História As paixões de July II - Capítulo 24


Escrita por: ~

Postado
Categorias CNBlue, EXO, Infinite, Monsta X, NU'EST, SHINee, VIXX
Personagens Baekho, Chanyeol, Dongwoo, Hongbin, Hoya, Hyung Won, Kai, Kang Min Hyuk, Leo, N, Personagens Originais, Ravi, Ren, Suho, Sunggyu, Taemin Lee, Won Ho
Tags Drama, Exo, Hospital, Infinite, Monsta X, Morte, Nu'est, Sangue, Shinee, Vixx
Visualizações 10
Palavras 2.062
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Hentai, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


09/08/2016 - terça-feira e 17/08/2016 quarta-feira

Capítulo 24 - XXIV


Fanfic / Fanfiction As paixões de July II - Capítulo 24 - XXIV

-Que? Hoje? Elas vem hoje? Edu diz que estou sonhando, ou pior tendo um pesadelo...

-Não July, as mães chegam hoje de noite! Elas querem organizar o seu casamento.

-Eu irei me matar...! Dois meses com as duas aqui, jura! NÃÃÃÃÃOOOOOOOOOOOOO!!!!!!!!!!!!!!!!! (desespero). Elas irão me enlouquecer, com vestido, comida, salão, igreja e aquele monte de baboseiras que tem em casamentos... Já chega o “pai” querendo trazer metade dos médicos que existem no mundo... Agora isso. Vou cancelar o casamento! (comecei a chorar feito criança).

Chin veio correndo e me abraçou, olhou para o Edu e fez um sinal para ele sair.

-Ju, senta aqui comigo. Pensa que se cancelar o casamento irá magoar o Dongwoo pela segunda vez. Ele não merece. Deixa-os viverem esse sonho! Aproveite que não terá que correr atrás de tudo, elas fazem, você diz sim ou não. Você quer que eu aproveite a festa e não faça a comida, eu indico para elas o buffet, e elas se viram. Eles estão felizes, é a filhinha deles que está casando. E ai que irá metade dos médicos do mundo no seu casamento, aumente o número de convidados, sabe que seu “pai” pagará tudo, deixa ele mostrar ao mundo a filha, o grande orgulho dele, a bem sucedida vice diretora do hospital mais bem conceituado da Coreia do Sul casando. Nós sabemos que ele nos aceita July, mas Edu e eu não temos o casamento dos sonhos dele, e você sabe bem disso!

-Eu sei Chin, mas tudo isso me assusta... Queria algo bem família, agora fugiu do meu controle.

-Sabe do que você precisa? Ir trabalhar, vai, ocupar sua cabecinha e esquece o casamento. E a propósito elas irão ficar no seu apartamento. Não querem ficar aqui. Então nós teremos nossas privacidades, falta poucos dias e o Dongwoo estará aqui de volta. Relaxa. Vai com o Edu , ele já está saindo...

Fui em casa e peguei minhas coisas. Fomos conversando para o hospital. Peguei minha agenda, vi que Yunjun teria uma cirurgia a tarde, pedi para Sook confirmar minha presença, neste momento precisava de algo para me fazer esquecer do mundo lá fora, nada melhor que uma cirurgia.

-Sook, arruma uma convenção semana que vem para mim que de preferencia dure uma semana, por favor!

-Dra. eu não posso sem autorização do Dr. Antoni e do Dr. Raphael.

-Que bobagem é essa Sook?

-Irei chamar o Dr. Antoni para falar com você.

Entrei na minha sala furiosa... Antoni chegou em seguida com alguns papeis.

-Oi Antoni que droga é essa? Não posso viajar, tenho que pedir permissão agora?

-July, estou com seus últimos exames. Não gostei do que vi neles. Terei que trocar seus remédios.

Arranquei-os da mão dele. –Deixe-me ver isso. Droga! Estão ruins, são meus mesmo ou trocou para me fazer sossegar?

-São seus July! Não queríamos te preocupar, mas precisamos de mais cautela. Seus cuidados terão de ser dobrados.

-Não sou criança Antoni e sou cardiologista também, sei o que tenho que fazer. Acho que a medicação indicada seria um vasodilatador e um diurético no momento, tenho que refazer em três meses. Começo a tomar hoje e você autoriza minha viagem.

-Qual o motivo de querer viajar desse jeito correndo...

-Minhas mães estão vindo, elas irão me deixar mais doente ainda, vão me enlouquecer...

-Está bem, vou autorizar, mas só se não mudar o fuso.

-Obrigada Dr.!

Ren desceu. –Como sua madrinha oficial, é meu dever mantê-la bem, então vamos almoçar...

-Já estou indo madrinha!

Saímos abraçadas, Edu nos viu e gritou no corredor.

