria a Angel, então você vai continuar aqui paradinho. 

Raiva começou a borbulhar dentro de Leon. As vozes pareciam acompanhar seu sentimento. 

Quem você acha que é hein piranha? Fala assim comigo que você vai virar sopa. Disseram as vozes na cabeça de Leon o fazendo esboçar um sorriso. 

Leon então viu Jonas vir até ele, o filho de Quione era mais baixo do que Leon porém ele podia olhar seus poderes. Primeiro ele puxou o filho de Lyssa pela gola da camisa o fazendo se abaixar alguns centímetros e depois o ar resfriou. Ao redor de Leon o ar parecia esfriar rapidamente, sua blusa tinha uma fina camada de neve, sua pele foi ficando um pouco vermelha, quase como se queimasse com o frio. Mas então ele chegou. 

—Pessoal, o Quiron recebeu uma visita e quer todos os líderes de chalé lá.- disse William que chegou na hora certa. Na mesma hora o frio parou Jonas se afastou seguindo William enquanto Mary e Mat faziam o caminho contrário, eles não eram líderes de chalé, enquanto isso Angel tentava falar com Leon. 

—Você está bem?- perguntou a filha de Iris. 

—Claro, não se preocupe Angel, vamos andando, já chamei atenção demais por tão poucos dias.- respondeu Leon seguindo Jonas e William e sendo seguido por Angel. 

A mesa da Casa Grande era imensa, os líderes de chalé, Quiron, a Oráculo e até uma mulher que provavelmente era a visita, todos conseguiram se sentar na mesa. 

—Bem, quero apresentar a vocês nossa visitante inesperada.- disse Quiron apontando para a mulher ao seu lado, ela era bela, tinha os traços latinos e o cabelo ondulado preso em uma trança repleta de rosas, ainda assim, parecia difícil definir o rosto dela, os traços seguiam um padrão latino mas pareciam se reinventar a cada segundo, sua roupa era um vestido vermelho provocante e joias extremamente caras espalhadas pelo corpo.- Essa é Afrodite, a deusa da beleza. 

Todos na sala soltaram um pequeno Óhh até mesmo a conselheira chefe do chalé de Afrodite parecia surpresa com a presença da deusa ali. 

—Bem queridos e queridas, eu venho aqui pedir uma missão a vocês.- o Óh que os semideuses soltaram foi maior ainda, missões já eram algo raro, mas uma deusa vir pedir a missão, isso era quase impossível.- Bem, acredito que todos vocês conheçam a história de Adonis, se não a conhecem, vão procurar depois. Bem, Adonis havia prometido passar oito meses do ano comigo e quatro com Persefone criando assim o ciclo da colheita. Porém, esse ano Adonis saiu para ir ver Persefone e não voltou, primeiramente desconfiei de Persefone mas ele também não havia passado os quatro meses anteriores com ela. Então eu preciso que vocês o achem para mim. 

Afrodite falou com a voz doce e explicou o que queria como se tudo não passasse de um planejamento para alguma festa. 

—Sim mas quem vai? -perguntou um semideus qualquer que estava presente. 

—Bem, isso eu tenho que ver.- disse Afrodite como se fosse analisar roupas no shopping. –Levantem-se.- ela mandou com a voz autoritária de uma deusa o que fez com que todos os semideuses ali presentes se levantassem. 

Afrodite passava pelas fileiras de pessoas como se buscasse achar algo específico. Ela parou na frente de sua filha e a abraçou, fazendo com que Leon sentisse uma pontada de ciúme. Ele já havia visto a mãe dele em sonhos porém nunca chegará a toca-la muito menos abraçá-la. Afrodite continuou a observar os  semideuses ali presentes parando na frente de Michael, o conselheiro chefe do chalé de Deméter. 

—Você vai.- ela disse apontando o dedo indicador para o garoto e tocando em seu ombro. Depois disso ela seguiu para os filhos dos deuses menores. 

Aos poucos ela puxou a Angel, Milena e Jonas. Todos os que ela escolhia eram semideuses bem treinados e poderosos. Ela então passou e parou na frente de Leon fazendo com que ele rezasse para todos os deuses possíveis pedindo para que ele não fosse escolhido. Como sempre, os deuses não atenderam ao seu pedido. 

—Pronto, o último.- ela disse apontando para Leon.- Espero a vocês uma boa missão e boa sorte. 

Finalmente a gente vai deixar essa espelunca. Comemoravam as vozes. 

—Desculpe senhora mas... eu não vou.- disse Leon um pouco tímido em meio a todos aqueles semideuses. 

O quê?! As vozes começaram a se agitar mas logo discutiam sobre outro assunto. 

—Como assim você não vai?- perguntou a deusa com ódio nos olhos, como podia ele, um simples mortal, ousar desafia-la. 

—Eu não vou.- Leon disse dessa vez com um pouco mais de convicção.- Se eu for, eu vou estragar tudo então não vou. 

Absolutamente todos olharam espantados para Leon, até mesmo Afrodite parecia um pouco chocada com aquela reação. 

—Você está com medo?- falou a deusa mas sua voz saiu mais como uma constatação do que uma pergunta. 

—Sim, estou.- respondeu Leon erguendo o queixo.- Três dias atras eu perdi o controle e ataquei todo mundo ao redor, isso seria mil vezes pior em uma missão. 

—Saiba que eu sou uma deusa e se você me desrespeitar posso dificultar muito sua vida.- ameaçou Afrodite com os olhos brilhando em poder. Todos na sala pareciam estar com medo da deusa ali. 

—Mas nem uma profecia nós temos, as regras são bem claras: precisamos de uma profecia.- disse Leon jogando o argumento quase que como uma cartada final. 

—Bem, não que isso seja um problema. Eu tenho a profecia.- falou Afrodite fazendo um papel e caneta surgirem em sua mão.- Pronta aí está sua profecia e agora você vai.-Afrodite completou oferecendo o papel para Leon que o pegou. A deusa em seguida desapareceu em um tornado de rosas e perfumes.

No papel de Leon havia provavelmente a menor profecia já feita, estava escrito em uma letra bela e bordada a seguinte frase: você vai por que eu estou mandando. 


Notas Finais


Espero muito que tenham gostado, o próximo capítulo é mais divertido. Me digam o que acharam, favoritem, comentem, critiquem.
Até o próximo capítulo.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...