-Larga que ela já é comprometida e gosta de coisas que você não tem.

Para que? A resposta veio mais rápido que um bumerangue.

-E você que tem não usa do jeito certo!

Pronto acabou! Sacudi a cabeça e sentei, sabia que a discussão iria longe agora, cara se o Edu não gostasse mesmo do Chin eu diria que é tesão reprimido... Esperei 10 min. para acabar ouvindo, vários absurdos, tais como o Chin não reclama do que tenho, o Ren gosta do buraco que tenho aqui, e depois quando a coisa começou a ficar pesada demais para a recepção de um hospital, eu levantei e puxei a Ren.

-Agora chega, vamos almoçar...

-July, tem certeza que essa coisa vai ficar em cima do altar comigo e o Chin?

-Sim Edu, tenho. A culpa foi sua, você começou!

Saímos e fomos almoçar

-Ai Ren, você sempre cai nas provocações do Du! Controle-se, sabe que ele faz para te incomodar, sempre fez, e você revida...

-Ju, ele me incomoda de verdade com essas brincadeiras. Ele faz o que quiser da vida dele, mas me deixe em paz.

-Quando parar de se incomodar e de revidar, ele não fará mais, já te disse, mas parece que você gosta. E agora chega, vamos mudar de assunto.

-Como imagina seu casamento?

-Só quero uma coisa, fugir...

-Há! July, fala sério.

-Quero que seja do jeito que for, só não abro mão de ser estilo brasileiro cada um com seus padrinhos e madrinhas e cada um escolhe suas roupas e as daminhas... O resto, podem pendurar até cupidos no teto que não me importarei...

-Ai July, você realmente não está feliz com esse casamento né?

-Com o casamento estou, mas com a proporção que ele está tomando não, estou achando que eles irão alugar um salão para 1000 pessoas, sendo que eu queria no máximo 50. Só isso... E eu ainda nem conheci a família dele! Não tenho noção de como será. Isso também me assusta...

Voltamos para o hospital e entrei na cirurgia do Yunjun. Observei e anotei algumas coisas, depois sentei para conversar com ele. No geral ele é excelente. Mãos firmes e precisas. Conversei com a Sook antes de sair ela conseguiu uma convenção no Japão 4 dias do dia 13 ao 16 de agosto. Ótimo 4 dias longe das funções.

Arrumei minhas coisas para ir para casa fazer as apresentações para a convecção. Estava saindo e HaKyeon me esperava.

-Precisamos conversar.

-Não precisamos nada. Estou indo embora

-Espere, fiquei sabendo que irá casar.

-Ficou é, que novidade... As noticias nem correm rápido.

-Vamos sair daqui, por favor, precisamos conversar.

-Está bem, vamos lá na cafeteria.

Sentamos e pedi o de sempre.

-O que tem de tão importante para falar?

-July, Meu capitão e sua Carter ainda estão juntos! Entende?

-Sim entendo, mas não sei se lembra, na série eles não estão juntos desde o inicio. Ele deixou ela. Igual a realidade. Com a diferença que ele teve um bom motivo, tentar salvar o mundo, não por egoísmo ou egocentrismo.

-Eu sei que não soube lidar com sua vida, seu sucesso e seu jeito independente. Tive medo, nunca imaginei encontrar uma mulher totalmente independente. Mas todas as vezes que te procurei, você preferiu não me ouvir, por favor, reconsidere.

-Se eu não reconsiderei aquela vez, não irei fazer agora. Entre nós está totalmente acabado. Agora licença que ainda tenho que fazer duas palestras para semana que vem. Cuide-se!

Cheguei em casa e fui trabalhar, duas palestras novas, seria corrido.

-Ju as chaves do apartamento, onde estão?

-São essas do chaveiro da margarida. Chin, você as trará para cá depois?

-Sim, irão jantar lá em casa, você também, mas eu te chamo, pode trabalhar tranquila.

-Obrigada.

Chegou a hora da janta. O assunto foi casamento, casamento, Kaila e casamento... Chin me olhava e sacudia a cabeça. Cor, flores, cerimônia, mesa quadrada ou redonda, DJ, velas, valsa, vestido, buquê, padre ou pastor...

-NÃO SEI! PAREM... Nós temos dois meses para ver isso, vamos esperar o Dongwoo chegar, depois nós sentamos e acertamos alguns detalhes que serão obrigatórios o resto vocês fazem como acharem mais bonito. Sei que farão o melhor... Confio no bom gosto de vocês duas! Com licença irei trabalhar.

                                                        ****************************

17/08/2016 quarta-feira

Uma semana longe da loucura do casamento, prefiro trabalhar 24 horas do que falar 1 hora desse casamento. Quem será que veio me buscar? Comecei a procurar e vi aquele sorriso lindo, inconfundível. Abracei-o com força.

-Meu amor não me leva a mal, podemos ficar uns dois dias em um hotel?

-O que aconteceu com o apartamento?

-Agora tem 3 mães, 2 irmãs, 1 irmão e 1 cunhado lá falando sobre casamento, você irá surtar! Levo você no hospital para fazer os exames e ficamos naquele hotel ali pertinho para você poder descansar. Já falei para o Edu para não se preocuparem.

-Para aí, 3 mães e 2 irmãs?

-Sim elas deram um jeito de se conhecerem antes de eu chegar.

Tive um ataque de riso.

-O que foi? Não é engraçado, é do nosso casamento que elas estão falando. Nosso dia. Isso não tem graça July.

-Sabe o que mais importa para mim nesse dia é estar com você. Eu só aceitei porque amo você e quero te ver feliz. O que irá ser feito ou não, para mim tanto faz, só tenho algumas coisas que não abro mão. Mas serão coisas que não mudarão os planos delas tenho quase certeza. Meu “pai” irá convidar meio mundo da medicina e eu não estou nem aí...

Fiz os exames e fomos para o hotel.

-Nossa Ju, mesmo quarto, como consegue... Eu admiro seu poder de persuasão, fazer trocar a reserva.

-Eu fiquei amiga deles aqui. Eu gosto deste quarto.

-Nós não usamos esta banheira ainda né? Acho que foi só a cama que eu me lembre.

-Acho que podemos conhecer então!

-Vou lá ligando. Seu celular está tocando Ju.

*Oi July, como está? Tive na sua casa e sua mãe disse que estava no Japão já voltou?

*Leo, eu estou bem, já voltei, mas não estamos em casa. Estamos em um hotel. É urgente?

*Não, eu só queria ver você, saber se está bem. Quando puderem conversar me avisa.

-Dong, o Leo pode vir mais tarde?

-O que ele quer?

-Vir conversar, só isso, como era antes.

-Hum! Fiquei sabendo do N, tem alguma relação?

-Por favor Dongwoo. Sabe que o Leo assim como o Sunggyu, o Taemin, sempre foi imparcial nos meus relacionamentos. Me diz, dá ou não dá?

-Tá tudo bem! Diz para ele vir.

*Leo, estamos no hotel que sempre ficava e no mesmo quarto, venha jantar conosco.

*Certo, estarei ai as 7:00 da noite.

-Agora vamos lá...

-Acho que estou meio cansado, pode ir!

-Começa Dong, lembra que ele foi um dos que ajudou daquela vez.

-Sim, o filho era de um dos amigos dele.

-Aiiii, (falei meio miando para ver se ele voltava atrás), eu quero que venha comigo. Vem! Preciso de você! Vai me deixar fazer sozinha?

Ele pulou da cadeira.

-Não, vamos, eu faço para você...

Deitamos um pouco para assistir tv e acabei dormindo.

-Ei, acorda preguiçosinha, está quase na hora do Leo chegar, você tem que se vestir. Vou pedir o jantar, você tem que tomar seu remédio.

-Não estou tomando mais este, estou tomando outro que é só de manhã.

-Por que mudou?

-Ah! Só para ver se esse será mais eficaz. Vou lá dentro o Leo chegou!

Dongwoo o recebeu, ele entrou e ficaram conversando. Cheguei e Leo me abraçou. Contamos os motivos de estarmos ali, rimos, jantamos, conversamos e rimos mais um pouco. Leo ficou um tempo e foi embora.

-Está bem, desculpa. Ele não tem segundas intenções.

-Eu sei disso, foi o que eu lhe falei. Ei ainda estou com saudade, acho que eu preciso de você aqui na cama comigo...

-Estou indo, mas para faze-la dormir, não para o que você quer, notei que está bem ofegante. Vai me dizer o motivo da troca do remédio, eu acho que o Leo sabe, fez questão de questionar e mostrar a preocupação dele quanto a isso.

-Se sabe, eu não tenho ideia de como soube. Eu mesma descobri pouco antes de ir para o Japão, não falei para ninguém, nem para o Edu. O Antoni encontrou uns vasos meio rebeldes, então estamos tratando para doma-los. Só que leva um tempo. Irei apresentar fadiga, respiração ofegante, vertigens e algumas dores leves. Mas estou bem. Vem, agora estou bem... Nós só iremos nos casar daqui a dois meses, depois nós vemos como é, dizem que diminui a frequência, então aproveita, estou aqui.

-Não irá diminuir, eu sei... Agora vamos dormir. E amanhã nós iremos juntos com a Ren e o Edu ver nossas roupas.  Boa noite!

-Aiiii. Boa noite. Me abraça.

 

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...